Curiosidades Bíblicas

Curiosidades dos aspectos culturais, sociais, geográficos e religioso!

Sermões

Sermões fáceis de pregar

Pensamentos de Ellen White

Coleção de Pensamentos de Ellen White - Diversos Temas!

Sermões para Ocasiões Especiais

Batismo, Santa-Ceia, Formatura e muito mais!

sexta-feira, 10 de março de 2017

Como Vencer a Depressão


Exposição do Salmo 42

Vou fazer uma pergunta óbvia, mas necessária, como uma introdução à mensagem desta hora: Você já se sentiu abandonado, esquecido? Você já experimentou uma grande angústia na vida? Já foi pisoteado por pessoas de sua amizade? Já sofreu na mão de outros? Já foi mal compreendido? Você tem inimigos que o prejudicaram? Então, você se parece com o autor do Salmo 42.

Vamos hoje estudar o Salmo 42, que contém uma mensagem especial para todos os cristãos.

I – O DESEJO DE DAVI

V.1-2: "Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por ti, ó Deus, suspira a minha alma. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo; quando irei e me verei perante a face de Deus?"

Davi se encontrava em um dia de verão, e olhou para as corças sedentas, impossibilitadas de chegarem aos poucos lugares onde estavam as raras fontes de água, porque os animais selvagens as impediam de se aproximar. Então, ele escreveu este salmo, dizendo em suas primeiras palavras que o anseio das corças pelas águas era semelhante ao seu anseio por Deus. Ele almejava ardentemente se encontrar com o Senhor, ver a face de Deus.

Davi tinha sede de Deus. Ele dizia: "a minha alma tem sede de Deus". De que você tem sede? Alguns têm sede de licor; vinho ou cerveja. Outros têm sede de diversões. Outros ainda têm sede de vingança. Davi tinha sede de Deus.

O cristão tem sede de Deus. Ele deseja ansiosamente ter um encontro com Deus. Ele deseja ver a face de Deus. Ele tem a esperança de ver a glória de Deus.

Como podemos saber se temos sede de Deus?
- Você anseia estar na presença de Deus.
- Você tem prazer de orar.
- Você tem alegria em vir à igreja.
- Você tem gosto pelo estudo da Bíblia.
- Você deseja conhecer mais a Deus.

Como é o Deus, de quem Davi tinha sede?

 V. 2: Sede do "Deus vivo" –em meio a um mundo pagão essencialmente religioso que adorava a muitos deuses mortos, falsos, imagens de deuses que tinham olhos mas não enxergavam; tinham ouvidos mas não ouviam; tinham bocas mas não falavam; mãos que não apalpavam – Davi se dirige a um Deus vivo.

Nietzsche, (Friedrich, 1844-1900), um filósofo existencialista do séc. 19, foi o primeiro a declarar uma doutrina estranha de que "Deus morreu!" E ele teve uma grande influência nos meios filosóficos e teológicos, e muitos aceitaram esta teoria diabólica. Teólogos sem teologia influenciados pela nova tendência, pregavam a morte de Deus. Então, muitos vibraram com a notícia, porque não precisavam mais se preocupar com a responsabilidade do juízo, e podiam fazer o que bem entendiam em sua vida, sem precisar dar satisfação ao Deus dos cristãos. Entretanto, quem morreu foi Nietsche, numa forma dramática, porque se tornou louco e se suicidou.

Mas a filosofia ainda persiste, mesmo em alguns meios teológicos. E um dia, perguntaram a Billy Graham, em uma entrevista na televisão, nos Estados Unidos: Dr. Billy Graham, o que o senhor acha da ideia de que 'Deus morreu'?" E ele simplesmente respondeu: "Se Deus morreu? Impossível; eu acabei de falar com Ele agora, há poucos minutos atrás!"

Davi queria estar na presença de Deus: "Quando irei e me verei perante a face de Deus?" Este era o desejo de Davi: estar na própria presença de Deus. Quando muitos se sentiam mal em estar com Deus, ele apreciava a comunhão com Deus.
Por que Davi ansiava por Deus tão intensamente?

V. 3: "As minhas lágrimas têm sido o meu alimento dia e noite, enquanto me dizem continuamente: O teu Deus, onde está?" Davi sofria tanto que já nem se alimentava; só chorava, derramando lágrimas de angústia.

Há uma relação entre lágrimas e alimento: quando existem lágrimas, quando a alma está atribulada por uma grande angústia, quando alguém chora dia e noite, não come e não dorme. Como resultado, perde as suas energias vitais, o sistema imunológico se debilita e logo adoece. Alguma coisa urgente precisa ser feita para que essa pessoa não caia em uma depressão profunda, e não morra.

Mas o que estava acontecendo com Davi?

Opressão psicológica dos inimigos: Davi estava sendo oprimido por seus inimigos que o desafiavam em sua confiança: "Onde está o teu Deus?" Eles estavam dizendo: "Você está atribulado, você está encrencado, você está arruinado! Onde está o seu Deus em quem você tanto confiava?"

Mas isso não era ocasional. Eles estavam falando "continuamente". Agora, uma acusação é suportável, mas quando isso acontece continuamente, a intensidade da tribulação aumenta em muitos graus.

Jesus Cristo passou por isso: No deserto da Tentação, Satanás se aproximou dEle e Lhe disse: "Onde está o Seu Deus? Olha para a sua situação: solitário aqui no deserto, faminto, sem a compreensão do Seu povo. Onde está o Seu Pai? Será que você é mesmo o Filho de Deus? Então prove. Aqui estão essas pedras; por que você não transforma estas pedras em pão!"

Na cruz do Calvário, os Seus inimigos disseram: "Onde está o Teu Deus? Não confiou tanto em Deus? Por que Ele não vem livrá-lo agora? Vamos, desça agora da cruz, e creremos!" E então, se intensificaram as angústias do Salvador, porque O afrontavam aqueles a quem Ele viera salvar.

Davi se lembrava da Casa de Deus: v. 4: "Lembro-me destas coisas — e dentro de mim se me derrama a alma — de como passava eu com a multidão de povo e os guiava em procissão à Casa de Deus, entre gritos de alegria e louvor, multidão em festa." Davi se encontrava no desterro, longe da Casa de Deus, e se sentia saudoso dos tempos em que levava o povo de Israel para adorar a Jeová, e agora se achava anelante pelos Seus tabernáculos. Ele não podia se encontrar lá por causa dos seus adversários, que o impediam de ir a Jerusalém, ao próprio centro religioso onde se encontrava a Casa de Deus.

A vida do cristão é de alegria e louvor. Cada sábado é um grande motivo para alegria e louvor. A vida do cristão é adornada do fruto do Espírito Santo, não só aos sábados, mas em toda a sua existência. A comunhão com Deus é uma festa para a alma, que se encontra liberta do pecado e dos seus inimigos. Mas aquele era um momento de angústia para Davi. Ele não estava em festa.

Os seus inimigos o ridicularizavam, zombavam dele, dizendo: "Onde está o teu Deus em quem tanto você confiava? Veja a sua situação: desterrado, abatido, miserável, fugindo de um rei que é o teu próprio sogro! Onde está o teu Deus para te livrar agora?"

Quais eram os sentimentos de Davi?

v. 6: "Sinto abatida dentro de mim a minha alma". Davi se encontrava abatido, deprimido, em uma profunda depressão.

Mas é justamente quando estamos abatidos que devemos nos lembrar de Deus: "Estou abatido, portanto, me lembro de Ti", disse o salmista: Nas "terras do Jordão", na "montanha de Mizar” e no "monte Hermon" eu me lembro de Ti. Davi conhecia muito bem esses lugares da Palestina, e por onde andava, ele se lembrava de Deus, quando Deus o ajudara noutros tempos.

Este é o grande segredo para vencer a depressão: Lembre-se de Deus: a lembrança de Deus é o remédio para o desânimo. Lembre-se de como é Deus em Seus maravilhosos atributos, em Seu poder e Sua justiça e Seu amor, que nunca o esquece, embora os outros possam estar se esquecendo de você. Mas este era o sentimento de Davi: Ele sentia abatida a sua alma.

É importante o sentimento? Sim, ou não?

1 – Importância: os sentimentos são importantes por causa dos resultados, porque podem afetar o corpo todo e causar graves doenças físicas. Há uma estreita relação entre a mente e o corpo. Sentimentos alegres produzem saúde e vigor. Sentimentos tristes podem abater a parte física, trazendo moléstias.

2 – Não é importante, por quê? Sentimentos não são confiáveis: eles são muito instáveis. Mudam a todo o momento. Sentimentos muitas vezes são o produto de pensamentos negativos e incorretos. Muitas vezes são o resultado de preconceito e falta de informação. Os sentimentos não são a base de nossa vida. Sentimentos não são fé. Fé está além dos sentimentos. A fé pode remover montanhas de sentimentos negativos.

Qual era a intensidade dos sentimentos de Davi?

v. 7: "Um abismo chama outro abismo". O que significa isso? Eu não podia entender esse verso, até que eu estudei o significado da palavra "abismo" no original. A palavra hebraica é "tehôm", e o significado mais próprio é onda, vagalhão de águas, como no mar, as ondas e vagalhões se amontoam sobre as rochas. A tradução poderia ser: "Um vagalhão chama outro vagalhão". Agora podemos entender melhor: uma onda gigante se sobrepõe a outra onda, um vagalhão de águas se alteia sobre outros vagalhões. "Catadupas" são cataratas, imensas quedas de águas, uma avalanche ameaçadora.

Davi estava se sentindo tão atribulado, a sua angústia era tão intensa, como se as águas o envolvessem, num imenso tsunami sobre ele; como se as ondas altaneiras e volumosas em vagalhões se derramassem contra ele e o ameaçassem tragar, levando-o à morte.

Mas, o que estava fazendo Deus nesta hora de aflição?

V. 8: "O SENHOR, durante o dia, me concede a sua misericórdia, e à noite comigo está o seu cântico, uma oração ao Deus da minha vida." Em meio às ondas revoltas da tribulação, Davi expressa a sua total confiança nas ações de Deus. Ele concede a Sua misericórdia diariamente, oferece motivo para cantarmos e orarmos, para que tenhamos intimidade com Ele de tal modo que O sentimos tão perto de nós, consolando-nos, a ponto de O chamarmos "o Deus de minha vida".  Este será o nosso cântico de alegria. Cantamos orando e oramos cantando.

Esta é uma grande lição para nós: muitas vezes, quando estamos aflitos e angustiados, esquecemos dAquele que está vivo e providenciando todas as coisas para a nossa vida e conforto. Quando estamos em agonia, deprimidos, desanimados não vamos esquecer que Deus está enviando a Sua misericórdia e nos dando motivos para cantar um novo cântico de alegria.

II – O DESESPERO DE DAVI

Mas Davi estava em pânico e desespero. Ele precisava de uma Rocha, em que se firmar, em meio à avalanche de águas ameaçadoras. V. 9: "Digo a Deus, minha Rocha". Davi fala a Deus sobre os seus sentimentos. Ele está num grande desabafo, e ele queria ser ouvido por Deus: "Digo a Deus". É importante fazer declarações e desabafos diante de Deus. Os psicólogos hoje ganham muito dinheiro porque as pessoas os procuram para desabafar o que vai em sua alma.

Isso em Psicologia se chama "catarse": a liberação terapêutica das emoções que causam tensão ou ansiedade. Os psicólogos colocam os pacientes num divã e eles começam, a desabafar, falando tudo o que aflige sua alma, a começar pela infância. E nesse desabafo, nessa catarse, eles se sentem aliviados, colocando a sua confiança nesses conselheiros populares, que muitas vezes, se não são cristãos, podem desencaminhar a muitas almas iludidas.

O que Davi dizia a Deus? Ele lhe apresenta 2 "por quês". Você já se defrontou dizendo a Deus: "Senhor, por quê?"? "Por que isso está acontecendo comigo?" Mas ao invés de dizer "por quê?", deveríamos dizer: "Para quê?", porque há sempre um propósito saudável em todas as coisas que nos acontecem. Disse o apóstolo Paulo: "Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus" (Rom. 8:28). Ele não disse que todas as coisas são boas; ele disse que todas as coisas cooperam para o nosso bem. Deus tem sempre um propósito para enobrecer, para burilar, para aperfeiçoar o nosso caráter. E isso acontece por meio de muitas tribulações.

1- Por que Te olvidaste?

Olvidar é esquecer, é abandonar. Alguém aqui gosta de ser esquecido? O filme "Esqueceram de Mim" alcançou um sucesso extraordinário, porque ninguém gosta de ser esquecido. Mas ser esquecido, abandonado de Deus é a maior tragédia que poderia acontecer com alguém. E Davi em seu desespero, julgou que Deus o abandonara.

Jesus Cristo disse a mesma coisa. No monte do Calvário, num momento de inexprimível angústia, o Salvador clamou em desespero: "Deus meu, Deus meu, por que Me abandonaste?" Mas as palavras de Cristo foram corretas: Ele Se sentiu abandonado por Deus e de fato, Ele teve que ser separado de Deus e ser abandonado por Seu Pai, a fim de que nós e toda a humanidade, inclusive Davi, jamais fôssemos abandonados.

Teria Deus Se esquecido de Davi? Será que Deus esquece de algum cristão? Não, Deus não Se esquece de ninguém. O Seu amor é tão abrangente que Ele inclui a todos os homens: Ele não Se esquece dos que guardam os Seus mandamentos e dos que pecam contra Ele. Ele não Se esquece dos que Se lembram dEle e dos que O esquecem. Ele não Se esquece dos que O amam e dos que são indiferentes. Ele não Se esquece dos justos nem dos ímpios. Ele não Se esquece de ninguém. Sua memória é infalível, mesmo que tenha um Universo para cuidar.

Mas, se Deus não esquece a ninguém, por que muitas vezes os cristãos se sentem abandonados?

Quando você está doente, aflito e desencorajado,
Quando morreu alguém de sua família,
Quando você se decepcionou com um grande amor,
Quando você não tem dinheiro para pagar as contas,
Quando você está em depressão, aflito ou desesperado,
Quando você pensa que cometeu o pecado imperdoável.

Estas circunstâncias podem levar a uma pessoa a pensar erroneamente que Deus a abandonou. Mas isso é apenas um pensamento da insegurança. Não é correto, e deve ser corrigido, imediatamente, porque tudo isso é falta de fé em um Deus amoroso. O salmista estava enganado acerca de Deus sobre si mesmo: Deus não o abandonara, nem o esquecera.

Mas aqui há uma virtude que deve ser imitada. Davi sabe contar a Deus o que vai no íntimo de sua alma, ele sabe falar de seus sentimentos para o Senhor. "Por que Te esqueceste de mim?" - isto era o que se passava em sua mente, e ele não se intimida em falar a Deus porque o considera como um Pai, a quem ele pode falar de tudo o que se passa em sua vida.

2- Por que hei de lamentar? Ele não queria andar lamentando e se humilhando. Mas os seus olhos estavam sobre o real problema: os seus inimigos e ele mesmo: "Por que hei de lamentar sob a opressão dos meus inimigos?" Por que haveria eu de andar cabisbaixo, inclinado e lamentando? Se a vida de um filho de Deus é de alegria e felicidade, por que eu deveria andar lamentando? Esta pergunta está relacionada com aquilo que os seus inimigos estavam fazendo contra Davi.

O que os inimigos estavam fazendo que fosse digno de lamentação? Qual era a opressão dos inimigos?

V. 10: "Esmigalham-se-me os ossos, quando os meus adversários me insultam, dizendo e dizendo: O teu Deus, onde está?"
Davi dizia: Os meus ossos se quebram todos, quando ouço os insultos dos adversários, que dizem e repetem: "Onde está o teu Deus?" Novamente, em uma figura muito clara, vemos a relação da mente com o corpo: o salmista estava ouvindo os insultos, as ofensas, e isso era como se os seus ossos estivessem se quebrando e se esmigalhando.

Davi sofria sob a opressão dos adversários. O que eles faziam? Em que consistia esse sofrimento?

- "Dizendo e dizendo". Ele estava preocupado com o que os outros diziam. Será que isto é importante? Certa vez, Jesus Cristo estava com os seus discípulos indo a Cesaréia de Filipe, e lhes perguntou: "Quem diz o povo ser o Filho do Homem?" E eles disseram: "Uns dizem – João Batista; outros falam que o Senhor é Elias; outros pensam que Tu és Jeremias, ou algum dos profetas". Então Cristo completou dizendo: "Mas vós, quem dizeis que Eu sou?" E conhecemos a história – Pedro respondeu: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo!" (Mat. 16:13-16).

É importante o que os outros dizem? Claro que é importante. Até Cristo se importava com o que os outros diziam a Seu respeito.

Por que é importante? Por causa das consequências: isso pode ser perigoso, porque o que os outros dizem nos influencia em nossa estrutura emocional, e nos controla em muitas atitudes. O que os outros estão dizendo de você é como um câncer que pode minar a sua saúde e levá-lo à depressão, e à morte. Era isso que estava sentindo Davi, ao ouvir os insultos e as ofensas, os deboches e as zombarias e os escárnios dos seus adversários. Esta era a principal razão por que Davi estava tão abatido, tão deprimido.

III – A DETERMINAÇÃO DE DAVI

Qual é a Solução para o Desânimo? Qual é a resposta ao problema da depressão espiritual?

V. 11: "Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a Ele, meu auxílio e Deus meu." Davi se consola a si mesmo. De que modo? Ele está determinado a resolver o seu problema de depressão. Ele quer sair de seu desânimo. O que é que ele faz? Davi era um verdadeiro psicólogo até para a sua própria alma.

1- Davi determina dialogar consigo mesmo. Davi fala de si para si, num diálogo franco e sincero, dizendo: "Por quê?" Ele fala consigo mesmo, fazendo 2 perguntas. De fato, é muito importante, no processo da cura fazer perguntas porque as perguntas ajudam a desviar as preocupações emocionais e a pensar racionalmente.

Davi levanta 2 "por quês": "Por que estás abatida, ó minha alma?" e "Por que te perturbas dentro de mim?" Este exercício o ajuda a ver as coisas como elas realmente são. De fato, não há razão palpável, não há motivo concreto para se alarmar. Não há razão lógica para a depressão.

Em momentos de aflição, cada cristão deveria dizer a si mesmo: Por que estás abatida, ó minha alma? Não há razão estar desanimado, porque Jesus Cristo já morreu na cruz do Calvário!

2- Davi determina esperar em Deus. Davi ordena à sua alma: "Espera em Deus." Observe estas palavras poderosas:

- "Espera em Deus". Nossa esperança está em Deus. Se os inimigos nos ameaçam, nos insultam, falam mal de nós, não há razão para ficarmos preocupados, porque Deus, que sabe de todas as coisas, está no controle e fará o Seu melhor, para resolver esse estado de coisas.

- "pois ainda O louvarei". O salmista tinha a esperança de que dias melhores viriam, ele ainda haveria de louvar a Deus, porque Ele estava trabalhando pelo seu futuro.
Mas quem era Deus para Davi?

- "Meu Auxílio, e Deus meu". Davi não dependia do auxílio humano para ajudá-lo naquela circunstância, porque a sua ajuda estava em Deus. Assim devemos nós ter a nossa confiança na ajuda divina em tudo o que nos acontece. Devemos lembrar de Deus que é Todo-poderoso e está ao nosso lado para nos defender dos nossos adversários e nos salvar de nossos inimigos.

Mas quem são os nossos inimigos? A palavra diabo significa adversário, alguém que é contrário a nós. Satanás e todos os seus anjos são os nossos maiores inimigos. E muitas vezes eles nos oprimem, dizendo a nossa alma: "Onde está o teu Deus? Você está aí, caído, abatido, arrasado! Onde está o Deus em quem você disse que confia?"

Certa vez, um cristão foi desafiado por seus inimigos que lhe disseram: “Olha para você: Fala tanto de Deus e veja quantas coisas ruins estão aconteccendo na sua vida! Quanto sofrimento! Quanta tribulação!” Ele pensou um pouco, e respondeu: “Se Deus não me responde imediatamente, é porque Ele deve estar ocupado preparando a minha vitória!”

CONCLUSÃO 

O que vamos fazer? Vamos imitar o salmista:

1- Vamos fazer um diálogo com a nossa própria alma e vamos fazer perguntas. Quando fazemos perguntas, somos levados a sair do emocional e passamos para o racional; começamos a raciocinar com mais inteligência, com mais sabedoria, e nos preparamos psicologicamente.

2- Vamos ordenar a nós mesmos que esperemos e confiemos em Deus, que é a nossa única segurança. Vamos dizer à nossa alma: Espere no Todo-poderoso.

3- Vamos buscar o auxílio divino. Como era Deus para Davi? Ele O chamava de "Deus vivo, minha Rocha, Deus da minha vida". Ele dizia: "Tenho sede do Deus vivo. Em meio desta avalanche de águas ameaçadoras de inimigos, Ele é a minha Rocha da minha segurança. Não morrerei porque Ele é o Deus da minha vida!"

4- Vamos dizer sinceramente a Deus: "Tu és o 'meu Deus'." Quando dizemos estas palavras, o nosso relacionamento será estreito e íntimo com Ele, e revelamos uma esperança que ninguém pode abalar.

Hoje ainda muitos se aproximam de nós e perguntam: "Onde está o teu Deus?" Certa vez um incrédulo perguntou a um jovem cristão: "– Jovem, você acredita em Deus?" Ele disse: "Eu acredito, sim."  "Mas onde está o seu Deus? Me mostre o seu Deus." O jovem foi pego de surpresa, mas pensou um pouco e disse: "– Muito bem, vem aqui comigo."  Eles se encontravam em um grande transatlântico. Era meio-dia, e o sol estava no seu brilho mais fulgurante. O jovem disse para aquele ateu: "Olhe para o sol com os seus olhos fixos." Ele disse: "Eu não posso, ele ofusca a minha vista."  Então o jovem concluiu: "Você quer que eu lhe mostre o meu Deus, quando você não pode nem contemplar um representante dEle?"

O homem de fé sabe se consolar. O homem de fé sabe encontrar respostas inteligentes para as circunstâncias mais desanimadoras que ameaçam abalar o fundamento da sua vida. O homem de fé fala consigo mesmo e fala com Deus contado-Lhe sobre os seus sentimentos.

Hoje aprendemos a mensagem do Salmo 42: O Desejo de Davi: era anseio por Deus, sede de Deus. O Desespero de Davi: ele pensava que Deus o havia abandonado. A Determinação de Davi: ele se propôs a esperar em um Deus vivo. Vimos a Sede, o Sofrimento e a Solução nesta circunstância tão dramática de Davi.

Você gostaria de ver a Deus? Você tem sede de Deus? Vamos buscar mais desse Deus maravilhoso. Vamos mitigar a nossa sede através de Jesus Cristo que é a Fonte de água viva. Ele disse: "Aquele que tem sede, venha a Mim e beba!" (João 7: 37).

Pr. Roberto Biagini
prbiagini@gmail.com

Beco sem saída

SERMÃO

Texto: Juízes 16 : 28 - 30

Introdução:

A - Este sermão eu sempre dediquei e vou continuar dedicando aos jovens.

1 - Aliás, o título deste sermão me foi dado por um jovem hippie, em décadas passadas, quando eles andavam zanzando pelo mundo.

B - Eu viajava no meu carro por uma estrada de minha terra. Lá adiante, na beira do caminho, três jovens hippies bateram com a mão, pedindo insistentemente uma carona. Parei o carro. Eles subiram. O meu plano era falar de Jesus a eles. Mas antes que eu começasse, eles iniciaram a conversação: “Nós somos hippies e seguimos os passos de Jesus: sempre estava viajando, na maioria das vezes a pé, usava chinelos, vestia roupa simples, não se preocupava com o dia de amanhã, tinha seus momentos de meditação e falava de paz e amor...” Era eu que queria falar com eles sobre Jesus, mas foram eles que iniciaram o estudo bíblico.

C - Entre eles havia um que me reconheceu. Era um ex-membro da igreja. Não o conheci: estava depauperado, cabeludo, barbudo, com uma roupa suja e mal cheirosa. Ele começou a se identificar: “Fui criado por uma senhora adventista. Assistia aos cultos regularmente com ela. Fui batizado na Igreja Central, aos 15 anos. Não perdia nenhuma programação dos jovens”. Foi aí que me lembrei dele. Foi criado comigo na igreja. Ele continuou: “Um dia, porém, caí no pecado. Comecei a fumar, beber, me envolvi com drogas e hoje estou aqui”...

1 - Tentei convencê-lo a voltar para a igreja, mas ele me disse o que nunca vou esquecer: “Não adianta. Para mim não existe mais jeito. Eu entrei num Beco Sem Saída”.

D - Creio que alguma vez você já entrou numa rua dessas que não têm saída. São os becos que não têm saída.
Em todo o Brasil, e no mundo, existem becos sem saída. A princípio, é uma rua bonita, larga. Você vai entrando... A gente entra com o carro e tem dificuldade de sair, porque vai parar num beco que não tem saída.

E - Prezados jovens, este fato é uma boa ilustração para aqueles que se afastam de Deus e entram na vida espiritual como se estivessem entrando num Beco Sem Saída.

1 - Quantos jovens de nossa Igreja aos poucos estão entrando na estrada do pecado que o levarão a um beco que não tem saída.

F - A propósito, há nas Escrituras Sagradas a história de um rapaz que, sem querer, nem desejar, foi parar espiritualmente num Beco Sem Saída.

1 - É sobre este rapaz que quero lhe falar agora, daqui para frente.
2 - Você quer saber o nome dele? Seu nome se chama Sansão. Vamos analisar a sua vida, começando com o seu nascimento e terminando com a sua triste morte.

I – O NASCIMENTO DE SANSÃO

A - Poucos jovens tiveram mais chances de vencer na vida como Sansão. Eis aqui os motivos:

1 - Procedia de uma boa família.
– Nasceu num lar israelita que hoje poderíamos chamar de um lar profundamente cristão.
- Seus pais eram pessoas profundamente religiosas. Não tinham filhos. Pediram a Deus um filho. Deus enviou seu anjo para dar as boas novas a Manoá e sua esposa: ela deveria conceber e ter um filho homem.
– Seria reservado para Deus desde o ventre.
– Sua mãe deveria abster-se de vinho ou de bebida forte.
2 - Seria um nazireu de nascimento:
- Um reservado para as coisas espirituais.
- Na sua cabeça não se passaria navalha.
3 - Deus tinha um plano específico para a sua vida.

B - Sansão tinha encanto pessoal, força física incomum e grande habilidade de liderança. Tornou-se o principal juiz em Israel. Não obstante, se desviou dos caminhos de Deus.

C - Há, aqui, uma lição para os filhos de lares crentes.
Pelo fato de você ter nascido num lar cristão, só isto não lhe dá direito à salvação.

1 - Alguém pode ter nascido numa garagem, mas isto não quer dizer que tal pessoa é um automóvel.

Ilustração: Nasceu numa garagem.
Eu conheço um caso desses. Aconteceu no bairro onde fui criado, a Liberdade, em São Luís. Altas horas da noite, a futura mãe começou a sentir as dores de parto. Marido e mulher saíram para a maternidade. Naquele tempo só havia um hospital-maternidade, no centro da cidade. Saíram a pé, porque naquela hora não havia mais o bonde, nem ônibus. Táxi, nem pensar. Começou a chover. Pararam numa garagem que estava aberta. A chuva aumentou e as dores também. Resultado: a criança nasceu ali mesmo na garagem.
Imagine se no Cartório do Registro Civil o escrivão perguntasse: O nome da criança. O pai dizendo: Volkswagem será o nome dele. Não! Nasceu numa garagem, mas era uma pessoa!

2 - Assim também, aqueles que nascem numa igreja não se tornam um verdadeiro crente. A menos que se encontre com o Salvador Jesus Cristo.

3 - Sansão ao crescer se tornou o mais importante juiz de Israel.

II – UM CASAMENTO PRECIPITADO

A - Todo jovem normal - moça ou rapaz - quando chega a idade, pensa em se casar. Muitos aqui estão nesta fase da vida.

Ilustração: Era um jovem bonitão. Tinha 22 anos. Conversando comigo me disse: “Eu não quero namorar. Eu não penso nisso”. Eu pensei comigo mesmo: “Essa não! Alguma coisa está errado com esse rapaz!...”

B - Todo jovem normal pensa em namorar, em casar um dia.
Todo jovem pensa em um dia escolher um companheiro ou companheira para a vida. Não é verdade? É, ou não é? Eu sei que lá dentro você está dizendo: “É verdade”,

1 - Sansão não era a exceção: estava agora nesta fase da vida. Vivia à procura de uma moça...

Aplicação homilética - Eu sei que aqui alguns estão nesta fase da vida. Você está!...

2 - Passando Sansão entre os filisteus viu uma moça muito bonita. (Os filisteus eram vizinhos dos israelitas).
3 - Sansão olhou bem na moça, no seu rosto, nos seus cabelos, no seu andar... Apreciou e assobiou... Ela olhou para trás: aceitou a bola...

C - A menima filisteia era alguém que lhe agradava aos olhos. Juízes 14: 1-3 – “Desceu Sansão a Timna; vendo em Timna uma das filhas dos filisteus, subiu, e declarou a seu pai e a sua mãe, e disse: Vi uma mulher em Timna, das filhas dos filisteus; tomai-ma, pois, por esposa. Porém seu pai e sua mãe lhe disseram: Não há, porventura, mulher entre as filhas de teus irmãos ou entre todo o meu povo, para que vás tomar esposa dos filisteus, daqueles incircuncisos? Disse Sansão a seu pai: Toma-me esta, porque só desta me agrado. (Ou numa outra tradução: “me agrada aos olhos”.)

1 - Hum! Foi aí que começou o problema!...
2 - Todo rapaz e toda moça deve procurar alguém que agrade aos olhos, que lhe encha, para depois não ir atrás de outra ou de outro.
3 - Eu penso que não há nenhum mal nisto. Você deve procurar alguém que agrade aos olhos.

Ilustração: Eu conheço o caso de um rapaz que casou e depois se arrependeu, alegando que ela era muito feia, que era muito magra, que tinha as pernas finas, et cétera e tal...

4 - Como, se eles namoraram por mais de um ano? Ele não viu as pernas dela?... Desculpa esfarrapada! Mentira deslavada!...
5 - Sansão queria alguém que agradasse aos olhos. Você acha que ele estava errado em procurar alguém que agradasse aos olhos? Não! Aí ele acertou.
6 - O erro de Sansão foi outro.

D - Três coisas importantes no casamento:
– Primeira: Procurar alguém que agrade aos olhos.
– Segunda: Alguém que agrade aos pais.
– Terceira, e mais importante: Alguém que agrade a Deus.

1 - O erro de Sansão foi ter se esquecido de procurar alguém que agradasse a Deus.
2 - Esta é a condição sine qua non para ser feliz no casamento: alguém que agrade a Deus.

a) Mesmo que não agrade aos pais...
b) Mesmo que não agrade tanto aos olhos...
c) Mas se agradar a Deus, está ótimo - vai dar certo! Pode casar!

E - Eu entendo o problema dos jovens. Eu sei que muitas vezes os jovens não encontram na igreja ninguém que lhe atraia plenamente. Eu tenho conversado disto com eles.

Ilustração: Outro dia uma moça me disse: “Não vejo na igreja nenhum rapaz que me encha os olhos. Eu não sinto nenhuma atração física por eles. Eles são para mim como as minhas colegas, ou como meus irmãos.”...

1 - Precisamos entender bem isto. Muitas vezes o rapaz e a moça vivem no mesmo ambiente, sentam no mesmo banco na igreja, cantam no mesmo hinário... Não se atraem...
2 - Agora, se esse é o seu problema, então, vá à Igreja Central, vá às igrejas dos bairros: ao Monte Castelo, à Cohab, ao Anil, ao Bequimão, bem pertinho daqui. Mas não se esqueça de procurar alguém que agrade a Deus.

a) Este foi o problema de Sansão. Não se sentiu atraído por nenhuma israelita. Foi atrás de uma filisteia - e quebrou a cara.

3 - Sansão namorou. Ficou noivo. Casou.
4 - Finalmente chegou o dia do casamento de Sansão com uma mulher que:
– Não tinha a sua fé.
– Não era de sua religião.
– Pior: Não cria no seu Deus.

F - O casamento foi uma festa que durou sete dias. Durante a festa, Sansão quis mostrar sua sabedoria para trinta sábios filisteus.

G - O Enigma.

1 - Anos antes Sansão havia matado um leão, usando apenas a sua força. Meses depois, passando por aquele caminho, havia um enxame de abelhas na caveira do leão. Tirou um favo de mel e comeu.

2 - No banquete de seu casamento, Sansão se lembrou deste fato de sua vida. Prometeu dar uma muda de roupa para quem adivinhasse o enigma:

“Do comedor saiu comida.
Do forte saiu doçura!”

3 - Os sábios filisteus, depois de três dias, não conseguiram decifrar.
Usaram a mulher de Sansão para saber do mistério, dizendo-lhe: “Persuade a teu marido a te dizer o enigma, senão tocaremos fogo em ti, em teu pai, em tua mãe e em todos os teus parentes”.

4 - Não se esqueçam de que Sansão estava em “Lua de Mel”.

a) Nesta fase o noivo é capaz de fazer tudo pela sua amada.

(1) Muitas vezes, depois da lua de mel, vem a “lua de fel”.

H - Juizes 14:16-17 – “A mulher de Sansão chorou diante dele e disse: Tão-somente me aborreces e não me amas; pois deste a aos meus patrícios um enigma a decifrar e ainda não me declaraste a mim. E ele lhe disse: Nem a meu pai e a minha mãe o declararei e to declararia a ti? Ela chorava diante dele os sete dias em que se celebravam as bodas; ao sétimo dia, lhe declarou, porquanto o importunava; então ela declarou o enigma aos seus patrícios.”

1 - Você entendeu a leitura? Ela chorou sete dias. Que lua de mel! Isso não foi lua de mel, foi lua de lágrimas!
2 - Qual a mulher que não consegue o que quer de um homem através do choro?

a) Com todo respeito às mulheres presentes que estão me ouvindo, mas toda mulher, com rara exceção, gosta de chorar.

(1) Segundo os psicólogos, você sabe por que as mulheres choram?
(2) Os psicólogos dizem – não eu - que o choro da mulher é uma forma de agressão. Quando a mulher chora, geralmente o homem se acalma. Se ela não ganha na força física, nem nos argumentos, ela sempre ganha no choro.
(3) Foi exatamente isso que aconteceu com Sansão. Ela chorou sete dias. Ele disse o enigma a sua esposa.

III – CONTAR UM SEGREDO

A - Foi aí que Sansão deu o segundo passo errado em sua vida.

1 - O primeiro foi ter casado com ela e o segundo foi lhe ter contado o segredo.
2 - Sansão estava, aos poucos, entrando num Beco Sem Saída.
3 - A mulher de Sansão contou aos filisteus e eles vieram e decifraram o enigma:

“O que é mais doce que o mel
E mais forte que o leão?”

4 - Sansão agora tinha que pagar o que prometera.
5 - Teve que matar 30 homens, tirar as suas veste e pagar o débito.
6 - Em seguida, os filisteus o perseguiram e tomaram a sua mulher.

a) Aquela que lhe agradava aos olhos.

7 - Sansão estava agora entrando mais uma vez num Beco Sem Saída.

IV – OUTROS PASSOS ERRADOS NA VIDA DE SANSÃO

A - Juizes 16:1 – “Sansão foi a Gaza, e viu ali uma prostituta e coabitou com ela”.

Meu Deus! Que coisa triste e terrível!

1 - Prezado jovem: Ninguém cai espiritualmente de uma vez. Ninguém cai de um dia para outro.

a) - É um passo errado aqui. Outro passo errado mais adiante, até que finalmente apostata.

b) Sansão estava entrando por esse caminho.

B - O drama dos filisteus: encontrar um homem capaz de matar Sansão.

1 - Ele havia destruído o arraial dos filisteus. Ele arrancou os portões da entrada da cidade e carregou para os montes.
2 - Havia a necessidade de um valente:
Procuraram um general, que disse: “Eu não vou”.
Saíram atrás de um coronel, um major, um capitão, um tenente, um sargento, um soldado - e nada.
Ninguém se aventurava a lutar com Sansão. Todos diziam: “Com esse israelita e não vou lutar”.

C - Já que não encontraram um homem, apareceu uma mulher. Juízes 16:4 – “Depois disto, aconteceu que ele se afeiçoou a uma mulher do vale do Soreque, a qual se chamava Dalila.”

1 - Os filisteus usaram aquela mulher para descobrir o motivo da força incomum existente em Sansão.
2 - Havia nele um segredo que eles precisavam descobrir.

C - Segredo!...

1 - Pensamento: “Se tens um segredo não contas para ninguém, nem para a tua mulher ou teu marido, para continuar sendo segredo”.

a) O presidente Figueiredo dizia: “Segredo entre três, tem que eliminar dois”.

2 - Orientada pelos filisteus, Dalila insiste para saber a razão da força incomum que havia em Sansão.

a) Sansão começou a brincar com o segredo.

Aplicação homilética: Quantos hoje gostam de brincar com o pecado!... Dizem: “Eu não vou pecar. Eu só vou brincar um pouquinho com ele”, e, de repente, caem!

3 - Sansão deu vários passos errados até finalmente descobrir o segredo:
- Primeiro passo. Ele disse: “Perderei a minha força se me amarrares com sete cordas”. Permitiu ser amarrado - e nada aconteceu.
- Segundo passo: “Perderei a minha força se me amarres com sete cordas novas e virgens, então serei como qualquer homem”. Deixou-se amarrar, e soltou-se facilmente. Nada aconteceu.
- Terceiro passo. Sem querer, nem desejar, Sansão estava chegando lá. Disse: “Se fizeres sete tranças em minha cabeça e me amarrares... serei como qualquer homem”.

a) Aos poucos ele estava chegando à realidade...

Aplicação homilética: Muitas vezes o pecado começa de mansinho e aos poucos, sem que você queira...

4 - A descoberta do segredo: Juizes 16:15-17 – “Então ela lhe disse: Como dizes que me amas, se não está comigo o teu coração? Já três vezes zombaste de mim e ainda não me declaraste em que consiste a tua grande força. Importunando ela todos os dias com as suas palavras e molestando-o, apoderou-se da alma dele uma impaciência de matar. Descobriu-lhe todo o coração e lhe disse: Nunca subiu navalha à minha cabeça porque sou nazireu de Deus, desde o ventre de minha mãe; se vier a ser rapado, ir-se-á a minha força, e me enfraquecerei e serei como qualquer outro homem”. Ponto final!

a) Dalila fez Sansão deitar no seu colo. Deu-lhe uma droga, um chá para dormir.
Dalila começou a fazer cafuné (bilu-bilu) na cabeça de Sansão. Logo ele adormeceu...

(1) Tudo já estava preparado. Ela pegou a tesoura e cortou as sete tranças. Pegou a navalha e rapou a cabeça de Sansão. Que sono profundo!
(2) O serviço foi feito, e bem feito. Dalila foi comprada por dinheiro. Os filisteus deram dinheiro para ela.
(3) Ela acordou Sansão, dizendo-lhe: “Sansão, acorda, lá vem os filisteus”.
(4) Os filisteus se aproximam do vale de Soreque. Sansão se levanta tranquilo e se prepara para destruir os filisteus mais uma vez.

D – Sansão se afastou de Deus e caiu no pecado. Estando no Vale de Soreque para brigar mais uma vez com os filisteus, ele se vangloriava, dizendo:

1 – Venham seus filisteus incircuncisos. Venham! Podem vir!
- Eu sou Sansão!
- Eu tenho a força!

E - Uma coisa, porém, ele não sabia. Para mim este é o fato mais triste desta história:
Juizes 16:20 – “Disse ela: Os filisteus vem sobre ti, Sansão! Tendo ele despertado do seu sono, disse consigo mesmo: Sairei ainda esta vez como dantes e me livrarei; porque ele não sabia ainda que já o Senhor se tinha retirado dele”.

1 - Que coisa triste! O Espírito de Deus já havia se afastado de Sansão, e ele não sabia.

Aplicação homilética: Prezado jovem, será que Deus está se afastando de você?

2 - Se continuar amando o pecado, Deus um dia pode se afastar de você.

a) Foi isso que aconteceu com Sansão, Saul, Judas, Demas e muitos casos hoje, dentro de nossas igrejas.
V – OS RESULTADOS.

A - Sansão estava agora diante da lei da Causa e do Efeito.
– “Tudo o que o homem semear, isto também ceifará”. Gálatas 6:7.
– “Quem semeia vento, colhe tempestade”. Oséias 8:7.
- “A maldição sem causa não virá”. Provérbios. 26:2

1 - Sansão foi preso, amarrado, vazaram-lhe os olhos. Passou a ser um escravo. Foi fazer o trabalho que pertencia aos animais: virar os moinhos. Andava o dia inteiro em volta do moinho, e não ia para lugar nenhum.

B - Agora, sim, Sansão estava num Beco Sem Saída.

Ilustração: O trator e o carrinho de brinquedo.
Certa ocasião, viajando pelo interior do Maranhão, estavam abrindo a rodovia que hoje leva para outros municípios. Eu vi uma cena que me chamou a atenção. Um grande trator abrindo a estrada, mas atrás dele um carrinho de brinquedo de criança amarrado. (acredito que algum menino traquino amarrou o seu carrinho e não teve tempo de tirar). Agora aquele grande trator puxando um carro de plástico.

Aplicação homilética: Sansão foi este trator que passou pela vida carregando um carrinho de brinquedo. Não soube usar a sua força.

VI – A SUA SALVAÇÃO

A - Mas a história de Sansão não termina aí. No seu último momento, Sansão se arrependeu e voltou-se para Deus.

1 – Sua oração: Juizes 16:28-30 – “Sansão clamou ao Senhor e disse: Senhor Deus, peço que te lembres de mim, e dá-me força só esta vez, ó Deus, para que me vingue dos filisteus ao menos por um dos meus olhos. Abraçou-se, pois, Sansão com as duas colunas do meio, em que sustinha a casa, e fez força sobre ela, com a mão direita em uma e com a esquerda na outra. E disse: Morra eu com os filisteus. E inclinou-se com força, e a casa caiu sobre os príncipes e sobre todo o povo que nela estava; e foram mais os que matou na sua morte do que os que matara na sua vida”.

B - Agora eu quero lhe fazer uma pergunta:
Posso fazer? Só faço se você permitir. Permite que eu lhe faça uma pergunta?

1 - É uma pergunta atrevida e indiscreta. A pergunta é:
a) Se você fosse Deus, perdoaria Sansão?

(1) Perdoaria esse jovem desobediente?
(2) Perdoaria esse rapaz adúltero?
(3) Perdoaria esse homem criminoso?

2 - Esta é uma pergunta que não precisamos responder. É só para pensar. É a pergunta que deve calar.

3 - Irmãos, o último momento de Sansão foi para Deus melhor do que toda a sua vida.

a) Não temos o direito de julgar.
b) Sansão estará entre os salvos ou entre os perdidos? Tem dúvida?

4 - Na lista dos homens que viveram pela fé, encontramos o nome de Sansão.
Hebreus 11:30-32 – “Pela fé, ruíram as muralhas de Jericó, depois de rodeadas por sete dias. Pela fé, Raabe, a meretriz, não foi destruída com os desobedientes, porque acolheu com paz aos espias. E que mais direi? Certamente me faltará tempo necessário para referir o que há a respeito de Gideão, de Balaque, de SANSÃO...”

VII - Conclusão e Apelo:

A - Prezado jovem, você algum dia já cometeu os pecados que Sansão cometeu? Já?
1 - Você já não se sente tão forte espiritualmente como no passado?
2 - Você, na vida espiritual, se encontra num Beco Sem Saída?

B - Lembre-se: para Deus não existe Beco Sem Saída.

1 - Mesmo você estando no fundo do poço, Deus pode lhe tirar de lá.
2 - Basta que você estenda a sua mão para Ele.

C - O Deus de Sansão é também o seu Deus.

1 - O Deus de Sansão quer estar a seu lado para lhe proteger.
2 - Temos um Deus que nos olha sempre com misericórdia, quando nos voltamos para Ele.
3 - Por maior que tenha sido o seu pecado, Deus está disposto a lhe perdoar.

D - A Bíblia diz que Deus é misericordioso, compassivo, longânimo e está disposto a perdoar todas as nossas transgressões, quando nos voltamos para Ele.

E - A Bíblia também diz que a misericórdia de Deus vai de eternidade em eternidade. A misericórdia de Deus é para sempre. Nenhum homem pode compreender a misericórdia de Deus. Tito 3:5 – “Não por obra de justiça praticada por nós, mas segundo a Sua misericórdia”.

F - A Bíblia também diz que somos salvos pela graça de Deus.

1 - Graça – Benignidade imerecida. Algo que nenhum homem merece.
2 – São Paulo diz: “Onde abundou o pecado, superabundou a graça”. Romanos 5:20.

G - Sansão orou a Deus pedindo força. “Sansão clamou ao Senhor e disse: Senhor Deus, peço-te que te lembres de mim e dá-me força só esta vez, ó Deus”...

H - O seu último momento foi melhor do que toda a sua vida.

1 - Apelo: Meu prezado jovem, você está num Beco Sem Saída? Eu repito: Para Deus não existe Beco Sem Saída. Ele quer tirar você desse buraco em que se meteu.

a) Volte-se para Deus agora, e Ele vai lhe dar forças para vencer o pecado.
b) Venha como você se encontra, tendo a certeza de que o Deus que deu forças a Sansão, no seu último momento de vida, vai lhe dar forças também para vencer o mal. c) Decida agora.

Há um hino no Hinário Adventista, intitulado “Jesus eu venho a Ti”, que diz:

As minhas culpas grandes são,
Mas, Tu, que não morreste em vão,
Me podes conceder perdão;
Aceita um pecador!

Eu venho como estou;
Bem sei, indigno sou,
Mas meu Jesus por mim morreu;
Eu venho como estou.


Hinos sugeridos: H.A., 277, 278

Refúgio Seguro

SERMÃO:

Texto: Isaías 4:6

Introdução:

Encontramos nos escritos sagrados, os personagens bíblicos usando diversas metáforas à pessoa de Jesus. Por exemplo:

Abraão – “O Rei de Salém”. Gen. 14:18
Jeremias – “O Renovo de Davi”. Jer. 33:15
O salmista Davi:
“A Rocha da minha Salvação”. Sal. 89:26
“A Rocha mais alta que eu”. Sal. 61:2
O profeta Ageu - “O Desejado de Todas as Nações”. Ageu 2:7
Em Apocalipse: “O Leão da Tribo de Judá”. Apoc. 5:5
Vamos agora analisar juntos uma figura de linguagem que o profeta Isaías usou para Jesus. Isaías 4:6 – “Os quais serão para sombra contra o calor do dia e para refúgio e esconderijo conta a tempestade e a chuva”.

Se analisarmos o contexto e todo o capítulo, facilmente concluiremos que o profeta está se referindo ao reinado do Renovo do Senhor – Jesus Cristo.

O que é um refúgio?

Definição: Refúgio é o lugar onde alguém se abriga ou se protege para estar em segurança.

Ilustração: A chuva na praça. Recentemente, eu estava passando na principal praça de minha cidade. Caiu uma chuva torrencial. Todos correram em direção aos abrigos para não se molhar.

Na hora do aperto, todos procuramos um abrigo.

Vejamos agora o que nos diz o salmista: Salmo 46:1 – “Deus é o nosso refugio e fortaleza; socorro bem presente nas tribulações”.

Consideraremos os vários aspectos em que Cristo é o nosso refúgio:

I – CRISTO É UM REFÚGIO PARA A CONSCIÊNCIA CULPADA.

Não existe nada neste mundo que atormente mais o ser humano que uma consciência culpada.

Há pouca coisa neste mundo que é mais pesado do que o chumbo; esta é uma consciência culpada.

Desde a entrada do pecado neste mundo, uma consciência culpada tem sido a causa de depressão mental, ansiedade, remorso e culpa que tem trazido destruição das forças da vida.

Os filósofos definem a consciência culpada como a violação de um dever. Sabemos o que devemos fazer, e não o fazemos.

A consciência culpada não deixa muitas vezes o homem dormir. Quantos passam a noite sobre o travesseiro...

Para onde fugirá o homem de seus pecados?

Se o pecador acha a solução no copo do vício ou atrás da cortina da fumaça do cigarro, ou no sonho das drogas, ou na volúpia dos prazeres, quando passam esses prazeres, esses instintos de emoção e gozo, o pecado avança mais tirano. O pecado se apresenta mais forte nas desilusões da ressaca e na dor do remorso.

Quantas vezes o homem com sua consciência martelando, conta a um amigo ou vai a um psicólogo. E eles que muitas vezes não veem a solução para si mesmos, dizem: “Viaje. O que você precisa é tirar férias e viajar”...

E o pecador viaja, mas o pecado que está na sua consciência, viaja ao seu lado.

Diz o psiquiatra ou psicólogo: “Vá a um lugar montanhoso, tranquilo, de belas vistas panorâmicas, e isto é reparador”...

Mas o pecado também ali o acompanha, e lá a sua presença o tira a paz. Que poderia o ambiente inspirar numa tal situação?

“Vá a uma estação balneária e lá se banhe com água de saúde”... Ah! Se as águas de Lindóia, as fontes termais de Caldas Novas, Caldas do Jorro, ou outras fontes quaisquer, pudessem limpar a mancha do pecado!

Ah, Se o pecador pudesse ordenar ao pecado, dizendo-lhe: “Pecado, eu vou viajar e você vai ficar, aqui, atrás da porta. Você não irá comigo!”... Creio que seria extraordinário, excelente!

Mas o pecado está metido em nossas entranhas. Está dentro da nossa cabeça. E a consciência continua acusando...

Só há uma solução para o pecado, para uma consciência que acusa diuturnamente.

A solução está Jesus Cristo. I João 1:9 – “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”.

Ilustração: Pastor Paulo Seidl e o assassino.

O saudoso Pastor Paulo Seidl que foi meu presidente, no início de meu ministério, quando viajava comigo pelo interior do Maranhão, contou-me certa vez que dirigiu uma série de conferência no interior do Espírito Santo. Pregou certa noite sobre I João 1:9. Um dos assistentes pediu que fosse com ele a um lugar onde, 20 anos atrás, tinha matado um menino que estava roubando na sua roça de milho.Ninguém nunca soube. Mas por 20 anos a sua consciência o atormentava diuturnamente. Ali, sozinhos, oraram e sentiu-se perdoado. Tornou-se um membro da igreja, e a sua consciência foi aliviada.

II – CRISTO É O REFÚGIO CONTRA SATANÁS.

Sua existência é real. Satanás faz tudo para tirar da mente da humanidade que ele não existe.

A princípio, quis tirar da mente da humanidade a existência de Deus. Surgiram a teorias: “Deus não existe” ou “Deus morreu”.
Agora, ele está mudando de tática. Ele mesmo põe na mente dos homens que ele não existe.

Se ele não existisse, quem seria o responsável por tanta desgraça que existe no mundo?

Ilustração: Certa vez, um jovem perguntou ao evangelista Billy Graham se ele realmente acreditava na existência do Diabo. Claro que ele disse que sim. A Bíblia diz que ele é uma pessoa. Uma pessoa que fala, anda, mente, tenta, engana, mata, falsifica, aflige, destrói, cita erradamente a Bíblia, espalha doutrinas falsas, semeia a discórdia na igreja, tenta dividir o povo de Deus, destrói os lares...

Ele é chamado na Bíblia por muitos nomes: Satanás, Diabo, Anjo Decaído, Leão Devorador, Príncipe dos Demônios, Lobo, Belzebu, Dragão, Serpente, Lúcifer, Traidor, Adversário, Mentiroso e Pai da Mentira.

Ele é o pai da injustiça. É pai do pecado. É o pai da morte.

Ele pode realizar milagres falsos. Pode realizar experiências espirituais falsas. Ele tem um evangelho falso. Ele tem um plano de salvação errado. Ele tem pregadores e professores falsos. Ele promete sempre liberdade e luz, mas no fim ele traz morte, tristeza e destruição.

A Bíblia diz que ele foi lançado para fora do céu, porque lá não havia mais lugar para ele, por causa do seu orgulho.

Meu prezado amigo, nunca se esqueça disto: você sozinho não pode com ele. Ele é mais forte e mais astuto que você sozinho.

Por isso, necessitamos de Cristo, o nosso irmão mais velho.
Cristo é o refúgio conta Satanás. Se você não estiver no refúgio, ele lhe pega e destrói a sua vida.

Ilustração: “Eu nunca me encontrei com o Diabo”. Era um jovem que dizia: “Se o Diabo existe, por que eu nunca me encontrei com ele e nem ele comigo?”

Aplicação homelética: Há uma lei na física que diz: “Dois móveis andando na mesma direção e sentido nunca se encontram”. Quem anda ao lado do Diabo nunca vai se encontrar com ele. Ora, como vai se encontrar, se já anda ao lado dele? O crente, porém, anda em sentido contrário, e ele vem ao nosso encontro.

É preciso definir de que lado você está:

- Ou do lado dele ou contra ele.
- Ou do lado de Jesus ou do lado do inimigo.

Só existem duas alternativas. No mundo em que viemos só existem duas classes de pessoas. Não são os brancos e os negros; não são os ricos e os pobres; não são os socialistas e os capitalistas; não são os sábios e os indoutos; não são os que vivem no oriente e os que moram no ocidente.

São os que estão ao lado de Cristo e os que estão ao lado de Satanás.

Assim como Isaías usou a metáfora de Jesus como refúgio, Pedro usou para o Diabo a metáfora de um leão feroz. I Pedro 5:8 – “Sede sóbrios e vigilantes. O Diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar.

Experiência Pessoal: O Leão que quase me comeu vivo.

Faz alguns anos. Eu viajava pelo interior do Maranhão. Chegou um circo que estava sendo montado na praça principal do lugar. Muita gente vendo o movimento. Eu, inclusive. Havia um elefante, macacos e outros animais. Numa jaula estava um leão. A jaula era de madeira. O leão quebrou a jaula e, do lado de fora, começou a rugir. Todos correram à procura de um abrigo seguro. Eu estava acompanhado do Pastor Barbosa que viajava num jipe da Missão Costa Norte que tinha uma capota de pano-couro. Corremos para o jipe. Mas disse para ele: “Aqui eu não fico, pois não estamos seguros”. Tentei correr para entrar num ônibus, mas os passageiros, com medo, fecharam a porta antes que eu entrasse. Eu corri e me abriguei num restaurante, até que tudo passasse. A esposa do dono do circo, com medo e apavorada com o que poderia acontecer, gritava como uma louca. Nada aconteceu, felizmente. Com muito sacrifício, o dono do circo e domador do animal conseguiu, com muito cuidado e medo, pôr novamente o leão na jaula, acabando com o pânico. Ninguém morreu, mas eu fiquei abalado por alguns dias. Não tinha vontade de comer. Não conseguia dormir bem. Não conseguia cantar. Algumas noites, eu sonhei com o leão. Eu entendo mais do que ninguém o que Pedro diz: “Se sóbrios e vigilantes. O Diabo, vosso adversário, anda ao derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar”. Eu conheço bem este verso da Bíblia, por experiência pessoal, porque quase fui comido por um leão.

III – CRISTO É O REFÚGIO CONTRA AS TENTAÇÕES.

Cristo foi tentado muitas vezes pelo Diabo. Satanás, no deserto, O tentou por três vezes, mas Jesus não cedeu à tentação. Cristo foi sempre um vencedor.

Se você sempre se refugiar em Cristo, estará seguro. Hebreus 2:18 – “Porque naquilo que Ele mesmo, sendo tentado padeceu, pode socorrer aos que são tentados.

Há um ditado popular na minha terra que diz: “Quem calça o sapato é que sabe onde ele aperta”.
Cristo calçou o sapato da natureza humana. Por isso ele conhece as nossas dores.
Cristo sentiu tudo o que você sente. Por isso pode resolver os seus problemas.

IV – CRISTO É O REFÚGIO CONTRA O JUÍZO VINDOURO.

Uma das doutrinas básicas das Escrituras é a doutrina do juízo de Deus.
Satanás que durante toda a vida tem trabalhado para destruir, um dia será finalmente aniquilado. Porém é triste dizer que muita gente vai ser destruído ao lado dele.
Porque deram ouvidos aos seus ensinos. Obedeceram ao seu mandado. Esqueceram-se do Refúgio Seguro - Jesus Cristo.

Mas se estivermos ao lado de Cristo o fogo devorador não nos destruirá.

Ilustração: Uma mata pegando fogo. O fogo já passou neste lugar.

Em alguns lugares, é comum as matas pegarem fogo, destruindo tudo. Muitas vezes as pessoas estão dentro da mata e precisam se salvar. Se você estivesse dentro de uma mata e esta começasse a pegar fogo o que tentaria fazer para se salvar? Apagar o fogo? Correr? Gritar por socorro? Nada disso iria resolver. Dizem os entendidos que só existe uma solução: começar a tocar fogo. Quando o fogo destruidor chegar, o fogo já passou por aquele lugar. E ali será o seu abrigo

Aplicação homilética: Em breve este mundo será devorado pelo fogo. Somente os que estão abrigados em Cristo estarão em um lugar seguro.

Experiência: Félix de Nola.

Félix de Nola foi um cristão genuíno que viveu no III século da era cristã. Foi grandemente perseguido por causa de sua fé. Abandonou a cidade e fugiu para os lugares solitários. Abrigou-se numa caverna para não ser morto pelos seus algozes. Foi procurado por todos os lados, mas não encontrado. Ali, sozinho, viu uma aranha que tecia a sua teia na boca da caverna. Horas mais tarde os seus algozes chegaram até a boca da caverna. Um quis entrar. Um outro disse: “Aí ele não está. Existe teia de aranha. Se estivesse entrado aí, teria destruído essa teia de aranha”. Foram embora sem molestá-lo. Ao sair da caverna, onde estava refugiado, declarou a sua frase célebre: “Quando temos Cristo como refúgio até uma teia de aranha serve de muralha”.

Conclusão:

Assim como corremos de uma chuva para um abrigo, precisamos correr para Cristo - o abrigo seguro.

Em Israel havia as Cidades de Refúgio. O criminoso que conseguisse chegar até a Cidade de Refúgio estaria seguro.
É um exemplo de Cristo. Se chegarmos até Ele, estaremos seguros.

As tempestades deste mundo são muitas, mas se estivermos ao lado de Cristo, estaremos tranquilos.

- Pois Cristo é um refúgio para uma consciência culpada.
- Cristo é um refúgio contra Satanás
- Cristo é um refúgio contra as tentações.
- Cristo é um refúgio para o juízo porvir.

Apelo:

Não quer você se refugiar em Cristo?
Você deseja se refugiar na Rocha Eterna para ter uma vida feliz?

Há um hino no Hinário Adventista intitulado “Refúgio em Temporal” (377), que diz:

Eterna rocha é meu Jesus,
Refúgio sempre em temporal.
A confiança nEle pus,
Refúgio sempre em temporal

Rocha eterna, nossa proteção.
Nosso abrigo, nosso Salvador,
Sempre certo na tribulação,
Presente sempre em nossa dor.


Hinos sugeridos: H.A., 377, 352


Pr. Emmanuel de Jesus Saraiva
Natural de São Luís – Ma. Formado em Teologia, Pedagogia e Letras. Autor de dois livros: “Memórias da África” e “A História do Adventismo no Maranhão”. Trabalhou como pastor em várias igrejas no Maranhão, dentre as quais a Igreja Central de São Luís. Foi departamental de Jovens e Educação nas Missões Costa Norte, Central Amazonas e Nordeste e diretor do Educandário Nordestino Adventista – ENA. Por seis anos foi missionário na África, como diretor do Seminário Adventista de Moçambique, onde lecionou várias disciplinas teológicas, dentre as quais Homilética e Oratória. Casado com a professora aposentada Nilde Fournier Saraiva. Tem duas filhas: Raquel e Léia. Trabalhou como pastor por 35 anos. Hoje, jubilado, mora em São Luís – Ma.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Ponderações da Quarta-Feira de Cinzas



A Quarta-feira de cinzas indica o primeiro dia da Quaresma que representa os 40 dias antes da páscoa sem contar os domingos. Esta cerimônia também é chamada como “Dia de Cinzas”.

A cerimônia é tradicional pela igreja católica e acontece sempre na quarta-feira após as festividades do carnaval. As cinzas utilizadas neste ritual provêm da queima dos ramos abençoados no Domingo de Ramos do ano anterior. A estas cinzas mistura-se água benta e de acordo com a tradição, o celebrante desta cerimônia (Padre) utiliza essas cinzas úmidas para sinalizar uma cruz na fronte de cada fiel, proferindo a frase “Lembra-te que és pó e que ao pó voltarás” ou a frase “Convertei-vos e crede no Evangelho”, deixando a marca até o horário do pôr-do-sol.

Na cerimônia, as pessoas são desafiadas a refletirem na mortalidade e abandonarem os hábitos pecaminosos.

Embora milhares de pessoas sinceras participem desta cerimônia, (quero deixar claro que tenho um profundo respeito por cada leitor), apreciaria que de coração aberto você analisasse as seguintes ponderações:

1. Não há registro Bíblico de que os cristãos devam participar desta cerimônia. Jesus, os discípulos e até mesmo o apóstolo Paulo não participaram de nenhuma  quarta-feira de cinzas. Assim, fica fácil identificar que se trata de uma tradição e jamais deva ser visto como uma ordenança bíblica.

2. A Bíblia contém inúmeras narrativas de pessoas usando “poeira e cinzas” como símbolo de arrependimento e ou sofrimento (Gênesis 18:27; II Samuel 13:19; Ester 4:1; Jó 2:8; Daniel 9:3; Mateus 11:21). Porém, essa prática cultural comumente destacada em vários personagens bíblicos, não se limitava apenas a um período específico do ano como acontece na quarta-feira de cinzas, mas quando houvesse a necessidade de externar o sentimento de desgraça ocasionado geralmente por uma tragédia e ou pecado.

É bem verdade, que enquanto vivermos neste mundo pecaminoso, o sofrimento, seja aquele ocasionado de maneira direta ou indireta, nos faz lembrar que não somos nada sem Deus, somos apenas pó, seres mortais e que carecemos da sua libertação e vida eterna. Por essa razão, Deus não especificou um dia para essa prática religiosa por que carecemos de uma entrega pessoal e diária.

3. Muitos abusam da graça de Deus no carnaval (Festa da Carne) sob o pretexto de que na quarta-feira de cinzas os pecados serão perdoados. Hoje mesmo, os noticiários estão repletos de notícias de vidas que foram ceifadas tragicamente. São acidentes com carros alegóricos, pessoas assassinadas de maneira fútil, brigas insanas, acidentes automobilísticos e a lista não param por aqui. Se o conceito de graça for analisado por esse prisma, não seria um risco muito grande esperar pela quarta-feira de cinzas?

A impressão que tenho é que a filosofia de muitos é que quanto pior forem os seus atos, aí que Deus se manifestará.

Imagine as seguintes situações: Um filho procura a sua mãe e diz: Mamãe eu vou deixar o quarto bagunçado para você mostrar que é uma boa mãe. Um empregado diz para o patrão que a razão de sua preguiça é dar a oportunidade ao chefinho de demonstrar perdão e paciência. Ou então um mendigo que afirma viver em tais circunstâncias, para dar oportunidade ao governo federal demonstrar benevolência.

Frases hilárias, não é verdade? Mas não é assim que as pessoas fazem com Deus? Pecam, para que em seguida Deus demonstre misericórdia. Pulam carnaval por que na quarta-feira de cinzas serão perdoados.

Conclusão:

Qual o aspecto de um cristão conduzido pela graça?

A Bíblia responde:

“Que diremos então?  Continuaremos pecando para que a graça aumente? De maneira nenhuma! Nós, os que morremos para o pecado, como podemos continuar vivendo nele? (Romanos 6:1 a 2).

Não é a meta de Deus promover a desobediência para provar o seu amor e perdão. Ao contrário, Deus salva os seus filhos para que continuem salvos, livres do pecado. 

Pois sabemos que o nosso velho homem  foi crucificado com ele, para que o corpo do pecado seja destruído, e não mais sejamos escravos do pecado; pois quem morreu, foi justificado do pecado. Ora, se morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos. Pois sabemos que, tendo sido ressuscitado dos mortos, Cristo não pode morrer outra vez: a morte não tem mais domínio sobre ele. Porque morrendo, ele morreu para o pecado uma vez por todas; mas vivendo, vive para Deus. Da mesma forma, considerem-se mortos para o pecado, mas vivos para Deus em Cristo Jesus. Portanto, não permitam que o pecado continue dominando os seus corpos mortais, fazendo que vocês obedeçam aos seus desejos. Não ofereçam os membros do corpo de vocês ao pecado, como instrumentos de injustiça; antes ofereçam-se a Deus como quem voltou da morte para a vida; e ofereçam os membros do corpo de vocês a ele, como instrumentos de justiça. (Romanos 6: 6-13)

Pense nisso!

Pr. Fábio dos Santos
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...