Curiosidades Bíblicas

Curiosidades dos aspectos culturais, sociais, geográficos e religioso!

Sermões

Sermões fáceis de pregar

Pensamentos de Ellen White

Coleção de Pensamentos de Ellen White - Diversos Temas!

Sermões para Ocasiões Especiais

Batismo, Santa-Ceia, Formatura e muito mais!

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

O Homem Incomparável

O nosso tema é: O Homem Incomparável.

"É um Homem alto e de majestosa aparência. A sua face ao mesmo tempo severa e doce, inspira respeito e amor. Seu cabelo é da cor do vinho, e desce ondulado sobre os ombros, dividido ao meio, ao estilo nazareno.

"Sua fronte é pura e altiva; tem a cútis rosada, límpida. A boca e o nariz são perfeitos. A barba é abundante e da mesma cor do cabelo. Os olhos azuis, plácidos e brilhantes. Os braços de uma graça encantadora.

"É grave, comedido e sóbrio em Seus discursos. Repreendendo ou condenado é terrível; instruindo e exortando, a Sua Palavra é doce e acariciadora.

"Ninguém o viu rir, mas muitos O têm visto chorar. Caminha com os pés descalços e a cabeça coberta.

"Vendo-O à distância, há quem O desaprecia; mas estando em Sua presença, não há quem não estremeça com profundo respeito."

Hoje temos o prazer de lhes apresentar a Cristo Jesus, o Homem Incomparável.

O apóstolo Paulo, escrevendo a Timóteo, jovem missionário da Igreja Primitiva, na introdução de sua epístola, escreveu estas palavras plenas de significado:

I Tim. 1:1 – "Paulo, apóstolo de Cristo Jesus, pelo mandato de Deus, nosso Salvador, e de Cristo Jesus, esperança nossa." Paulo cifrava em Cristo as suas mais acariciadas esperanças.

I – IDENTIDADE DE JESUS CRISTO

Mas se Jesus é a nossa esperança, esperança de perdão, esperança de paz, esperança de vida eterna, se Ele é a nossa única e suprema, consoladora esperança, devemos saber mais a respeito dEle: Jesus, o Homem Incomparável.

Porém, onde iremos achar mais luz a respeito de Jesus Cristo?

Notem as Suas próprias palavras, indicando-nos o único lugar onde achá-la: "Examinai as Escrituras porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de Mim." (João 5:39). Aqui está o segredo, aqui temos o Livro Santo que nos fala do Homem Incomparável.

Busquemos as páginas luminosas deste Livro, e tratemos de identificar

Aquele de Quem o Livro testifica.

Não procuremos nele outra coisa. Algumas pessoas lêem a Bíblia para averiguar como Davi matou o gigante Golias. Outros para encontrar a história de Adão e Eva; outros para buscar lindos trechos de composição poética. Outros procuram encontrar na Bíblia apoio para as idéias que receberam desde a infância.

Entretanto, devemos ler a Bíblia, em primeiro lugar, para nela achar a Jesus Cristo. A história do Homem Incomparável se acha pintada com cores vívidas desde o Gênesis até o Apocalipse.

Portanto, vamos ler em Gênesis sobre Jesus, o Homem Incomparável:

A) O QUE DISSERAM OS PROFETAS?

1) MOISÉS falou de Jesus

Gên. 3:15: "Porei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e o seu descendente. Este te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar."

Aqui temos uma sentença. Adão e Eva pecaram contra a lei do Céu, mas esta não foi uma sentença contra nossos primeiros pais. Era uma condenação contra Satanás.

E quando estas palavras foram dirigidas a Satanás aos ouvidos de Adão e Eva, o inimigo sentiu que seu poder seria quebrado, e ao mesmo tempo foram palavras plenas de esperança para a raça caída.

Assim, o Evangelho da salvação, o grande plano da redenção foi patenteado pelo próprio Cristo, a Semente da mulher.

Os anjos celestiais foram também comissionados para desdobrar o plano da salvação providenciado. Afirmaram a Adão e Eva que, apesar de seu grande pecado, não seriam abandonados ao domínio de Satanás. Em Cristo poderiam depor inteiramente a sua esperança – não morreriam eternamente: Cristo haveria de tomar a sua condenação e morrer em seu lugar.

Adão se comoveu diante de tal amor, e rogou que a condenação não recaísse sobre Jesus, o Filho de Deus. Mas o Salvador Se dispôs a redimir a raça humana e nada O demoveria desse nobre propósito.

O Evangelho que foi inicialmente comunicado aos nossos primeiros pais, foi transmitido através de sucessivas gerações por eles mesmos a Noé, Abraão e Moisés. Outros profetas surgiram, e finalmente esse conhecimento de Cristo como a nossa esperança chegou até nós.

2) ISAÍAS falou de Jesus

Isaías foi um desses profetas, mas se destacou entre eles de tal forma, que é chamado o profeta evangélico. Ele apresenta a Cristo como a suprema esperança do homem.

Isaías 9:6: "Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu; o governo está sobre os seus ombros; e o seu nome será: Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz."

O profeta evangélico que nos apresenta a Jesus, demonstra ser Jesus o Homem Incomparável, no Seu nascimento, na Sua morte, ressurreição, na Sua ascensão, e finalmente na Sua coroação no trono de Davi.

Aqui temos a identificação verdadeira de Jesus Cristo.

Em 1º lugar, Ele foi uma criança que nasceu de modo sobrenatural, um "Menino" que nasceu em forma misteriosa, é o mistério da encarnação de Cristo, é a união de duas naturezas: a natureza divina unida à natureza humana numa só personalidade – é Deus-Homem a um só tempo.

E maravilha das maravilhas, esse Menino "se nos deu". Foi a maior Dádiva do Céu. Em Cristo Jesus, Deus nos entregou toda a incomensurável riqueza do amor, da sabedoria e do conhecimento.

Cristo é a maior Dádiva do Céu, porque nEle temos o próprio Céu. Ele é o Homem Incomparável porque é Deus também.

E notamos na 2ª parte do verso 6 que "o governo está sobre os Seus ombros". Sim, porque o Homem Incomparável reinará com poder e glória sobre o trono de Davi. Na cruz, Ele inaugurou a primeira fase, o reino da graça; em breve na Sua Segunda Vinda, inaugurará o trono da glória.

E finalmente, na 3ª parte do verso 6, temos o nome do nosso Salvador, a identificação do Homem Incomparável. E Ele assim é, porque o Seu nome será: "Maravilhoso Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz". Há alguém, além de Jesus Cristo, que pode ter esse nome? Não, de modo nenhum! Ele é o Único. Ele é o Homem Incomparável, porquanto nunca houve ninguém como Jesus.

3) JEREMIAS testificou também

Vamos ler agora o que nos disse o profeta Jeremias acerca do Homem Incomparável.

Jer. 23:6: "Nos seus dias, Judá será salvo, e Israel habitará seguro; será este o seu nome: SENHOR, Justiça Nossa."

Notamos que o profeta das lamentações identifica a Jesus como o "Senhor, Justiça nossa", e esse nome aponta à Sua gloriosa obra de imputar-nos a Sua maravilhosa justiça que demonstrou a todo o universo quando viveu aqui na terra.

Paulo disse: "Jesus, esperança nossa" (1Tim. 1:1). Jeremias disse: "O Senhor, justiça nossa". Com efeito, nossa única esperança de salvação, nossa suprema esperança de vida eterna, nossa esperança de justiça se encontra em Cristo Jesus, o Senhor justiça nossa.

Ele é o Homem Incomparável, porque ninguém na Terra viveu uma vida de justiça, sem mancha, sem mácula, sem um único pecado. Jesus viveu entre os homens como o lírio cresce na lama.

Meus amigos, irmãos de idêntica preciosa fé: Nunca houve ninguém como Jesus, o Senhor Justiça nossa. Ponha nEle a sua inteira esperança.

B) QUE DISSERAM OS SEUS CONTEMPORÂNEOS?

Os contemporâneos de Jesus, os que viveram no tempo de Jesus, são as melhores testemunhas, melhores que os céticos e incrédulos modernos. Em toda a História, os tribunais têm dado grande valor ao depoimento de testemunhas oculares.

1) JOÃO BATISTA: "Eis o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo." (João 1:29).

2) SIMEÃO, o velho encanecido Simeão, quando viu a Jesus Cristo no templo, testificou: "Os meus olhos já viram ... a salvação." (Luc. 2:30).

3) ANDRÉ, um dos apóstolos: "Temos achado o Messias (que quer dizer Cristo)." (João 1:41).

4) NATANAEL, verdadeiro israelita em quem não há dolo: "Tu és o Filho de Deus." (João 1:49).

5) NICODEMOS, grande teólogo, senador em Israel, disse: "Sabemos que és Mestre vindo da parte de Deus." (João 3:2).

6) Os SOLDADOS que foram prender a Jesus: "Jamais alguém falou como este Homem." (João 7:46). Jesus é o Homem Incomparável.

7) PILATOS: "Eu não acho nEle crime algum." (João 18:58).

8) O CENTURIÃO, oficial romano: "Realmente, este homem era justo. Verdadeiramente, Este era Filho de Deus." (Luc. 23:47; Mat. 27:54).

C) QUE DISSE JESUS DE SI MESMO?

1) S. João 6:48 – "Eu sou o Pão da vida".

Alguém jamais ouviu Confúcio dizer: "Eu sou o pão da vida"? Porventura Buda disse isto? Não! Homem nenhum jamais proferiu tão significativa sentença. Jesus é Incomparável.

2) S. João 8:12 – "Eu sou a Luz do mundo".


Porventura algum grande filósofo fez tal declaração? Por acaso algum profeta moderno, por exemplo Kirkgaard pôde dizer tal coisa? Tomás de Aquino a proferiu? Ou Maomé no passado?

Mas o Incomparável Homem de Nazaré falou, e na Sua voz sentimos a melodia celeste, a voz do próprio Deus, transmitindo a luz.

Ó amigos, deixem as luzes bruxuleantes deste mundo, e venham para a luz eterna!

3) S. João 10:11 – "Eu sou o Bom Pastor". Jamais ouvimos alguém, com exceção de Jesus, dizer: "Eu sou o Bom Pastor". Ele é o Único que deu a Sua vida pelas Suas ovelhas.

4) S. João 11:25 – "Eu sou a Ressurreição e a Vida". Será que Aristóteles podia dizer isto? Não! Podia Platão dizê-lo? Tampouco Maomé. Mas o Incomparável Jesus que era a Personificação da Vida, disse com meridiana clareza: "Eu sou a Ressurreição e a Vida". Graças a Deus por Jesus Cristo.

5) S. João 14:6 – "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida ". Sócrates jamais disse tal coisa. Mas Jesus Cristo diz aos que trilham o caminho desta vida – caminho tenebroso, por vezes árduo, por vezes tão íngreme, Jesus nos dá uma consoladora certeza, ao dizer: "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida". Com efeito, nunca houve ninguém como Jesus.

II – O QUE FAREMOS DE JESUS?

Disse Pilatos à multidão que clamava por uma ação pronta: "Que farei, então, de Jesus, chamado Cristo?" (Mat. 27:22). Pilatos dirigiu-se ao povo que queria crucificar a Jesus, e lhes perguntou: "Que farei eu de Jesus, chamado Cristo?" Que fará você de Jesus, chamado Cristo? Que faremos nós de Jesus, chamado Cristo? Que faremos do Incomparável Homem de Nazaré?

Há três coisas você deve fazer para ter paz de alma, para ter esperança de perdão, esperança de vida eterna: para você e a sua casa.

A) Em 1º lugar: Recebe você mesmo a Jesus Cristo como seu Salvador pessoal. Permita que Ele ocupe o seu coração, dando-Lhe o primeiro lugar.

1) Vamos receber ao Homem Incomparável, vamos lhe entregar a nossa vontade rebelde, vamos depor aos Seus pés todos os nossos pecados. Vamos confessá-los, experimentemos o verdadeiro arrependi-mento. Andemos com sinceridade de alma. Vamos andar com Jesus Cristo.

2) Oremos mais intensamente, rogando a orientação divina para a nossa vida. Busquemos a Deus em oração fervente.

3) Busquemos também a Jesus através das páginas do Sagrado Livro; procuremos encontrar na Bíblia a Cristo, o alimento para a nossa alma, o pão que desceu do Céu.

Vamos fazer de Jesus o nosso melhor Amigo, Aquele em Quem podemos confiar. Vamos amá-Lo e guardar sinceramente todos os Seus mandamentos. Vamos andar com Ele pela fé.

B) Em 2º lugar: Dê aos seus filhos o prazer e o privilégio de conhecer mais a Jesus Cristo. Quanto mais eles O conhecerem, mais O amarão.

De que modo irão conhecê-Lo melhor?

1) Através do culto familiar, no início e no fim do dia. Contem no culto as histórias de Jesus para os seus filhos. Deixem-nos participar nas leituras sagradas, e ensinem o respeito e a reverência pelo que é santo. Não brigue não bata nos filhos na hora do culto, para que eles não se revoltem. Não irritem os seus filhos em tempo algum, e especialmente na hora do culto. Sorriam, sorriam – mostrem pelo sorriso simpático a alegria de Jesus.

2) Traga os filhos para os cultos da Igreja. Não perca nem um só dos cultos da Igreja: aos sábados, aos domingos e quartas-feiras, e sempre acompanhados dos seus filhos. Lembre-se de que os seus filhos precisam conhecer mais a Jesus Cristo. Não perca nenhum oportunidade: com chuva ou bom tempo, faça um sacrifício e venha à Igreja com todos os filhos. Eles precisam de Jesus.

3) Ainda mais: ponha os seus filhos numa Escola Adventista, escola cristã, onde eles possam ouvir mais do Homem Incomparável – Jesus, a nossa Esperança.

Os seus filhos seguramente não escolherão a Cristo, se ouvirem falar dEle apenas 2 horas no sábado, e passarem a semana inteira ouvindo as coisas do mundo em outras escolas, através de professores incrédulos, irreverentes e ateus.

Mas se o seu filho ouvir de Jesus Cristo no culto familiar (de manhã e à noite), nos três cultos da Igreja, e todos os dias numa Escola Adventista, ou em nossos internatos, eu lhes asseguro sem medo de errar: Eles escolherão o Homem Incomparável, eles farão a maior escolha de sua vida ao preferirem o Senhor Jesus Cristo.

Era um lindo dia de sol, quando batem intensamente à porta de um pastor. Ao ser aberta a porta, una senhora se precipita para dentro da sala exclamando: "Por que ela me fez isto? Dei-lhe tudo o que desejava e agora vejo que foi tudo em vão. Por que ela me fez isto?"

A história é a seguinte: Um casal possuía uma filha única, que foi educada com todo o esmero, recebeu tudo o que desejava e agora, depois de tudo isso; ela vivia uma vida irregular, dando muito desgosto aos pais, que tinham feito tudo pela única filha, todo o seu orgulho nesta vida.

"Nós lhe demos tudo e agora ela fez isto."

O pastor, compenetrado, escuta a curta mas tocante história de uma mãe desesperada, e então calmamente faz a seguinte e solene pergunta: "Vocês também lhe deram Jesus?"

"Não", respondeu a mãe, "nós não somos muito religiosos."

Que tristeza! Tinham dado tudo à filha, todos os prazeres do mundo foram dados, menos a coisa mais importante – Jesus – porque faltava religião naquela casa.

Sim, Jesus é "o caminho, e a verdade e a vida".

Tudo menos Jesus, eis o fracasso.

C) Em 3º lugar: Você deve falar de Cristo para os outros. Dizíamos que primeiro você deve receber a Cristo, logo você deve levar os filhos a Cristo, e agora você deve testificar de Cristo.

Você deve testificar de sua fé aos que não têm fé; ser uma luz aos que jazem nas trevas. Você deve levar o pão espiritual aos famintos. E Cristo será a sua mensagem, Ele é a esperança das almas em pecado.

Não fique calado: fale da verdade aos outros, fale de Jesus. Aprenda a dar estudos bíblicos – nós temos cursos sobre isto. Ofereça literatura aos vizinhos e amigos: folhetos, revistas, empreste os seus livros que estão sendo comidos pela traça, tire-os das prateleiras. Ofereça os cursos da Voz da Profecia.

Ganhe uma alma para Jesus Cristo. Escolha uma pessoa para trabalhar com você. Não fique parado aí, não seja apenas um papa-sermões. Trabalhe por Jesus.

E não esqueça: Nós só conservaremos o Salvador conosco, se nós O comunicarmos aos outros.

APELO:

O que vocês farão agora de Jesus, chamado Cristo? Que faremos do Incomparável Homem de Nazaré?

Vamos recebê-Lo, vamos dá-Lo aos filhos, vamos comunicá-Lo aos outros. Se nós fizermos isso, nós estaremos conservando para nós a maior Esperança, a Esperança da glória – Cristo Jesus, o Incomparável Homem de Nazaré.

Podemos nós fazer agora uma nova entrega a Jesus Cristo? Que farão vocês de Jesus, chamado Cristo?

Vamos nos reconsagrar ao nosso querido Salvador! Vamos suplicar dEle o perdão!

Façamos um novo propósito para a nossa vida com os nossos filhos, levando-os a Jesus Cristo, dando-lhes uma educação cristã.

Firmemos nossos votos de consagração ao Senhor, através de nossa fidelidade nos dízimos e pactos, no culto familiar, no estudo particular da Bíblia, e na prática solitária da oração, na fiel assistência aos cultos, no valorizarmos mais os bens espirituais, através da leitura do Espírito de Profecia.

Um novo propósito para ganhar mais almas para Jesus. Vamos cada um ganhar mais um; ou, no mínimo, 2 ganhando uma alma. Vamos trabalhar para Jesus Cristo.

Quantos desejam fazer esse propósito? Esteja certo de sua verdadeira consagração e serviço a este maravilhoso e incomparável Jesus Cristo, que morreu em seu lugar.

As três virtudes do Cristão

O cristão é cheio de virtudes. Não faltam virtudes em uma pessoa que segue a Jesus Cristo.

Entretanto, há 3 virtudes que se destacam como virtudes indispensáveis. Com efeito, não pode haver cristão sincero sem estas 3 qualidades. As 3 virtudes de que estamos falando se encontram em Rom. 12:12: "Regozijai-vos na esperança; sede pacientes na tribulação; na oração, perseverantes."

Consideremos a Primeira Virtude Indispensável:

I – REGOZIJAI-VOS NA ESPERANÇA

Nós cristãos temos esperança. Agnósticos não tem esperança; materialistas não tem esperança; os ateus não tem esperança. Os incrédulos não tem esperança. Mas os cristãos estão cheios de esperança. E por isso podem se alegrar e se regozijar. Podem revelar a sua grande alegria na esperança.

1 - Podemos nos regozijar na esperança da Ressurreição
Atos 24:15.

Jó se encontrava em uma fase difícil de sua vida, contra toda a esperança. Ele olhava para o seu corpo cheio de chagas e se desanimava. Mas olhando para os dias futuros, ele se alegrava na esperança da ressurreição, dizendo: "Eu sei que o meu Redentor vive e por fim se levantará sobre a Terra. Depois, revestido este meu corpo da minha pele, em minha carne verei a Deus." (Jó 19:25-26).

O profeta Isaías, Daniel, Ezequiel e outros profetas falaram de sua esperança na ressurreição. E eles se alegraram no fato de que esta vida não acaba na morte do corpo, porque há uma esperança de que esse corpo há de reviver.

Todos os cristãos crêem na ressurreição. Sabemos que o nosso corpo abatido um dia será levado à sepultura. A morte nos aguarda. Disse o apóstolo Paulo: "Dia após dia morro!"

Mas Paulo tinha a esperança na ressurreição. Ele disse: "Tenho esperança em Deus de que haverá ressurreição tanto de justos como de injustos". E ele se regozijava nessa esperança, dizendo que o Senhor Jesus Cristo "transformará o nosso corpo de humilhação para ser igual ao corpo da Sua glória" (Fil 3: 21).

Nós também podemos nos alegrar na esperança da ressurreição. Temos a esperança de que um dia o Senhor nos levantará do pó e nos ressuscitará, se tivermos de passar pela morte. Mas se não, sabemos que os nossos queridos hão de ressuscitar.

2 - Podemos nos regozijar na esperança da Volta de Jesus
Tito 2:13.

A esperança da Volta de Cristo é a suprema esperança, que encerra todas as esperanças cristãs. Sabemos que Ele virá. Esperamos a Cristo nas nuvens dos céus, com poder e grande glória. E esta é a nossa maior esperança.

Este será o maior acontecimento da história. Será a concretização de todas as esperanças de todos os cristãos de todas as eras. Será a bendita, "a bem-aventurada esperança, a manifestação da glória do nosso grande Deus e salvador Jesus Cristo".

Qual deveria ser a nossa atitude diante desta gloriosa esperança? "Naquele dia se dirá: Eis que este é o nosso Deus, em Quem esperávamos, e Ele nos salvará; este é o Senhor a Quem aguardávamos; na Sua salvação exultaremos e nos alegraremos." (Isa. 25:9). Você também pode se alegrar na esperança da Volta de Jesus. Nossa atitude será de exultação, expectação e entusiasmo! Alegrando-nos, apressando, e preparando-nos.

3 - Podemos nos regozijar na esperança da Vida Eterna
Tito 1:2.

Todos apreciam viver. Mesmo as pessoas não cristãs apreciam tanto a vida que fazem de tudo para manter a sua saúde em dia, a fim de preservar a vida. As descobertas científicas da Medicina enchem a milhares de esperança. E eles podem até se alegrar nesta esperança de mais alguns anos de vida. Entretanto, eles não tem a esperança da vida eterna. Eles dizem: "Comamos e bebamos, que amanhã morreremos!"

Os cristãos, pelo contrário, podem se regozijar pela esperança da vida eterna, uma vida que se compara com a vida de Deus. Enquanto Deus viver, nós viveremos. E naturalmente, isto não significa alguns poucos anos a mais. Isto significa que nós poderemos viver pelos séculos intérminos da eternidade.

Vamos, portanto, nos alegrar porque esta é a grande promessa de um Deus que não pode mentir, uma promessa feita antes dos tempos eternos.

Segunda Virtude do Cristão:

II – SEDE PACIENTES NA TRIBULAÇÃO

Embora tenhamos alegria, também temos tribulações. A vida cristã não é um mar de rosas aqui neste mundo de pecado e confusão. (1Ped. 4:12; 5:9).

1- Paciência na tribulação é evidência de Amor.
Disse Paulo que "o amor é paciente" (1 Cor. 13:4).

Jó é o maior exemplo. Ele amava tanto a Deus, que mesmo na mais atroz provação revelou a mais extraordinária paciência. Ele perdeu os animais, perdeu as propriedades, perdeu os filhos e perdeu a saúde. A Sua esposa, esta ele não perdeu. Satanás queria usá-la para dizer algumas palavras venenosas a Jó. Aquela mulher, completamente desencantada, lhe falou: "Ainda conservas a tua integridade? Amaldiçoa a Deus e morre!" E qual foi a resposta de Jó? "Temos recebido o bem de Deus, e não receberíamos também o mal?" E quando Jó contemplou toda aquela devastação, destruído em suas bases, lançou-se em terra, adorou e disse: "Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei. Bendito seja o nome do Senhor!" (Jó 2:9-10; 1:20-21). Isto é paciência na tribulação, revelada em um grande e exorbitado amor para com Deus!

Quando somos atribulados, devemos revelar esse amor a Deus e ao nosso semelhante de tal modo que sejamos pacientes nas tribulações. Algumas vezes perdemos o emprego; ou somos atribulados em nosso lar, em meio aos conflitos de vontades. Ou sofremos perdas financeiras. Disse o apóstolo Paulo: "Sede pacientes na tribulação." Isso revela a genuinidade de nosso amor. Mostra que o nosso amor cristão é verdadeiro.

2 - Paciência na tribulação é evidência de Ideal.
Heb. 11:24-25.

Moisés foi atribulado junto ao povo de Deus, mas preferiu ser assim maltratado, renunciando o trono do Egito e os prazeres transitórios do pecado. Por que ele fez tamanha renúncia? Porque ele tinha o grande ideal de libertar o povo de Deus da escravidão. E ele revelou a paciência na tribulação porque podia ver o Deus invisível a operar em meio à tribulação.

Quando temos um ideal, podem vir as tribulações por todos os lados, nós seremos pacientes porque podemos ver mais além do que se vê pelos olhos físicos.

3 - Paciência na tribulação é evidência de Vitória
Os mártires do passado revelaram uma paciência nas tribulações que redundou em vitória sobre os seus inimigos. Eles foram roubados de suas propriedades, expatriados, exilados, jogados às feras famintas, decapitados e queimados vivos. E, no entanto, morriam cantando a sua vitória, expressando uma paciência extraordinária frente às maiores tribulações.

Policarpo (70-160), foi um dos mártires da igreja primitiva, bispo da igreja de Esmirna, no século II. Aos 87 anos, o governador foi convencê-lo a mudar a sua ideia. A resposta veio pronta: "Como poderia eu renunciar ao meu Salvador que nunca me fez mal nenhum?" "Mas você vai perder as suas propriedades!" "Minhas propriedades estão lá na cidade celestial, onde Deus me preparou um lugar no Paraíso!" "Mas você vai perder a sua família!" "Minha família é toda a cristandade espalhada pelo mundo inteiro!" "Mas você vai perder a vida!" "Minha vida está escondida por Deus em Cristo Jesus!" Irado, o governador se levantou e lhe disse: "Eu vou matá-lo!" "Ninguém pode me matar, porque Deus me deu a vida eterna!" Policarpo foi condenado no estádio da cidade a morrer queimado; ele próprio subiu na fogueira e testemunhou para o povo: "Sede bendito para sempre, ó Senhor; que o Vosso nome adorável seja glorificado por todos os séculos".

Com efeito, todos os remidos serão atribulados e foram vistos em visão no Apocalipse, contemplados pela paciência na tribulação, proclamando a sua vitória contra todos os seus inimigos.

Terceira Virtude do Cristão:

III – SEDE PERSEVERANTES NA ORAÇÃO

Os cristãos são perseverantes. Este é um de seus principais característicos. Nos últimos dias os justos foram descritos desta maneira: "Aqui está a perseverança dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus" (Apo. 14:12).

Vamos exemplificar a perseverança dos cristãos. Tomás Edson foi o inventor da lâmpada elétrica. Disso a maioria das pessoas sabe. Mas como ele chegou a esse invento extraordinário que mudou a vida do mundo inteiro?

Edson tentou 20 vezes, e não conseguiu. Mas ele não era de desistir tão facilmente. Ele tentou mais 20 vezes e fracassou. Tentou mais 100 vezes e fracassou. Tentou mais 200 vezes e não deu certo. Aí ele continuou tentando, tentando e tentando. Mas os filamentos da lâmpada se queimavam, e ele não conseguia criar resistência, senão por apenas pouco tempo. Ele tentou sabe quantas vezes? Ele tentou 500, 600, 700 vezes, mas que perseverança! Ele realmente não era de desistir facilmente mesmo!

Ele tentou 1.188 vezes e fracassou. Daí a sua mulher lhe disse: ''Você deve estar louco! Você tem um vácuo na cabeça!'' Então, Edson chegou à conclusão de que os filamentos da lâmpada se queimavam com a presença do oxigênio; faltava o vácuo. Daí, após 1.189 tentativas, conseguiu produzir uma lâmpada que resistisse por 1000 horas. Coincidência ou não, a Bíblia tem 1189 capítulos, e é comparada à lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho (Sal. 119:105). Entretanto, Tomas Edson ilustra muito bem como funciona a perseverança dos fiéis seguidores de Jesus Cristo.

1 - Perseverança na oração traz a resposta desejada
Isso move o braço da onipotência divina. Sabe o que é perseverança na oração? É orar, orar, orar e orar e orar mais ainda até alcançar a resposta.

Cristo contou uma parábola (Luc. 18:1-8.). Havia em certa cidade um juiz que não temia nem a Deus nem a homem algum. E havia na mesma cidade uma viúva que estava enfrentando alguns problemas sérios. Então, ela foi ter com ele e dizia: "Julga a minha causa contra o meu adversário!" Mas ele não lhe dava atenção. Mas aquela mulher era muito insistente e perseverava dia e noite, dizendo: "Julga a minha causa contra o meu inimigo!" O juiz a princípio não se importou com os seus pedidos; mas ela era por demais perseverante para desistir, e clamou mais ainda. E aquele juiz começou a se abalar em suas emoções, e disse consigo mesmo: "Bem que eu não temo a ninguém, mas como esta viúva me importuna, julgarei a sua causa, para que não venha a me incomodar mais!" A mulher foi tão perseverante que conseguiu o seu intento.

Cristo contou esta parábola do juiz iníquo não só para nos dizer que Deus é bom, mas para nos incentivar à prática da oração perseverante. Ele nos ensinou sobre "o dever de orar sempre e nunca esmorecer" (v. 1).

Ana orou com perseverança e foi atendida. Ana era uma mulher estéril e desejava ter um filho, ardentemente. Elcana, seu esposo, sabia de seu desejo, e fazia de tudo para agradá-la, porque sabia que ela não podia ter filhos. Penina era a outra esposa que a provocava intensamente, porque ela tinha esse problema. Então, Ana se dirigiu ao templo e orou insistentemente, clamando a Deus com grande angústia de alma. Perseverou em oração e Deus atendeu à sua prece, e lhe deu um filho chamado Samuel, que foi um dos maiores profetas em Israel.

Jacó se encontrava aflito porque ia se encontrar com o seu irmão Esaú, que ainda era o seu inimigo pronto com o seu exército para lhe tirar a vida, junto com toda a sua família. Mas Jacó teve um encontro com Deus no vau do Jaboque e lutou com Deus em oração e prevaleceu. Porque a perseverança na oração traz a resposta de que nós mais precisamos.

2 - Perseverança na oração traz o fortalecimento da fé
Há uma relação muito estreita entre fé e oração, porque quando nós oramos, a nossa fé se fortalece. Mas se nós oramos com perseverança, com insistência, nós temos a nossa fé muitas vezes fortalecida, e nos tornamos inabaláveis. Nada nem ninguém pode abalar a um cristão que ora com perseverança.

Muitos cristãos negligenciam a oração e são fracos em sua fé, e são envolvidos pelas trevas do inimigo. Muitas vezes quando nós negligenciamos a oração, estamos desligados da Fonte de bênçãos espirituais, e desligados da Fonte da vida, nós ficamos fracos em nossa fé.

Mas se queremos ser fortalecidos, temos que perseverar na oração, porque a perseverança na oração enrijece a fé.

3 - Perseverança na oração traz vitória sobre o pecado
Apresento o maior Modelo, o maior Exemplo, jamais superado: Jesus Cristo.

No Deserto da Tentação, Jesus Cristo Se encontrava sozinho, mas comungava com Deus de modo perseverante. Durante 40 dias Ele orava a Deus, traçando planos para o Seu ministério. E quando se aproximou Satanás com as suas palavras tentadoras, Ele estava pronto para enfrentá-lo, e saiu-se vitorioso, porque a perseverança na oração traz vitória sobre o pecado.

Disse Jesus Cristo aos discípulos, no Jardim do Getsêmani: "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação." Vigiar em oração significa perseverar em oração. Eles começaram a orar com Cristo, mas não perseveraram e foram todos vencidos. Eles tinham sido avisados. E nós também somos avisados. Mas enquanto fracassaram os discípulos, Jesus Cristo perseverava na oração e clamava diante de Deus, a fim de que a Sua vontade se realizasse. E saiu mais uma vez vitorioso contra as hostes do mal.

Na Cruz do Calvário, Jesus Cristo continuou perseverando em oração, e orava até por Seus inimigos: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem!" Continuou em mais oração e disse: "Pai, nas Tuas mãos entrego o Meu espírito." E saiu-Se triunfante em uma vitória esmagadora contra Satanás, porque a perseverança na oração traz vitória contra o pecado e seu originador.

CONCLUSÃO

Agora sabemos quais são as 3 virtudes dos cristãos:
1. Eles são exultantes na esperança
2. Eles são pacientes na tribulação
3. Eles são perseverantes na oração.

Como estamos nós? Será que estamos nos regozijando na esperança, ou nas coisas deste mundo? Somos nós pacientes na tribulação, ou não temos paciência em tempo algum? Somos nós perseverantes na oração, ou não temos tempo para o que é essencial à vida cristã?

Que Deus nos dê Sua graça, para que possamos viver a mensagem de Rom. 12:12: "Regozijai-vos na esperança; sede pacientes na tribulação; na oração, perseverantes."


PR. ROBERTO BIAGINI
Teólogo, Mestre em Teologia. Realizou vários cursos de Extensão Teológica da Andrews University e do Centro de Educação Contínua da DSA. Trabalhou como distrital de várias igrejas do centro, norte e sul do país. É casado com a Profª. Silvane Luckow Biagini, e tem dois filhos, Ângela e Roberto.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Ação e Omissão


É sempre mais fácil não fazer;
É sempre mais fácil omitir-se diante da realidade;
É muito mais fácil não se meter;
É muito mais fácil economizar-se;
É sempre mais fácil fingir que não viu;
É sempre mais fácil dizer que não tem tempo;
É muito mais fácil negar-se a participar;
É sempre mais fácil recolher-se só no seu canto;
É muito mais fácil criticar quem faz;
É sempre mais fácil achar erros nos que agem;
É muito mais fácil ser extremamente prudente;
É sempre mais fácil não errar por não fazer;
É sempre mais fácil achar-se impotente;
É muito mais fácil achar quem faz metido;
É muito mais fácil ser rígido que flexível;
É sempre mais fácil ser autoritário que democrata;
É muito mais fácil discutir com ignorantes;
É muito mais fácil fugir do que é novo;
É sempre mais fácil repetir velhas fórmulas;
É sempre mais fácil achar-se perseguido pelos outros;
É muito mais fácil tramar pelas costas;
É muito mais fácil não acreditar em ninguém;
É sempre mais fácil achar-se o dono da verdade;
É sempre mais fácil vestir-se a carapuça no outro;
É muito mais fácil ser falso que autêntico;
É muito mais fácil ser ateu, agnóstico, que cristão;
É sempre mais fácil achar quem faz puxa-saco;
É sempre mais fácil não pedir ajuda a ninguém;
É sempre mais fácil ser auto-suficiente que reconhecer as limitações;
É sempre mais fácil exigir total fidelidade do que ser fiel;
É sempre mais fácil esquecer-se de agradecer;
É sempre mais fácil ser mesquinho do que dar;
É muito mais dizer não do que sim;
É muito mais fácil achar que os outros estão “abusando”;
É muito mais fácil não admitir do que compreender;
É sempre mais fácil cortar do que atar, emendar, permitir;
É muito mais fácil achar os outros ignorantes do que se analisar;
É muito mais fácil não se comprometer com o “social”;
É sempre mais fácil querer tudo por escrito para não se comprometer;
É sempre mais fácil sair limpo, do que sujar-se na ação;
É muito mais fácil só ter amigos;
É muito mais fácil ser morno;
É sempre mais fácil deixar-se corromper do que denunciar;
É sempre mais fácil subornar do que enfrentar;
É muito mais fácil ir devagar do que depressa;
É muito mais fácil achar que o “mundo é assim mesmo”;
É sempre mais fácil não confiar no ser humano do que crer no Homem;
É sempre mais fácil desconfiar de todo mundo;
É sempre mais fácil estar “bem” com todo mundo;
É muito mais fácil dizer: “eu sou assim mesmo e não vou mudar”;
É muito mais fácil achar perigoso do que correr riscos;

É sempre mais fácil não fazer. Pense Nisso. Sucesso!


PROF. LUIZ MARINS

Antropólogo. Estudou Antropologia na Austrália (Macquarie University/School of Behavioural Sciences) sob a orientação do renomado antropólogo indiano Prof. Dr. Chandra Jayawardena e na Universidade de São Paulo (USP), sob a orientação da Profa.Dra. Thekla Hartmann;

- Licenciado em História (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba); estudou Direito (Faculdade de Direito de Sorocaba); Ciência Política (Universidade de Brasília - UnB); Negociação (New York University, NY, USA); Planejamento e Marketing (Wharton School, Pennsylvannia, USA); Antropologia Econômica e Macroeconomia (Curso especial da London School of Economics em New South Wales) e outros cursos em universidades no Brasil e no exterior.

Site: Anthropos

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

UM PRESENTE DE NATAL A JESUS


Certa vez no ministério de Cristo aproximaram-se dEle dois de Seus discípulos – Tiago e João – acompanhados de sua mãe, e fizeram ao Salvador um pedido: "Senhor", disseram eles, "queremos que nos concedas o que Te vamos pedir."  E Jesus disse: "Que quereis que vos faça?"  Responderam-Lhe: "Permite-nos que na Tua glória nos assentemos um à Tua direita e outro à Tua esquerda."

Era um pedido estranho, egoísta; e o Mestre, Salvador nosso, respondeu: "Não sabeis o que pedis." E os outros discípulos se indignaram ao ouvir do pedido egoísta e interesseiro de Tiago e João.

Nós fazemos muitos pedidos a Deus. Nossas orações estão impregnadas de vários pedidos; quase que nós oramos só pedindo favores. Entretanto, nesta hora não queremos falar dos pedidos que fazemos a Deus, mas desejamos falar dos pedidos que Deus nos faz a nós. Ou mais exatamente, falaremos sobre o único pedido que Deus faz ao homem.

O Natal, como de costume, tem sido uma ocasião para se dar presentes uns aos outros. Entretanto, se o Natal é de Jesus, Ele é Quem deveria receber presentes.

O que daremos a Jesus neste Natal? Bem faríamos nós se neste Natal chegássemos aqui neste templo para, abrindo dos nossos tesouros, entregássemos as nossas ofertas ao nosso Salvador. Seria muito oportuno que no Natal a tesouraria da Igreja recebesse abundantes recursos para a obra de Jesus Cristo.

Difícil é dar presentes. Uma das coisas mais difíceis de se fazer é dar presentes. Por quê?

Os preços: São altos; nosso dinheiro é pouco. As variedades: não sabemos o que escolher. Os gostos diferentes: Será que ele/ela vai gostar? E os presenteados? Um grande número de pessoas esperando receber presentes: Para quem vamos dar? Temos nossas limitações; não podemos dar para todos!

Mas não há essa dificuldade toda se queremos presentear a Jesus, porque Ele já especificou o que Ele quer receber neste Natal, e o que Ele pede está ao alcance de todos. E hoje queremos falar sobre o mais precioso de todos os presentes que podemos entregar a Jesus. Nós o encontramos em Prov. 23:26: "Dá-me, filho meu, o teu coração."

Portanto, não precisamos ficar em dúvida a respeito do presente que o Salvador deseja de nós neste Natal, pois Ele mesmo especifica no texto lido: "Dá-Me, filho Meu, o teu coração."  Este é o mais sublime pedido que você encontra na Bíblia. Na realidade, é o único pedido que Deus faz ao homem; todos os outros pedidos estão dentro deste pacote.

I – A ORIGEM DO PEDIDO

1) Esse pedido procede de um PAI

Notem as palavras: "Dá-Me, filho Meu". Ora, se eu sou o Seu filho, Ele é o meu Pai, evidentemente. O nosso relacionamento para com Deus é de Pai para filhos. Cristo mesmo nos ensinou a orar a Deus, dirigindo-nos a Ele como um Pai: "Pai nosso, que estás nos céus" (Mt 6:9).

Graças a Deus, podemos nos aproximar dEle, chamando-O de Pai. E Ele compreende tudo quanto isso implica. O pai conhece o filho, e Deus conhece muito bem os Seus filhos. A Bíblia nos diz que Ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó. (Sal. 103:14). E uma vez que Ele conhece a nossa estrutura, sabe de nossas fragilidades, está ciente de nossas limitações. Ele conhece todos os nossos pecados ocultos, sabe de todas as nossas más inclinações. Conhece todas as nossas boas intenções também.

Mas é admirável que conhecendo-nos assim, Ele não nos trata como merecemos. Diz a Bíblia que Deus não nos trata segundo os nossos pecados, e nem nos retribui consoante as nossas iniquidades. Como é que Ele nos trata? "Como um pai se compadece dos seus filhos, assim o Senhor Se compadece" de nós outros. Eu me alegro muito na Sua compaixão e misericórdia: Ele é o nosso Pai amorável e a Sua misericórdia é de eternidade a eternidade.

Aqueles que têm o privilégio de ser pais podem melhor compreender esse relacionamento de Deus conosco. Podem sentir o seu próprio amor para com os seus filhos, e o amor de Deus para consigo. Tudo quanto a palavra pai significa Deus cumpre em nós, por nós e para nós, e muito mais que isso.

Mas se Deus é um Pai de amor e misericórdia, e se Ele nos fizesse um pedido, como haveríamos nós de negar o Seu pedido? Não temos outra alternativa, em vista do Seu maravilhoso amor, senão de atender o Seu pedido.

2) Esse pedido procede dAquele que é o PROPRIETÁRIO

Sim, Ele é o Proprietário não só da pessoa a quem Ele Se dirige mas também do coração que Ele pede. "Dá-Me, filho Meu". Deus Se dirige a nós e diz: "filho meu". Ou seja: Você é Meu, você é Meu filho! O apóstolo Paulo disse certa vez: "Não sois de vós mesmos" (1Co 6:19). Somos propriedade de Deus, não nos pertencemos.

Nós pertencemos a Deus por duas razões:

a) Primeiro, pela CRIAÇÃO, porque Ele nos criou, Ele nos formou com Suas próprias mãos, e tudo quanto Ele criou pertence a Ele – somos dEle pela criação. "Ao Senhor pertence ... o mundo e os que nele habitam". "Sabei que o Senhor é Deus; foi Ele quem nos fez, e dEle somos; somos o Seu povo e rebanho do Seu pastoreio" (Sl 24:1; Sl 100:3).

b) Em 2º lugar, pertencemos a Deus pela REDENÇÃO. O apóstolo Paulo afirmou: "Porque fostes comprados por preço" (1Co 6:20), um preço infinito. E qual foi o preço? O sangue de Jesus Cristo. Ele mesmo é o nosso Criador e o nosso Redentor. Que grande Proprietário nós temos em Cristo! Ele nos criou, e quando nós nos perdemos pelo pecado, Ele nos comprou novamente.

Se Ele é o Criador, Ele sabe o que é melhor para nós; Se Ele é o Redentor, Ele deseja o melhor para nós; Ele agora apenas faz um pedido: "Dá-Me, filho Meu, o teu coração".

c) Pertencemos a Deus pela Criação, pela Redenção; e Ele agora deseja que sejamos dEle por ESCOLHA.

Temos a capacidade de escolher servir o nosso Salvador. Ele nos conferiu o livre arbítrio. Quando Ele nos faz o pedido: "Dá-Me, filho Meu, o teu coração", devemos atender à Sua voz suplicante e amorosa, entregando-Lhe o coração, usando o livre arbítrio, escolhendo a Jesus como o nosso grande Proprietário.

E se nós já pertencemos a Ele, o que nos custaria entregar o coração? Então seríamos completamente dEle.

II – O PEDIDO DO PAI: O CORAÇÃO

Vamos pensar agora sobre o Pedido do Pai, o presente que daremos a Quem está de aniversário, de Natal. A Bíblia tem muito a dizer sobre o coração.

1) O que é o coração? Para a Ciência: é uma víscera, um órgão. Para a Fisiologia: é um músculo. A Medicina vê no coração uma bomba que distribui o sangue para todo o organismo.

Mas no sentido bíblico (e esse é agora o sentido universal), no sentido figurado: O coração é a fonte dos nossos pensamentos, dos sentimentos. É a sede da vontade, a origem de nossas afeições. Portanto, o coração no sentido bíblico é a mente. Deus pede a nossa mente, a fonte dos pensamentos, a origem de nossa vontade. Quando Deus pede o coração, Ele quer dizer a mente completa, a nossa vontade, o nosso eu individual.

Se nós dermos o nosso eu individual, se dermos a nossa vontade, se dermos a nossa mente sem reservas, teremos dado tudo  o que somos, tudo o que temos.

2) Descrição Bíblica.

A Bíblia não faz nenhum elogio ao coração do homem.  Disse o profeta Jeremias: "Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto; quem o conhecerá?" Jer. 17:9. E Cristo completou: "Porque de dentro, do coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios,  a avareza, as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura" (Mar. 7:21, 22).

A Bíblia fala muito sobre o coração; ela descreve o coração com muitos adjetivos. Numa Concordância Bíblica encontrei os seguintes atributos que descrevem os vários estados do coração humano:

Coração em guerra - (Sal. 55:21)
Coração ímpio - (Jó 36:13)
Coração insensato - (Sal. 14:1)
Alegre - (Prov. 17:22)
Triste - (Neem. 2:2)
Ferido - (Sal. 109:22)
Turbado - (Sal. 143:4)
Perverso - (Prov. 17:20)
Maligno - (Prov. 26:23)
Enganado - (Isa. 44:20)
Seduzido - (Jó 31:9)
Fraco - (Ezeq. 16:30)
Enfermo - (Isa. 1:5)
Ousado - (II Crôn. 17:6)
Soberbo - (II Crôn. 25:19)
Exaltado - (II Crôn. 32:25)

Mas a Bíblia fala de uma qualidade estranha que encontramos em Zac. 7:12: "Sim, fizeram o seu coração duro como diamante para que não ouvissem a lei, nem as palavras que o Senhor dos Exércitos enviara pelo seu Espírito, mediante os profetas que nos precederam." Zacarias fala de corações duros como diamante. Diamante é a coisa mais dura que existe. Nada pode riscar o diamante, porque ele é que risca tudo de tão duro que é.

O coração duro como diamante é um coração insensível, que não mais responde aos apelos do Espírito Santo. Como isso acontece? O coração fica endurecido pelo "engano do pecado". O orgulho endurece o coração, e o torna insensível ao toque do Espírito Santo.

Mas, amigos, embora tão tristemente qualificado, Deus assim mesmo pede o nosso coração. "Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade que vos afaste do Deus vivo; pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado." (Hb 3:12-13).

Se você sente o chamado, se você ainda ouve a voz de Deus falando à sua consciência, ainda há esperança. Ele continua dizendo: "Dá-M, filho Meu, o teu coração!"

3) O que Deus não pede: Deus não pede Dinheiro: Muitos são pobres e não poderiam se salvar, se esta fosse a condição e o pedido. Ele não pede Filhos: Deus não pede filhos, como o deus Moloque, a quem os amonitas sacrificavam seus próprios filhos. Muitos não podem ter filhos; seria um pedido impossível. Deus também não pede a nossa Cultura: Muitos não puderam estudar numa faculdade. Ele não pede Sacrifício: Jesus Cristo já morreu na cruz para nos salvar.

4) O que Deus pede? Deus pede apenas o coração. Um coração é alo que todos têm: Ricos e pobres, sábios ou iletrados, fracos ou fortes – todos têm um coração para dar. É um pedido que todos podem dar: Deus não pede o que nos é impossível. Ele conhece as nossas limitações, e só pede o que está ao nosso alcance. Entretanto, Deus pede, mas não exige. Ele não força a nossa vontade. Ele respeita o nosso livre arbítrio.

III – POR QUE DEUS PEDE O CORAÇÃO?

Por que Ele quer um coração enfermo, maligno, pecaminoso, triste? Por que Deus pede esse coração rebelde, em guerra, esse coração turbado, enganoso? Temos a Sua resposta em Ezeq. 36:26, 27: "Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne."   Porei dentro de vós o meu Espírito e farei que andeis nos meus estatutos, guardeis os meus juízos e os observeis."

Não poderia haver coisa mais sublime, mais elevada e nobre: Você já viu coisa igual? Alguém já lhe disse: "Dá-me a sua casa velha, porque eu quero lhe dar uma casa nova!" "Dá-me o seu carro velho, porque eu vou lhe dar um carro novinho em folha!" "Dá-me o seu terno velho, que eu darei a você um novo terno!" "Me dá esse seu sapato imprestável, eu lhe darei um sapato novo!"

Houve um encontro entre dois famosos doutores. O Dr. Christian Barnard entrou no quarto onde jazia o paciente de transplante cardíaco, o Dr. Blaiberg. O silêncio entre os dois homens foi a primeira coisa a ocorrer. O Dr. Christian Barnard, dirigindo-se para o Dr. Blaiberg, perguntou: "O senhor apreciaria ver o seu velho coração?" Blaiberg hesitou e respondeu: "Apreciaria, sim."

O Dr. Barnard deixou o quarto de seu paciente, desceu as escadarias de mármore que davam acesso ao laboratório e cuidadosamente tomou o vidro que guardava em solução o coração de Blaiberg. Segurou este vidro, subiu as escadarias e entrou ao quarto de Blaiberg. O silêncio voltou. Depois que os dois homens se entreolharam, Blaiberg estendeu as mãos para segurar o vidro onde estava o seu velho coração. As mãos trêmulas, e com voz entrecortada de soluços, disse para o Dr. Barnard: "Doutor, leve de volta este velho coração que tanto trabalho deu quando pulsava dentro do meu peito. Eu tenho agora um novo coração."

Você hoje pode dizer: "Eu tenho agora um novo coração!"? Deus pede seu velho coração para trocá-lo por um novo coração. Deus hoje nos diz: "Dá-Me, filho Meu, o teu coração", para que Eu possa trocá-lo por um novo coração. Dá-Me o seu coração cansado; Dá-Me o seu coração triste, abatido, esse coração poluído pelo pecado, esse coração fraco e tremente, que Eu lhe darei um novo coração.

Deus faz isto porque Ele é Pai. O pai tem prazer em dar coisas novas para o filho. Deus é Amor: Só o amor infinito poderia conceber tal dom – o dom de um novo coração, que resulta em uma nova vida, um novo caráter transformado à imagem de nosso Criador.

IV – PARA QUEM DAREMOS O CORAÇÃO?

Há outro ser, que é Satanás – um poder antagônico a Deus, que também deseja o nosso coração. Ele é o inimigo de nossas almas e ele quer o nosso coração para levá-lo à ruína. Ele não manifesta amor, mas ódio. Ele não pede, ele exige. Ele usa a força – luta com insistência para ganhar o nosso coração.

Deus que poderia usar a força por ser o Pai, por ser o Proprietário legítimo, Ele não usa a compulsão, mas Ele pede, Ele solicita. "Não por força, nem por poder, mas pelo Meu Espírito, diz o Senhor" (Zac. 4:6). Qual será a nossa decisão? Para quem você dará o seu coração? A Bíblia diz: "Hoje se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração" (Hb 4:7).

Para quem daremos o coração? 1) Saul deu o seu coração a Satanás, e o seu fim foi o suicídio. 2) Judas permitiu ao Diabo entrar em seu coração e se suicidou. 3) Demas amou o presente século, pôs o seu coração nas coisas do mundo e se perdeu. 4) Davi entregou o seu coração a Deus. Sua oração foi: "Cria em mim, ó Deus, um coração puro" (Sal. 51:10), e foi chamado depois de "o homem segundo o coração de Deus" (At 13:22). 5) Moisés entregou seu coração a Deus, de preferência a gozar os prazeres transitórios do pecado (Hb 11:25). Hoje ele está no Céu. 6) Enoque hoje ainda vive, e se encontra também no mesmo Céu porque escolheu a Deus por ser o proprietário de seu coração.

CONCLUSÃO

E quanto a você? Pode ser que você já pertença à Igreja de Cristo; então de fato você é um filho salvo, mas Deus pede: "Dá-Me, filho Meu, o teu coração". Pode ser que você já foi batizado, mas depois, esquecendo sua decisão, você entregou seu coração ao mal, ao pecado e às coisas deste mundo, e você hoje é um filho pródigo, e por isso com mais razão, Deus pede: "Dá-Me, filho Meu, o teu coração". Pode ser que você esteja vindo à Igreja, mas ainda não entregou o seu coração a Jesus Cristo, e neste caso você é um filho a ser adotado na família divina, e especialmente Deus pede: "Dá-Me, filho Meu, o teu coração".

Você gostaria de entregar hoje o seu coração a Deus? Você gostaria que Jesus Cristo entrasse na sua vida, realizando uma transformação completa, trocando o seu velho coração por um novo? Como você responderá ao pedido de Deus: “Dá-Me, filho Meu, o teu coração”?

Qual será a sua resposta? “Hoje se ouvirdes a Sua voz, não endureçais o vosso coração” (Hb 4:7).


PR. ROBERTO BIAGINI
Teólogo, Mestre em Teologia. Realizou vários cursos de Extensão Teológica da Andrews University e do Centro de Educação Contínua da DSA. Trabalhou como distrital de várias igrejas do centro, norte e sul do país. É casado com a Profª. Silvane Luckow Biagini, e tem dois filhos, Ângela e Roberto.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...