A Corrida do Cristão

A cada quatro anos, atletas de diversas nacionalidades se reúnem num país previamente escolhido para disputar um conjunto de modalidades esportivas nos famosos Jogos Olímpicos. A bandeira olímpica representa a união de povos e raças, pois é formada por cinco anéis entrelaçados que indicam os cinco continentes e suas cores. Os gregos foram os precursores dos Jogos Olímpicos. Por volta de 2500 a.C. já faziam homenagens aos deuses. Mas foi somente em 776 a.C. que ocorreram pela primeira vez os Jogos Olímpicos de forma organizada. Quando os romanos invadiram a Grécia no século II, muitas tradições gregas, entre elas as Olimpíadas, foram deixadas de lado. Em 392 d.C., os Jogos Olímpicos e todas as manifestações religiosas do politeísmo grego foram proibidos pelo imperador romano Teodósio I, após sua conversão ao cristianismo. Contudo, em 1896, os Jogos Olímpicos foram retomados em Atenas, por iniciativa do francês Pierre de Fredy, conhecido com o barão de Coubertin (veja mais 

Seja impacientemente paciente


Meu conselho é que você deve ser “impacientemente paciente”. O que é isso?

Isso significa que você não deve ter paciência com a sua falta de paciência. Significa que você deve lutar com todas as suas forças para ser a cada dia mais paciente, menos impaciente com tudo, menos com a sua falta de paciência.

Agora, entenda que ser paciente não é ser bobo ou boba. Ser paciente não é ser complacente. Menos ainda complacente com o erro, com a ausência de virtudes, com pessoas que não desejam se aperfeiçoar, assim como com trabalhos mal feitos.

Ser impacientemente paciente é dar tempo ao tempo quando precisa ser dado. Lembrar que o sucesso não ocorre de um dia para o outro e que deve ser construído todos os dias com dedicação, comprometimento e atenção aos detalhes. Ser impacientemente paciente significa lutar todos os dias contra os nosso pequenos defeitos e levantar novamente todas as vezes que erramos, lembrando que só não erra quem nada faz. Ser impacientemente paciente significa ter redobrada paciência para ensinar as pessoas, repetir conceitos até à exaustão, acreditar que as pessoas podem mudar e se desafiar para que elas mudem.

Vejo pessoas que não têm paciência. Querem tudo de uma só vez. E com isso desistem logo de suas empreitadas, jogam a toalha ao primeiro obstáculo, se irritam facilmente, trata mal as pessoas que deveriam justamente ensinar com amor e atenção.

A paciência é uma das mais importantes virtudes a serem desenvolvidas pelas pessoas. Muitas vezes ela é mal compreendida, confundida com passividade, com ausência de assertividade, com pura aceitação das coisas como são. Pelo contrário! A virtude da paciência tem tudo a ver com virtude da perseverança, da fortaleza, do domínio da vontade. Uma pessoa paciente não desiste, não se entrega, não se acomoda, não se deixa levar. Ela não é conduzida. Ela conduz com paciência e sabedoria. E nada é mais ligado à virtude da paciência do que a sabedoria. Só os verdadeiramente sábios conseguem ter paciência.

Pense nisso. Sucesso!

PROF. LUIZ MARINS

Antropólogo. Estudou Antropologia na Austrália (Macquarie University/School of Behavioural Sciences) sob a orientação do renomado antropólogo indiano Prof. Dr. Chandra Jayawardena e na Universidade de São Paulo (USP), sob a orientação da Profa.Dra. Thekla Hartmann;

- Licenciado em História (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba); estudou Direito (Faculdade de Direito de Sorocaba); Ciência Política (Universidade de Brasília - UnB); Negociação (New York University, NY, USA); Planejamento e Marketing (Wharton School, Pennsylvannia, USA); Antropologia Econômica e Macroeconomia (Curso especial da London School of Economics em New South Wales) e outros cursos em universidades no Brasil e no exterior. 

Comentários