A Corrida do Cristão

A cada quatro anos, atletas de diversas nacionalidades se reúnem num país previamente escolhido para disputar um conjunto de modalidades esportivas nos famosos Jogos Olímpicos. A bandeira olímpica representa a união de povos e raças, pois é formada por cinco anéis entrelaçados que indicam os cinco continentes e suas cores. Os gregos foram os precursores dos Jogos Olímpicos. Por volta de 2500 a.C. já faziam homenagens aos deuses. Mas foi somente em 776 a.C. que ocorreram pela primeira vez os Jogos Olímpicos de forma organizada. Quando os romanos invadiram a Grécia no século II, muitas tradições gregas, entre elas as Olimpíadas, foram deixadas de lado. Em 392 d.C., os Jogos Olímpicos e todas as manifestações religiosas do politeísmo grego foram proibidos pelo imperador romano Teodósio I, após sua conversão ao cristianismo. Contudo, em 1896, os Jogos Olímpicos foram retomados em Atenas, por iniciativa do francês Pierre de Fredy, conhecido com o barão de Coubertin (veja mais 

Como a inovação acontece em nosso cérebro


William Duggan, professor da Columbia Business School, dos EUA, escreveu em seu artigo “Como o “AHA!” realmente acontece” sobre como a inovação acontece em nosso cérebro. O artigo foi publicado no Boletim Strategy&Business, de 23/11/2010, editado pela Booz Allen Company. Veja alguns trechos com meus breves comentários;

“Como as empresas inovam? Veja a Google Inc., amplamente admirada como grande inovadora. A empresa oferece brinquedos no lobby, cadeiras para relaxar, salas de jogos e tempo livre para os funcionários trabalharem em suas próprias ideias. Não é isso que outras empresas deveriam fazer?

“A resposta é não. Esses métodos do Google são derivados de uma teoria inexata de criatividade: que as pessoas precisam desativar seu cérebro esquerdo analítico e ativar o seu cérebro direito criativo para produzir novas ideias...

“Na última década, neurocientistas já percorreram um longo caminho para descobrir como as ideias se formam na mente humana. Suas descobertas contradizem a forma como a maioria das empresas entende e desenvolve a inovação. Mas muito poucos executivos sabem disso. Eles continuam aplicando sua sabedoria convencional, sem saber que a ciência evoluiu e que os conceitos que usam estão ultrapassados.

“Para entender o novo modelo do cérebro, e sua importância para a inovação empresarial, devemos voltar para 1981, quando Roger Sperry ganhou o Prêmio Nobel por seu trabalho sobre os dois lados do cérebro. Segundo Sperry, o lado direito era criativo, artístico e intuitivo e o lado esquerdo considerado analítico, lógico e racional. Este modelo inconsistente se espalhou rapidamente por todo o mundo dos negócios, pois pareceu explicar por que algumas pessoas vinham com novas ideias facilmente e outros lutavam muito para conseguir alguma inovação... A aplicação mais generalizada do modelo de Sperry foi o brainstorming. Pessoas começaram a agendar reuniões onde todo mundo deveria desligar seu cérebro esquerdo e ativar o seu cérebro direito e então deixar as ideias criativas fluirem.

“Agora vamos voltar para a visão mais precisa de criatividade, com suas raízes na ciência moderna. O ano base para essa compreensão é 1998, quando Brenda Milner, Larry Squire e Eric Kandel publicaram um artigo inovador na revista Neuron, "Neurociência cognitiva e o estudo da memória". Kandel ganhou o Prêmio Nobel, dois anos mais tarde pela sua contribuição para este trabalho. Desde então, neurocientistas deixaram de aceitar a teoria do cérebro de dois lados de Sperry. O novo modelo do cérebro é o da "memória inteligente", no qual análise e intuição trabalham juntos na mente em todos os modos de pensamento. Não há nenhum cérebro esquerdo e não há nenhum direito. Há apenas a aprendizagem e a recordação, em várias combinações, em todo o cérebro.”

O que o autor afirma é que a “memória inteligente” é o maior arquivo existente no mundo, dentro da cabeça de uma pessoa. Desde que você nasce, o cérebro arquiva todo o seu conhecimento e informações. Quando uma nova informação chega, o cérebro recupera nesse arquivo tudo o que existe de correlato à nova ideia e faz uma combinação a que chamamos de “intuição”. Quando a nova informação combinada com o que já existe cria um novo padrão, temos o famoso “Aha!” ou a inovação ou criação. Assim, quanto mais você estudar, ler, experimentar, mais informações terá em seu cérebro e maior a chance de ser inovador. Essa é a grande novidade!

Portanto, a busca de informação é essencial para a criatividade. Quanto mais você participar, se envolver, estudar, ler, conhecer sobre o seu negócio ou profissão, maior a chance de ser inovador e criativo. Criativo e inovador não é aquele que fica parado, ocioso, esperando uma ideia brilhante acontecer e sim aquele que participa, estuda e se compromete totalmente com aquilo que faz.

Pense nisso. Sucesso!

PROF. LUIZ MARINS

Antropólogo. Estudou Antropologia na Austrália (Macquarie University/School of Behavioural Sciences) sob a orientação do renomado antropólogo indiano Prof. Dr. Chandra Jayawardena e na Universidade de São Paulo (USP), sob a orientação da Profa.Dra. Thekla Hartmann;

- Licenciado em História (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba); estudou Direito (Faculdade de Direito de Sorocaba); Ciência Política (Universidade de Brasília - UnB); Negociação (New York University, NY, USA); Planejamento e Marketing (Wharton School, Pennsylvannia, USA); Antropologia Econômica e Macroeconomia (Curso especial da London School of Economics em New South Wales) e outros cursos em universidades no Brasil e no exterior.

Comentários