A Corrida do Cristão

A cada quatro anos, atletas de diversas nacionalidades se reúnem num país previamente escolhido para disputar um conjunto de modalidades esportivas nos famosos Jogos Olímpicos. A bandeira olímpica representa a união de povos e raças, pois é formada por cinco anéis entrelaçados que indicam os cinco continentes e suas cores. Os gregos foram os precursores dos Jogos Olímpicos. Por volta de 2500 a.C. já faziam homenagens aos deuses. Mas foi somente em 776 a.C. que ocorreram pela primeira vez os Jogos Olímpicos de forma organizada. Quando os romanos invadiram a Grécia no século II, muitas tradições gregas, entre elas as Olimpíadas, foram deixadas de lado. Em 392 d.C., os Jogos Olímpicos e todas as manifestações religiosas do politeísmo grego foram proibidos pelo imperador romano Teodósio I, após sua conversão ao cristianismo. Contudo, em 1896, os Jogos Olímpicos foram retomados em Atenas, por iniciativa do francês Pierre de Fredy, conhecido com o barão de Coubertin (veja mais 

Compromisso com a Fidelidade

Se somos infiéis, ele permanece fiel, pois de maneira nenhuma pode negar-se a si mesmo. 2 Tim 2:13

Conheci uma mulher que a chamarei nesse relato de Maria. Aparentemente não possuía problemas por distribuir sorrisos na igreja em que freqüentava.

Ao visitá-la, constatei que morava num humilde lar e que o ambiente estava escuro. Ela se desculpou por não possuir dinheiro suficiente para colocar um poste de luz em sua casa.

De repente a Maria veio da cozinha com dois pedaços de bolo. Um para mim e o outro para a minha esposa. Ela comprara na padaria apenas para as visitas. Comi o bolo emocionado pois nunca tinha presenciado uma recepção tão fidalga de alguém que ainda não me conhecia. O desprendimento era um gesto de amor para a família ministerial.

Em seguida, me contou que naquela semana o seu Neto havia-lhe pedido Pão Doce. Com tristeza no coração disse ao menino que não tinha nada para dar-lhe mas que Deus haveria de providenciar. Foi tentada a pegar em seu criado-mudo o dinheiro separado para o dízimo mas não o fez pois a sua consciência apontava a importância de ser Fiel a Deus.

Dobrou os joelhos e resolveu confiar em Deus pedindo-lhe que solucionasse o problema. Após a oração, um homem desconhecido bateu em sua porta dizendo: - Eu sou padeiro e as vendas de hoje não foram boas. Tenho excessos de pães doces e não posso vendê-los de um dia para o outro. Ao passar em frente da sua casa, algo me disse que deveria deixá-los para você.

Logo, percebeu que era a resposta de Deus as suas orações.

Agradeceu a Deus mas uma voz lhe dizia: - Repartas com outra pessoa.

Antes de dar ao neto o tão desejado pão doce, uma vizinha contou-lhe que o seu esposo estava doente e teve desejo de comer pães doce mas não podia comprá-los por estar desempregado.

A Maria disse: - Não se preocupe. Eu dividirei os pães que ganhei com você.

Naquele dia a fidelidade e confiança da Maria redundaram em bênção a sua família e aos seus amigos.
Deus não abandona seus filhos. Ele almeja que todos confiem em seu poder e reconheçam que dEle procede toda boa dádiva.

Seu convite é: “Tornai para Mim e Eu tornarei para vós.” Mat. 3:7

PR. FÁBIO DOS SANTOS
Editor

Comentários