A Corrida do Cristão

A cada quatro anos, atletas de diversas nacionalidades se reúnem num país previamente escolhido para disputar um conjunto de modalidades esportivas nos famosos Jogos Olímpicos. A bandeira olímpica representa a união de povos e raças, pois é formada por cinco anéis entrelaçados que indicam os cinco continentes e suas cores. Os gregos foram os precursores dos Jogos Olímpicos. Por volta de 2500 a.C. já faziam homenagens aos deuses. Mas foi somente em 776 a.C. que ocorreram pela primeira vez os Jogos Olímpicos de forma organizada. Quando os romanos invadiram a Grécia no século II, muitas tradições gregas, entre elas as Olimpíadas, foram deixadas de lado. Em 392 d.C., os Jogos Olímpicos e todas as manifestações religiosas do politeísmo grego foram proibidos pelo imperador romano Teodósio I, após sua conversão ao cristianismo. Contudo, em 1896, os Jogos Olímpicos foram retomados em Atenas, por iniciativa do francês Pierre de Fredy, conhecido com o barão de Coubertin (veja mais 

A Areté do Cristão

Texto: Por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência, associai com a vossa fé a virtude; com a virtude, o conhecimento; com o conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio, a perseverança; com a perseverança, a piedade; com a piedade, a fraternidade; com a fraternidade, o amor. 2 Pedro 1:5-7

A palavra traduzida como “virtude”, originou-se do termo grego “areté”. Designa o mérito ou qualidade pelo qual algo ou alguém se mostra excelente. Ou seja: a areté da semente é germinar e dar frutos, a areté do sal é dar sabor, a areté do médico é curar, a areté do Pastor é cuidar do rebanho; caso contrário seria o mesmo que dizer que um sal que não salga não é sal; semente que não germina não é semente de verdade; médico que não cura não é médico; Pastor que não arrebanha não é Pastor.

Surge-nos uma pergunta: Qual a areté do Cristão?

O apóstolo Paulo sugere uma lista de virtudes também conhecida como Fruto do Espírito:

Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei. Gal 5:22 a 23


Note que a palavra fruto aparece no singular, embora muitos a citem no plural. Isso significa que a ação do verdadeiro Espírito Santo de Deus em nós, produz todas as características descritas, não apenas algumas. Quando o apóstolo Paulo menciona os Dons do Espírito e Ministérios de Liderança ele usa o plural, mas quando menciona o resultado da atuação do Espírito na vida do crente usa o singular – Fruto. Não se pode dizer de uma pessoa que está produzindo o fruto do Espírito, a menos que todas as nove qualidades sejam demonstradas juntas em sua vida.

Agora!

Pode uma pessoa produzir “Frutos” sem o auxílio do Espírito Santo? Sim. Nesse caso percebam que mencionei a palavra “Fruto” no plural. Há muitas pessoas que produzem frutos por diversas razões, tais como: Manter sua reputação diante da sociedade, por vanglória e até mesmo por motivos religiosos, para quem pensa que a salvação é pela obras e não pela fé. Por Quanto a isso o Apóstolo Paulo adverte: "Ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor (caridade), nada disso me aproveitaria.” 1 Coríntios 13:3. Esse verso ressalta a possibilidade de haver atos de amor, sem amor.

O verdadeiro fruto vem do Espírito e deve produzir sabor, satisfação, alegria na vida das pessoas que nos cercam. É preciso proclamar as “... virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz 1 Pedro 2:9”. Porém, aqueles que possuem uma religião de simples aparência, parecem um “fruto de plástico” como aqueles usados para enfeitar uma mesa – não possui sabor e não pode alimentar. Muitos Cristãos dentro da igreja produzem apenas “frutos de plástico”. Alguns cantam, oram, lideram e são membros regulares, mas quando chegam em casa batem nas esposa, dirigem-se ao filhos com palavrões, não pagam o que devem, vivem como pessoas que ainda não se entregaram completamente ao Espírito para receber o seu fruto. Esse é o pior exemplo que alguém pode oferecer em favor do Cristianismo.

Um dia, Mahatma Gandhi depois de estudar toda a doutrina cristã, disse assim: A doutrina é perfeita. Eu me tornaria Cristão senão fosse pelo exemplo dos Cristãos. Alguma pessoa ou um grupo de Cristãos frustrou o pensamento de Gandhi, impedindo, de certo modo, o desejo de sua conversão.

O importante do Cristianismo não é o que se prega e sim o que se vive. É assim que demonstramos a “areté” do Cristão.

Em Marcos 11:12 a 14, encontramos o relato da figueira sem fruto. Segundo a bíblia, Jesus tendo fome viu uma figueira de longe e foi ao seu encontro para saciá-la. Aproximando-se, encontrou apenas folhas e em seguida, amaldiçoou-a.

Pergunto: Jesus amaldiçoou a figueira pelo fato de não ter figos? Não. Jesus amaldiçoou a figueira por que ela “aparentava” ter frutos, mas não tinha.

Assim, nosso Pai Celeste se entristece com inúmeras pessoas que não possuem o Fruto do Espírito, mas que aparentam possuí-lo.

Quem se diz Cristão e não demonstra o caráter de Cristo em sua vida, não pode ser Cristão. Ser um Cristão implica muito mais que uma nomenclatura. Ellen White sugere que “Deus tem chamado Seu povo para glória e virtude, e isso deverá manifestar-se na vida de todo o que verdadeiramente se associa a Ele... DTN, 530
Que tipo de Cristão você é?

Perguntas para consideração:

1. Qual é a “areté” do Cristão?
2. Se o “Fruto do Espírito” não é uma característica natural do ser humano, como faço para obtê-lo?
3. Quando alguém não produz o “Fruto do Espírito”, mas simplesmente aparentam possuí-lo, quais são as conseqüências disso para o Cristianismo?
4. Complete a frase: “Deus tem chamado seu povo para glória e virtude, e isso deverá manifestar-se na vida de todo o que ________________________________________.

Minha Decisão:

Eu, ______________________, desejo que o Espírito Santo habite em minha vida e que eu possa testemunhar de minha fé através do verdadeiro Fruto do Espírito.


PR. FÁBIO DOS SANTOS
Editor

Comentários