A Corrida do Cristão

A cada quatro anos, atletas de diversas nacionalidades se reúnem num país previamente escolhido para disputar um conjunto de modalidades esportivas nos famosos Jogos Olímpicos. A bandeira olímpica representa a união de povos e raças, pois é formada por cinco anéis entrelaçados que indicam os cinco continentes e suas cores. Os gregos foram os precursores dos Jogos Olímpicos. Por volta de 2500 a.C. já faziam homenagens aos deuses. Mas foi somente em 776 a.C. que ocorreram pela primeira vez os Jogos Olímpicos de forma organizada. Quando os romanos invadiram a Grécia no século II, muitas tradições gregas, entre elas as Olimpíadas, foram deixadas de lado. Em 392 d.C., os Jogos Olímpicos e todas as manifestações religiosas do politeísmo grego foram proibidos pelo imperador romano Teodósio I, após sua conversão ao cristianismo. Contudo, em 1896, os Jogos Olímpicos foram retomados em Atenas, por iniciativa do francês Pierre de Fredy, conhecido com o barão de Coubertin (veja mais 

Lei de Deus X Lei do Homem

Carl e Raylene Worthington são um casal americano que reside em Oregon. A sua filha de 15 meses, Ava, faleceu em março de 2008 vítima de uma broncopneumonia e uma infeção no sangue. Além da natural tristeza por esta perda, nada de especialmente anormal esta notícia teria; mas tem, devido a Ava não ter recebido qualquer tratamento médico enquanto ainda estava viva.

Carl e Raylene são membros da Igreja Seguidores de Cristo, que advoga o tratamento de doenças (particularmente em crianças) com base exclusivamente na oração de fé, sem recurso a intervenção médica. Talvez esta igreja seja mais conhecida por este aspeto do que por uma outra crença ou prática qualquer...

No caso de Ava, o médico que examinou o corpo referiu que a sua doença poderia ter sido resolvida com recurso a antibióticos. O casal Carl e Raylene está por isso acusado perante a justiça americana de negligência no tratamento de Ava, o que pode levar a uma pena de prisão até seis anos. O julgamento inicia-se amanhã, 23 de junho.

Por não aceitarem tratamento médico, as senhoras que são membros desta Igreja têm os seus partos realizados em casa. Desde 2001, vários desses partos foram noticiados como tendo corrido mal, o bebé ter falecido logo de seguida ou mesmo nascido morto.

São também frequentes os relatos de crianças e adolescentes gravemente doentes que não recebem qualquer tratamento médico e cujos familiares recorrem apenas à oração de fé. Quando o doente sucumbe perante a doença, os familiares penitenciam-se por não terem exercido suficiente fé que levasse à cura.

Não é meu objetivo neste momento debater o interessante assunto da cura pela oração de fé. Mas, creio que este caso levanta novamente a discussão – entre outras – sobre a relação do exercício da fé e as responsabilidades legais perante o estado.

A Bíblia claramente ordena que o homem deve sujeitar-se às leis da nação da qual faz parte: ‘Admoesta-os a que se sujeitem aos principados e potestades, que lhes obedeçam, e estejam preparados para toda boa obra; toda alma esteja sujeita às potestades superiores’ (Tito 3:1).

Mas, adverte também, que em caso algum essa observância deve obstruir o respeito pelos eternos preceitos que Deus deixou ao homem: ‘Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: mais importa obedecer a Deus do que aos homens’ (Atos 5:29).

Creio que os membros da Igreja Seguidores de Cristo devem conhecer estas passagens. Mesmo que não pareça, aqui se encontra uma razão para que eles atuem conforme vimos em relação a tratamentos médicos prestados aos seus membros ou filhos.

Repare: se, nas suas crenças, eles acreditam que a Bíblia ordena que todas as curas sejam feitas apenas com recurso à oração de fé, é natural que eles, querendo manter-se fiéis aos seus princípios orientadores, prefiram ser confrontados com o sofrimento da morte, a violarem aquilo que entendem ser a vontade de Deus, mesmo que isso implique a reprovação e penalidade legal perante as leis dos homens.

Se você, caro leitor, é um Adventista do Sétimo Dia, acompanhe o mesmo raciocínio com outros protagonistas e noutro âmbito (se não for Adventista do Sétimo Dia, irá entender igualmente, garanto-lhe…).

Imagine o seguinte cenário: você é um guardador do Sábado, porque acredita que essa é a perfeita ordem da imutável lei de Deus (ou seja, produzida pela mão Divina). Você crê que assim sendo, a observância do Sábado é um princípio inegociável da sua vida espiritual, do qual não abdicará seja porque motivo for.

Então, suponha que uma lei do estado (ou seja, produzida pela mão humana) o obriga a trabalhar no Sábado, sem opção. Mais: segundo essa lei do estado, todos os infratores serão punidos com a pena de morte, sem exceções.

E agora, caro leitor, o que você vai fazer? Qual das duas leis (que se chocam gravemente) você vai decidir respeitar? Sim, porque não há ponto de equilíbrio entre as duas leis: para observar uma, tem de quebrar a outra!

Como Adventistas do Sétimo Dia, acreditamos que é perante este dilema que muito em breve seremos colocados: observar a eterna lei de Deus – e em especial o seu quarto mandamento – ou ceder perante as exigências das leis dos homens que intentam destruir a expressa e clara vontade de Deus?

Por paradoxal que pareça, esta é uma grande oportunidade para o fiel seguidor da Bíblia. Leia este parágrafo de Ellen White.

‘O zelo dos que obedecem ao Senhor aumentará à medida que o mundo e a Igreja se unirem para invalidar a lei. Toda objeção levantada contra a lei de Deus abrirá o caminho para o avanço da verdade e habilitará os seus defensores a apresentarem seu valor perante os homens. Há uma beleza e poder na verdade que nada poderá tornar tão evidente como a oposição e a perseguição.’ Eventos Finais, pág. 123.

Em preparação para o grande embate final, faça sua a decisão de Josué: ‘eu e a minha casa serviremos ao Senhor’ (Josué 24:15).

FILIPE REIS
Nascido e educado na Igreja Adventista do Sétimo Dia e batizado em Março de 1989, aos 13 anos. Vive em Vila Nova de Gaia, Portugal. Serviu vários anos como Diretor da Escola Sabatina e Ancião na Igreja de Pedroso, Portugal, entre outras funções. Em breve iniciará a formação em Teologia no Colégio Adventista de Sagunto (Espanha), para servir como Pastor. Editor do Blog O Tempo Final. Casado com Sofia, tem um bebé, o Caleb Filipe, nascido em junho de 2009.

Comentários