A Corrida do Cristão

A cada quatro anos, atletas de diversas nacionalidades se reúnem num país previamente escolhido para disputar um conjunto de modalidades esportivas nos famosos Jogos Olímpicos. A bandeira olímpica representa a união de povos e raças, pois é formada por cinco anéis entrelaçados que indicam os cinco continentes e suas cores. Os gregos foram os precursores dos Jogos Olímpicos. Por volta de 2500 a.C. já faziam homenagens aos deuses. Mas foi somente em 776 a.C. que ocorreram pela primeira vez os Jogos Olímpicos de forma organizada. Quando os romanos invadiram a Grécia no século II, muitas tradições gregas, entre elas as Olimpíadas, foram deixadas de lado. Em 392 d.C., os Jogos Olímpicos e todas as manifestações religiosas do politeísmo grego foram proibidos pelo imperador romano Teodósio I, após sua conversão ao cristianismo. Contudo, em 1896, os Jogos Olímpicos foram retomados em Atenas, por iniciativa do francês Pierre de Fredy, conhecido com o barão de Coubertin (veja mais 

A Catástrofe em Santa Catarina à Luz das Profecias

Mais de 100 mortos!

Mais de 70.000 desabrigados ou desalojados!

Rodovias bloqueadas, portos fechados, cidades inundadas!

Uma catástrofe que não viu condição financeira ou classe social, raça ou cor!

Quanto mais nos aproximarmos do fim, mais desastres vão acontecer!
"Em incêndios, em inundações, em terremotos, na fúria das grandes profundezas, nas calamidades por mar e terra, é transmitida a advertência de que o Espírito de Deus não agirá para sempre com os homens". Manuscript Releases, vol. 3, pág. 315.

Desastres nas rodovias, nos aeroportos, ferrovias, rios e mares. A cada desgraça que acontece, vemos que o governo de Satanás só traz tristeza e dor. A cada cena de horror que presenciarmos, devemos amar mais a Deus e odiar mais o pecado, que trouxe tudo isso para nosso planeta.

“Esquadras se submergirão, sendo sacrificados milhões de vidas humanas. Irromperão inesperadamente incêndios que nenhum esforço humano será capaz de extinguir. Os palácios da Terra serão varridos pela fúria das chamas. Tornar-se-ão mais e mais freqüentes os desastres de estrada de ferro; confusão, colisões e morte sem um momento de advertência ocorrerão nas grandes vias de comunicação. As águas do oceano transporão seus limites. Propriedades e vidas serão destruídas pelo fogo e por inundações.” EF, 22 e 23 (Eventos Finais - Ellen G. White)

Além de revelar aos fiéis que Ele está no controle da história, é desejo de Jesus chamar a atenção dos incrédulos.

“Quão freqüentemente ouvimos de terremotos e furacões, de destruição pelo fogo e inundações, com grandes perdas de vidas e propriedades! Aparentemente essas calamidades são caprichosos desencadeamentos de forças da Natureza, desorganizadas e desgovernadas, inteiramente fora do controle do homem; mas em todas elas pode ler-se o propósito de Deus. Elas estão entre os instrumentos pelos quais Ele busca despertar a homens e mulheres para que sintam o perigo.” EF, 26.

É impressionante que até nos juízos Deus é amor!
Cada catástrofe que Deus permite Satanás fazer, Deus revela o Seu amor incondicional por nós: crentes ou ímpios!

PR. YURI RAVEM
Mestre em teologia e pastor da Igreja Adventista em Pelotas - RS Casado com Andressa, mestre em educação.
Editor Associado do Blog Nisto Cremos e Editor do Blog Igreja Adventista de Pelotas

Comentários

  1. Em Eventos Finais, a partir da pag. 114 EGW fala sobre os juízos que já estão sendo infligidos às cidades poluídas pelo pecado, onde a lei de Deus vem sendo transgredida. Seriam apenas as grandes metrópoles onde reina o pecado? Não poderíamos aplicar esse contexto de catástrofe a uma cidade que todos os anos celebra uma festa dedicada às bebedices, como foi o caso? Gostaria de ouvir a opinião de vocês sobre esse ponto.

    ResponderExcluir
  2. com certeza! Existem cidades médias que são tão depravadas como as grandes!

    ResponderExcluir

Postar um comentário