SALMO 77 - EM DÚVIDA SOBRE DEUS


Você já esteve em dúvida na sua vida quanto a Deus? Um dia eu estava num cemitério, na grande Porto Alegre, onde haveria de realizar uma cerimônia fúnebre. E eu me aproximei de um parente da pessoa que seria sepultada. Mas qual não foi a minha surpresa quando o homem começou a culpar a Deus pela morte daquela criança. Ele falava que Deus não devia ter feito aquilo, que se Ele tinha tanto poder como nós dizemos, então por que não evitou que o menino morresse? Era difícil consolar uma pessoa assim, mas uma coisa pelo menos, eu tentei fazer: era tirar a culpa de Deus.

Você já duvidou de Deus? Já sentiu angústias por que estava com dúvidas acerca de Deus? Pois você não foi o único. O salmista Asafe escreveu o Salmo 77, para contar de sua experiência e nos ajudar a solucionar esse tipo de problema. Os versos 1-6 mostram a intensidade dos sentimentos do salmista.

V. 1-5: ''1 Elevo a Deus a minha voz e clamo, elevo a Deus a minha voz, para que me atenda. 2 No dia da minha angústia, procuro o Senhor; erguem-se as minhas mãos durante a noite e não se cansam; a minha alma recusa consolar-se. 3 Lembro-me de Deus e passo a gemer; medito, e me desfalece o espírito. 4 Não me deixas pregar os olhos; tão perturbado estou, que nem posso falar. 5 Penso nos dias de outrora, trago à lembrança os anos de passados tempos.'' Quais são os seus sentimentos? Ele revela sua tristeza, sua angústia e abatimento de espírito diante de certas circunstâncias amargas.

I – AS AÇÕES DE UM DESESPERADO

1. Ele Clamou. O que significa clamar? Clamar significa falar em altas vozes, bradar, gritar, protestar em voz alta. ''Elevo a Deus a minha voz''.

Será que Ele ouve a minha voz? A minha fraca voz, a minha débil voz? A minha voz tremente? Deus ouve os clamores dos Seus filhos? Deveríamos clamar a Deus também, como fez o salmista, porque Ele atende aos nossos clamores, quando nós oramos com fervor e sentimento. Ele não atende a orações vazias, mas atende às orações cheias de sentimento e emoção, quando nós derramamos a nossa alma diante dEle.

2. Ele Procurou ao Senhor. Você está procurando o Senhor? O que você procura? Ou a quem você procura? Alguns estão procurando apenas aliviar a sua angústia com algum remédio, algum paliativo, algum calmante, para poder dormir mais feliz, e nada mais.
Quando ele procura o Senhor? No dia da angústia. A angústia corrói os nossos músculos morais e espirituais. Quando alguém está angustiado, aflito e oprimido, as suas forças diminuem, e é perigoso cair.

Que tipo de angústia? É uma angústia tão intensa que ele desabafa: ''A minha alma se recusa a consolar-se''. Quando em angústia, somos estimulados a procurar um consolador. O salmista busca o Senhor, que é o supremo Consolador dos aflitos, mas mesmo assim, a sua alma não encontrava consolação.

Mas quando sofremos angústia? Quando estamos distantes de Deus, quando afligidos pela tribulação, quando somos perseguidos pelos inimigos, ou quando estamos acossados pela tentação.

O Senhor deve ser procurado e será achado. Ele mesmo foi quem prometeu: ''Buscar-Me-eis e Me achareis, quando Me buscardes de todo o coração.'' (Jer. 29:13). Devemos buscar a Deus de todo o nosso coração. A religião cristã é uma religião do coração. É com o coração e com a mente que nós sentimos e nos relacionamos com Deus sinceramente.

3. Ele também Ergueu as Mãos. No seu desespero, o salmista levanta as suas mãos como que numa tentativa de se apegar a Deus, que lhe parece tão distante. Mas mesmo assim, ele está desanimado: ''a minha alma recusa consolar-se''. Tudo o que ele fazia parecia piorar a situação angustiante que ele estava passando.

4. Ele se Lembrou de Deus. Ele clama, ele busca ao Senhor, ele ergue as mãos. Mas se ainda assim, a sua alma recusa consolar-se, quem sabe se ele não deveria se lembrar de Deus? Foi o que ele fez a seguir. V. 3: ''Lembro-me de Deus'' – Isso é ótimo; não se esqueça de Deus. É Ele que é a sua segurança. É Ele que pode ajudar a você em todas as circunstâncias, ajudar a resolver todos os problemas. É somente Deus que nos pode valer nos momentos de angústia e agonia de alma.

Mas qual foi o resultado? ''Passo a gemer!'' Mas como? Ele se lembra de Deus e passa a gemer? Ora, eu esperava que ele dissesse: ''Lembro-me de Deus e passo a gritar de alegria! Lembro-me de Deus e passo a exultar de júbilo!'' Mas, por mais estranho que pareça, ele diz que passa a gemer. Como pode alguém gemer quando pensa em Deus? Eu cuidava que quando você está em angústia e se lembra de Deus, você teria a solução de todas as perplexidades e angústias! Entretanto, o salmista diz que passa a gemer quando ele pensa em Deus! E então, sua angústia se intensifica! ''Medito, e me desfalece o espírito!''.

II – AS 6 QUESTÕES DE UM DESESPERADO

O que fez então o salmista Asafe? V. 6: ''De noite indago o meu íntimo, e o meu espírito perscruta.'' Ele passa a meditar profundamente. Hoje a meditação é muito pouco praticada. Na corrida dos nossos dias, não temos mais tempo nem para meditar em Deus, procurando soluções. Então, o salmista Asafe em sua profunda meditação, levanta 6 grandes questões que se relacionam à sua alma, e à nossa alma também.

V. 7-9: ''7 Rejeita o Senhor para sempre? Acaso, não torna a ser propício? 8 Cessou perpetuamente a sua graça? Caducou a sua promessa para todas as gerações? 9 Esqueceu-se Deus de ser benigno? Ou na sua ira, terá ele reprimido as suas misericórdias?'' Estas são perguntas muito sérias porque tem que ver com Deus e Seu caráter. O salmista não sentia angústia por um simples problema do dia a dia. Ele não sentia angústia por estar só olhando para os seus erros e pecados. Ele estava com dúvida sobre Deus! Certamente, o problema não estava em Deus; o problema estava com o salmista. Qual é o seu problema? Qual é o motivo de sua angústia? Por que ele estava tão angustiado? Notemos as suas perguntas:

1 - ''Rejeita o Senhor para sempre?'' Será que Deus está me rejeitando? Não, Ele não está rejeitando a você. Ele não abandona a ninguém. Se alguém se sentir abandonado, é porque ele abandonou aos outros, ou os outros o abandonaram, ou ele abandonou a Deus, mas Deus não abandona a ninguém!

Eu conheço apenas uma pessoa que foi abandonada por Deus! Somente uma pessoa foi abandonada por Deus. Somente uma pessoa foi desamparada por Deus! Você sabe quem foi essa pessoa? Foi somente Jesus Cristo, que foi abandonado por Seus amigos, abandonado por Seus discípulos, foi abandonado pelos homens, e lá no monte do Calvário, quando Ele estava morrendo na Cruz, Ele ergueu a Sua voz, e clamou: ''Deus Meu, Deus Meu, por que Me abandonaste?'' Sim, Ele não diria isso se Ele não tivesse sido de fato abandonado por Deus, naquele momento em que levava os nossos pecados.

Mas Deus desamparou o Seu Filho Único na Cruz, para que nós nunca fôssemos abandonados. Graças a Deus pelo Seu dom inefável! Graças a Deus pelo imenso sacrifício de Seu Filho, em permitir-Se ser abandonado por Seu Pai!

2 - ''Acaso, não torna a ser propício?'' O que significa ''propício''? ''Propício'' significa ser favorável, que vem da palavra favor. Era preciso tornar a Deus favorável, por causa da Sua ira que foi despertada pelo pecado. Era necessária a propiciação, a fim de que Ele Se tornasse propício, em relação a nós, e desse modo fôssemos salvos da ira, e novamente integrados em Seu reino.

E então, para que isso fosse possível, Ele enviou a Jesus Cristo, e ''Ele é a propiciação pelos nossos pecados'' (1João 2:2) Pela Sua propiciação, em Jesus Cristo, na Cruz do Calvário, Deus Se fez propício a nós, e nos dá a Sua graça.
Dois adoradores foram ao templo a fim de orar, e enquanto o fariseu exaltava as suas virtudes, o publicano orava desse modo: ''Ó Deus, Sê propício a mim pecador!" E ele foi justificado para a sua casa, porque Deus Se fez propício para com ele, concedendo-lhe a Sua paz.

3 - ''Cessou perpetuamente a Sua graça?'' Não, seguramente; a graça de Deus não cessa! Não pode cessar a fonte inesgotável de tão maravilhosa graça que é estendida a todos os pecadores.

Mas alguém pode estar pensando: ''E a porta da graça; ela não se fechará um dia?'' É certo que haverá um tempo em que se fechará a porta da graça, a oportunidade de salvação. Mas só acontecerá quando os homens rejeitarem terminantemente e para sempre a graça de Deus, quando desprezarem completamente a misericórdia, e derem as costas ao plano de salvação, selando a sua perdição, após ter tido o conhecimento e graça suficientes e inesgotáveis para a sua salvação.

E, depois de tudo que foi feito gratuitamente, os ímpios poderão testificar no Dia do Juízo, que com efeito, a graça divina jamais cessou. Eles é que não quiseram se salvar e se aproveitar dos benefícios dessa graça maravilhosa e inesgotável!
Mas a todos os que desejam a salvação, a Sua graça se estende maravilhosamente. Não, a Sua graça não cessou. A Sua graça jamais cessará perpetuamente para todo o pecador que quiser se salvar.

4 - "Caducou a sua promessa para todas as gerações?'' Tornou-se obsoleta a Sua promessa? Não, as promessas de Deus são fiéis, seguras e jamais falham. Nós muitas vezes prometemos muitas coisas e não podemos cumprir as promessas que fazemos. Mas Deus não é assim! Todas as Suas promessas são fiéis e verdadeiras!

5 - ''Esqueceu-se Deus de ser benigno?'' Será que Ele perdeu a memória? Sua benignidade é uma das mais estupendas revelações do Seu amor. A Sua bondade se manifesta sempre, e em todas as circunstâncias; mesmo quando as coisas não estão andando como nós queremos, Ele está sendo bondoso. Se há um esquecimento, é de nossa parte! Deus não Se esquece de ser continuamente bom para conosco! Ele nem precisa Se lembrar disso, porque todos os Seus atos são uma demonstração de Sua bondade que se revela naturalmente.

6 - ''Ou, na Sua ira, terá ele reprimido as Suas misericórdias?'' Se isso acontecesse, nós teríamos só que lamentar. Mas o que ocorre é exatamente o oposto. Ainda podemos repetir as palavras de Jeremias: ''As misericórdias do Senhor são a causa de não sermos consumidos, porque as Suas misericórdias não tem fim; renovam-se a cada manhã'' (Lam. 3:22-23). Com efeito, Deus não tem reprimido as Suas misericórdias; antes, pelo contrário, tem multiplicado as suas abundantes misericórdias que se estendem ''de eternidade a eternidade sobre os que O temem'' (Sal. 103:17).

No verso 10, o salmista coloca em poucas palavras o fundamento de todos os seus problemas: ''Então, disse eu: Esta é a minha aflição – mudou-se a destra do Altíssimo''. Mas o que nós lemos na Palavra de Deus, que é completamente confiável? ''Eu, o Senhor, não mudo; por isso vós... não sois consumidos'' (Mal. 3:6). Sim, Deus não muda; porque se Ele mudasse, nós já não teríamos esperança. “Jesus Cristo é o mesmo ontem, e hoje, e eternamente.” Heb 13:8.

III – A SOLUÇÃO PARA UM DESESPERADO

Como o salmista resolveu o seu grande problema? Como Asafe pôde se desfazer de suas dúvidas acerca de Deus? E como podemos nós vencer esse tipo de dúvida que muitas vezes Satanás lança sobre nós?

1. Asafe se Lembra dos Atos de Deus. V. 11: ''11 Recordo os feitos do Senhor, pois me lembro das tuas maravilhas da antiguidade.'' Quando você está inquieto e com dúvida quanto aos atos de Deus, o que você deve fazer? Você deve se lembrar dos atos da História passada, deve lembrar dos atos salvadores e das maravilhas que Ele tem feito através de todos os tempos. E não só dos atos de Deus na História, mas em nossa vida passada.

Então, Asafe praticou esse princípio que jamais devemos esquecer: V. 12-14: ''12 Considero também nas tuas obras todas e cogito dos teus prodígios. 13 O teu caminho, ó Deus, é de santidade. Que deus é tão grande como o nosso Deus? 14 Tu és o Deus que operas maravilhas e, entre os povos, tens feito notório o teu poder.'' Ele considerou as obras de Deus e só viu prodígios, verdadeiros milagres. Ele considerou o Caminho divino, e chegou à conclusão de que só há santidade em todos os Seus feitos, não há nenhum erro em todas as Suas decisões. Portanto, não pode haver nenhum deus que se compare ao nosso grande Deus.

2. Asafe Exaltou o Poder de Deus, através de Suas maravilhas. Mas onde estão os exemplos de tudo isso? Onde estão as provas do Seu grande poder revelado? Onde estão as Suas exaltadas maravilhas? V. 15: '' Com o teu braço remiste o teu povo, os filhos de Jacó e de José.''
Onde é que Deus manifesta o Seu maior poder? Na Redenção do Seu povo. Aí está o Seu grande poder e aí estão as Suas maiores maravilhas. No entanto, alguém poderia argumentar e dizer: ''Mas não é na Natureza e na Criação que Ele manifesta as grandes evidências do Seu poder? ‘Ele mandou e tudo apareceu; falou, e tudo veio a existência!’ como nos diz o salmista Davi, no Salmo 33.''

De fato, Asafe não se esqueceu dessas coisas, e descreve tais manifestações do poder de Deus na Natureza: V. 16-19: ''16 Viram-te as águas, ó Deus; as águas te viram e temeram, até os abismos se abalaram. 17 Grossas nuvens se desfizeram em água; houve trovões nos espaços; também as suas setas cruzaram de uma parte para outra. 18 O ribombar do teu trovão ecoou na redondeza; os relâmpagos alumiaram o mundo; a terra se abalou e tremeu. 19 Pelo mar foi o teu caminho; as tuas veredas, pelas grandes águas; e não se descobrem os teus vestígios.''

Ele fala das águas como vendo a Deus e sentindo o Seu poder, usando uma linguagem poética. Ele fala dos abismos que se abalaram. Ele fala dos trovões e relâmpagos em sua manifestação gloriosa, e da terra que tremeu.

Mas tudo isso não é de se comparar à redenção do Seu povo, onde estão as maiores maravilhas. E para deixar isso bem claro, Asafe termina o salmo com o mesmo tema: V. 20: ''O teu povo, tu o conduziste, como rebanho, pelas mãos de Moisés e de Arão.'' O Seu grande poder está em remir o Seu povo. E qual é a razão disso? É preciso muito mais poder para redimir o homem. É preciso muito mais poder para salvar do que para transformar a Natureza ou mesmo de criá-la. Para redimir o homem, é preciso o poder de um Criador e de um Redentor. Para criar, basta uma palavra; para redimir, é preciso dar a vida, em um imenso e infinito sacrifício, pessoalmente. Portanto, em redimir o Seu povo, Deus demonstrou o Seu maior poder.

Assim como Moisés e Arão, sob o poder divino, conduziram o povo de Israel do Egito, pelo deserto até a terra de Canaã, assim Deus está conduzindo o Israel espiritual hoje, saindo do Egito deste mundo em direção à Canaã celestial.
Quando nós lembramos destes fatos, nós não vacilamos em nossa fé em nosso Deus que não só manifesta o Seu poder mas a Sua grande misericórdia, para nos salvar. Quando nos lembramos do Seu poder, nós temos confiança. Quando nos lembramos de Sua misericórdia, nós nos aproximamos dEle. Só assim, nós seremos transformados e salvos.

Não se esqueça de sempre trazer na lembrança os grandes feitos e as maravilhas de Deus, que demosntram o Seu amor e o Seu poder. Este é o grande remédio para toda e qualquer dúvida.

Pr. Roberto Biagini
prbiagini@gmail.com
Mestrado em Teologia

Comentários

Postar um comentário

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *