SALMO 51 – QUANDO O CRISTÃO PECA


O que deve fazer um cristão quando peca?

1. Disse Salomão que não há homem que não peque (Ecl 7:20). Todos cometem pecado, tanto ímpios como justos.

2. Mas se o cristão também não está imune, ileso ao pecado, o que deve fazer quando peca?

Alguns à semelhança de Acã, escondem o seu pecado, ocultam o mal feito, achando que esta é a melhor maneira de resolver o problema de seu próprio pecado.

Outros o propagam, fazem a propaganda do seu pecado.

Um jovem cristão, certa vez, cometeu um pecado de adultério e se apresentou diante da igreja, e disse: “Irmãos, eu adulterei, mas Davi também fez isso, e está tudo bem. Então a comissão daquela igreja se reuniu para decidir o caso, e ele foi disciplinado por exclusão e também perdeu o emprego porque era missionário.

Outros vivem remoendo o seu remorso através de toda a vida, infelizes, e começam a procurar defeitos na vida dos outros, a fim de compensar os seus próprios pecados.

Outros ainda, à semelhança de Saul no Antigo Testamento e Judas no Novo, não podendo suportar a angústia ocasionada pelo pecado, põem termo à existência.

3. No entanto, o que deve fazer o cristão quando ele comete pecado?

O Salmo 51 nos apresenta 3 LIÇÕES, 3 VERDADES sobre esta matéria, a qual passamos a estudar, como resposta à pergunta levantada.

I – QUANDO O CRISTÃO PECA, ELE DEVE CONFESSAR O PECADO A DEUS:   Sal. 51:1-6

A confissão está relacionada com 3 coisas:

1. A confissão implica no reconhecimento da misericórdia de Deus.

Ninguém teria interesse em confessar seus pecados se não fosse a misericórdia de Deus; pelo contrário, faria tudo para ocultá-los. No tempo da Escravatura, o que faziam os escravos que conheciam a severidade e a falta de misericórdia de seus senhores? Quando cometiam faltas, eles as escondiam temendo a tirania e o castigo dos seus donos. Mas Deus é misericordioso.

O que é misericórdia? Misericórdia é compaixão despertada pela miséria alheia. E Davi sabia disso, e ele reconhecia a misericórdia de Deus, e não só reconhecia, mas também confiava nela.

Quando o fariseu entrou no templo para adorar, ele exaltou as suas próprias bondades; o publicano, porém, exaltou a misericórdia de Deus. Como Davi, ele descansava na compaixão, na benignidade e na misericórdia de Deus.

Você também pode confiar nas suas misericórdias, porque são múltiplas, infinitas e eternas.

2. A confissão implica no reconhecimento do pecado.

Não haveria confissão sem reconhecimento do pecado, pois o pecador não teria o que confessar.

Davi enumerou 3 palavras para descrever o ato divino: Misericórdia, compaixão e benignidade. Agora ele enumera 3 palavras para descrever o seu próprio ato: Pecado, transgressão e iniquidade. Isso significa não somente que ele quebrou o 6o, o 7o e o 10o mandamentos da lei; significa que ele se rebelou contra o próprio Deus, e quebrou o seu relacionamento com Ele, e se tornou ofensivo contra Aquele que é cheio de misericórdia..

Mas Davi reconheceu a gravidade do seu pecado. “Pois eu conheço o meu pecado...O meu pecado está sempre diante de mim”.

Quando o cristão peca, ele também passa pela mesma tribulação.

Certo cientista se tornou um cristão. E quando alguém lhe deu a palavra numa festa dedicada às suas grandes descobertas, ele se levantou e disse: “Amigos, fiz uma grande descoberta.” E todos olharam interessados para conhecer a sua última descoberta. E ele continuou dizendo: “Fiz uma grande descoberta, é que sou um pecador, mas descobri também que Jesus é o meu Salvador”.

3. A confissão implica no reconhecimento da justiça de Deus. V. 4

Pecado é basicamente contra Deus. “Pequei contra Ti...” Davi não quer dizer que não fez mal a Bate-Seba, a Urias, às 2 famílias e a todo o povo de Israel. Ele ensinava que o pecado é uma rebelião primeiramente contra Deus. Pecado é a quebra de um relacionamento com Deus, em 1o lugar.

Mas se Davi pecou, e o pecado é contra Deus, Ele pode julgar e executar justiça, e sempre será justo na aplicação do castigo.

Davi, então reconheceu a justiça punitiva de Deus; ele não temia o castigo, pois sabia que o que quer que Deus fizesse, Ele seria completamente justo.

Ele confiava em Deus como um Pai que disciplina o seu filho para corrigi-lo, e portanto deixa isso por conta dEle.

Ele se submete à disciplina de Deus, porque é misturada com a multidão de Suas misericórdias.

Não há em suas palavras nenhuma escusa, nenhuma desculpa, nenhuma tentativa para se justificar, nenhuma murmuração contra a justiça da lei de Deus e dos seus retos princípios, que o condenavam. Em profunda humildade, Davi não acusa a ninguém senão só a si mesmo.

2a lição:

II – QUANDO O CRISTÃO CONFESSA O SEU PECADO, ELE RECEBE O PERDÃO DE DEUS:  Versos 7-12

O perdão está relacionado com 3 coisas:

1. O perdão está relacionado com a renovação da mente  V. 10.

Quando o cristão confessa, ele recebe um novo coração, uma nova mente. Esta é a transformação radical operada na mente do cristão, o processo da santificação, que é o resultado natural da justificação.

Através dessa renovação, somos libertos de modo experimental do egoísmo, do orgulho, da impureza e da vaidade.

Davi confessa o pecado, na esperança de receber um coração puro e reto, e um espírito inabalável diante da tentação.

Necessitamos de uma renovação. Quando há tantas influências  contrárias, quando há tantas tentações, quando a mente começa a se acomodar às coisas do mundo, quão bom é que os cristãos sejam renovados, para que tenham  espírito inabalável.

2. O perdão se relaciona com a presença do Espírito Santo – V. 11

Sem o Espírito, não há reconhecimento do pecado, não há o arrependimento, não há confissão, não há perdão, e sem o Espírito Santo estaremos irremediavelmente perdidos.

Davi compreende que o seu pecado havia entristecido ao Espírito Santo, e roga, clama e suplica que o Espírito não se retire dele. Davi se lembrava perfeitamente do que aconteceu com o rei Saul, que pecou contra o Espírito por meio de suas repetidas desobediências. Ele temia que o mesmo acontecesse com ele, que o Espírito se afastasse dele definitivamente; por isso clama perseverantemente em sua angústia.

Você também é assim sensível à voz do Espírito Santo? Ou você não tem nenhum receio de ofender a Deus?

3. O perdão se relaciona com a alegria da salvação – V. 12

Davi tinha perdido toda a alegria que antes possuía. A salvação confere alegria, mas Davi agora estava acabrunhado, triste e taciturno. Fugira a sua alegria; por isso ele pede que lhe seja restituída aquela alegria que antes ele possuíra, que volte aquela felicidade, aquele regozijo que ele tinha antes do seu pecado.

Com efeito, o pecado rouba a alegria, tira a paz, rouba a felicidade da comunhão com Deus.

Você tem alegria da salvação? Há muitos que estão murmurando, insatisfeitos, contra-sensos, reparando nos outros os defeitos e falhas, apenas para compensar os seus próprios pecados. Há hoje muitos cristãos cheios de ressentimentos, ódio remorso, impureza – e por isso não têm alegria, a alegria do verdadeiro perdão.

Agora a 3a. lição:

III – QUANDO O HOMEM RECEBE O PERDÃO DE DEUS, ELE TESTIFICA DESSE PERDÃO RECEBIDO: Versos 13-19

O testemunho envolve a 3 coisas:

1. O testemunho nos levará a ensinar a Verdade – V. 13

Note a palavra “Então”. “Então” quando? Depois de ser perdoado, depois de ser aceito por Deus, após experimentar a justificação e receber a alegria da salvação, só então é que o cristão está pronto a testificar e dar o seu testemunho do perdão que ele recebeu de Deus.

O que fará o cristão? O que faria Davi? O que ele estaria disposto a fazer? “Ensinarei os teus caminhos”.

O testemunho silencioso, sem palavras, é importante. Mas aqui não se fala disso. É preciso falar, é preciso ensinar aos transgressores qual é a Lei de Deus, é preciso ensinar a Verdade. E como resultado do ensino da Verdade, os pecadores hão de se converter a Deus.

É por isso que temos a Bíblia: para a nossa alimentação e nutrição, e para ajudar em nosso testemunho, a fim de ensinarmos aos outros os caminhos de Deus.

Você está fazendo isso? Você é capaz de dizer aos outros como Deus perdoa, e como já o perdoou e o salvou? Sabe dar um estudo com a Bíblia aberta, lendo alguns versículos sobre o amor e a misericórdia de Deus para os outros?

Se você foi perdoado, v. sempre será capaz de dar o seu testemunho, de uma maneira ou de outra. É impossível ficar calado.

Mauro era um pregador leigo, mas era um pregador diferente, extraordinário. Não por causa do seu talento em pregar, não por sua oratória, não por sua eloquência, mas por sua cegueira.

Mauro era cego, isso mesmo!

Ele ia à igreja sábado, escutava com toda a atenção o sermão que outros pregavam, sem perder nenhuma palavra, gravava o sermão em sua memória, e depois descia o rio em sua canoa, tendo apenas uma criança como guia. Então ele remava 3, 4, 5 horas para pregar o mesmo sermão a outras pessoas, e ensinar as mesmas verdades.  

Isso é que é verdadeira paixão pelas almas! Qualquer pessoa pode ter. “Todo verdadeiro discípulo nasce no reino de Deus como missionário”. Toda pessoa verdadeiramente perdoada dará o seu testemunho. É impossível ficar calada!

2. O testemunho nos levará a cantar louvores a Deus – V. 15

Aquele que é perdoado, há de exaltar a Deus no seu louvor – não somente no ensino da Palavra. Seus lábios serão abertos, não somente para ensinar e manifestar a justiça de Deus, mas para cantar louvores.

Que tipo de louvor? “Os Teus louvores”! Aqui temos o louvor sagrado, o louvor consagrado a Deus, a música e o canto que diferem da música popular. O louvor de Deus não é a música do mundo, não é o ritmo dos que se louvam a si mesmos.

Como deve ser o nosso louvor, a nossa música para louvar a Deus? Diz o Dom de Profecia que a música deve ser bela, suave e harmoniosa; cheia de poder espiritual, e isenta de exibicionismo.

Com efeito, quando nós somos perdoados, damos o nosso testemunho em cânticos espirituais. Nós teremos um hino de louvor ao nosso Deus.

3. O testemunho também nos levará a orar pela prosperidade da igreja V. 18.

Davi diz no verso 18: “Faze bem a Sião, segundo a tua boa vontade; edifica os muros de Jerusalém.” Davi estava orando pelo bem-estar da igreja, e da cidade do povo de Deus.

Cristo nos ensinou a orar na oração modelo, em prol da vontade e do reino de Deus:
– da vontade, para que se cumpra no Céu e na terra;
– do reino, para que logo se estabeleça.

Nosso testemunho envolve o nosso interesse pela Causa de  Deus. Nós vamos orar pelo crescimento, pelo progresso e pelo bem-estar da igreja de Deus.

Alguns crentes se ocupam em falar mal da liderança; certamente eles não estão edificando os muros de Jerusalém, mas procurando destruí-los.

Seja como Davi. Ele se interessava pela prosperidade da obra de Deus.

CONCLUSÃO

Portanto, quando o cristão peca, a atitude correta e urgente é confessar o pecado a Deus, sem nenhum temor, porque Deus é um Pai compassivo e misericordioso.

Daí, após a confissão, você receberá o perdão como um presente de Deus, baseado no sacrifício de Jesus Cristo na Cruz do Calvário, onde Ele pagou o preço de sua salvação.

Então, você estará habilitado a pregar a verdade de Deus para outras pessoas, que também estão precisando de perdão.

Como Davi no passado, se caímos no pecado, vamos em busca do socorro em Jesus Cristo que está disposto a nos dar o perdão.

Não esqueçamos do que disse o apóstolo João: “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; e Ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro.” 1 João 2:1-2.



Comentários

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *