Curiosidades Bíblicas

Curiosidades dos aspectos culturais, sociais, geográficos e religioso!

Sermões

Sermões fáceis de pregar

Pensamentos de Ellen White

Coleção de Pensamentos de Ellen White - Diversos Temas!

Sermões para Ocasiões Especiais

Batismo, Santa-Ceia, Formatura e muito mais!

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

A Porta Certa

Nem todos os caminhos levam a Deus

Segundo reportagem da revista Veja (03/12/08), dez mil religiosos católicos passaram a viver distribuídos em 450 comunidades estabelecidas em vários estados brasileiros, nos últimos dez anos. Isolando-se da vida citadina, trabalhando sem receber salário e submetendo-se a normas rígidas de comportamento, esses religiosos buscam respostas para os desafios da existência bem como crescimento espiritual, através de práticas ascéticas e atividades missionárias.

Entre outras explicações possíveis, o crescente estabelecimento dessas comunidades pode ser fruto do atual interesse que as pessoas têm demonstrado na busca da espiritualidade. Nada mau que haja tal interesse; porém, necessitamos encontrar o caminho certo que leve à verdadeira fonte de sua satisfação, em vez de nos perdermos no emaranhado de opções que dela podem nos afastar.

Certa ocasião, Jesus Cristo disse: “Eu sou a porta. Se alguém entrar por Mim, será salvo; entrará, e sairá, e achará pastagem” (João 10:9). Nesse capítulo, Ele Se identifica como pastor, o que, obviamente, implica que somos Suas ovelhas. Anteriormente, afirmou: “Eu sou a porta das ovelhas” (João 10:7). Agora, Ele declara ser a única entrada para o redil espiritual. Só mediante Cristo é possível ter acesso ao reino espiritual de Deus. Nas palavras de A. B. Davidson, “Cristo usou esse símbolo como uma espécie de caminho absoluto. Só há uma porta, uma entrada, uma só maneira de entrar”.

Talvez isso não seja muito simples de ser entendido pela mente pós-moderna, tão acostumada com relativismos e pluralismos. Na verdade, nosso mundo parece um supermercado de opções religiosas. Com a idéia de que todos os caminhos levam a Deus, as pessoas como que passeiam por entre as gôndolas desse supermercado, escolhendo os produtos que mais lhes convêm para formar sua própria verdade, como se estivessem planejando fazer uma salada. Porém, não somos salvos por meio de uma salada religiosa. Somos salvos por meio de nosso relacionamento com uma pessoa – Jesus Cristo – que Se disse a porta pela qual devem passar todos os que desejam chegar mais perto de Deus.

Não existem caminhos alternativos nem opções rivais à pessoa de Cristo. Aliás, Ele também disse: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por Mim” (João 14:6). Somente Ele é a resposta para nossos questionamentos e dúvidas. NEle somente encontramos satisfação para todos os nossos anseios espirituais e nutrição para nossa alma carente, faminta e sedenta – “entrará, e sairá, e achará pastagens”. O acesso a Ele é um ato de fé e está franqueado a qualquer pessoa, em qualquer lugar, em qualquer ocasião. Sim, agora mesmo, você pode abrir seu coração e, pela fé, convidá-Lo a entrar. E Ele o fará, conforme Suas palavras: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo” (Apocalipse 3:20).


PR ZINALDO A. SANTOS

Jornalista formado pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) e com mestrado em Teologia pelo UNASP, atua na Casa Publicadora Brasileira como Editor da revista Ministério e editor associado da Vida e Saúde.

Perdão Restaurador

“Nada pode rebaixar tanto um homem quanto ele se permitir decair a ponto de odiar alguém”

Importado dos Estados Unidos, o programa conhecido como Justiça Restaurativa está sendo cada vez mais adotado no Brasil. Ele coloca frente a frente vítimas, ou familiares, e respectivos criminosos. Para quê? Responde o juiz Leoberto Brancher, no programa Fantástico: “É um mecanismo privilegiado que dá ao infrator uma visão mais clara das conseqüências, da repercussão do ato que ele praticou. Para a vítima, é uma oportunidade de extravasar a carga emocional vivida pelo evento e com isso alcançar certo alívio com relação a essa experiência.”

Mas, a idéia tem seu lado polêmico. Para algumas pessoas, uma experiência como essa significa mais combustível para intensificar a dor, já no limite do insuportável. Outras dizem encontrar nela o alívio para um fardo odioso, embora se neguem a declarar perdão. E há quem perdoe. Esse foi o caso de certa mãe que falou com o jovem, amigo da família, que matou e enterrou a filha dela no quintal de um vizinho. “Eu precisava olhar no olho dele”, disse ela. “Ele mesmo é o juiz dele. Ele se culpa dia a dia pelo que aconteceu. Por isso fiz o que fiz: olhei-o e o perdoei.” “Quando você perdoa, tudo muda na vida. Aquele ódio que eu tinha acabou”, disse um pai, referindo-se ao encontro com os assassinos do filho.

Perdoar nem sempre é fácil, especialmente em tais circunstâncias, mas precisamos fazê-lo. Em primeiro lugar, porque nós mesmos necessitamos ser perdoados. E, ao ensinar a oração do “Pai Nosso”, tão familiar aos cristãos, Jesus Cristo deixou claro que o perdão que pedimos está vinculado ao que oferecemos a outros: “Perdoa as nossas ofensas, como também nós perdoamos os que nos ofenderam” (Mateus 6:12, BLH). Quando fazemos esse pedido, de fato, estamos dizendo: “Deus, trata-me como tenho tratado as pessoas”. E se isso é pouco, veja esta declaração: “Porque, se perdoarem as ofensas dos outros contra vocês, o Pai que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem os outros, o Pai também não perdoará as ofensas de vocês” (Mateus 6:14, 15).

Em segundo lugar, o perdão beneficia muito mais o doador. Ele é oferecido a alguém que não o merece. Como argumenta Ray Pritchard, em seu livro O poder Terapêutico do Perdão, é uma escolha que fazemos no sentido de libertar os outros das ofensas cometidas contra nós, para que nós mesmos sejamos libertos do ciclo de amargura que nos prende ao passado, libertando-nos para o futuro. Isso restaura a saúde emocional, além de nos igualar a Deus em Sua manifestação de misericórdia para com os rebeldes do mundo. Aliás, pendendo da cruz, Cristo orou em favor de Seus algozes: “Pai, perdoa essa gente. Eles não sabem o que estão fazendo” (Lucas 23:34).

Desde a infância, Martin Luther King sofreu os rigores da discriminação racial. Seu filho, Martin Luther King Jr., abraçou sua causa em favor dos direitos civis dos negros e foi assassinado em 1968. Um ano depois, outro filho de King morreu afogado em uma piscina. Em 1974, novo golpe: sua esposa foi abatida sob uma saraivada de tiros disparados por um jovem, enquanto tocava piano em pleno culto de sua igreja.

Perto de morrer em 1984, aos 84 anos, o velho King refletiu sobre a própria vida, a causa pela qual lutou e as perdas experimentadas. E disse: “Há dois homens que eu deveria odiar. Um deles é branco, o outro é negro, e os dois estão cumprindo pena por homicídio. Não odeio nenhum dos dois. Não há tempo para isso; também não há razão. Nada pode rebaixar tanto um homem quanto ele se permitir decair a ponto de odiar alguém.”


PR ZINALDO A. SANTOS

Jornalista formado pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) e com mestrado em Teologia pelo UNASP, atua na Casa Publicadora Brasileira como Editor da revista Ministério e editor associado da Vida e Saúde.

sábado, 15 de agosto de 2015

O Homem que Deus não pode salvar

O título de nosso assunto é: O Homem que Deus Não Pode Salvar. Parece estranho esse pensamento! Não é Deus Onipotente? Não é Ele Todo-Poderoso? Não diz a Bíblia que para Ele tudo é possível? Como poderia Ele não salvar a alguém?

Há três teorias sobre o assunto:

Os calvinistas afirmam que Deus pode salvar a todos, mas destinou muitos para a salvação e muitos para a perdição, independente de qualquer poder ou influência.

Os universalistas afirmam que não só Deus pode salvar, como de fato salvará a todos os homens e mulheres, no fim de todas as coisas.

Os agnósticos, entretanto, afirmam que Deus não pode salvar a ninguém, porque Ele Se encontra muito longe de nós.

O que a Bíblia diz sobre isso? De fato, a Bíblia sustenta que Deus é Onipotente. Para Deus todas as coisas são possíveis. Ele tudo pode:

– Ele criou todo o Universo.
– Ele mantém todo o Universo.
– Ele já salvou a muitos dos piores criminosos deste mundo.

Portanto, para Deus, tudo é possível.


I – MAS HÁ UM HOMEM QUE DEUS NÃO PODE SALVAR

Você sabe qual é esse homem? O homem que Deus não pode salvar é o homem satisfeito consigo mesmo.

E temos aqui na Bíblia a prova dessa afirmação:

Luc. 18:9-12 – "Propôs também esta parábola a alguns que confiavam em si mesmos, por se considerarem justos, e desprezavam os outros: Dois homens subiram ao templo com o propósito de orar: um, fariseu, e o outro, publicano. O fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: Ó Deus, graças te dou porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros, nem ainda como este publicano; jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho. "

O fariseu estava satisfeito com a sua vida. Compareceu diante de Deus para mencionar os seus méritos, para gabar-se de quão bom ele era.

"Não sou como os demais homens." Quantos hoje nos seus dias pensam como este fariseu: "Não sou um homem mau, não mato, não roubo, não faço mal ao próximo." Como o fariseu de outrora, cantam um hino de louvor a si mesmos. Nada pedem a Deus, eles já são bons, Deus tem o dever de aceitá-los.

Há outras declarações do fariseu, que podemos ouvir hoje dentro da própria igreja cristã: Verso 12 – "Jejuo duas vezes por semana e dou o dízimo de tudo quanto ganho." Em linguagem moderna: "Fui batizado, pertenço à igreja, freqüento os cultos, tomo parte nas atividades da igreja, contribuo para a causa do evangelho. Faço tudo isso. Graças a Deus que eu não sou como os outros tão negligentes nessas coisas tão importantes da vida cristã."

É possível fazer estas coisas, boas sim, necessárias, próprias de um cristão sincero – é possível fazê-las por mera formalidade e apresentá-las a Deus como prova de bondade e merecimento.

Perto do fariseu estava o publicano. Os publicanos homens desprezados pelos judeus porque eram coletores de impostos para os romanos. Esse homem não via nada de bom em si mesmo. Se fazia boas obras, não ousou mencioná-las a Deus; que eram as suas boas obras para comprar os bens do Céu? Viu que suas obras não podiam comprar o favor do Céu. O publicano sentiu sua pobreza, o seu pauperismo espiritual. Sentia nada ter para o recomendar a Deus. Se alguma coisa pudesse ganhar, seria imerecido, seria tudo baseado na misericórdia divina.

Ele, o publicano desprezado, olhou para si mesmo, vendo a sua profunda necessidade, e apresentou-se diante de Deus com apenas um argumento – o argumento da sua própria necessidade: "Ó Deus, tem misericórdia de mim, que sou pecador." (Luc. 18:13).

Como Jesus terminou a Sua história? Ele disse que o fariseu voltou vazio, enquanto que este publicano foi justificado.

Realmente, o fariseu representa o homem que Deus não pode salvar porque ele está satisfeito consigo mesmo, cheio de justiça própria, não sente a sua necessidade.


II – QUAIS OS CARACTERÍSTICOS?

Quais são os característicos do homem satisfeito consigo mesmo, o qual Deus não pode salvar?

1) O homem satisfeito consigo mesmo é o homem que não se arrepende.

Lemos estas palavras de Jesus em Luc. 5:31-32 – "Respondeu-lhes Jesus: Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes. Não vim chamar justos, e sim pecadores, ao arrependimento."

Levi Mateus dera um grande banquete em sua casa, e convidou a Jesus e aos seus amigos que também eram publicanos como ele era, e havia sido distinguido por Jesus.

Entretanto, os fariseus começaram a murmurar e acusar os discípulos de Jesus, dizendo que comiam e bebiam com os publicanos e pecadores. Foi aí que Jesus, não podendo deixar passar essa oportunidade para lhes dar mais uma lição, defendendo os publicanos, justificando sua atitude para com eles, e ao mesmo tempo ensinando e advertindo por que muitos jamais se salvarão.

"Os sãos não precisam de médico", ou seja, os que se consideram sãos, os que a si mesmos se julgam bons, justos – estes não precisam de Sua ajuda, ou melhor: é impossível ajudá-los. Apenas os doentes, os que reconhecem, os que reconhecem a sua enfermidade é que precisam do Médico dos médicos.

E Ele acrescenta: "Não vim chamar justos, e sim, pecadores ao arrependimento", porque os justos não precisam de arrependimento, os que se julgam justos, eles não se arrependem; na realidade, eles não podem se arrepender enquanto estão nessa condição de justiça própria.

O 1º característico – falta de arrependimento – porque não há reconhecimento do pecado.

E Cristo contou noutra passagem a necessidade de arrependimento: Luc. 13:4, 5 – "Ou cuidais que aqueles dezoito sobre os quais desabou a torre de Siloé e os matou eram mais culpados que todos os outros habitantes de Jerusalém? Não eram, eu vo-lo afirmo; mas, se não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis."

Os judeus diziam que aqueles homens que foram acidentados pela torre de Siloé eram grandes pecadores e culpados diante de Deus e que era por isso que eles foram castigados. Mas Jesus corrigiu esse conceito e ensinou que não há salvação sem arrependimento: "Se não vos arrependerdes, todos igualmente perecereis."

E não basta apenas confessar o pecado, externamente, sem reconhecê-lo. Há no Antigo Testamento dois exemplos marcantes que ilustram esta verdade: 1) Lemos em 1Sam. 15:24, que Saul proferiu estas palavras: "Pequei, pois transgredi o mandamento do Senhor!" 2) e também lemos acerca de Davi que ele disse em 2Sam. 12:13: "Pequei contra o Senhor!"

Ambos confessaram as mesmas palavras. Saul pecou porque não matou. Davi pecou porque matou. Um foi aceito, o outro foi rejeitado. Um foi destronado e se perdeu; o outro, Davi, continuou no trono e se salvou. Por quê? A diferença está no fato de que Davi se arrependeu, Saul não. Saul era um homem satisfeito consigo mesmo: achava que não necessitava de arrependimento. Davi, porém, experimentou um profundo arrependimento.

2) 2º característico: O homem satisfeito consigo mesmo não crê em Jesus.

Gên. 4:3-5 nos apresenta a triste história de Caim e Abel. De acordo com o plano divino, os dois irmãos deveriam trazer ofertas de animais. Devia haver derramamento de sangue. Isso representava o sangue de Jesus, o Cordeiro de Deus.

Abel mostrou sua fé no vindouro Messias, quando apresentou sua oferta de animal, imolando o cordeiro, derramando o sangue, e crendo que Deus haveria de prover o sangue que purifica de todo pecado.

Caim, porém, ao trazer os seus frutos, revelou em sua oferta, que não possuía fé para crer em Jesus, o Messias vindouro. Ele estava satisfeito consigo mesmo e com suas realizações.

E não basta, aparentar ser um seguidor de Cristo. É preciso crer nEle de fato.

No Novo Testamento, temos outros dois exemplos: Pedro, que negou a Jesus. (Luc. 22:62) e Judas, que O traiu. (Mat. 27:35). Judas representa o homem que Deus não pode salvar: ele não crê em Jesus Cristo. Judas não se submeteu a Cristo, porque não acreditava nEle como seu Salvador pessoal. Ele O seguia como um dos Doze discípulos, a fim de conseguir vantagens temporais. Nunca quis se arrepender; nunca aceitou a Jesus, não cria nÊle. Também estava satisfeito consigo mesmo: para que deveria ele crer em Jesus?

Entretanto, Pedro representa ao homem que Deus pode salvar completamente, embora tenha cometido graves e hediondos pecados, em muitas vezes e de muitas maneiras. Pedro nunca estava satisfeito, ele sempre ansiava por Jesus e cria nÊle como o seu Salvador. Ele disse, apesar de errar muitas vezes: "Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna; e nós temos crido e conhecido que tu és o Santo de Deus." (João 6:68-69).

Aqui está o segredo: Não importa a nossa vida passada, não importa quão pecadores nós fomos um dia, não importa se nos tornamos grandes pecadores. O que importa é a nossa fé para crer que Jesus Cristo é o nosso poderoso Redentor, que derramou o Seu sangue para nos purificar, e que Ele nos libertará dos nossos pecados, aqui e agora, se tão somente nós o aceitarmos como o nosso suficiente Salvador.

3) 3º característico: O homem satisfeito consigo mesmo não tem amor pela verdade.

O apóstolo Paulo fala desta classe de pessoas desse modo, em 2Tess. 2:10 – "e com todo engano de injustiça aos que perecem, porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos." Por que perecem? Porque não acolheram o amor da verdade para serem salvos.

Os ímpios não só rejeitam a verdade, como também não acolhem o amor pela verdade para serem salvos. Eles não podem ser salvos enquanto não amarem a verdade. Mas se estão satisfeitos consigo mesmos, eles não crerão na verdade, eles não amarão a verdade e não serão salvos, Deus não pode salvá-los por isso.

Tal atitude não se relaciona à verdade no sentido geral, mas se refere à verdade salvadora do Evangelho, que eles não amam tanto a ponto de buscarem a salvação com todo o seu empenho e serem beneficiados.

O cristão nunca está satisfeito consigo mesmo. Por isso, ele crê em Deus e na Sua verdade, e ele a aprecia mais e mais, a ponto de sempre buscar a verdade, conhecer a verdade e praticá-la em sua vida. Ele vê que a verdade do Evangelho é poderosa para salvá-lo, e ele a ama.

Os ímpios estão satisfeitos consigo mesmos. Portanto, não acolheram o amor da verdade para serem salvos.

– Eles poderiam ser salvos pela verdade do Evangelho, porque o Evangelho tem poder para salvar.
– Eles poderiam se regozijar pela verdade, e pelos excelentes resultados do Evangelho em sua vida.
– Eles poderiam crer na verdade, porque essa possibilidade existe para todos os seres humanos.

No entanto, os ímpios têm outra atitude:

– Eles crêem na mentira.
– Eles amam a apreciam o erro.
– Eles se regozijam na injustiça.
– Eles se permitem iludir pelos enganos de Satanás.
– Eles não têm nenhum amor pela verdade salvadora do Evangelho, porque estão satisfeitos consigo mesmos e desse modo não podem ser salvos, a menos que mudem sua atitude.


III – COMO PODE O HOMEM DESPERTAR?

Como podemos ver nossa condição espiritual? Como podemos sentir nossa necessidade de Deus?

Ninguém por si reconhece os seus erros e pecados. "Enganoso é o coração ...", diz a Bíblia.

Como é que fala uma pessoa satisfeita consigo mesma? Apoc. 3:17 – "Dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu." O diagnóstico divino é: "Nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu."

Como pode ser mudada essa atitude de justiça própria e auto-satisfação? Apoc. 3:18-19 – "Aconselho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não seja manifesta a vergonha da tua nudez, e colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas. Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso e arrepende-te. "

Jesus Cristo dá esse conselho. Necessitamos de:

1. Ouro refinado – a fé que opera por amor.
2. Vestiduras brancas – a justiça de Cristo.
3. Colírio – a graça do Espírito Santo.

E no verso 19 temos a certeza do amor de JC, e o apelo ao arrependimento. O verso 20 apresenta o quadro de JC à porta do nosso coração esperando que Lhe demos entrada.

Como reconhecer nossa necessidade? Necessitamos do colírio do Espírito Santo e:

– Ele nos revelará a verdade.
– Ele nos convencerá do pecado, da justiça e do juízo.
– Ele nos mostrará a Jesus.

"O desconhecimento dEle é que dá aos homens uma tão alta idéia de sua própria justiça. Ao contemplarmos Sua pureza e excelência, veremos nossa pobreza e defeitos, como realmente são.." – Parábolas de Jesus, página 159.

"Quanto mais nos achegarmos a Jesus e mais claramente discernirmos a pureza de Seu caráter, tanto mais claramente discerniremos a extraordinária malignidade do pecado, e tanto menos teremos a tendência de nos exaltar." – Parábolas de Jesus, página 160.

Paulo disse em 1Tim. 1:15 – "Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal."

Conta-se que Lady Hamilton muitas vezes visitava as prisões a fim de animar e ajudar os reclusos. Um dia ela encontrou um homem que estava completamente arrasado, cheio de pessimismo e sinistros pensamentos. Ela procurou consolá-lo, mas ele respondeu:

– Sou um grande pecador.
– Louvado seja Deus – a Lady respondeu.

Então o prisioneiro acrescentou:

– Sou o mais ímpio de todos os pecadores.
– Louvado seja o Senhor – disse outra vez Lady Hamilton.

Não compreendendo o que ela queria dizer, o prisioneiro disse:

– Por que diz a senhora assim, visto que professa ser cristã?

Então ela tomou a Bíblia e calmamente leu para ele este verso: "Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal."

Entreguemo-nos inteiramente a Jesus, contemplemos o Seu maravilhoso caráter, toda a Sua perfeição. E teremos um vislumbre de nossa necessidade.

"Fiel é a palavra" de que realmente Jesus Cristo veio salvar pessoas tão pecadoras como nós somos. "Se, pois, zeloso e arrepende-te. Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo." (Apo. 3:19-20).

Se você não está satisfeito consigo mesmo, se pelo Espírito Santo você sente o seu pecado, você pode ser completamente salvo. Entregue-se agora mesmo a Jesus, que disse: "O que vem a Mim, de modo nenhum o lançarei fora" (João 6:37). Portanto, vamos a Ele.


PR. ROBERTO BIAGINI
Teólogo, Mestre em Teologia. Realizou vários cursos de Extensão Teológica da Andrews University e do Centro de Educação Contínua da DSA. Trabalhou como distrital de várias igrejas do centro, norte e sul do país. É casado com a Profª. Silvane Luckow Biagini, e tem dois filhos, Ângela e Roberto.

Argumentos que o criacionista NÃO deve usar

“Darwin se converteu antes de morrer.” Muitos usam essa história, entretanto, provavelmente ela não seja verdadeira, e não há corroboração daqueles que eram próximos a ele – nem mesmo de sua mulher Emma, que era contrária à idéia evolucionária. E também o fato de alguém abandonar uma filosofia não serve para desprovar tal filosofia. Muitos abandonam o cristianismo, mas isso não invalida sua exatidão.

“Os computadores da Nasa, ao calcular as posições dos planetas, descobriram o dia perdido de Josué e mais 40 minutos do relógio de Acaz.” Essa história é uma fabricação. A mesma história apareceu num livro não muito confiável chamado The Harmony of Science and Scripture (1936), por Harry Rimmer. Atribuir tal feito a um computador da Nasa está além da sua capacidade. Nenhuma autoridade da Nasa jamais confirmou essa história. Ela é mais uma lenda urbana. (O que aconteceu nesses dois casos foi que Deus provavelmente retardou o movimento de rotação da terra. O ponto de referência do escritor é a Terra, por isso que ele diz que o Sol “parou”.)

“Mamutes foram congelados vivos no Dilúvio.” Isso contradiz a formação geológica em que os mamutes são descobertos. Provavelmente eles pereceram no fim da Idade do Gelo, possivelmente numa catastrófica tempestade de gelo/neve. Comida parcialmente digerida no estômago não é prova de um rápido congelamento. Um mastodonte com conteúdo estomacal parcialmente preservado foi descoberto no oeste dos EUA, onde o solo não estava congelado.

“A Segunda Lei da Termodinâmica começou na Queda.” A lei afirma que a entropia aumenta com o tempo. Entretanto, a entropia (desordem) nem sempre é ruim. Digestão e fricção são formas de entropia. Se a Segunta Lei não estivesse em efeito na criação, Adão e Eva teriam resvalado ao caminhar sobre o Jardim do Éden. Respiração também é uma forma de entropia, até mesmo o desenvolvimento de um embrião em um adulto aumenta a desordem do Universo, mostrando que a Segunda Lei da Termodinâmica não é sempre uma maldição. Provavelmente, Deus recuou alguns dos seus poderes de manutenção e sustentação na Queda; assim, o efeito degenerativo da Segunda Lei não foi mais balanceado.

“Se nós evoluímos do macaco, os macacos não deveriam existir hoje.” O evolucionista certamente responderia que ele não acredita que o homem evoluiu do macaco, mas que ambos evoluíram de um ancestral comum. Muitos evolucionistas acreditam que um pequeno grupo de criaturas se afastou do grupo principal e tornou-se isolado, o que os levou a formar uma nova espécie.

“As mulheres tem uma costela a mais que o homem.” Na verdade, isso é uma falácia. Ambos têm 12 pares de costelas. A remoção da costela de Adão não iria afetar a instrução genética passada para os filhos. Se eu perder um braço, meu filho não nascerá sem braço. Adão também não teria uma deficiência permanente, porque o osso da costela pode crescer novamente, se a membrana que o envolve permanecer intacta.

“Archaeopteryx é uma fraude.” O Archaeopteryx era genuíno. Era um pássaro verdadeiro, não um elo perdido entre dinossauros e pássaros.

“Não há mutações benéficas.” Há, na verdade, mutações benéficas que conferem vantagem em algumas situações. Mas até agora nunca foi descoberta uma mutação que aumentasse a informação genética, mesmo quando ela raramente confere alguma vantagem.

“Nenhuma nova espécie tem sido produzida.” Formação de novas espécies tem sido observada. Especiação rápida é, na verdade, uma parte importante do modelo criacionista. Mas essa especiação acontece somente dentro de um tipo ou família e não envolve nova informação genética.

“O eixo de inclinação da Terra era vertical antes do Dilúvio.” Não há base para essa afirmação. Estações são mencionadas em Gênesis 1:14, o que sugere que o eixo da Terra já estava inclinado desde a Criação.

“Darwin mencionou o aspecto absurdo da evolução do olho em Origem das Espécies.” Isso é uma citação fora de contexto. Darwin estava falando que embora parecesse absurdo (e que isso o deixava desconfortável), era possível imaginar que o olho fosse construído passo a passo.

“A frase ‘falsamente chamada ciência’ em 1 Timóteo 6:20 refere-se à evolução.” É necessário compreender o contexto histórico e lingüístico do Novo Testamento. A palavra “ciência” é gnosis em grego, e nesse contexto se refere a uma elite esotérica cuja ciência ou conhecimento era a chave para as religiões de mistério. Mais tarde isso se desenvolveu na heresia do gnosticismo. Uma tradução mais atual dessa frase seria: “falsamente chamado de conhecimento”.

“Geocentrismo (a idéia clássica de que a Terra é um ponto de referência absoluto) é ensinado pelas Escrituras e o heliocentrismo é antibíblico.” Passagens bíblicas como “o nascer e o pôr-do-sol” devem ser entendidas como alguém que toma a Terra como ponto de referência, o qual é um dos muitos pontos de referência fisicamente válidos. [Mesmo os astrônomos de hoje usam a expressão “pôr-do-sol”.]

“Einstein, apesar da grande pressão que sofria, acreditava em um Criador.” Não, Einstein não acreditava nisso. Suas idéias de Deus eram evolucionárias e panteístas.

“Evolução é só uma teoria.” Quando as pessoas usam esse “argumento”, querem dizer que pelo fato de tal coisa ser uma teoria, ela não deve ser enfatizada dogmaticamente. Mas os cientistas usam a palavra “teoria” como uma explicação substanciada dos dados. Isso inclui a Teoria da Relatividade de Einstein e a Teoria da Gravitação Universal de Newton. É melhor dizer que a evolução de partículas para o homem é uma hipótese ou conjectura não substanciada.

“Os criacionistas acreditam em microevolução mas não em macroevolução.” Esses termos que focalizam em pequenas versus grandes mudanças distraem nossa atenção do importante e crucial assunto da informação. Isto é, a evolução de partículas para o ser humano requer mudanças que aumentem a informação genética, mas observamos apenas seleção e perda de informação.

(Fonte: Answers In Genesis; tradução e resumo: Tony Pasquel)

MICHELSON BORGESÉ jornalista, mestrando em Teologia pelo Unasp e membro da Sociedade Criacionista Brasileira . É editor na Casa Publicadora Brasileira e autor dos livros /A História da Vida / e /Por Que Creio / (sobre criacionismo), /Nos Bastidores da Mídia / e da Série Grandes Impérios e Civilizações, composta de seis volumes. Casado com Débora Tatiane, tem duas filhas.
Editor do Blog Criacionismo

Como Derrotar o Evolucionismo com Mentes Abertas


Apesar do título belicoso, Como Derrotar o Evolucionismo com Mentes Abertas, de Phillip Johnson (Editora Cultura Cristã), é um bom livro para quem quer se situar em meio à controvérsia entre darwinismo e design inteligente. Johnson, que é formado pela Harvard e pela Universidade de Chicago, leciona direito há mais de 30 anos na Universidade da Califórnia, em Berkeley. Exatamente por isso, ele foi capaz de investigar o âmago dos argumentos darwinistas, atuando como uma espécie de “promotor de justiça” da teoria. E justiça seja feita: apesar de não ser cientista, Johnson demonstra amplo conhecimento dos temas em questão e analisa tudo de forma crítica e lúcida.

Logo na introdução do livro, o advogado justifica por que os jovens acabam sendo o público alvo da obra: “[Os] jovens precisam tirar vantagem das maravilhosas oportunidades educacionais que nossa sociedade oferece, mas também precisam se proteger da doutrinação no naturalismo que geralmente acompanha a educação. Livros didáticos e outros materiais educacionais tomam o naturalismo evolucionário como certo e, assim, admitem a resposta errada para a mais importante questão com que nos deparamos: Existe um Deus que nos criou e que Se importa com o que fazemos? Os jovens precisam estar preparados para a doutrinação e para isso precisam saber algumas coisas que as escolas não estão autorizadas a ensiná-los. Esse é o principal objetivo deste livro.”

Johnson então passa a utilizar seu “detector de conversa fiada” para analisar a teoria da evolução e chega a propor uma “verdadeira educação em evolução”, com uma abordagem mais autocrítica e menos triunfalista. Ou seja, ele ajuda o leitor a desenvolver uma visão cética com respeito às pretensões darwinistas.


MICHELSON BORGESÉ jornalista, mestrE em Teologia pelo Unasp e membro da Sociedade Criacionista Brasileira . É editor na Casa Publicadora Brasileira e autor dos livros /A História da Vida / e /Por Que Creio / (sobre criacionismo), /Nos Bastidores da Mídia / e da Série Grandes Impérios e Civilizações, composta de seis volumes. Casado com Débora Tatiane, tem duas filhas.

As 7 Portas da Bíblia

1. Você já pensou o que seria de nós se não houvesse aquele recurso tão útil? É uma coisa usada constantemente; nós sempre estamos usando isso. É conhecido universalmente; ninguém o desconhece.

2. Certa vez alguém perguntou: - Como vamos entrar na sala? E a outra pessoa respondeu: - Há um invento que o homem criou que nos permite atravessar paredes, disse. - Sim, e qual é? Será que nos torna invisíveis, imateriais? - Não, o invento se chama de “porta”.

Isso não é uma piada; é verdade mesmo!

3. Portas são muito importantes: portas são tão importantes, que até a palavra im “porta”nte tem porta no meio. O que seria de nós, se não existissem portas? Nós simplesmente estaríamos fora: no frio, sem abrigo, desprotegidos Ou encerrados e presos em 4 paredes, sem alimento, sem sol e sem vida.

4. Todos conhecem a mensagem das portas - até os animais. Alguém outra vez perguntou: - Sabe por que o cachorro entrou na igreja? perguntou alguém.
- Não! Por quê? - É porque a porta estava aberta!

Hoje queremos falar sobre as 7 PORTAS DA BÍBLIA. A Bíblia nos fala que existem 7 portas muito importantes, que hoje queremos considerar.

1a porta: A PORTA DO CÉU. Gên. 28:17

1. Jacó se encontrava em Harã, fugitivo, amedrontado, porque se escondia do seu irmão Esaú, que queria matá-lo.

2. Desanimado, cansado, quando as sombras da noite já se adensavam, Jacó tomou uma pedra para servir de travesseiro, e adormeceu, num profundo sono. E dormindo, teve um sonho. Ele viu uma grande escada fulgurante cuja base estava na terra e o topo alcançava o Céu. Além disso, anjos de Deus subiam e desciam pela escada.

3. E quando ele acordou, sobressaltado, disse: “Quão temível é este lugar! É a Casa de Deus, a porta dos céus.” v.17.

4. Ellen G. White disse: “Deus é Altíssimo e santo; e... a Sua casa na terra, o lugar onde o Seu povo se reúne para adorá-lO, é a porta do Céu”. (MJ 265). E continua: “A reverência é grandemente necessária... Estou alarmada ao ver crianças e jovens, filhos de pais religiosos, tão descuidados da ordem e decência que devem ser observadas na casa de Deus. Enquanto os servos de Deus apresentam ao povo as palavras de vida, alguns estão lendo, outros estão cochichando e rindo."

5. A irreverência tem sido uma grande tentação para muitos que têm em pouca conta as coisas sagradas; mas esse defeito de caráter deve ser vencido por todos os cristãos, que estão se preparando para a adoração junto aos anjos que cobrem o seu rosto na presença de Deus.

6. Com efeito, disse Jacó: “Este lugar é a porta do Céu, e eu não sabia”. Mas nós outros já sabemos. Como estamos em relação a esse assunto? Estamos nós esquecidos de que no Seu Templo se manifesta a própria presença de Deus? Somos nós reverentes na Casa de Deus?

7. Temos que nos lembrar que a igreja, o templo de Deus é o lugar onde temos a porta do Céu se abrindo diante de nós, para que os encantos do Evangelho possam se desdobrar a nós pecadores que desejamos ascender um dia aos Céus, e aqui temos a primeira porta para esse grande propósito: a porta do Céu.


2a porta: A PORTA DO INFERNO. Mt. 16: 18

1. Em Cesaréia de Filipe, Jesus perguntou aos discípulos: "- Quem diz o povo ser o Filho do Homem?" Disseram: "- João Batista, Elias, Jeremias, ou algum dos profetas." E Cristo perguntou ainda: "- Mas vós, quem dizeis que eu sou?"

2. Então Pedro, matéria explosiva, homem sempre disposto a falar, falou pelos Doze discípulos, dizendo: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo." Então, Jesus disse: "Também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a Minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela."

3. Isso não significa que a Igreja estaria edificada sobre Pedro. O v. 23 indicaria o contrário, onde vemos as portas do Inferno prevalecendo sobre Pedro. Jesus usou apenas um jogo de palavras, que também coincide no Português, sobre Pedro, uma pequena pedra, um seixo, e Cristo, a Rocha eterna, inamovível.

4. Mas o que significam as “portas do Inferno?” A palavra “inferno” aqui é a tradução de “hades” do grego, e significa sepultura. (Dicionário Grego de Strong, em Mat. 16:18).

5. E com efeito, Jesus Cristo quebrou poderosamente os grilhões da morte, Ele rompeu as portas da sepultura, e a Sua Igreja não ficará presa. Disse Ele: "Eu sou a Ressurreição e a Vida".

6. Quando Moisés foi sepultado, logo depois o Filho de Deus o chamou, para que saísse do túmulo. Então Satanás se apresentou para impedi-lO. Mas Cristo, o Arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo e disputava a respeito do corpo de Moisés, disse apenas: “O Senhor te repreenda, Satanás”, porque as portas do inferno não prevaleceriam sobre a igreja de Deus. E Moisés pôde ser ressuscitado e assunto ao Céu.

7. Aguardamos o dia de fulgurante glória, quando virá o Salvador em Sua 2a vinda, para ressuscitar o Seu povo, numa poderosa demonstração de que as portas do inferno, as portas da sepultura, não prevalecerão sobre a Sua Igreja.


3a porta: PORTA DE JUSTIÇA. Sl. 118:19.

1. Diz o salmista: "Abri-me as portas da justiça; entrarei por elas e renderei graças ao SENHOR."

2. Muitos entram pelas portas da injustiça. Mas aqui temos a prece de alguém que estava querendo entrar pelas portas da justiça e pede que se abram.

3. De quem é esta porta? O v. 20: “Esta é a porta do Senhor”. Não poderia ser do homem, pois não há justiça nele. Não há nenhum justo, nenhum sequer, pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus. A Bíblia diz que o homem não é justo, a experiência nos ensina que o homem não é justo, e toda a nossa natureza diz que o homem não é justo.

4. Então, quem entrará pelas portas da justiça? “Por ela entrarão os justos”. (v. 20). Mas se todos são pecadores, tem que haver um segredo. Como podem entrar lá? As portas de justiça estarão abertas somente para aqueles que têm a chave: a fé é a chave que tem poder de abrir as portas da justiça.

5. Em 1o lugar, somos justificados pela fé em Jesus Cristo, que esteve aqui na terra para andar em justiça, para nos garantir a entrada pelas portas da Sua justiça.

6. Depois que somos justificados mediante a fé, Deus nos considera justos, como se nunca antes tivéssemos cometido um só pecado; então começa um processo de santificação, pelo qual somos introduzidos às portas de justiça.

7. Você já entrou pelas portas da justiça de Jesus Cristo? É somente Ele que nos pode dar justiça, e é mediante a fé na Sua obra e no Seu poder que Ele tem de nos salvar. Se você crê em Jesus, pode entrar pelas portas de justiça e ser salvo.

8. E então, à semelhança do salmista, você entrará por elas e renderá graças ao Senhor, porque quando você compreender o grande significado desta Salvação, você terá uma profunda gratidão para expressar a Jesus que é chamado “o Senhor, Justiça Nossa”. (Jer. 23:6).


4a porta: A PORTA DOS LÁBIOS. Sl. 141:3

1. O salmista Davi orou, numa fervente prece, invocando o nome de Jeová, dizendo: “Põe guarda, SENHOR, à minha boca; vigia a porta dos meus lábios.” E ele era o grande rei de Israel, que pela lógica podia falar o que quisesse, sem interferência de ninguém. Como precisamos orar e cuidar da porta de nossos lábios, nós que não somos reis aqui nesse mundo. Mas não esqueçamos que de fato somos reis no reino da graça de nosso Senhor Jesus Cristo (Apo. 1:6).

2. Muitas pessoas falam precipitadamente, e então, para se justificar, dizem: “Ah, falei sem pensar!” Como seria diferente se essas pessoas pensassem antes de falar! Como seria diferente, se elas se lembrassem de que Deus nos deu dois ouvidos e uma língua, para que nos ocupássemos mais em ouvir do que em falar.

3. Quão preciosa é a vigilância à porta dos lábios, guardando-os, acautelando-nos, para deles saiam apenas palavras próprias, comunicando graça, conforto e ânimo aos que nos ouvem.

4. Quantas vezes temos falado palavras que saem pela porta dos nossos lábios, palavras rudes, apressadas, injustas; outras vezes, são piadas vulgares, indecentes; outras ocasiões, são palavras acusadoras.

5. Quão diferentes seriam os resultados, se nossas palavras fossem sempre:

- palavras agradáveis: que podem agradar aos outros, para que se sintam bem ao nos ouvir falar, e não que fiquem furiosos, irados.
- palavras nobres: que são usadas pela "nobreza cristã", por pessoas educadas, refinadas, palavras que ajudam a enobrecer aos outros.
- palavras escolhidas: você pode escolher as palavras e calcular o seu respectivo efeito. Se eu disser àquela pessoa tal e tal coisa, de tal e tal modo, como é que ela vai se sentir? Quais serão os resultados e qual será a minha influência? Para o bem ou para o mal?

6. O que teremos de fazer para alcançarmos esse ideal cristão? Mais oração. Temos de orar mais fervorosamente, para que Deus opere em nós e guarde a nossa boca, e vigie a porta dos nossos lábios. Se há necessidade de muita oração e vigilância, então é exatamente nesse ponto que devemos buscar mais a Deus.


5a porta: A PORTA DA GRAÇA. Luc. 13:24

1. Alguém perguntou: “Senhor, são poucos os que se salvam?" Jesus não respondeu diretamente. Ele fez um veemente apelo, deixando claro que nosso interesse primário deveria ser, não quantos se salvarão, mas se nós mesmos estaremos salvos. Disse Ele: "Esforçai-vos por entrar pela porta estreita, pois eu vos digo que muitos procurarão entrar e não poderão. Quando o dono da casa se tiver levantado e fechado a porta, e vós, do lado de fora, começardes a bater, dizendo: Senhor, abre-nos a porta, ele vos responderá: Não sei donde sois. Então, direis: Comíamos e bebíamos na tua presença, e ensinavas em nossas ruas. Mas ele vos dirá: Não sei donde vós sois; apartai-vos de mim, vós todos os que praticais iniqüidades." (Luc. 13:24-27).

2. Alguns pensam que a porta da graça jamais se fechará. Mas a própria expressão “porta” já indica que haverá um limite. Uma porta indica limitação, especialmente quando está fechada, e quando está aberta, a possibilidade é que pode se fechar. A graça, sim, terá limite: ela pode acabar. Então, não haverá mais possibilidade de salvação para mais ninguém.

3. A porta da graça é estreita, apertada. Alguns afirmam que tudo é muito fácil. Antes do Dilúvio, os homens também pensavam assim. As 5 virgens insensatas também pensavam assim. E hoje, os homens que amam as coisas do mundo, também pensam da mesma forma, que “Deus finalmente salvará a todos, que não há o de que se preocupar!”

4. Mas o que disse Jesus? “Esforçai-vos!” A palavra em grego indica o sentido de “agonizai-vos!” É preciso exercitar-nos na prática de nossa vida cristã, empenhar-nos em buscar a graça de Deus, sem desistirmos jamais, aconteça o que acontecer.

5. Vamos preparar-nos dia a dia para enfrentar as nossas lutas, provas e tentações, a fim de que nos purifiquemos e nos fortaleçamos cada vez mais para o reino de Deus. Vamos valorizar o tempo que temos nesta vida, que é um tempo de graça, enquanto a porta está graciosamente aberta. Porque um dia se fechará a porta da graça, e como nos dias de Noé, muitos procurarão entrar e não poderão.

6. Haverá um tempo nos últimos dias em que os homens famintos, mas não de pão, e sedentos, mas não de água, procurarão a Palavra de Deus, mas não a acharão. Viajarão por todos os continentes, com o objetivo de alcançar um lenitivo, uma palavra de consolação, de esperança, de salvação, para lhes acalmar os temores, mas será inútil (Amós 8:11-12). Então, poderão dizer: "Passou a sega, findou o verão, e nós não estamos salvos" (Jer. 8:20).

7. O grande pregador Dwight Moody estava pregando num salão, e ele notou que um jovem estava sob a convicção do Espírito Santo, e o jovem ficando depois da pregação foi falar com o pastor Moody, disse: “Pastor, eu quero seguir a Jesus.” Moody disse: “Jovem, aceite a Jesus hoje. Hoje é o dia.” “Não, pastor, hoje não, eu tenho alguns negócios lá na cidade, eu vou terminar esses negócios, e depois de terminar esses negócios sim, eu vou aceitar a Jesus.” O pastor disse: “Não, jovem, você deve aceitar agora, deve aceitar nesse momento.” Ele disse: “Pastor, eu preciso terminar esses negócios, mas eu prometo que depois de terminá-los, eu vou aceitar a Jesus Cristo.”

O jovem saiu daquele lugar, ele foi fazer os seus negócios. E um dia, muito depois, o pastor se encontrou com ele na rua e disse: “Como é, jovem, ainda não fez a sua decisão?” Ele disse: “Ainda não, pastor, ainda não, mas logo mais eu vou fazer, agora eu estou muito ocupado, tenho muito a fazer.”
Pouco tempo depois veio um aviso ao pastor de que esse jovem estava no hospital, doente. O pastor foi lá, o pastor foi falar com ele, disse: “Jovem, como é? Já fez a sua decisão?” Ele disse: “Não, mas eu estou muito doente, o médico não me deu muita esperança, eu posso morrer, e se eu tomar uma decisão agora, o povo vai dizer que eu tomei essa decisão com medo de morrer. Eu não quero tomar a decisão pressionado ou com medo. Espere um pouco mais; se eu melhorar, se Deus me der saúde, então eu vou seguir a Jesus; mas agora não.” O pastor saiu muito triste, mas o jovem melhorou, foi curado e saiu do hospital.

E o pastor foi visitá-lo, e disse: “Jovem, agora, vamos fazer essa decisão?” Ele disse: “Agora não, agora eu estou muito ocupado! Um pouco mais tarde!”
O tempo passou e mais uma vez o jovem adoeceu, e o pastor foi visitá-lo no seu leito de dor, já muito fraco pela enfermidade, e o pastor disse: “Como é, jovem? Vai fazer a sua decisão agora?” O jovem falou alguma coisa que o pastor não podia entender, mas notou que os seus lábios estavam se mexendo e ele colocou o ouvido bem perto para ouvir o que este jovem estava dizendo, ele estava citando um texto bíblico, as palavras que achamos em Jer. 8:20: “Passou a sega, findou o verão e não estou salvo.”

O pastor disse: “Jovem, ainda há tempo, você ainda tem vida, aceita agora a mensagem de Deus.” Ele mais fraco ainda, quase não deu para ouvir, disse: “Passou a sega ... findou ... o verão ... e não estou salvo.” O pastor fez mais um apelo ainda, disse: “Jovem, Deus ainda o ama, você ainda pode aceitá-Lo, aceita agora.” Mais uma vez ele repetiu as palavras. Agora as suas forças o estavam deixando, estava ficando cada vez mais fraco. Ele disse: “Passou a sega ... findou ... o verão ... e eu não estou salvo.”

8. E você? Vai deixar a porta da graça se fechar? Ou vai aproveitar a oportunidade de salvação que Deus lhe dá hoje, agora mesmo?


6a porta: A PORTA DO CORAÇÃO. Apo. 3:20.

O apóstolo João apresenta-nos a Cristo, dizendo-nos: "Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a Minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo."

1. Este é um quadro comovente: o Senhor da glória, o próprio Criador do homem, batendo à porta do seu coração, pedindo entrada.

2. Mas Ele não força a porta.

Um artista, certa vez, pintou esse quadro. Alguém contemplando-o, apreciou muito o quadro, mas fez uma observação, e disse ao pintor: “O quadro está quase perfeito; só falta um detalhe”. “O que é?”, perguntou o pintor. “Você esqueceu a maçaneta!” “Não!”, respondeu o pintor. “A porta do coração não tem maçaneta do lado de fora, só por dentro!”

3. Jesus Cristo faz um apelo para que você abra a porta do seu coração para que Ele possa entrar agora mesmo!

4. Ele quer reinar no trono do seu coração. Ele é o próprio Rei do universo. Será um grande privilégio ter tal Pessoa em nosso coração, morando em nós, habitando em nossos pensamentos, fazendo parte de nossos sonhos, nossas esperanças.

5. Ele quer ter comunhão com você: cear com você, falar a você, ouvir a você , andar com você, e ajudá-lo. Ele quer alimentar-nos com o pão que desceu do Céu. Ele quer mitigar a nossa sede espiritual. Atende ao Seu apelo.


7a porta: A PORTA DA CIDADE DE DEUS. Apo. 22:14

1. "Bem-aventurados aqueles que lavam as suas vestiduras no sangue do Cordeiro, para que lhes assista o direito à árvore da vida, e entrem na cidade pelas portas."

2. “Bem-aventurados”. Isto significa felicidade celestial; não será como a felicidade efêmera e transitória aqui desta Terra.

3. Quem será bem-aventurado? Aqueles que lavam as vestes do seu caráter. Nossos trapos de imundície precisam ser lavados, purificados, embranquecidos.

4. Mas qual é o meio de purificação? O único meio, o único recurso confiável indicado pelo Céu, é o sangue de Jesus! Ele derramou o Seu preciosíssimo sangue na cruz do Calvário, a fim de que nos pudesse alvejar e purificar-nos completamente. "O sangue de Jesus nos purifica de todo pecado" (1João 1:7).

5. Qual será a bem-aventurança? O que acontecerá com os que são lavados no sangue de Jesus? Eles entrarão na cidade santa pelas portas! O sangue de Jesus abriu as portas do Paraíso eterno! O sangue de Cristo nos possibilitou entrar pelas portas da cidade de Deus, a cidade dos nossos sonhos, cujas portas uma vez penetradas, selarão a nossa redenção eternamente!


CONCLUSÃO

1. Vamos atentar para as 7 portas da Bíblia, que nos advertem e nos incitam para a Salvação e a vida eterna.

2. Vamos, sobretudo, abrir a porta de nosso coração ao Salvador, a fim de podermos entrar pelas portas do Paraíso eterno.

3. Que nós possamos dizer naquele dia, com toda a certeza de salvação: "Passou a sega, findou o verão e nós estamos realmente salvos, graças a Deus, eternamente redimidos!"



PR. ROBERTO BIAGINI
Teólogo, Mestre em Teologia. Realizou vários cursos de Extensão Teológica da Andrews University e do Centro de Educação Contínua da DSA. Trabalhou como distrital de várias igrejas do centro, norte e sul do país. É casado com a Profª. Silvane Luckow Biagini, e tem dois filhos, Ângela e Roberto.

domingo, 9 de agosto de 2015

Feliz dia dos Pais!

Textos: Mateus 6:9; 25-34

Introdução:

A - O segundo domingo de agosto é considerado o Dia dos Pais, no Brasil. Fala-se muito no Dia das Mães, mas pouca importância é dada ao pai no seu dia. Ele também merece ser homenageado.

B – Uma das coisas boas da vida é termos um pai bom e generoso.

1 – Refiro-me ao pai tem cuidado e zelo pelo seu filho querido, amando com desvelo e, muitas vezes, está disposto a dar a sua própria vida por amor a seu filho.
2 – Talvez você esteja dizendo: “Infelizmente, eu não tenho mais pai”. Tem, sim! Você não é nenhum órfão. Continua tendo um pai que cuida de você diuturnamente.

I – UM PAI DE TODOS

A – Eu quero lhe falar de um pai que todos temos.

1 – Por isso Cristo nos ensinou a orar assim: “... Pai nosso que estás nos céus...”
2 – Um pai que tem amor pelos seus filhos que é superior a qualquer amor terreno.
a) Portanto, não somos órfãos.

II - UM PAI QUE INSPIRA CONFIANÇA

Ilustração: Em meio a uma grande tempestade, uma menina dormia tranquila no camarote do navio. Os marinheiros batiam em todos os camarotes, pedindo que todos os passageiros saíssem para um lugar mais seguro, pois a qualquer momento o navio poderia afundar. Um marinheiro encontrou num camarote uma menina que, tranquila, não se abalava com o que estava acontecendo ao seu redor. O marinheiro insistia: “Sai depressa porque o navio está indo a pique. Vai afundar”. Ela perguntou: “Quem está agora no comando do navio?” - Perguntou a menina. O marinheiro respondeu: “É o capitão Plat”. “Ah! Se é o capitão Plat que está no comando não tenho motivos porque me preocupar. Ele é o meu pai, e sabe muito bem comandar esse navio”.

A – Vivemos num mundo revolto. Quantas vezes o tempestuoso mar desta vida quer nos tragar.

1 - Não obstante, se Deus, o nosso Pai, estiver no comando de nossa nau estaremos seguros e não temos nada a temer. Tenha certeza disto.

B – Quando um filho segura na mão do pai, ele está seguro. Pode ele até tropeçar, mas não fica no chão. Porque o pai está presente para segurar a sua mão.

Aplicação homilética: Tenha certeza disto: se Deus, o Pai celeste, estiver segurando a sua mão, não é preciso temer, porque Ele vai lhe proteger.

III – UM PAI QUE RESOLVEU O NOSSO PROBLEMA

A – Foi o homem que se afastou de Deus. Deus nunca se afastou do homem.

1 – Foi Deus que tomou a resolução de salvar o pecador, dando o Seu Filho para salvar o perdido. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito, para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. (João 3:16).

IV - ALÉM DE UM PAI, VOCÊ TEM UM IRMÃO

A – Jesus é agora o nosso irmão mais velho.

Ilustração: Quando eu era menino, não sendo ainda adventista, brigava muito na rua. Muitas vezes apanhei. Mas nunca acontecia, quando estava ao lado do meu irmão mais velho.

Aplicação homilética: Satanás é o seu inimigo. Você sozinho jamais poderá vencê-lo. Se, porém, Jesus, o seu irmão mais velho, estiver ao seu lado você poderá vencer todas as lutas com o inimigo Satanás.

IV – O GRANDE CUIDADO DO PAI CELESTE

A – Mateus 6: 25-34 – “Por isso, vos digo: não andeis ansiosos pela vossa vida, quando ao que haveis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais que o alimento, e o corpo, mais que as vestes? Observai as aves do céu: não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros; contudo, o vosso Pai celeste as sustenta. Porventura, não valeis vós muito mais do que as aves? Qual de vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso de sua vida? E por que andais ansiosos quanto ao vestuário? Considerai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham, nem fiam. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Ora, se Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, quanto mais a vós outros, homens de pequena fé? Portanto, não vos inquieteis com o dia de amanhã, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? Porque os gentios é que procuram estas coisas; pois vosso Pai celeste que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o reino de Deus e Sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”.

1 – No texto acima aparece pelo menos duas vezes a expressão “Pai celeste”.
2 – Muitas vezes os homens se esquecem que Deus, como Pai, cuida de seus filhos.

B – Muitos pensam que Ele está lá no céu ocupado com grandes coisas, dirigindo nações, reis, controlando terremotos e furações e dizem: “Deus não tem tempo para cuidar de mim. Quem sou eu! Sou tão insignificante para Deus cuidar de mim!”.

1 – Deus o conhece muito bem. Ele sabe onde você mora. Conhece você pelo seu nome. Sabe quantos cabelos estão sobre a sua cabeça. Ele conhece os seus problemas.
Ilustração: Muito pequena para Deus cuidar de você.

A uma menina perguntaram: “Você crê que Deus cuida de você. Você é tão pequena!”
Ela respondeu: “Meu irmão é menor que eu. E meus pais passam mais tempo cuidando dele que de mim. Se eu sou pequena, tanto mais motivo para Deus cuidar de mim”.

IV – HONREMOS O NOSSO PAI

A – A palavra de Deus diz: “Honra teu pai e tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor, teu Deus, te dá”.

B – Se um bom filho deve sempre honrar seu pai terrestre deve também honrar seu Pai. Celestial.

1– Porque somos filhos de Deus. Ele cuida de nós.
2– Que privilégio é ser chamado filho de Deus!
a) Porém, cada privilégio é acompanhado de uma grande responsabilidade.
Ilustração: Alguma vez na vida alguém já lhe perguntou se você é crente. Por quê? Certamente, a pessoa viu em você um filho de Deus. Que privilégio! Mas também que responsabilidade!

Ilustração: – “Eu sou filho de um rei”.

Na Europa, após a I Guerra Mundial, uma professora lecionava para 40 alunos. Uma tarefa difícil, pois meninos são meninos. Sempre havia problemas na escola. Às vezes brigavam, desrespeitavam a professora. Ela, com muita paciência, cuidava do seu rebanho.

A professora, porém, notou que um menino era completamente diferente dos outros alunos. Quando as crianças estavam na briga, ele sempre estava fora da confusão.

Quando havia algum trabalho para fazer, ele era o primeiro voluntário a se apresentar.

Um dia, após as aulas, ela chamou aquele aluno ao lado e disse-lhe: “João, você é o melhor aluno da classe. Quero conhecer seus pais”. O menino, sem responder, ficou triste olhando para o chão.
A professora logo pensou que talvez viesse de uma família muito pobre, e que estava com vergonha. Insistiu a professora: “João, eu preciso conhecer seus pais”. Ele respondeu: “Não, professora, eu não posso lhe mostrar meus pais. Sinto muito, mas é impossível”. A professora sugeriu: “Então traga os seus pais aqui na escola”. “Não posso, professora, ambos já morreram”. Foi aí que a professora se arrependeu de haver mexido com o seu problema.

João começou a contar-lhe: “Eu morava num país vizinho daqui. Meu pai era o rei. Logo veio a guerra com todas as coisas terríveis que ela traz. Um dia, soldados estrangeiros levaram meus pais presos. Corri atrás deles para ver o que iria acontecer. A certa altura, meu pai, vendo-me, pediu permissão ao comandante para falar comigo. Foram-me dados cinco minutos. Minha mãe me abraçou, chorando. Meu pai se colocou em posição de sentido diante de mim e eu fiquei em posição de sentido diante dele. Ele fez continência. Eu também o fiz. Ele me disse: ‘João, vamos ser mortos. Eles vão nos matar. Você precisa ser forte. Peço-lhe apenas uma coisa: lembre-se sempre que você é filho de um rei’. Os soldados deram sinal e meus pais voltaram para as fileiras. Eu vi os soldados levantarem as armas. Eu ouvi os tiros. Eu olhei meus pais caírem mortos. Eu comecei a correr. Passei dias viajando a pé, às vezes sem ter o que comer. Às vezes pessoas me ajudavam. Até que, finalmente, cheguei aqui. Pessoas boas, deste lugar, amigas de meu pai, estão cuidando de mim”.

Enquanto a professora chorava, e as lágrimas banhavam a sua face, ele olhou nos olhos dela e perguntou:

- Professora, a senhora sabe por que eu sou diferente dos outros alunos?
“Eu sou filho de um rei, e não posso desonrá-lo”.

Aplicação homelética: Somos filhos de um Rei, o Rei dos reis e Senhor dos senhores!
Qual a nossa conduta, sabendo que temos grande responsabilidade?

CONCLUSÃO:

- Se você ainda tem um pai terreno, parabéns!
- Se seu pai já morreu confie nas promessas de Deus.
- Nunca se esqueça disto: Deus é o nosso Pai.

ORAÇÂO: Senhor nosso Deus e querido Pai, nós Te agradecemos por ser o nosso Pai, que nos ama e que sempre cuida de nós, em todas as circunstâncias, mesmo quando nos afastamos de Ti. Agradecemos-te por esse dia. Abençoa a todos os pais do Brasil nesse dia em que é comemorado o Dia dos Pais. Nós te pedimos em nome de Jesus. Amém!

Hinos sugeridos: H.A. 373, 286, 350.


Pr. Emmanuel de Jesus Saraiva
Natural de São Luís – Ma. Formado em Teologia, Pedagogia e Letras. Autor de dois livros: “Memórias da África” e “A História do Adventismo no Maranhão”. Trabalhou como pastor em várias igrejas no Maranhão, dentre as quais a Igreja Central de São Luís. Foi departamental de Jovens e Educação nas Missões Costa Norte, Central Amazonas e Nordeste e diretor do Educandário Nordestino Adventista – ENA. Por seis anos foi missionário na África, como diretor do Seminário Adventista de Moçambique, onde lecionou várias disciplinas teológicas, dentre as quais Homilética e Oratória. Casado com a professora aposentada Nilde Fournier Saraiva. Tem duas filhas: Raquel e Léia. Trabalhou como pastor por 35 anos. Hoje, jubilado, mora em São Luís - MA e atua como Ancião da Igreja do Colégio Adventista de São Luís - CASL.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...