segunda-feira, 7 de outubro de 2013

A ÉPOCA HISTÓRICA DE DANIEL


Para entender a mensagem de Daniel é importante conhecer sua época. Quando o leitor casual considera o livro de Daniel e o período do cativeiro babilônico em que foi escrito, ele pode pensar que este livro se aplica a um período muito remoto da história antiga. Mas isto não é bem verdade. Embora Daniel se achasse em Babilônia, cerca de seiscentos anos antes da era cristã, o mundo naquele tempo já era velho e podia contemplar atrás de si uma antiguidade considerável. Neste capítulo será dado um breve resumo do Antigo Oriente na era de Daniel.

I. ANTIGA MESOPOTÂMIA

No período inicial do segundo milênio A.C. a Mesopotâmia não estava unida sob um governo central. Várias cidades em épocas diversas exerceram poder considerável; entre elas encontramos Ur, Isin, Babilônia e Larsa.

A. Larsa

Aproximadamente em 1900 A.C. a cidade de Larsa veio a ser controlada por Cudor-Mabug, rei de Elão, cujos dois filhos, Warad-Sin e Rim-Sin governaram sucessivamente a cidade. O domínio elamita estendia-se nesta época por uma vasta área do sul de Babilônia, e continuou até Hamurábi finalmente conseguir o controle.

B. Babilônia

A cidade de Babilônia não era um poder preponderante na Mesopotâmia antes de 2000 A.C. Depois de várias lutas entre as cidades-estado a supremacia começou a depender de uma luta entre Larsa e Babilônia. No principio do reinado de Rim-Sin, Hamurábi já era vassalo do rei de Larsa. Porém, sacudiu de si o jugo elamita e logo depois tornou-se chefe de toda a Babilônia. Era um gênio militar notável, mas é malos conhecido pelo famoso código de leis que traz seu nome. Seu reino é fixado de 1870-1827 A.C. Hamurábi é provavelmente o Anrafel de Gên. 14, que aliado ao rei elamita Quedorlaomer atacou Sodoma e levou também a Ló como cativo. Um dos fatos que se ressalta na cidade de Babilônia era o culto ao Deus Marduque. Marduque era preeminente na Mesopotâmia por esses tempos e tornou-se logo o chefe do panteão bíblico. O nível de vida era altamente civilizado e o país prosperava. O templo se constituía o centro da vida de toda a comunidade. A cidade de Babilônia enfraqueceu e em 1.700 A.C. caiu diante dos invasores hititas. O período que se seguiu é obscuro e caótico. Mais tarde começou a ter a aparência de seu antigo poder, mas enquanto a Assíria existiu, houve uma luta constante com essa nação em disputa pela supremacia dos vales do Tigre e Eufrates.

C. Cassitas

Após a queda de Babilônia diante dos hititas, os cassitas conseguiram o domínio na Babilônia e assim permaneceram no poder cerca de 600 anos.

II. HITITAS

Os hititas habitavam na Ásia Menor. No segundo milênio antes de cristo eles tiveram considerável preeminência. Era um povo grosseiro dado à guerra. Seu rei Murshilish em 1700 A.C. levou a cabo uma invasão na cidade de Babilônia. De 1650 a 1380 atravessaram um período de obscuridade e fraqueza, após o qual, o novo império hitita se tornou um dos mais fortes do oriente. O império chegou ao fim em 1200 A.C.. Ele foi dividido em numerosas tribos que enfraquecidas habitaram varias cidades no norte da Síria e no sul da Ásia Menor.

III. EGITO

O Egito tornou-se uma nação de importância numa época muito primitiva da historia. Quando as águas do dilúvio se retiraram do norte da África e as águas do poderoso Nilo se encontravam num nível superior ao atual de cem pés, é que se encontraram os primeiros vestígios do homem primitivo nas praias do antigo rio. A cultura primitiva do Egito teve muitos contatos com a cultura da Mesopotâmia que a precedeu. Mas o Egito rapidamente desenvolveu um conjunto cultural tão brilhante que excedeu ao do oriente antigo. Houve um admirável desenvolvimento da arquitetura, escultura, pintura e ciência, governo e literatura. As pirâmides nos vêm do terceiro milênio A.C..

A. Império Antigo

Esta foi a era das pirâmides. Entre os poderosos faraós desta época estão Zozer, Snefru, Quéfren e Quéops. Foi Quéops que construiu a grande pirâmide, ao passo que a esfinge é um trabalho de Quéfren.

B. O Império Médio 2050-1780 A.C.

Este período cobre a 12a., 13ª., e 14ª. dinastia. Após um período decadente a 12ª. dinastia surgiu com reis capazes e vigorosos. A capital foi mudada de Tebas no sul do Egito para Lisht no norte. O reino de Sesóstris III (1887-1849) foi marcado por uma série de campanhas militares vitoriosas contra as regiões do sul do Egito e interior da Síria. Amenemhet III (1849-1801) foi um grande construtor. Houve extensos melhoramentos no "Fayum" e grande prosperidade no Delta. A arte, a literatura, alcançaram o mais alto desenvolvimento.

C. O Período dos Hicsos 1750-1570 A.C.

Lá pelo ano de 1750 A.C., o Egito passou a ser governado pelos reis hicsos. Os hicsos tinham vindo ao Egito da Ásia e por quase duzentos anos conservaram o governo. Quase não há informações sobre as ocorrências no Egito durante este período.

D. O Império Novo: 1580-1200 A.C.

Este é o período imperial da história egípcia. O primeiro rei desta dinastia expulsou os hicsos, Ahmose I. Hatxepsut foi a rainha egípcia mais famosa e provavelmente era a "filha de Faraó" do tempo de Moisés. Tutmés III (1501-1447) foi o faraó mais poderoso do Egito. Empreendeu uma série de campanhas militares pelas quais toda a Palestina, Síria, até o Eufrates foram submetidas ao governo egípcio. Ele é provavelmente o faraó da opressão. Amenhotep II (1447-1420) é, ao que tudo indica, o faraó do êxodo. Amenhotep III (1411-1375) e Ikhnaton (1375-1358) foram os reis do período "Amarna". O último rei estabeleceu uma nova capital em "Tell el-Amarna", onde se encontraram as famosas cartas de Amarna, que forneceram um quadro vivo das condições na Ásia ocidental daquele tempo. Os reis acima pertencem todos à 18ª. dinastia. Ramsés II (1292-1225) foi o principal monarca da 19a. dinastia. Foi um grande construtor, mas era inteiramente implacável na destruição das edificações egípcias primitivas para servir-se dos materiais para suas próprias atividades construtoras.

E. O Declínio Final

Na 20ª. dinastia (1200-1090) cortejou um período de declínio e debilidade que só terminou com o fim da independência do Egito, completamente dominado por poderes estrangeiros. Sob a 20ª. dinastia os sacerdotes de Amon em Tebas se enriqueceram extremamente e se encheram de poder, ao passo que os reis eram fracos, incapazes de manter a ordem interna e precaver-se contra a entrada de inimigos exteriores. Na 21ª. dinastia (1095-945) uma ordem de sacerdotes se estabeleceu no trono em Tebas, enquanto em Tânis governava uma categoria de reis seculares. Os líbios estavam penetrando no Delta.

A 22ª. dinastia (945-745) foi uma ordem de reis líbios. Sua residência foi em Bubastis. O fundador desta dinastia, Sisak I (945-924) atacou Judá no quinto ano de Roboão. A 23ª. dinastia foi, sem dúvida alguma, contemporânea, em parte, da 22ª. dinastia. Muito pouco se sabe deste período. O Egito estava extremamente fraco. Havia vários senhores governando independentemente no Delta. Foi neste tempo que Sô rei do Egito encorajou Oséias de Israel a rebelar-se contra a Assíria, do que resultou o fim do reino de Israel. A 24ª. dinastia consistiu num só rei, Bochorris (718-712).

A 25a. dinastia (712-663) compreendeu uma linhagem de reis etíopes de boa capacidade. Este foi o período da supremacia Assíria. Neste tempo Assaradão e Assurbanipal invadiram o Egito e o dominaram por algum tempo.

A 26ª. dinastia (663-525) reinou durante o período do renascimento egípcio. O comércio floresceu, os gregos tornaram parte preeminente no Egito como comerciantes e soldados. Houve um grande renascimento da arte e literatura. Foi Neco II (609-593) desta dinastia que matou Josias em Megido.

No ano de 525 Cambises da Pérsia conquistou o Egito e tornou-se o primeiro rei da 27ª. dinastia (525-405). Depois dos persas o Egito foi governado pelos gregos sob Alexandre e os Ptolomeus, e depois pelos romanos.

IV. ASSÍRIA

O território Assírio ocupava a parte norte da Mesopotâmia, ao passo que Babilônia se estendia ao sul. Mas como cada uma destas nações se tornou forte, elas estenderam seus domínios uma sobre a outra. Os assírios eram másculos, dados à guerra. Eles legaram à posteridade um modelo de império que todos copiaram com demasiado entusiasmo. Os reis assírios conservaram anais de seus reinos de valor inestimável ao estudante de história. Suas listas epônimas são de valor imensurável aos cronologistas.

Tiglate-pileser I (1115-1076 A.C.)

Este é o primeiro rei assírio de cujo reino temos detalhados relatórios históricos. Foi um grande guerreiro, e é o primeiro rei da Assíria do qual se sabe ter feito uma campanha no Mediterrâneo.

Assur-nasirpal II (884-859 A.C.)

Há valiosos relatórios completos disto rei e seu reino. Foi um guerreiro capaz e cruel. Efetuou campanhas extensas na área do Mediterrâneo.

Salmanasar III (859-824 A.C.)

Este rei foi contemporâneo de Acabe e Jeú de Israel. Ele provocou a derrota de um grupo de aliados ocidentais, entre eles Acabe, na batalha de Carcar, 853 A.C. Seu obelisco negro mostra Jeú de face voltada para o chão, prestando homenagem diante do rei da Assíria. Empreendeu numerosas campanhas militares até ao Mediterrâneo:

Adad-nerari III (811-783 A.C.)

Numa série de campanhas no ocidente este rei restabeleceu a sujeição dos hititas, Fenícia, Damasco e a terra de Onri. Este reino foi seguido por um período de grande fraqueza e dificuldade na Assíria.

Tiglate-Pileser III (745-727 A.C.)

Um dos maiores reis assírios. Este reino marcou o início da maior supremacia da Assíria. No tempo de Peca e Acaz ele avassalou Israel e Judá e conquistou a Babilônia.

Salmanasar V (727-722 A.C.).

Neste tempo o Egito induziu Oséias de Israel a revoltar-se contra a Assíria, como resultado, Samaria foi cercada por três anos, e o reino de Israel deixou de existir.

Sargão (722-705 A.C.)

A Assíria não se encontrava no apogeu de sua força. O rei enfrentou desapiedadamente as revoltas do oeste e deportou muitos habitantes dos estados rebeldes para a Assíria, construiu uma grande capital em Dur-Sarrukim. Batalhou algumas vezes contra os medos que começavam a se agitar, e com Merodaque-Baladã que se esforçava para estabelecer-se em Babilônia. Os reis da Assíria eram também os reis de Babilônia neste tempo.

Senaqueribe (705-681 A.C.)

Após várias revoltas este rei destruiu a cidade de Babilônia. Invadiu Judá mas caiu ao tentar escravizar Ezequias.

Assaradão (681-669 A.C.)

Reconstruiu Babilônia. Invadiu o Egito e capturou Mênfis. Teve, entretanto, um domínio precário na terra do Nilo de 675-673 A.C.. Houve ameaças contra a Assíria pelos urartes, cimérios, medos e elamitas, mas Assaradão conseguiu manter o império unido.

Assurbanipal (669-633 A.C.)

Este foi o último grande rei da Assíria. Foi um grande construtor protetor das artes e letras. Possuía uma esplêndida biblioteca. Durante seu reinado os cimérios invadiram o noroeste, enquanto os citas obrigaram os medos e persas a recuarem para o sul, pois representavam uma grande ameaça para a Assíria. Seus anais terminam abruta e misteriosamente em 636 A.C. . A Assíria achava-se diante do fim de sua carreira.

Sin-shar-ishkum (629-612 A.C.)

Este rei aliou-se ao Egito, mas não conseguiu salvar sua nação. Pereceu com Nínive, sua capital, diante dos medos e babilônios em 612.

Assur-Ubalit (612-608 A.C.)

Embora com a capital destruída, um remanescente assírio ainda opôs uma brava resistência em Harã. Parece que tiveram o apoio de Neco do Egito, mas a Assíria chegou ao fim diante das poderosas arremetidas dos exércitos neo-babilônicos.

V. NEO-BABILÔNIA

Esta é a última época áurea de Babilônia. Com a Assíria fora do caminho, a Babilônia tornou-se senhora do Leste.

Nabopolassar (626-605 A.C.)

Este rei iniciou a sua carreira como administrador no sul de Babilônia. Era um guia capaz e ambicioso que aproveitava cada oportunidade para estender seu governo às expensas do desdobramento do império assírio ao norte. Era aliado dos medos

Nabucodonosor (605-562 A.C.)

Este foi o grande rei da Neo-Babilônia. Era um eminente guerreiro e grande construtor. Foi ele quem pôs fim ao reino de Judá em 586 A.C.. Durante o seu reinado a Babilônia tornou-se uma das mais belas e mais bem fortificadas cidades do mundo antigo.

Amel-Marduque (Evil-Merodaque): 562-560 A.C.

Filho de Nabucodonosor, fraco e ineficiente.

Nergal-sharusur (Neriglissar) : 560-556 Genro de Nabucodonosor.

Labashi-Marduque (Laboroso-Arcod): 556 A.C.

Reinou apenas por alguns meses.

Nabonido (Nabonidus): 556-539 A.C.

Genro de Nabucodonosor. Seu interesse especial parece ter-se concentrado na arqueologia e nos serviços dos deuses. Ele esteve ausente da capital do seu reino durante boa parte do tempo. Nesta ausência residiu em Tema, norte da Arábia e seu filho Belsazar reinou em seu lugar, em Babilônia. Foi neste período que os medos e persas uniram os seus exércitos e forjaram o ataque diante do qual a Babilônia finalmente sucumbiu em 539.

VI. MEDO-PÉRSIA

Aproximadamente no ano 100 A.C., os medos eram um povo mal organizado que viviam do pastoreio no leste da Assíria. No oitavo século consolidaram-se no reino. Os persas estavam-lhes intimamente relacionados. Eles tinham o seu reino próprio mas no primeiro período o rei da Média era também senhor da Pérsia. Foi de Ciro em diante que os persas foram governados por um rei persa.

MÉDIA

Ciáxares (625-585 A.C.)

Durante a última parte do sétimo século A.C., Ciáxares transformou a Média num poder dominante no Leste. Atacou vigorosamente a Assíria e capturou a cidade de Assur em 615 A.C.. Neste tempo aliou-se com Nabopolassar da Babilônia. Fez extensas conquistas no nordeste e ampliou o seu domínio por toda a região ate o rio Halis, na Ásia Menor.

Astíages (585-550 A.C.)

Este é o último rei da Média de quem há valiosos relatórios. Durante o longo reinado de Nabucodonosor, a Média manteve relações amigáveis com Babilônia, mas quando Nabucodonosor morreu, Astíages começou a estender o seu reino com detrimento do seu ex-aliado. Enquanto isto, os medos e persas estavam fortemente aliados, com a Média ainda em posição dominante. Contudo, a situação modificou-se rapidamente sob o ambicioso Ciro a quem Astíages ficou sujeito. Os reis da Média rapidamente chegaram ao seu fim enquanto os reis da Pérsia continuavam a governar.

PÉRSIA

Ciro II (559-530 A.C.)

Até este tempo os reis da Pérsia eram sujeitos aos medos. Em 550 A.C. Ciro II submeteu seu tio Astíages, e desde então, os persas mantiveram a soberania sobre os medos. Em 539 A.C um exército composto de persas e medos capturou Babilônia. Deste ano em diante, Ciro foi o dominador do oriente, como capital do seu reino, escolheu Babilônia. Ciro evidencia-se por sua política bondosa e conciliatória. Foi ele quem promulgou o primeiro decreto no sentido de permitir aos exilados judeus voltarem aos seus lares, do cativeiro babilônico.

Cambises (530-522 A.C.)

Conquistou o Egito em 525 A.C. Deste tempo em diante os reis da Pérsia governaram como faraós do Egito.

Esmérdis (ou Bardiya): 522 A.C.

Impostor que usurpou o trono durante a permanência de Cambises no Egito. Foi banido por Dario I.

Dario I (522-486 A.C.)

Este rei foi forçado a sufocar várias revoltas logo que alcançou o trono. Ele preservou um relatório destas campanhas na famosa inscrição de Behistun. No terceiro ano de seu reinado emitiu um decreto reforçando o direito dos judeus continuarem o trabalho de reconstrução do seu templo em Jerusalém. Dario abafou uma revolta dos gregos étnicos na Ásia Menor e então invadiu a Europa mas foi vencido na famosa batalha de Maratona em 490 A.C.

Xerxes (486-465 A.C.)

Xerxes levou a cabo a grande invasão da Grécia na qual tomou Atenas. Após duras perdas, foi vitoriosa a sua batalha nas Termópilas mas perdeu a esquadra em Salamina. Por fim os persas foram expulsos do solo grego. Esta foi uma das maiores reviravoltas da historia.

Artaxerxes (465-423 A.C.)

A Pérsia ficou enfraquecida nestas desastrosas guerras com a Grécia. No sétimo ano do seu reino, Artaxerxes promulgou o famoso decreto permitindo aos judeus voltarem à Judéia sob a mão de Esdras. Mais tarde Neemias, o seu copeiro, foi mandado à Judá como governador com autoridade para reedificar os muros de Jerusalém.

Dario III (336-331 A.C.)

Foi o último rei da Pérsia. Organizou um imenso exército para enfrentar Alexandre, mas falhou totalmente nos esforços para salvar o reino. A derrota final lhe sobreveio na batalha de Arbelas em 331 A.C.. Esta data marca o fim da Pérsia e o começo da supremacia grega no oriente.

VII. GRÉCIA

A sorte da história grega à qual nos referimos e que nos interessa não é propriamente a época áurea, mas o último período quando a Grécia sob Alexandre conseguiu o domínio de todo o mundo oriental.

Felipe II (359-336 A.C.). 

Felipe era o hábil governador da Macedônia que se fez senhor de toda a Grécia. Ele estava planejando uma guerra contra a Pérsia ao sobrevir-lhe a morte.

Alexandre o Grande (336-323 A.C.)

Alexandre foi um dos maiores líderes militares da história. Em 334 iniciou a invasão da Ásia Menor. Dario III foi derrotado na batalha de Issos em 333 A.C.. Tomou Tiro depois de um cerco de dez meses e conquistou o Egito sem golpe algum. Em 331 A.C., venceu as hostes persas em Arbelas e viu-se senhor do oriente. Penetrou no coração da Ásia, e por fim voltou Babilônia onde morreu em 323 A.C. com apenas trinta e dois anos de idade. Houve grande confusão após a sua morte. Nenhuma provisão havia sido feita quanto ao seu sucessor. Como resultado houve uma série de guerras. Finalmente, em 301 A.C., o reino foi dividido entre quatro de seus generais, Ptolomeu recebeu o Egito; Seleuco, a Síria e a Mesopotâmia; Cassandro, a Macedônia e a Grécia; Lisímaco, tomou a Trácia e porções da Ásia Menor.

VIII. ROMA

Após a Grécia, Roma dominou o mundo oriental. As guerras púnicas (264-146 A.C.) marcaram um grande passo para Roma dominar o mundo.

A destruição de Cartago em 146 A.C. eliminou um dos maiores rivais de Roma. As guerras macedônicas cobriram o período que vai de 215 a 168 A.C., e o resultado foi a sujeição não só da Macedônia, mas também parte da Ásia Menor. Em 146 A.C. foi subjugada uma revolução na Grécia e Corinto; o centro da revolta foi completamente destruído.

Jerusalém caiu nas mãos romanas de Pompeu em 65 A.C.. Júlio César intensificou suas conquistas na Gália e Germânia e cruzou o canal da Mancha. Foi ditador de Roma de 48-44 A.C.. Augusto reinou de 27 A.C. até lá 14 d.C.. Isto se deu três séculos antes de Roma cair finalmente diante das arremetidas dos bárbaros do norte.

IX. ISRAEL E JUDÁ

Após os preeminentes reinados de Saul, Davi e Salomão, a monarquia hebraica se dividiu e continuou sua história sob dois reis, o de Judá e Israel. Estes reinos mantinham contatos freqüentes com as nações ao redor. Houve guerras freqüentes que resultaram, finalmente, no aniquilamento de ambos, Israel e Judá. Segue uma lista dos reis das duas nações.

REIS DE ISRAEL REIS DE JUDÁ


  • Jeroboão I 931-910 Roboão 931-913
  • Nadabe 910-909 Abias 913-911
  • Baasa 909-886 Asa 911-870
  • Ela 886-885 Josafá 873-848
  • Zinri 885 Jorão 853-841
  • Tibni 885-880 Acazias 841
  • Onri 885-874 Atalia 841-835
  • Acabe 874-853 Joás 835-796
  • Acazias 853-852 Amazias 796-767
  • Jorão 852-841 Uzias 791-740
  • Jeú 841-814 Jotão 750-736
  • Joacaz 814-798 Acaz 736-716
  • Jeoás 798-782 Ezequias 716-687
  • Jeroboão II 793-753 Manassés 696-642
  • Zacarias 753-752 Amon 642-640
  • Salum 752 Josias 640-608
  • Menaém 752-742 Joacaz 608
  • Pecaías 742-740 Joaquim 608-597
  • Peca 752-732 Joaquim 597
  • Oséias 732-723 Zedequias 597-586


X. BIBLIOGRAFIA

Breasted, Janes Henry, A History of Egypt
Caldwell, Wallace Everett, The Ancient World, Cambridge Ancient History
Engberg, Robert Martin, The Dawn of Civilization
Finegan, Jack, Light from the Ancient Past, pp. 3-214
Goodspeed, George Stephen, A History of the Babylonians and Assyrians
Hall, H. R. H., The Ancient History of the Near East
Hyma, Albert, An Outline of Ancient History
Jones, Alonzo Trevier, The Great Empires of Prophecy
King, L. W., A History of Babylon
Laistner, M. L. W., A Survey of Ancient History
Moret, Alexandre, The Nile and Egyptian Civilization
Olmstead, A. T., History of Assyria
_____________, History of Palestine and Syria
Perkins, Clarence, Ancient History
Rogers, Robert William, A History of Ancient Persia
Sanford, Eva Matthews, The Mediterranean World in Ancient Times
Smith, Charles Edward, and Moorehead, Paul Grady, A Short History of the Ancient World
Smith, Sydney, Early History of Assyria
Steindorff, George, and Seele, Keith C., When Egypt Ruled the East
Trevor, Albert A., History of Ancient Civilization
Woolley, C. L., The Sumerians

Artigo - Edwin R.Thiele

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...