segunda-feira, 15 de abril de 2013

SALMO 4 – SETE CONSELHOS PARA INIMIGOS


Você já passou por uma profunda angústia? Já teve um filho revoltado contra a sua autoridade? Já teve inimigos fortes contra si mesmo, e não sabia o que fazer?

O salmista Davi ainda está escrevendo este outro salmo tendo como fundo sua fuga do palácio, sendo perseguido pelo seu filho Absalão, liderando uma multidão que conspirava contra ele para destroná-lo, levando-o à morte.

Mas Davi tem 7 Conselhos, 7 Imperativos para dar a seus inimigos. Neste salmo, ele está (1) Falando para Deus; (2) Falando para homens; (3) Falando dos homens e (4) Falando de si mesmo.

I – FALANDO PARA DEUS (v. 1)


Davi fala para Deus e suplica: “Responde-me quando clamo, ó Deus da minha justiça” (v. 1).

1 – Davi se encontrava em angústia. Ele tem um histórico contínuo em que Deus o aliviou de suas angústias passadas. Isso indica duas coisas: (1) Davi era um homem muito atribulado e (2) Deus sempre o livrava das suas tribulações. Baseado nisso, ele pede a Deus que o livre novamente da angústia pela qual passava no momento em que escrevia este salmo.

Sabemos que muitas vezes somos atribulados, com privações, e sofrimentos, e com muitas angústias que são partes de nossa vida. Mas muitas vezes não nos lembramos de ler a Bíblia e rever como Deus livrava aos homens do passado, com a mesma prontidão com que há de nos atender a nós também. Disse o Senhor Jesus Cristo que não vivemos em um mar de rosas ao se expressar desse modo: “No mundo, passais por aflições; mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (Jo 16:33). Ele nos advertiu que haveremos de passar por situações aflitivas, para que não desanimássemos quando elas chegassem. Assim como Ele socorreu a Davi, no passado, hoje Ele também pode nos ajudar a sairmos aliviados de nossas angústias, porque Ele já passou por isso pessoalmente.

2 – Davi se dirige ao Senhor como “Deus da minha justiça”. Esta é uma expressão singular, e é a única vez que aparece em toda a  Bíblia. Os cristãos tem se dirigido a Deus como “Deus Salvador”, “Deus de amor”, “Deus do Céu”, “Deus excelso”; mas é admirável Davi se dirigir a Deus como “Deus da minha justiça”.

Lutero ansiava muito compreender a mensagem de Paulo aos Romanos, mas havia um problema. Ele o descreve assim: “Nada me impedia o caminho, senão a expressão: 'justiça de Deus', porque a entendia como se referindo àquela jus­tiça pela qual Deus é justo e age com justiça quando pune os injustos ... Noite e dia eu refletia até que ... captei a verdade de que a justiça de Deus é aquela justiça pela qual, mediante a graça e a pura misericórdia, Ele nos justifica pela fé. Daí por diante, senti-me renascer e atravessar os portais abertos do Paraíso. Toda a Escritura ganhou novo significado e, ao passo que antes 'a justiça de Deus' me enchia de ódio, agora se me tornava indizivelmente bela e me enchia de maior amor. Esta passagem [Rm 1:17] veio a ser para mim uma porta para o céu." (Obras de Lutero, vol. 54, p. 179ss.).

Deus é um Deus de justiça, mas precisamos entender que a justiça punitiva já se manifestou na cruz do Calvário, onde Jesus Cristo pagou pelos nossos pecados; agora, precisamos nos apegar às virtudes de Cristo, pelas quais podemos ter a justiça salvadora de Deus. Pela fé nos apropriamos da justiça de Cristo, que é a justiça que passa a ser nossa por imputação, pela qual podemos orar ao Senhor como o “Deus de minha justiça”. Jesus Cristo é chamado como “o Senhor, Justiça Nossa” (Jr 23:8). Ele é o nosso Advogado que nos defende e nos restitui a justiça, e faz justiça aos Seus santos que tem sido oprimidos e injustiçados.

3 – Davi pede misericórdia: “tem misericórdia de mim!” é a sua oração que ele deseja ver ouvida. Davi pede misericórdia ao Deus da justiça. Não parece contraditório? Mas é porque ele confia na justiça de Deus que ele pede a misericórdia. Se queremos salvação, pedimos primeiro a misericórdia, porque tememos a justiça. Mas se já fomos salvos, confiamos na justiça, para que se manifeste a misericórdia para conosco na aplicação da justiça sobre os que estão nos acusando injustamente. Este era o problema do salmista.

4 – Por que Davi pedia misericórdia? Porque necessitava de justiça. Ele havia sido julgado temerária e implacavelmente por falsos amigos, que falavam mal dele, expondo a sua reputação ao ridículo. De acordo com o salmo 2, os seus patrícios traidores zombavam dele, dizendo que ele não tinha mais salvação, que ele estava completamente perdido (Sl 2:2). Portanto, nada melhor do que clamar por misericórdia ao Deus da justiça.

II – FALANDO PARA HOMENS (v. 2-5)


1 – Davi faz uma pergunta retórica aos homens, como se estivessem diante dele: “Ó homens, até quando tornareis a minha glória em vexame, e amareis a vaidade, e buscareis a mentira?” Aqui ele apresenta o seu problema real, aqui está o conteúdo de sua angústia. Ele estava sendo humilhado, afrontado, afligido por muitos que zombavam de sua primitiva glória. Eram os seus inimigos que se baseavam na vaidade e na mentira.

Muitos há que não se importam com a reputação dos outros e falam mal deles, sem conhecer os fatos, propalando mentiras. A mentira sobre o caráter e procedimento dos outros é um veneno cruel que só pode produzir mais angústia sobre as suas pobres vítimas, muitas vezes indefesas. Mas é um veneno danoso também para os próprios autores da acusação.

O filósofo francês Rousseau (1712-1778), é um vívida exemplo disto. Quando jovem ele viveu na cidade de Turim, na casa de uma mulher de Verecelli. Em suas confissões ele escreveu: "Desta casa levo comigo um terrível fardo de culpa que depois de quarenta anos ainda está indelével em minha consciência, e quanto mais velho fico, mais pesado é o fardo de minha alma''

Ele havia roubado um objeto de valor da dona da casa. Posteriormente, quando a perda foi descoberta, lançou a culpa sobre a servente da casa, que como resultado perdeu o emprego e a dignidade. Ele continua: "Acusei-a como ladra, lançando assim uma jovem honesta e nobre na vergonha e na miséria. Ela me disse então: 'O senhor lançou a desgraça sobre mim, mas eu não desejo estar no seu lugar.' A lembrança freqüente disto dá-me noites de insônia, como se fosse ontem que tal fato aconteceu. É certo que algumas vezes minha consciência esteve adormecida, mas agora ela me atormenta como nunca dantes. Este fardo está mais pesado agora sobre o meu coração; sua lembrança não morre. Tenho que fazer uma confissão."

2 – Davi sugere 7 imperativos que os seus inimigos deviam praticar (V. 3-5). Esses homens difamaram a reputação do salmista; apegaram-se a vãs maquinações e prosperaram à custa de falsidades. Agora, são aconselhados pelo salmista, a fim de que possam ter mais êxito, sem prejudicar os outros. Ainda podiam repensar e se arrepender, deixando a revolta de Absalão. Mas também há lições para nós. Assim devemos agir, quando somos tentados a nos rebelar contra um servo de Deus:

(1) Sabei. A sabedoria é uma jóia, o conhecimento é necessário, a inteligência é indispensável. O que eles deviam saber? Que Deus é justo e faz distinção entre aquele que o serve e aquele que não o serve. Ele distingue para Si o “piedoso”. Piedoso é aquele que tem piedade, respeito pelas coisas religiosas, temor e respeito para com Deus.

Assim era o salmista, e por isso ele podia dizer que Deus o ouvia quando clamava por Ele. Que eles considerem de novo que aquele que ama a Deus e a quem o Senhor escolhe é guardado por Ele (v. 3a) e será ouvido por Ele em qualquer emergência (v. 3b). Pode ser que aquele a quem estamos perseguindo seja mui amado de Deus, e portanto, protegido. O que diríamos nós diante do Soberano de toda a Terra, ao nos achar perseguindo um de Seus servos? Como ficaria uma ursa roubada de seus filhos?

(2) Irai-vos. A versão antiga diz: “Perturbai-vos”. Entretanto, a palavra hebraica original (râgaz) se traduz melhor, como dizem as versões estrangeiras, como “Tremei”. Davi não estava aconselhando que os seus inimigos ficassem irados, porque isso seria um absurdo, mas que tremessem diante da ideia de perseguir o ungido de Deus! Eles deveriam temer o curso que estavam seguindo, considerar as consequências, a fim de voltar de suas ideias homicidas, e tornar à razão.

De fato, perseguir ou causar dano a um ungido de Deus era algo a se temer. Isso aconteceu com o próprio Davi. Ele estava escondido numa caverna com os seus homens, e se achegou o rei Saul, e Davi furtivamente, lhe cortou a orla do manto, mas logo sentiu o seu coração bater descompassado. E disse: “O Senhor me guarde de que... eu estenda a mão contra ele, pois é o ungido do Senhor” “...pois quem haverá que estenda a mão contra o ungido do Senhor e fique inocente?” (1Sm 24:5-6; 26:9). Mas o que diríamos de pessoas em nosso tempo que estão difamando e perseguindo pastores? Não seria de se temer e tremer?

(3) Não pequeis. Salomão disse que “não há homem que não peque” (2Cr 6:36), mas Davi relaciona isso ao temor, como um antídoto para não pecar. Quando o povo de Israel presenciou aos trovões e relâmpagos do Sinai, quando a Lei dos Dez Mandamentos foi dada, disseram atemorizados a Moisés que ele lhes falasse, e não Deus, porque estavam tremendo diante do Seu poder e majestade, com medo da morte. Foi aí que Moisés replicou, dizendo: “Deus veio para vos provar e para que o Seu temor esteja diante de vós, a fim de que não pequeis.” (Êx 20:20). “Filhinhos meus”, disse o apóstolo João “estas coisas vos escrevo para que não pequeis!” (1Jo 2:1). Se alguém quer saber o que fazer para não pecar, aqui está o antídoto para o pecado: o temor de Deus vai nos livrar de pecar.

(4) Consultai. Consultar o coração no travesseiro indica a meditação que temos de fazer, já na cama, antes de pegar no sono, examinando a nossa consciência, perscrutando os nossos caminhos, a ver se andamos retamente, ou se há algum caminho mau, que devemos abandonar. Temos que fazer um exame de consciência, temos que consultar o nosso coração em sinceridade. Quais são os nossos planos? Temos ajudado o próximo? Temos iluminado aos que jazem nas trevas do pecado? Ou temos prejudicado a alguém com nossas palavras? Temos falado bem dos outros? Qual é a nossa influência sobre as pessoas, boa ou danosa? O que fazemos para enaltecer a reputação dos semelhantes?

(5) Sossegai. Quando perguntarmos algo à nossa consciência, estejamos sérios, calados e esperemos uma resposta. Não abramos a nossa boca para escusar o pecado; não é hora de falar, é hora de calar e sossegar. Não devemos racionalizar, mas deixemos a razão prevalecer, a fim de chegarmos à verdade sobre a nossa vida e o nosso procedimento. Nossa consciência quando está afinada pela Palavra de Deus será segura para nos dar uma orientação correta de nossos atos e teremos a oportunidade de nos arrepender de nossas faltas e corrigi-las. Temos que aprender a sossegar e aquietar-nos diante da imposição da consciência orientada pela soberania do Espírito Santo.

(6) Oferecei. O 6º imperativo é uma ordem para oferecer “sacrifícios de justiça”. O que significa isso? Aqueles homens estavam sendo injustos para com Davi, e ele os leva a se apresentar diante de um Deus justo com sacrifícios de justiça em suas mãos. A linguagem lembra o santuário e seus sacrifícios; os seus inimigos deviam apresentar sacrifícios adequados e saber que a sua causa era injusta, na revolta de Absalão, e ainda tinham tempo para se arrepender. Os seus atos deviam ser atos de justiça, seguindo os seus sacrifícios, para que fossem aceitos. Portanto, nosso culto a Deus deve ser coerente com a reta justiça, ou não será aceito (Mt 5:23-24).

(7) Confiai. Davi tinha muita esperança de que aqueles homens que estavam seguindo a rebelião haveriam de se arrepender, abandonar os seus maus caminhos e voltar-se para Deus. Ele ainda lhes dá a maior chance, a sua maior oportunidade: “Confiai no Senhor”. A confiança em Deus traz a maior vitória. Norteia a nossa vida. Desfaz todos os enganos e traições. Mostra o caminho da sabedoria que temos a palmilhar. A confiança em Deus nos traz a salvação por toda a eternidade. Ele nunca nos decepciona.

III – FALANDO DOS HOMENS (v. 6)


Agora, Davi deixa de falar aos homens para falar dos homens. Ele diz: “Há muitos que dizem: Quem nos dará a conhecer o bem? Senhor, levanta sobre nós a luz do teu rosto.” Observando a condição dos súditos do rei, que estavam sendo enganados pelo seu próprio filho, ele retrata as dúvidas do povo nas palavras: “Quem nos dará a conhecer o bem?”

A família real estava em crise. Davi cometera um pecado de adultério e homicídio. Logo a seguir, Amnom comete um incesto, forçando a sua irmã Tamar. Como um resultado, Absalão matou a Amnom, seu irmão, por causa de Tamar, sua irmã, e fugiu por 3 anos, voltando logo depois para Jerusalém. Então, começou uma conspiração contra o rei Davi, seu pai. Absalão ganhava o coração do povo, dizendo aos que vinham a Jerusalém para de resolver os seus problemas: “Olha, a tua causa é boa e reta; porém, não tens quem te ouça da parte do rei... Ah, quem me dera ser juiz na terra!” (2sm 15:3,4).

As pessoas estavam confusas. O rei estava muito ocupado com os seus negócios e suas guerras, e o filho se aproveitava da situação fazendo promessas alvissareiras de reinar com justiça. E agora, uma revolta se insurgiu contra Davi da parte do povo de Israel, liderados por Absalão, que estava à caça do rei, para lhe usurpar a vida e o trono. A guerra estava em andamento, e ninguém sabia qual seria o desfecho final de tudo isso. Muitos diziam que Davi estava perdido, porque pecara gravemente à luz do dia. Possivelmente Deus havia Se apartado dele, assim como fizera com Saul.

Portanto, muitos estavam dizendo: “ ‘Quem nos dará a conhecer o bem?’ Quem nos poderá dizer qual será o fim de nosso reino? Em quem podemos confiar? Como ficaremos nós, se Davi for morto nesta batalha? O que será do povo de Deus, se cair o pastor de Israel?” E estes mesmos clamavam: “Senhor, levanta sobre nós a luz do Teu rosto!” O Senhor era a única esperança de luz e orientação para eles.

Considerando as condições de nosso mundo moderno, vemos crimes por todos os lados, assaltos à mão armada, prostituição em múltiplas formas, revoluções em muitos países, terrorismo ameaçando as maiores potências da terra! O pecado levanta a sua enorme e hedionda cabeça, ameaçando as massas humanas, que clamam em desespero, em densas trevas: “ ‘Quem nos dará a conhecer o bem?’ Quem poderá resolver os grandes problemas do coração violento e pecaminoso dos habitantes da terra?”

Observando as condições de nosso mundo hodierno, vemos as multidões confusas diante de muitas religiões, credos e filosofias, com diferentes promessas, com diferentes doutrinas e dogmas, todas baseadas num livro, num Alcorão, num “Evangelho segundo o Espiritismo”, num livro Mórmon, ou mesmo numa Bíblia, e as multidões perguntam: “ ‘Quem nos dará a conhecer o bem?’ Quem nos revelará a verdade, só a verdade, nada menos do que a verdade?” 

Muitos, sim multidões estão em desespero, procurando um meio de libertação de sua própria alma, porque se encontram escravizados por vícios, drogas, sexo, álcool, e desejam se libertar. Mas como eles ignoram o Libertador, não sabendo a quem recorrer, clamam à semelhança de Paulo quando estava nesta situação, conhecendo leis sem conhecer o Salvador: “Desgraçado homem que sou! Quem me livrará do corpo dessa morte?” (Rm 7: 24).   

A resposta está em Jesus que disse: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida!” (Jo 14:6). Breve o Seu povo verá o Senhor Jesus Cristo vindo em glória e majestade, pela manifestação do Seu reino. Todos os problemas deste agitado planeta estarão resolvidos. Não mais haverá guerras com todas as sua coisas terríveis. Não mais haverá morte, pranto ou dor, porque Ele dará a vida eterna a todos os que confiam em Seu poderoso nome, que pode salvar a todos os que Se chegam a Ele.

IV – FALANDO DE SI MESMO (vs. 7-8)

Davi termina o salmo 4, em um clímax extraordinário, porque conhecemos as terríveis circunstâncias que o envolviam naquele tempo em que compunha os salmos 3 e 4: fugindo de um exército armado nas trevas da noite, atravessando o vau de Cedrom, em meio a um rio profundo e caudaloso, seguido por mulheres e crianças. Em meio de condições desfavoráveis, escapando por sua vida, junto com sua família que restava, e com os seus homens de guerra, Davi dirigindo-se a Deus, fala de si mesmo, e dos próprios sentimentos.

1 – Davi tinha alegria. “Mais alegria me puseste no coração do que a alegria deles, quando lhes há fartura de cereal e de vinho.” (V. 7). A alegria é um fruto do Espírito Santo, dado a todos os que se entregam ao Senhor e seguem os Seus caminhos. Embora os ímpios também tenham alegria em muitas coisas, na abundância de cereal e vinho, em sua festas, não deixa de ser uma alegria fugaz e passageira. Alegria espiritual, a alegria do cristão, não é de se comparar com a alegria mundana, porque é imortal. “Alegria eterna coroará a sua cabeça.” (Is 35:10). Isto é muito mais alegria, por tempo incontável.

2 – Davi tinha paz. “Em paz me dito e logo pego no sono.” Em meio às agruras da fuga, ele podia ter paz. Podia dormir tranquilamente, embora soubesse que o inimigo estava bem próximo. Quando ele disse: “Confiai no Senhor” (v. 5), ele sabia o que estava dizendo, porque confiava em Deus por experiência própria. Podia dormir e descansar sem sofrer de insônia. Assim como Cristo dormiu numa tempestade, Davi também podia dormir tranquilo, mesmo perseguido por inimigos, porque tinha paz.

3 – Davi tinha segurança. Davi podia dizer em meio à maior tempestade de sua vida: “Senhor, só Tu me fazes repousar seguro!” Segurança é indispensável. Não podemos ter alegria sem segurança. Não podemos ter paz sem segurança. Não podemos ser felizes sem segurança. Mas os que confiam em Deus estão seguros em Seus braços poderosos. Podemos dormir e repousar seguros, certos de que o Senhor nos guardará protegidos.

CONCLUSÃO

Certa vez, um navio estava sendo açoitado por um tremendo temporal, e os passageiros em pânico viam a possibilidade de um iminente naufrágio, e aterrorizados contemplavam o horizonte na esperança de um socorro ou de uma mudança do vento. Porém, tudo parecia sombrio! E eles pasmados contemplaram uma menina que indiferente ao perigo, brincava no tombadilho da embarcação. Um dos passageiros, assombrado diante de tão grande indiferença, face ao perigo, perguntou: "Menina, você não teme a tempestade? Não se apercebe do perigo a que estamos sujeitos? Você não vê que corremos todos nós risco de vida?” Ela contemplou aquele senhor de maneira calma e serena, e respondeu laconicamente: "Meu pai está ao leme!" Era a filha do piloto. Ela conhecia a destreza de seu pai; ela possuía confiança na habilidade daquele velho piloto do mar.

Confiemos em nosso poderoso Deus, mesmo em meio a uma terrível tempestade, em nossa vida. Ele está ao leme. Ele conduz a nossa frágil embarcação através das procelas de nossa existência, e confiados em Sua direção, haveremos de chegar às praias alvacentas da eternidade.



PR. ROBERTO BIAGINI
Teólogo, Mestre em Teologia. Realizou vários cursos de Extensão Teológica da Andrews University e do Centro de Educação Contínua da DSA. Trabalhou como distrital de várias igrejas do centro, norte e sul do país. É casado com a Profª. Silvane Luckow Biagini, e tem dois filhos, Ângela e Roberto.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...