sábado, 23 de fevereiro de 2013

Lembra-te



2Pedro 3:1- Amados, esta é agora a segunda carta que lhes escrevo. Em ambas quero despertar com estas lembranças a sua mente sincera para que vocês se lembrem. (NVI)



Uma das coisas mais importantes em nossa vida é a nossa memória. E então, o apóstolo Pedro se esforça em duas epístolas para trazer as lembranças das verdades que foram proferidas no passado pelos profetas e apóstolos. Muitas vezes nós nos esquecemos de muitas coisas que deveríamos lembrar. Nossa memória parece estar adormecida, mas deve ser constantemente despertada.

A Bíblia nos admoesta sobre muitas coisas de que nos devemos lembrar. Há na Palavra de Deus coisas que jamais deveríamos esquecer, se nós quisermos nos salvar.  Há 5 grandes lembranças para o bem de nossa salvação que eu quero destacar; são 5 grandes coisas que jamais devemos esquecer.

I – LEMBRA-TE DOS TEUS PECADOS

Gên 41:9 - Então o chefe dos copeiros disse ao faraó: "Hoje me lembro de minhas faltas. (NVI)

Faraó, rei do Egito tivera um sonho que lhe perturbara a mente e lhe preocupava o espírito. Ele tivera um sonho estranho e perturbador de 5 vacas magras e famélicas que devoravam outras 5 vacas gordas e formosas. Então, ele mandou chamar a todos os magos e sábios do Egito, contou-lhes o sonho, mas ninguém podia lhe dar a interpretação do sonho. Foi quando o copeiro chefe recordou-se de um jovem que interpretava sonhos difíceis. Falou a Faraó do jovem José e começou dizendo assim: "Lembro-me hoje de minhas ofensas. Lembro-me de meus pecados diante do rei, meu senhor."

O profeta Ezequiel registrou o que disse Deus para o Seu povo: "Então, vos lembrareis dos vossos maus caminhos e dos vossos feitos que não foram bons; tereis nojo de vós mesmos por causa das vossas iniquidades e das vossas abominações." Ez 36:31.

Quando Jacó lutava com o Anjo de Deus, em sua noite de agonia, pôde lembrar-se de seus pecados e do engano com que tratou a seu pai, e da fraude que fizera ao seu irmão Esaú. Um senso de culpa lhe passou pela memória. O seu irmão vinha com um poderoso exército contra ele e a sua família, completamente despreparados para a guerra. Então, Jacó se humilhou diante de Deus e lhe confessou todas as suas culpas. Lembrou-se de todos os seus pecados e enganos. Mas apegou-se a Deus e lutando com o Anjo, e recebendo a revelação de que ali estava o próprio Deus, Jesus Cristo em Pessoa, disse-Lhe: "Não Te deixarei ir, se não me abençoares." E a resposta do Anjo foi esta: "Como príncipe lutaste com Deus e os homens e prevaleceste."

Davi caíra em um pecado terrível e hediondo, mas queria esconder o seu pecado e abafá-lo, a fim de que ninguém descobrisse o que ele tinha feito. Então, como diz a Bíblia, um abismo chama outro abismo e um pecado chama outro pecado, Davi foi mais além de seu adultério com Bate-Seba, que reclamava estar gestante. Davi arquitetou um plano de mandar matar o esposo dela. Chamou-o e deu-lhe uma carta orientando a Joabe, o comandante do exército de Israel, para que ele colocasse a Urias na frente mais perigosa da guerra em que se encontrava o seu exército, sem proteção, a fim de que morresse. Urias inocentemente levou a sua própria condenação, sem saber que haveria de morrer na frente do exército dos inimigos. Mas Deus mandou o profeta Natã a Davi, e lhe disse: "Tu és o homem que deve morrer, porque transgrediste contra os mandamentos de Deus." E Davi se lembrou de seus pecados e disse: “Pequei contra o Senhor.” E Natã respondeu: “Também Deus perdoou a inquidade do seu pecado!”

Lembra-te dos teus pecados. Se hoje nos recusamos a lembrar dos nossos pecados, Deus enviará um de seus instrumentos para nos fazer lembrar dos nossos maus caminhos e dos nossos pecados e de nossas transgressões, e daí, poderá ser tarde demais. Disse Jesus Cristo à Sua Igreja: "Lembra-te, ... de onde caíste, arrepende-te e volta à prática das primeiras obras." Apocalipse 2:5.

Certa vez, Cristo realizou um poderoso milagre, efetuando uma pesca maravilhosa, tirando um grande cardume de peixes de onde não havia peixes. Ao ver isso, Pedro ficou tão impressionado com a convicção da divindade de Jesus, que se ajoelhou diante dEle e lhe disse: “Retira-te de mim, Senhor, porque sou um homem pecador.” (Lc 5:8). Pedro estava lembrando e reconhecendo os seus pecados.

Mas muitos ainda não querem se lembrar dos seus pecados; só se lembram dos pecados dos outros. Os escribas e fariseus, que levaram a mulher adúltera aos pés de Jesus para que fosse apedrejada, não queriam se lembrar dos seus próprios pecados. Chegando diante de Jesus, lançaram-lhe um dilema judicial: “Senhor, esta mulher foi pega em flagrante adultério e a lei mosaica ordena o apedrejamento sumário. Mas tu, Senhor, o que dizes?” Então Jesus começou a escrever na terra. O que escrevia Ele? Ele escrevia os pecados dos acusadores da mulher. Mas como ainda não tinham percebido o que estava acontecendo, insistiram na pergunta, e Jesus lhes disse: “Aquele que estiver sem pecado atire a primeira pedra!”

Daí, diante dessas palavras penetrantes, e lendo as palavras escritas no chão, lembraram-se de seus pecados e, humilhados, confusos, saíram, um por um, em vergonhosa derrota. Porque os fariseus daquele tempo e de hoje, só se lembram dos pecados dos outros e são prontos em acusar e censurar. “Então, erguendo-se Jesus e não vendo a ninguém senão a mulher, perguntou-lhe: Mulher, onde estão aqueles teus acusadores? Ninguém te condenou? Respondeu ela: Ninguém, Senhor. E disse-lhe Jesus: Nem eu te condeno; vai-te, e não peques mais.” (Jo 8:10-11).

Lembre-se dos seus pecados hoje, a fim de se livrar deles, porque amanhã poderá ser tarde demais. No Dia do Juízo final, todos se lembrarão dos seus pecados que não quiseram confessar e corrigir. Sim, todos os que não quiseram se lembrar antes, para serem perdoados. Será suficiente apenas aquele penetrante olhar, um olhar perscrutador do Juiz de toda a terra.

 O reconhecimento do pecado é o efeito do Espírito Santo operando em nossos corações. É o primeiro passo de aceitação. O orgulhoso não alcança o perdão prometido. O orgulho o impede de reconhecer os seus pecados. A promessa é para os humildes que se reconhecem pecadores necessitados da misericórdia divina. O apóstolo Tiago escreveu por inspiração: “Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.” (Tiago 4:6).

Jesus Cristo, o nosso Salvador, morreu na Cruz do Calvário, a fim de tirar os nossos pecados, como o “Cordeiro de Deus” (Jo 1:29). Mas a promessa de perdão ainda é condicional, a fim de que Ele possa aplicar o Seu perdão particularmente a cada um de nós. “Se confessarmos os nossos pecados, Deus é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça.” Então, “o sangue de Jesus Cristo nos purifica de todo o pecado” (1Jo 1:7, 9).

A ordem divina é esta: “Lembra-te dos teus pecados. Lembra-te de onde caíste. Arrepende-te e volta à prática das primeiras obras." (Ap 2:5). Portanto, a lembrança de nossos erros e faltas, pecados e transgressões é importante para nos arrependermos, confessarmos, alcançarmos o perdão, esquecermos todo o passado pecaminoso e obtermos a vitória sobre todos eles, -  “porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé (1Jo 5:4).

II – LEMBRA-TE DOS MANDAMENTOS DE DEUS

Núm 15:40: “Para que vos lembreis de todos os Meus mandamentos, e os observeis, e sejais santos para com o vosso Deus.”

 O plano de Deus com respeito a nós é para que nos lembremos dos Seus Mandamentos e os guardemos. E Ele diz mais: Para que “sejais santos para com o vosso Deus.” Mas como poderíamos nos tornar santos pela observância dos mandamentos da Lei? Paulo ensinou que isso é impossível: “Porquanto o que era impossível à lei, visto que se achava fraca pela carne, Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança da carne do pecado, e como oferta pelo pecado, na carne condenou o pecado” (Rom 8:3).

Paulo nos diz que pela Lei ninguém pode ser santo, por causa da fraqueza de nossa carne, por causa da natureza pecaminosa. Mas Deus tornou isso possível porque Ele enviou a Jesus Cristo para morrer em nosso lugar, condenando no corpo de Cristo os nossos pecados. Então, ao pagar o preço de nossa redenção, todos agora podem guardar a Lei de Deus. Jesus Cristo morreu “a fim de que o preceito da lei se cumprisse em nós, que não andamos segundo a carne, mas segundo o Espírito” (Rm 8:4). Sendo a Lei santa, justa e boa, e transunto da perfeição divina, segue-se que o caráter formado pela obediência a esta lei será santo. Portanto, não há possibilidade de desenvolvermos caráter santo se esquecermos da Lei de Deus.

Certa vez, quando jovem, eu tive a oportunidade de assistir a um conferencista, na cidade de Alagoinhas, BA, onde eu morava na época. Então, ele baseou a sua conferência nas seguintes palavras do evangelho: “Respondeu-lhe Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras da vida eterna!” (Jo 6:68). E qual foi a conclusão do conferencista? Foi esta: “Pedro dissera ao Mestre: Senhor, para onde iremos nós? Iremos nós para a Lei? Não! Iremos nós para os Dez Mandamentos? Não! Iremos nós para a caducidade da letra? Não! Tu tens as palavras da vida eterna!” Mas o próprio Cristo já dissera: “Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir” (Mt 5:17). É impossível aceitar a Cristo e rejeitar a Sua Lei e os Seus Mandamentos. “Se Me amais,” disse o divino Mestre, “guardareis os Meus Mandamentos” (Jo 14:15).

Os líderes religiosos modernos ensinam que você não precisa se lembrar dos mandamentos de Deus. Os teólogos sem teologia afirmam do púlpito sagrado que você não precisa se recordar da lei. Os conferencistas populares dizem hoje que você não precisa mais da lei, que a lei caducou, que ela foi anulada com a velha aliança. Mas a Bíblia ensina que quando nós entramos na nova aliança com Deus, a Sua Lei é gravada em nossos corações:  “Esta é a aliança que farei com eles depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei no seu coração as minhas leis, e sobre a sua mente as inscreverei” (Heb 10:16). Portanto, os mandamentos da Lei foram gravados em nossa mente e em nosso coração a fim de que não nos esqueçamos deles. Disse Deus: “Para que vos lembreis de todos os Meus mandamentos, e os observeis.”

Além de todos os estímulos que temos na Bíblia para nos lembrarmos dos mandamentos de Deus, está o fato inamovível de que a Lei é eterna e imutável. Disse o salmista Davi: Sl 111:7-8: “...fiéis são todos os seus preceitos; firmados estão para todo o sempre.” Mas é interessante como Davi diz que “todos os mandamentos” de Deus são justiça, e acrescenta, em oração ao Senhor: “A Tua justiça é justiça eterna, e a Tua Lei é a própria verdade” (Sl 119:172,142). O apóstolo Paulo, respondendo às questões dos falsos ensinadores, disse: “Anulamos, pois, a lei pela fé? De modo nenhum; antes estabelecemos a lei” (Rom 3:31).

III – LEMBRA-TE DO DIA DO SÁBADO

Êxo 20:8: “Lembra-te do dia do sábado para o santificar.”

Se nos lembrarmos dos Mandamentos de Deus, nós nos lembraremos de santificar o sábado, pois este é o 4º mandamento situado no centro e no coração da eterna lei de Deus.

Mas alguém poderia perguntar: Por que haveríamos de nos lembrar do sábado, quando todo o mundo já o esqueceu? Não deveríamos antes guardar o domingo? Por que nos lembrar do sábado? Por várias razões.

Em primeiro lugar porque o sábado é o memorial da Criação. Diz o mandamento: “porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há.” O sábado nos aponta para a Criação, e quando nós nos lembramos do Sábado, adoramos ao Criador. Adorar significa venerar, respeitar, reverenciar, admirar e louvar. Admirando a Criação de Deus nós O adoramos. E se O adoramos, vamos nos livrar do evolucionismo, ateísmo, materialismo e cepticismo.

Em segundo lugar, nós necessitamos de um descanso semanal e o sábado foi feito para que tivéssemos esse descanso. Diz o mandamento que Deus descansou no sétimo dia. Não quer dizer que Deus Se cansa. Disse o profeta Isaías: “Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o Senhor, o Criador dos fins da terra, nem se cansa, nem se fatiga?” (Is 40:28). Ele descansou no 7º dia no sentido de cessar as Suas obras nesse dia memorável. E assim, deixou-nos um exemplo de como deveríamos fazer. O sábado nos proporciona um descanso material, porque deixamos nossos trabalhos comuns de nossa profissão. Mas o descanso espiritual nos leva a adorar e louvarmos ao Criador.

Em terceiro lugar, devemos lembrar do sábado porque há nele uma bênção divina. Diz o mandamento: “por isso, o Senhor abençoou o dia do sábado.” Com efeito, preciosas bênçãos há reservadas para os que se lembram do sábado. Bênção bem da palavra “bens”. Bens de saúde, prosperidade e a proteção de Deus são bênçãos prometidas aos Seus filhos obedientes. Deus ainda nos promete por boca do profeta Isaías que nos dará um memorial e um nome eterno (Is 56:5), e isso inclui a vida eterna.

Em quarto lugar, nós nos lembramos do sábado porque ele é um sinal de santificação. “o Senhor abençoou o dia de sábado e o santificou” (Êx 20:11). Ele disse por meio do profeta Ezequiel: “Também lhes dei os meus sábados, para servirem de sinal entre mim e eles, para que soubessem que eu sou o SENHOR que os santifica.” (Ez 20:12). O Senhor nos santifica, quando nos lembramos do sábado para o santificar, tornando o sábado um dia para buscarmos a Deus e O adorarmos em espírito e verdade.

Lembremo-nos do santo dia do sábado, pois ele foi feito para o benefício do homem. Disse Jesus Cristo, o Senhor do sábado: “O sábado foi estabelecido por causa do homem” (Mc 2:27). Os grandes benefícios do sábado estão reservados aos fiéis que amam a Deus e guardam os Seus mandamentos.

IV – LEMBRA-TE DO TEU CRIADOR

Ec 12:1: “Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade, antes que venham os maus dias, e cheguem os anos dos quais dirás: Não tenho neles prazer.”

Estas palavras não excluem nem crianças nem velhos, porque Jesus Cristo disse: “Vinde a Mim todos”; “Aquele que vem a Mim, de modo nenhum o lançarei fora” (Mt 11:28; Jo 6:37). Mas há aqui um apelo especial à juventude. Deus sabe que é nessa fase da vida que o jovem enfrenta as maiores tentações diante dos encantos do mundo em suas diversões e prazeres. Deus sabe que é nessa fase da vida que o jovem está mais vulnerável diante das paixões da mocidade.

A Bíblia nos fala de grandes homens que se lembraram de Deus nos dias de sua juventude. José foi um jovem valoroso porque se lembrou de seu Criador, não só nos momentos de alegria, mas também nas suas maiores crises. As tempestades da prova e da tentação sopravam furiosamente contra ele quando já estava no Egito, e ameaçavam derrubá-lo. Lá estava ele como escravo de uma nação pagã, porque fora vendido por seus irmãos invejosos. Distante do seu pai Jacó, sabendo que ele nem sequer sabia do ocorrido, imaginado que ele estivesse morto. Vivendo em uma terra de língua estranha, sendo tratado rudemente, forçado a fazer trabalhos pesados, lembrou-se de Deus e se perguntava: “Por quê?”

Mas José foi prosperando, porque quem se lembra de Deus sempre cresce na vida, e foi parar na casa de Potifar, oficial de Faraó e comandante da guarda. Mas a vida de José que estava mudando para melhor, teve um grande problema, porque a mulher de Potifar, bela e sedutora, colocou os olhos naquele jovem formoso. E se ofereceu para ele. Provavelmente, ela sabia como provocar ao jovem, e pensava que os seus planos dariam certo.

Tentou-o no primeiro dia, no segundo dia, até que, não conseguindo a atenção do jovem, ela foi mais direta e disse: “José, deita-te comigo!” Como se sairia você em tal situação? Mas José permaneceu inabalável, e disse: “Seu esposo me confiou todas as coisas, e só me vedou só a você por ser esposa dele. Como, pois, eu cometeria tamanha maldade e pecaria contra Deus?” (Gn 39:9). Aqui está um jovem que se lembrou de seu Criador nos dias de sua mocidade. Ele sabia que Deus não o abandonaria, mesmo nas mais difíceis situações. Seu primeiro pensamento foi para Deus. Apegou-se a Deus, apoderou-se de sua força, e saiu vitorioso.

Mas há muitos que se esquecem de Deus na sua mocidade. Mas Ele continua dizendo: “Lembra-te do teu Criador!”

O filho de um casal camponês foi estudar na cidade. Passaram-se vários meses, e um dia, o pai sentiu saudades do seu filho e, atrelando o seu cavalo à carroça, saiu de madrugada em direção à cidade, onde o filho estudava. Foi uma viagem penosa, pois a cidade ficava muito longe de sua casa. Depois de alguns dias de viagem, afinal, quase ao anoitecer, contemplou ao longe a cidade. Seu coração bateu mais depressa, pois em poucos momentos abraçaria o seu filho querido. Fustigou novamente o cavalo já cansado, pois a saudade o estimulava a avançar mais rapidamente.

Afinal, estava na última reta, já para entrar na cidade. “Que alegria, que felicidade!”, pensou. Bem perto da cidade, ele viu que três jovens vinham saindo dela, cantarolando, rindo e se divertindo. Ele olhou com mais intensidade, e seus olhos perceberam que o jovem do meio era o seu filho a quem tanto amava. Então, ele parou a carroça, desceu rapidamente, e procurou chegar e abraçar o filho, dizendo: “Ó filho querido, que saudades tenho de ti!”

Mas o moço, envergonhado de seu pai, pois vinha com dois colegas, rapazes da cidade, falou: “Que é isso, velhinho, você deve estar enganado! Eu não sou o seu filho! Onde já se viu, você meu pai?” Então, afastou com uma gargalhada o velho pai que tanto se sacrificara pelo filho. Mas o pai insistiu: “Meu filho, o que é isso? Eu sou o teu pai; não me conheces mais? Eu vim de longe para te ver! Tinha tanta saudade que não aguentei mais e vim te ver. Filho, já esqueceste do teu pai?” Procurou novamente abraçá-lo, mas com desprezo o filho o afasta, dizendo: “Velhinho, creio que você não está regulando bem. Deve estar muito enganado, não sou o seu filho; não me aborreça e deixe-me em paz!” O pai, trêmulo se afasta com o coração quebrantado por um filho que não queria reconhecer nem receber o seu próprio pai!”

Certamente, você diria: “Que filho ingrato! Que filho sem coração!” Eu também diria. No entanto, quantas vezes fazemos a mesma coisa com o nosso Pai celeste! Quantas vezes nós nos esquecemos de nosso Criador! Quantas vezes nós O negamos por nossos pensamentos, palavras e atos. E ainda queremos ser considerados filhos de Deus!

O conselho divino que chega até nós é: “Lembra-te do teu Criador nos dias da tua mocidade!” Antes que venham os dias de desgosto para a tua vida. Antes que as doenças batam à porta de sua casa. Antes que cheguem o reumatismo e a pressão alta. Antes que as forças se extingam. Antes que a morte se aproxime, porque a morte não manda cartão de visita, e pode chegar ao velho, mas também chega aos jovens.

V – LEMBRA-TE DE JESUS CRISTO

2Tim 2:8: “Lembra-te de Jesus Cristo, ressuscitado de entre os mortos, descendente de Davi” (2Tim 2:8).

Lembra-te de Jesus Cristo em sua vida na terra. Foi um verdadeiro Exemplo a todos. Era dotado de sabedoria espiritual de tal modo que aos 12 anos já ensinava no templo, surpreendendo aos doutores da lei. No entanto, era humilde e Se dedicou até para trabalhar como um carpinteiro com o Seu pai terrestre.

Lembra-te de Jesus Cristo em Seu caráter. Era puro e imaculado. Não dava lugar à tentação e quando Satanás se apresentava com os seus enganos e sutis insinuações, Ele lhe mostrava um “Está Escrito!” e saía vitorioso no conflito contra o mal. Preparava o Seu caminho observando a Palavra de Deus. Confiava no Pai com a simplicidade de uma criança.

Sua presença levava aos lares uma atmosfera pura e cheia de ânimo e encorajamento. Ajudava aqueles que se achavam desanimados com as lutas e tentações da vida, dirigindo-lhes palavras animosas e reconfortantes. Todos se sentiam felizes em Sua presença. Era bondoso para com todos e compreendia com terna simpatia as fraquezas dos outros.

Lembra-te de Jesus Cristo no Jardim do Getsêmani. Acompanhado dos Seus discípulos, o Salvador caminhava triste e taciturno para o lugar da aflição. As trevas adensavam-se em Sua mente, porque já começava a sentir a suprema angústia da separação do Pai, em consequência de levar sobre Si os pecados de toda a humanidade.

Lembra-te de Jesus Cristo sendo julgado por um tribunal injusto e ímpio formado por líderes cheios de inveja e preconceito. Ali estavam homens cruéis prontos para massacrar a vida do imaculado Filho de Deus. Pensa em Cristo sendo conduzido para o Calvário, arrastado atropeladamente para o martírio como se tivesse sido o pior dos criminosos, sendo batido, cuspido, açoitado, sofrendo pelos nossos pecados. Contempla-O pendendo na Cruz, pendurado entre o céu e a terra, recebendo a ira de Deus sobre Si mesmo, a fim de pagar pelos nossos pecados e entregar a vida a fim de remir a humanidade inteira.

“Lembra-te de Jesus Cristo, ressuscitado de entre os mortos,” após quebrar poderosamente os grilhões da sepultura e romper com as cadeias da morte, levantando os braços e dizendo: “Eu sou a Ressurreição e a Vida!” Garantiu assim a vitória sobre o mal, deu uma esperança a todos os habitantes deste mundo e nos encheu de alegria por Seu imenso sacrifício pelo qual estamos salvos, confiados em Sua redenção.

Mas muitos se esquecem de Jesus e não poucos os que olvidam o Salvador. A estes o apóstolo Paulo diz: “Lembra-te de Jesus Cristo”.

 Era um lindo dia de sol, quando bateu insistentemente à porta do pastor. Ao ser aberta a porta, uma senhora se precipita para dentro da sala exclamando: “Por que ela me fez isto? Dei-lhe tudo o que desejava, e agora vejo que foi tudo em vão. Por que ela me fez isto?” A história é a seguinte: Possuíam uma filha única que foi educada com todo esmero, recebeu tudo o que desejava e agora, depois de tudo isso, ela vivia um vida irregular, dando muito desgosto aos pais, que tinham feito tudo pela filha única, que era todo o seu orgulho nesta vida. “Demos-lhe tudo”, exclamava repetidamente a mãe, “e agora ela nos fez isto!” O pastor, compenetrado na curta mas tocante história, duma mãe desesperada e aflita, fez então calmamente a seguinte solene pergunta: “Também lhe deste Jesus?” “Não”, respondeu a mãe. “Nós não somos muito religiosos.”

Que tristeza: tinham dado tudo à filha, mas esqueceram o que era mais importante. Lembraram-se de tudo, mas se esqueceram de Jesus Cristo. Tudo, menos Jesus e eis o fracasso. No mundo há apenas duas classes de pessoas: As pessoas que se esquecem de Jesus e as pessoas que se lembram de Jesus. A qual das duas classes você pertence?

Lembremo-nos de que Jesus Cristo morreu para que nós fôssemos salvos. Que Ele ressuscitou a fim de nos desse a vida eterna. Que Ele foi assunto ao Céu a fim de interceder por nós e nos dar força na hora da tentação. E lembremos também que Ele voltará a fim de nos levar ao Paraíso eterno da bem-aventurança. Portanto, lembremo-nos de Jesus Cristo a fim de nos prepararmos para a Sua volta em glória e majestade.

CONCLUSÃO

1. Devemos nos lembrar de nossos pecados, a fim de nos livrar deles, alcançar o perdão e a purificação e a vitória completa.

2. Se nos lembramos de nossos pecados, vamos nos lembrar da Lei de Deus, porque o pecado é a transgressão da lei.

3. Se nos lembramos da Lei, vamos nos lembrar de santificar o sábado, que é o 4º mandamento.

4. Se nos lembramos do sábado, vamos nos lembrar de nosso Criador, especialmente nos dias de nossa força e mocidade.

5. Se nos lembramos de nosso Criador, vamos nos lembrar de Jesus Cristo que nos criou, mas também nos redimiu, razão por que Lhe pertencemos por criação e redenção.

Lembra-te de Jesus Cristo. O meu Deus é um Deus real. O meu Deus é Todopoderoso. Ele é onisciente; Ele é onipresente. Ele é o Princípio e o Fim. Ele é a Estrela da manhã. É o Lírio do Vale. Ele é eterno e imutável. Ele é invencível. Ele é a minha vitória. O Seu nome é Jesus Cristo. Ele abre as portas da morte. Ele é a Ressurreição e a vida. Ele é o Rei dos reis. Ele é o Senhor dos senhores. Ele domina o universo. Ele criou os bilhões de mundos através das centenas de bilhões de galáxias. Ele sabe o nome de cada uma das bilhões de estrelas que existem nas bilhões de galáxias. Ele exalta aos pobres. Ele abate os soberbos. Ele salva os humildes. Ele é justiça. Ele é amor. O Seu caráter é santo. Não existe ninguém igual a Ele em todo o vastíssimo universo. Ele é ímpar.
Ele é chamado de Jeová. O Seu nome está acima de todos os nomes. Ele sempre existiu, e nunca houve um tempo em que Ele não existisse. Ele está aqui do meu lado. Ele está aí do seu lado. Ele quer te levar para o Céu onde Ele mora. Você nunca terá um amigo melhor do que o meu Deus, chamado Jesus Cristo. Ele é o seu Criador. Ele é o meu Salvador. Ele é o meu Redentor. Ele é o meu Advogado. Ele nunca perdeu uma causa. Ele é o meu Sumo Sacerdote. Ele é o meu Intercessor. Ele é o meu Mediador. Ele quer salvar a você também. Você também pode amá-lO. Ele morreu por você numa Cruz. Aceita-O, como o seu poderoso e suficiente Salvador.

PR. ROBERTO BIAGINI
Teólogo, Mestre em Teologia. Realizou vários cursos de Extensão Teológica da Andrews University e do Centro de Educação Contínua da DSA. Trabalhou como distrital de várias igrejas do centro, norte e sul do país. É casado com a Profª. Silvane Luckow Biagini, e tem dois filhos, Ângela e Roberto.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...