sexta-feira, 8 de junho de 2012

XXIII - IDENTIFICANDO O ANTICRISTO

A interpretação popular da escola preterista identifica a besta do mar como o Império Romano. As "sete cabeças" da besta se aplicam a sete imperadores sucessivos (dos onze) que houve durante o primeiro século da era cristã. Esta opinião depende fortemente de uma interpretação particular das sete cabeças da besta escarlate de Apocalipse 17. Desta besta determinada disse o anjo interpretador: "Aqui está o sentido, que tem sabedoria: as sete cabeças são sete montes, nos quais a mulher está sentada. São também sete reis, dos quais caíram cinco, um existe, e o outro ainda não chegou..." (Apoc. 17:9, 10).

Kenneth A. Strand examinou recentemente a evidência para esta aplicação preterista de Apocalipse 13 e 17 a Roma pagã.1 O método que Strand usa é o contextual, pelo qual refuta eficazmente a identificação da besta que sobe do mar com Roma imperial.
Primeiro relaciona Apocalipse 13 com seu contexto literário, quer dizer, com a estrutura maior de Apocalipse 12. Esta esfera maior contém uma seqüência histórica de três passos: "O dragão primeiro se opõe ao menino-homem (Cristo), depois à mulher, e finalmente ao resto da descendência dela".2 A conexão dos períodos de tempo específicos em Apocalipse 12 (vs. 6, 14) e no capítulo 13 (v. 5) indicam que a besta de Apocalipse 13 persegue os santos durante a segunda fase de Apocalipse 12, quer dizer, durante a era pós-apostólica. Os pais da igreja Irineu, Tertuliano e Jerônimo esperavam o surgimento do anticristo só depois do desmoronamento de Roma pagã. Nem sequer mencionam a Nero como cumprindo alguma profecia no Apocalipse!

Strand também avalia a asseveração que diz que as sete cabeças da besta representam as sete colinas de Roma. Assinala que a tradução apropriada de óros não é "colinas" e sim "montes", assim como em qualquer outro lugar do Apocalipse (ver Apoc. 6:14-16; 14:1; 16:20; 21:10). Como símbolo, "um monte" nunca representa um soberano particular, mas sim a uma nação ou um império (veja-se Dan. 2:34, 35, 44, 45; Jer. 51:25). O segundo termo em Apocalipse 17:9 e 10: "reis", representa igualmente reino ou impérios (ver Dan. 2:38-40). Tanto Daniel como o Apocalipse não fazem uma separação abstrata entre reino e seus reis.
Strand explica que as sete cabeças da besta se diz que são impérios mundiais sucessivos, sendo os executores do plano de Satanás em todas os séculos. As cabeças não são sete colinas neutras e estáticas. Por conseguinte, conclui assim:
"A referência nesse texto [Apoc. 17:9] a "sete montes" alertou imediatamente aos paroquianos asiáticos de João ao fato de que o símbolo representava uma série de impérios mundiais sucessivos".3

Mas as "sete colinas" de cidade de Roma, é obvio, não são cronologicamente sucessivas. Entretanto, o Império Romano foi claramente uma das sete cabeças da besta. Os dez chifres com diademas da besta indicam que essa cabeça particular representa um poder mundial que sucederia Roma pagã e que reinaria simultaneamente sobre dez reinos.

A aplicação preterista da "ferida mortal" da besta a Nero e seu ressurgimento aplicado a Domiciano (o tradicional mito de "Nero revividus" [Nero revivido]) foi examinado e refutado totalmente por Paul S. Minear e também por K. A. Strand.4 Portanto, concluímos que até as perseguições dos cristãos por Roma pagã não foram as do anticristo em Apocalipse 13. Até mais decisivo é o fato de que Apocalipse 16:13-16 indica que a besta-anticristo desempenhará um papel principal nos acontecimentos finais que preparam o terreno para os juízos das sete últimas pragas e o Armagedom. Por conseguinte, não pode restringir a besta à antiga Roma e a seu culto imperial.

Este conhecimento levou a alguns expositores católicos e futuristas a projetar um Império Romano pagão revivido no futuro.5 George E. Ladd representa aos que combinam as aplicações preterista e futurista e portanto aceita um amplo espaço de muitos séculos de história da igreja.6 Ladd considera Roma pagã como o precursor histórico do anticristo. Mas este futurismo moderado ignora o estilo apocalíptico de um contínuo-histórico nos livros de Daniel e Apocalipse e mantém a era cristã em grande parte fora do foco da profecia.

O Enfoque Historicista

O problema da interpretação do Apocalipse é basicamente o problema da aplicação à história da igreja. Um erudito bíblico batista assinala que "o legado do tempo é a parte mais difícil do livro. A que tempo se referem os símbolos? E é obvio aqui é onde ocorre a batalha. Refere-se o símbolo ao passado? Refere-se ao presente? Refere-se ao futuro, e se for assim, quando?"7
Com respeito à data escolhida, precisamos recordar que o Apocalipse de João está edificado sobre o fundamento já estabelecido no livro de Daniel. Em concreto, Apocalipse 13 é a ampliação de Daniel 7, como o confirmam vários vínculos únicos entre os dois capítulos. Um erudito evangélico demonstrou inclusive o mesmo modelo estrutural em ambos os capítulos e concluiu que "Apocalipse 13 foi modelado fundamentalmente segundo Daniel 7... Apocalipse 13 está inspirado em Daniel 7".8 Os expositores preteristas não reconhecem este ponto essencial.

O Império Romano não esgota o profundo simbolismo e o conflito universal de Apocalipse 13. Por outro lado, os expositores futuristas ou dispensacionalistas ignoram completamente a relevância do Apocalipse para a igreja de todos os tempos, porque aplicam Apocalipse 13 exclusivamente a um futuro governo mundial e à cabeça de uma futura igreja apóstata.
Se Daniel apresentar a perspectiva de uma seqüência histórica, então o enfoque mais apropriado é o cumprimento contínuo-histórico, que a escola historicista de interpretação procurou seguir.


Prova para Definir a Verdade e a Heresia

A igreja entendeu a heresia como uma contradição e separação fundamental da fé. Caracterizou-se como uma obra do diabo, que se devia exterminar por todos os meios possíveis. Segundo Tomás de Aquino, sua exterminação era um dever sagrado.9 Os papas a partir de Leão I (440-461) em diante justificaram a pena capital para a heresia e alguns insistiram em promulgar decretos imperiais para anular os direitos civis dos hereges, até que o concílio do Toulouse (1229) introduziu o castigo de queimar vivos aos bogomilos ou albigenses na França.

As leis canônicas da Igreja Católica Romana ressaltam o dever dos governantes seculares para erradicar a heresia e para obedecer as leis da igreja, sob a ameaça de excomunhão. Por conseguinte, os governantes viram como seu dever cumprir os requerimentos da Igreja, especialmente do século XIII até o XVII. Uma cifra incontável de crentes cristãos dissidentes foram massacrados como proscritos pela Inquisição papal em vários países da Europa, tais como os albigenses, os valdenses e os huguenotes. Foi especialmente horrível a matança no dia de São Bartolomeu em 24 de agosto de 1572 em Paris e em outras cidades da França, quando perto de 70.000 protestantes foram assassinados sanguinariamente em um lapso de dois meses, com a aprovação do papa Gregório XIII. Todos eles sacrificaram suas vidas "pela palavra de Deus e pelo testemunho de Jesus Cristo".10
Vozes tanto de fora como de dentro da Igreja Católica começaram a acusar o papado mundano de comportar-se de uma maneira semelhante ao anticristo predito (dos arcebispos Arnoldo de Orleans no ano 991, e Eberhard II do Salzburgo no ano 1241; também Dante, o Petrarca, Savonarola, Wycliffe).11 Entretanto, não senão até os dias do Lutero e Calvino que a convicção de que a hierarquia romana era o anticristo ou Babilônia alcançou proporções maciças e se expressou em várias confissões dos credos das igrejas protestantes.12

Tanto Lutero como Calvino descobriram primeiro a Cristo e seu evangelho de graça imerecida. Só então, depois que se defrontaram com o autoritarismo dos papas que negaram sua liberdade para pregar o evangelho e condenaram a essência de sua mensagem evangélica, é que reconheceram que o Papa era o anticristo.

Calvino explicou isto detalhadamente em seu livro Institución de la religión cristiana. Em 1543 declarou o seguinte:
"Será vigário de Cristo o que, perseguindo com seus furiosos esforços ao evangelho, claramente se dá a conhecer como o anticristo?... Consta que o pontífice romano se apropriou desavergonhadamente do que é próprio e exclusivo de Deus e de Cristo".13

Para ambos os reformadores o anticristo não era um personagem distante do passado ou um indivíduo no futuro remoto, mas sim uma diabólica imitação de Cristo em seus próprios dias. Declararam que a apostasia religiosa e eclesiástica contemporânea era o cumprimento das profecias bíblicas, especialmente da profecia de Daniel 11:36-39 e 2 Tessalonicenses 2:4. Para eles o ponto essencial era que o anticristo era uma realidade presente. Isto criou para os protestantes uma ameaça existencial como se enfrentassem a prova última da fé.

G. C. Berkouwer reconheceu "que a concepção intuitiva dos reformadores de um anticristo real e ativa é uma ênfase do Novo Testamento"!14

João identificou os "muitos anticristos" em seu tempo por sua separação essencial tanto doutrinal como moralmente do evangelho apostólico original (ver 1 João 2:18, 19, 22; 4:2, 3). A norma específica de João foi o ensino apostólico a respeito de Jesus como o Messias e sua morte expiatória, cristologia que formou a pedra angular do evangelho apostólico de salvação (ver também Rom. 1:1-14; At. 17:2, 3). João enfatizou a diferença entre a fé apostólica que era "desde o começo" e os enganos dos inovadores que alegavam ter um conhecimento maior de Deus e de Cristo (1 João 2:22; 4:2, 3; 2 João 7).

A preocupação exclusiva das cartas pastorais de João foi a crise contemporânea da igreja em sua região. Não vacilou em chamar a qualquer que ensinasse um evangelho diferente "falsos profetas" e "anticristos". Apelou aos membros de igreja e lhes disse: "Provem os espíritos se procedem de Deus" (1 João 4:1). Esta chamada é a responsabilidade de cada membro de igreja, o que supõe não só um conhecimento básico do evangelho apostólico mas também a unção do Espírito. João assegurou a seus membros e lhes escreveu: "Mas vós tendes a unção do Santo, e conheceis todas as coisas" (1 João 2:20; ver também o v. 27).

Da aplicação que João fez do anticristo predito, recebemos uma nova apreciação pelos esforços dos reformadores protestantes para identificar o anticristo da profecia em seus dias. Os reformadores aplicaram o mesmo teste que João tinha usado em sua primeira epístola: a mensagem evangélica apostólica e original do Novo Testamento.

Sobre esta base os reformadores tanto pastores como exegetas identificaram o papado medieval como o anticristo da profecia: por sua exaltação própria acima de todos outros na Igreja e no Estado, e por seu dogma de um caminho diferente de salvação (por um novo sacerdócio com sete sacramentos).

A reação da Igreja Católica ao evangelho da Reforma protestante chegou a solidificar-se no concílio do Trento (1545-1563) e no Catecismo romano de 1566, publicado pelo papa Pio V.15

Os reformadores protestantes cumpriram com sua responsabilidade ao alertar os cristãos dos ensinos do falso evangelho de sua Igreja-Estado contemporâneo. Fizeram-no com a mesma seriedade como a que se evidencia nas epístolas de João. Seus credos extensos quanto a Cristo, o pecado, a salvação e a igreja apóstata, ainda convence a milhões de seres humanos de que a interpretação protestante é uma restauração do evangelho original.

Surge então a premente pergunta: Está completa a reforma do século XVI, reforma da igreja e da doutrina, ou chegou a estancar-se em credos e tradições?

O teólogo luterano Paulo Althaus propôs que cada geração de cristãos esteja alerta para identificar as atuais corrupções do evangelho e para confessar o senhorio de Cristo em cada polarização religiosa. As confrontações históricas do passado servem como tipos de ameaças reiterativas, assim como o Apocalipse de João viu a antiga Babilônia, Edom e Tiro como protótipos dos inimigos da era da igreja (ver Apoc. 18, que aplica as profecias da Isa. 13, 34 e Ezeq. 27). "A expectativa do anticristo tem uma atualidade imediata... A igreja sempre deve procurar o anticristo como uma realidade em sua situação presente ou considerá-lo como uma possibilidade ameaçadora no futuro imediato".16 Segundo Althaus, a identificação que Lutero fez do papado como o anticristo não foi um "engano" ou algo incorreto, porque o papado representava nesse tempo uma ameaça ao evangelho.
As ordens protestantes de sola Scriptura, sola fide, sola gratia, solo Christo [só Escritura, só fé, só graça, só Cristo] funcionaram como gritos de guerra na luta entre a fé e a incredulidade no evangelho. Althaus não aprova que se dogmatize a identificação do anticristo em um credo, porque o reconhecimento do anticristo deve relacionar-se a um anticristo real no presente, não a um no passado ou no futuro. "O reconhecimento do anticristo sempre é mortalmente sério".17

Tem pouco valor reconhecer ao anticristo no passado ou no futuro, porque isso não requer um compromisso pessoal. Althaus adverte a igreja, a qualquer igreja protestante, que está em um perigo constante de chegar a ser ela o anticristo. Qualquer igreja que suplante a Cristo ou usurpe sua autoridade ou procure o poder mundano, "é toda anticristianismo, quer dizer, competição com Cristo, a vontade de suceder ou substituir a Cristo: oposição a Cristo na forma de similitude com ele, de 'tomar o lugar de Cristo' ".18

O conceito de Althaus de reconhecer a essência de um anticristo como um poder cristão que usurpa a autoridade de Cristo e substitui a Cristo e a seu evangelho sempre é válido. Reconhece que a identificação que Lutero fez do papado medieval como o anticristo esteve em harmonia com o método da primeira epístola de João: reconhecer o anticristo como um falso mestre do evangelho e como uma falsificação da comunidade cristã. Não obstante, o enfoque protestante também necessita uma prova contínua com a realidade histórica. Requer tanto a prova do evangelho como a prova da perspectiva do tempo do fim da Escritura.
Só da perspectiva de um desenvolvimento contínuo-histórico pode localizar-se no curso da história o anticristo de Daniel, 2 Tessalonicenses e Apocalipse. Freqüentemente os teólogos e exegetas modernos ignoram este enfoque. Para eles, qualquer sistema totalitário ou ateu pode ser o anticristo. Mas enquanto que há muitos poderes anticristãos no mundo, há um só anticristo em Daniel 7 a 12, 2 Tessalonicenses 2 e Apocalipse 13. Fica como uma realidade que o anticristo medieval alterou e até se opõe à lei do pacto de Deus e ao evangelho apostólico de salvação: a Palavra de Deus e o testemunho de Jesus.

Se hoje o anticristo é impedido de perseguir os santos, isto não muda a presença e a natureza do anticristo. A profecia indica repetidamente que o anticristo medieval e suas perseguições serão reavivadas na última geração em uma escala universal (em Dan. 11:40-45; 12:1; Apoc. 13:15-17). Essa supremacia recuperada será abreviada pela volta de Cristo (Dan. 12:1, 2; Mat. 24:22; 2 Tes. 2:8; Apoc. 17:12-14; 19:11-21). Apocalipse 13 "enfatiza a revivificação e o rejuvenescimento da besta".19 Isto deve pôr a cada igreja em estado de alerta, especialmente no tempo do fim.

Apocalipse 12 a 14, em sua composição como uma unidade estreitamente enlaçada, requer séria atenção. Nesta parte central do Apocalipse nos encontramos face a face com a prova histórica do discipulado: fidelidade a Jesus Cristo e a seu testemunho. Por causa do testemunho de Jesus, Paulo foi decapitado em Roma e João foi banido à ilha de Patmos. Pelo testemunho de Jesus os mártires sacrificaram suas vidas (Apoc. 6:9; 20:4). A prova apontada por Deus se enfoca sobre as palavras de Cristo como se afirma no Novo Testamento, o que é de um significado primitivo à luz das tendências reiterativas de substituir o testemunho de Deus com os credos e fórmulas doutrinais das igrejas.

Hans K. LaRondelle

Referências

1 Strand, "The Seven Heads: Dou They Represent Roman Emperors?",  Simpósio sobre o Apocalipse. t. 2, cap. 5.
2 Ibid., p. 183.
3 Ibid., p. 191.
4 Ver Ibid., pp. 191-200; Minear, "The Wounded Beast".
5 Ver Froom, The Prophetic Faith of Our Fathers, t. 2, pp. 486-505; T. 3, pp. 733-737 (para ver desde Francisco de Ribeira até Manning).
6 Ladd, El Apocalipsis de Juan: Un comentario, pp. 15, 16.
7 Robbins, Revelation: Three Viewpoints, p. 154.
8 Beale, The Use of Daniel in Jewish Apocalyptic Literature and in the Revelation of St. John, p. 247.
9 Tomás de Aquino, Summa Theologica, II-II, pergunta 11, A. 3.
10 Ver Ellen White, GC 271.
11 Ver Froom, The Prophetic Faith of Our Fathers, t. 2, pp. 21-31 e caps. 2 e 6; t. 1, pp. 796-806.
12 Ver T. G. Tappert, ed. Bock of Concord. Confessions of the Evangelical Lutheran Church [Livro da Concórdia. Confissões da Igreja Evangélica Luterana] (Philadelphia: Fortress Press, 19S9); El catecismo de Heidelberg (Barcelona: ACELR, 1973 [da ed. de 1563]), pergunta 80.
13 João Calvino, Institución de la religión cristiana, trad. Eusebio Goicoechea (Grand Rapids: Eerdmans-Nueva Creación, 1988), livro IV, cap. 7, parágrafos 24, 25 (P. 886). Neste livro IV, no cap. 7: "Origem e crescimento do papado até que se elevou à grandeza atual, com o que a liberdade da igreja foi oprimida e toda eqüidade confundida", apresenta-se o relativo ao anticristo papal (ver, especialmente, os pontos 24 e 25).
14 Berkouwer, The Return of Christ, p. 264.
15 Ver Catecismo romano del concilio de Trento (Madrid: BAC, 19S6; trad. por Pedro Martín Hernández).
16 Althaus, Die Letzten Dinge [Os Eventos Finais], p. 283.
17 Ibid., P. 285.
18 Ibid., P. 284.
19 Berkouwer, The Return of Christ, p. 273.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...