sexta-feira, 8 de junho de 2012

XII - A VISÃO DO TRONO DO CRIADOR - Apocalipse 4

O Cristo ressuscitado chama agora a João para que suba no Espírito para ter uma nova visão e um olhar dentro do céu (Apoc. 4:1). O Espírito lhe permite ver através de "uma porta aberta" na sala do trono do Todo-poderoso. Tal privilégio foi concedido só a poucos servos de Deus, tais como Miquéias (1 Reis 22:19-22), Isaías, Ezequiel e Daniel. Enquanto Isaías estava adorando no templo de Jerusalém tinha visto Deus sentado em um trono no céu, rodeado por serafins e anjos. Esses guardiões do trono estavam louvando a Deus cantando: "Santo, santo, santo, Jeová dos exércitos; toda a terra está cheia de sua glória" (Isa. 6:3).

Enquanto estava cativo em Babilônia, também foi permitido ao profeta e sacerdote Ezequiel ver os céus abertos. Conta que viu a semelhança de 4 criaturas viventes sustentando o trono de Deus. Esses seres levavam o trono semelhante a uma carruagem para Jerusalém para convocar a cidade apóstata diante do divino Juiz. Descreve os 4 seres como tendo 4 asas e 4 rostos que se pareciam com os rostos de um homem, um leão, um boi e uma águia (Ezeq. 1:5, 6, 10). Sobre as cabeças dos 4 portadores do trono, Ezequiel viu "uma expansão a maneira de cristal maravilhoso" (v. 22) e ainda por cima daquele firmamento, "a figura de um trono" com alguém sentado sobre ele que tinha "a forma de homem" (v. 26). Ao redor do trono viu um arco íris (v. 28). O impacto dessa visão do trono foi tão entristecedora que Ezequiel diz que ao contemplá-la "caí com o rosto em terra" (v. 28, NBE).

Quando João estando em Patmos descreve sua visão do trono, usa palavras que fundem as duas visões anteriores de Isaías e Ezequiel. Embora contemple a majestade do Deus de Israel, só descreve a Deus por sua aparência de brilho que resplandecia como o "jaspe" e a vermelha "cornalina" [BJ]. Além disso, vê um halo em forma de um arco-íris, semelhante em aspecto à esmeralda, ao redor do trono (Apoc. 4:3), como se queria significar que a graça divina rodeia a justiça onipotente. João também vê 4 criaturas viventes ao redor do trono que se parecem com os que Ezequiel havia descrito (vs. 6, 7). Entretanto, João os combina com os serafins da visão de Isaías, porque diz que cada ser tinha 6 asas em vez de 4 (Apoc. 4:9) e tinha um rosto em vez de 4 (ver Ezeq. 1:6). Também diz que os seres estavam "cheios de olhos pela frente e por trás" (Apoc. 4:6), um detalhe tirado das rodas do trono de Deus que aparece no Ezequiel 1:18. O Apocalipse mostra uma fluidez com o simbolismo hebreu que desafia nossa exigência de exatidão fotográfica.

Uma característica importante na visão que João teve do trono, que não se vê nos profetas anteriores nem nas visões apocalípticas judaicas, é a de 24 pequenos tronos ao redor do trono de Deus sobre os quais estão sentados 24 anciões [presbúteros] "vestidos de roupas brancas, com coroas de ouro em suas cabeças" (Apoc. 4:4). Estes anciões, que se mencionam 12 vezes no Apocalipse (4:4, 10; 5:8, 11, 14; 7:11-13; 11:16; 14:3; 19:4), são aparentemente o cumprimento da predição apocalíptica de Isaías, de que Jeová manifestaria seu reino glorioso "diante de seus anciões" (Isa. 24:23).

Com freqüência o número 24 se entendeu como a soma de 12 e 12, sugerindo 12 representantes de Israel e da igreja respectivamente, mas seria arbitrário partir o grupo de anciões em duas unidades. Jesus havia dito que seus apóstolos se sentariam "em tronos para julgar as doze tribos de Israel" (Luc. 22:30; Mat. 19:28). João vê seu cumprimento em sua visão do milênio em Apocalipse 20:4. Entretanto, as visões do trono com os anciões em Apocalipse 4 e 5 têm o propósito de descrever uma atividade celestial nos dias de João. Isso significa que João mesmo não pode ser um dos 24 anciões que estão no céu. Além disso, os 24 anciões não se desempenham como juizes, mas sim como sacerdotes reais que adoram a Deus com cânticos de louvor e lançam suas coroas diante do trono (Apoc. 4:10), têm harpas em suas mãos e apresentam a Deus as orações de seu povo em suas taças de ouro cheias de incenso (5:8).

No Israel da antiguidade ficaram à parte 24 ordens sacerdotais da tribo do Levi para atender a ordem do culto sagrado e também 24 ordens para o ministério de profetizar, com o acompanhamento de liras, harpas e címbalos (1 Crôn. 24:3, 4; 25:1, 6, 9-31). Isto indica que João viu no céu os representantes do povo de Deus do velho pacto.

No Apocalipse se faz uma distinção entre os "anciões" e os anjos de Deus (Apoc. 5:11; 7:11 ) e constitui um grupo novo e sem par ante o trono de Deus. Formam um característico importante da visão do capítulo 4. Podem ver-se como homens glorificados que saíram vitoriosos sobre o pecado e a tentação. Todos morreram como vencedores. Têm três características que cumprem as promessas de Cristo aos fiéis em Apocalipse 2 e 3: os tronos, os vestidos brancas e as coroas [stéfanos] de vitória (ver 3:5, 11, 21). L. W. Furtado comenta: "Estando [Apoc. 4] precisamente depois destas promessas [de Apoc. 3], a visão dos 24 anciões parece ser a segurança da realidade celestial das promessas".1 Que os anciões estejam sentados sobre tronos que rodeiam o trono de Deus, é de grande significado:

"A estes personagens lhes dá uma posição e honra que nega aos anjos mais elevados, até às criaturas viventes; mas sua condição e honra correspondem perfeitamente às promessas feitas precisamente um pouquinho antes no Apocalipse aos escolhidos".2

Assim podem ser identificados com os santos gloriosos que foram levantados dos mortos pouco depois da própria ressurreição de Jesus (ver Mat. 27:52, 53; Ef. 4:8). Ellen White o explica assim: "Aqueles favorecidos santos ressurgidos saíram glorificados. Eram escolhidos e santos de todos os tempos, desde a criação até os dias de Cristo... Davam testemunho de que fora pelo Seu grande poder que tinham sido chamados de suas sepulturas".3 "Ascenderam com Ele, como troféus de Sua vitória sobre a morte e o sepulcro".4 A presença dos anciões no céu expressa a convicção de que de fato tinha tido lugar a exaltação de Cristo.

Como assistentes sacerdotais de Cristo, representam o Israel espiritual e confirmam a realidade gloriosa da esperança de Israel no reino messiânico de Deus. Um dos anciões assegura a João em termos hebreus que o "Leão da tribo do Judá, a raiz do Davi, venceu" (Apoc. 5:5). Seu ministério na sala do trono de Deus é uma segurança para que as igrejas permaneçam fiéis até o fim. Sobre isto comenta Feuillet:

"A idéia de que os santos do Antigo Testamento estão presentes durante todo o desenvolvimento da história, e que têm um vivo interesse no destino dos cristãos, não é nada escasso de magnificência. Dificilmente se pode ser mais eloqüente ao expressar a unidade interna que governa toda a história da salvação e o elo essencial que une a ambos os testamentos".5

Além disso, João descreve a presença dinâmica do Espírito de Deus ao declarar: "E, diante do trono, ardem sete tochas de fogo, que são os sete Espíritos de Deus" (Apoc. 4:5; ver 1:4). O profeta Zacarias tinha explicado as sete luzes sobre a menorá do templo como "os olhos do Senhor, que se passeiam por toda a terra" (Zac. 4:10, NBE). Na visão do trono de Apocalipse 5, João conecta este sétuplo Espírito com Cristo como o Soberano de sua igreja (v. 6), ressaltado dessa maneira que o Espírito é o Espírito de Cristo.

A Liturgia Celestial

Depois de João descrever o que viu no céu, começa a dizer o que escutou: a adoração de Deus em uma liturgia celestial. Ouviu os cantos antifonais de adoração dos diferentes coros. Os quatro seres angélicos ou serafins dirigiam em uma doxologia jubilosa, derivada do canto de adoração dos serafins do Isaías 6: "Santo, santo, santo é o Senhor Deus Todo-poderoso, que era, que é, e que há de vir" (Apoc. 4:8).

O aspecto novo desta doxologia é o louvor acrescentado de Deus como o Senhor da história: "que era, que é, e que há de vir". Esta seqüência de passado, presente e futuro está formulada intencionalmente para distingui-la das descrições que aparecem em Apocalipse 1:4 e 8, com o fim de proclamar a soberania de Deus na história, desde o começo até o juízo final (ver Apoc. 21:5). Esta caracterização do Deus de Israel garante o destino prometido da humanidade. O Criador não abandonará as obras de suas mãos (Sal. 138:8). Sua "vinda" determina o futuro do mundo. Deus nunca é simplesmente um espectador dos assuntos humanos, mas sim está ativamente envolto em lhes dar forma. Os serafins já louvam ao Deus Todo-poderoso porque é a fonte e a causa de toda a realidade criada, especialmente, de seu povo eleito, o novo Israel de Deus.

Todas as vezes que os serafins entoam sua doxologia de dar "glória, honra e ações de graças" ao Soberano do universo, os 24 anciões respondem prostrando-se ante a majestade que está sobre o trono. Lançam suas coroas ante o trono e adoram a Deus com uma aclamação significativa de louvor:

"Senhor, digno é de receber a glória e a honra e o poder; porque você criou todas as coisas, e por sua vontade existem e foram criadas" (Apoc. 4:11 ).

Os anciões exaltam a dignidade de Deus, fundamentalmente porque foi sua vontade planejar todas as coisas por sua sabedoria infinita (ver Gên. 1), e produzir toda a realidade por seu poder criador. Esta fé hebraica permaneceu como algo básico para a adoração de Deus na igreja apostólica (ver At. 4:24; 14:15; 1 Ped. 4:19).

Merece uma atenção especial a forma em que os 24 anciões se dirigem ao Criador, como "Senhor e nosso Deus" (Apoc. 4:11, NBE). Assim como seus predecessores, o imperador Domiciano insistiu em que todo mundo devia adorá-lo como o "Dominus et Deus noster" ("Senhor e nosso Deus"). A adoração ao imperador ficou em vigor por meio do sacerdócio pagão em um ritual anual na província romana da Ásia Menor. Ao fazer frente a essa ameaça de totalitarismo, João anima a igreja a permanecer firme (ver Apoc. 2:10).

A descrição de um "arco-íris" ao redor do trono de Deus (Apoc. 4:2) expressa a fidelidade do Criador a suas promessas. Ele é Deus fiel, que guarda o pacto (Deut. 7:9), o "fiel Criador" (1 Ped. 4:19). A visão do trono celestial busca  evocar nossa adoração de Deus em espírito e em verdade de maneira que a igreja sobre a terra possa ser uma com a igreja no céu. A visão de João do trono de Deus continua com a cena do capítulo 5.

Hans K. LaRondelle

Referências

1 Hurtado, "Revelation 4-5 in the Light of Jewish Apocalyptic Analogies", JSNT 25 (1985), p. 113.
2 Ibid.
3 Ellen White, PE 184.
4 Ellen White, DTN 786.
5 Feuillet, The Apocalypse, p. 211.

1 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...