quarta-feira, 6 de junho de 2012

A Origem e a Classificação dos Salmos


“Salmos” é o título que a Septuaginta, a versão grega da Bíblia Hebraica, pôs sobre o livro dos hinos de Israel ou cânticos de louvor. Como a formação do Livro de Salmos teve lugar não é mais conhecido.
No tempo de Rei o Davi em Jerusalém, 1000 A.C., cânticos poéticos e música começaram a ser incorporadas oficialmente na liturgia sagrada de Israel do santuário. Relatórios de escritura que Davi, assim que ele trouxe a arca da aliança a Jerusalém, ordenou que fosse cantada ação de graças ao Senhor por "Asafe e seus irmãos" (1 Crôn. 16:7). Com o acompanhamento de música instrumental de harpas, liras, címbalos, e trompetes, os coros dos levitas foram "diante da arca do Senhor, fazendo petições, dando graças e louvando o Senhor, o Deus de Israel" (1 Crôn. 16:4-6). É registrado mais adiante que quando Rei Salomão trouxe a arca da aliança para o novo Templo, cento e vinte trompetistas sacerdotais uniram-se aos cantores levitas, Asafe, Hemã, Jedutum e os filhos e parentes deles, com seus címbalos, harpas, e liras. Todos "em uníssono, louvaram e agradeceram ao Senhor" (2 Crôn. 5:13).

Os cantores levitas pareciam ter sido divididos em coros e coros responsivos, cada coro cantando suas próprias palavras e melodias em harmonias antifonais (Nee. 12:24). Estes coros do Templo também executaram seus cânticos de adoração em ocasiões especiais como no começo de uma grande batalha contra inimigos unidos (2 Crôn. 20:19-23); na dedicação do Templo sob o Rei Ezequias (2 Crôn. 29:25-30); e na dedicação do muro restaurado de Jerusalém sob Neemias, o governador (Nee. 12:27). Louvor e ação de graças eram a nota tônica em todas as ocasiões.

O serviço do cântico tornou-se uma parte regular do culto religioso; e Davi compôs salmos, não somente para o uso dos sacerdotes no serviço do santuário, mas também para serem cantados pelo povo em suas jornadas ao altar nacional nas festas anuais. A influência assim exercida era de grande alcance, e teve como resultado libertar da idolatria a nação. Muitos dos povos circunvizinhos, vendo a prosperidade de Israel, eram levados a pensar favoravelmente acerca do Deus de Israel, que havia feito tão grandes coisas por Seu povo. [1]

Que tipo de hinos seja estes cantados pelos coros do Templo? A resposta é: os salmos que contidos em nossa Bíblia. Por exemplo, nós lemos que os Salmos 96 e 105:1-15, e 106:1, 47-48, foram cantados como cânticos sagradas sob a direção de Asafe quando Davi trouxe a arca da aliança para Jerusalém (1 Crôn. 16:8-36).

Porém, está claro que no princípio coleções menores de salmos existiram como hinários, provavelmente compilados pelos músicos do Templo nos tempos de Davi (1 Crôn. 23:2-5), de Josafá (2 Crôn. 17:7-9), de Ezequias (2 Crôn. 29:25-30), e de Esdras e Neemias (Nee. 12:27-30, 45-46). Alguns salmos ocorrem duas vezes nestes coleções: Salmos 14 = 53; 40:13-17 = 70; 108 = 57:7-11 e 60:5-12. Salmo 72:20 declara que são terminadas as orações de Davi. Ainda, depois do Salmo 72 muitos mais salmos têm o sobrescrito "de Davi". Muitos crêem que os grupos de salmos com o sobrescrito "de Asafe" ou "dos filhos de Coré, ou "cânticos de ascensões", eram hinários originalmente separado usados como repertório por associações diferentes de cantores: grupos de coros de Davi, de Coré, e de Asafe.

O salmo mais antigo é de Moisés (Sal. 90), e os mais recentes vieram à existência depois do exílio babilônico (Sal. 126; 137), estendendo assim um período de cerca de mil anos. A tradição judaica aponta a cinco livrinhos distintos dentro do grande Livro de Salmos: 1-41; 42-72; 73-89; 90-106; 107-150. Cada dos primeiros quatro fecha com um doxologia semelhante:
Louvai ao SENHOR, o Deus de Israel,
de eternidade a eternidade. Amém e Amém.

A coleção final foi uma seleção por editores desconhecidos que deliberadamente quiseram o número 150 como limite. São difundidos outros salmos ao longo do Antigo Testamento: Êxo. 15; Deut. 32; Juí. 5; 1 Sam. 2; 2 Sam. 22; Isa. 12; Jonas 2; Livro de Lamentações; Hab. 3.

Embora nem todos os salmos são organizados de acordo com um princípio claro, contudo os primeiros dois salmos têm uma função óbvia como introdução. Eles contam os dois pilares principais da fé hebraica: o Torah e o Rei de teocrático. O último salmo (Sal. 150) é uma grande doxologia, chamada "A Grande Aleluia", e portanto um fechamento do livro inteiro de hinos.
Geralmente é reconhecido que existe uma conexão íntima entre os salmos e o culto, a adoração pública do Templo. Vários salmos podem ter estado bem compostos como cânticos para festivais religiosos especiais. Outros foram adaptados para a adoração de culto. Isto deu aos salmos um caráter mais geral de forma que eles podiam ser usados para adoração em todos os tempos.
Às vezes a origem histórica de um salmo ainda pode ser detectada, como nos Salmos 24 e 33. O Antigo Testamento indica repetidamente que Davi era um talentoso cantor em Israel, compositor de cânticos poéticos e orações para a adoração do Templo (1 Sam. 16:18; 2 Sam. 1:17-18; 6:5; 22; 23:1-7). Ele é chamado o "doce salmista de Israel ".

Embora fosse habitual um século atrás negar Davi como o autor de qualquer salmo, agora muitos tomam as subscrições mais seriamente de novo. O problema ainda não é solucionado quanto a se o sobrescrito "de Davi" nos setenta e três salmos com este título significa "de Davi" ou "para Davi" ou "pertencendo à coleção de Davi". O fato que em muitos salmos o locutor é o rei ou um grande líder aponta na direção do próprio Davi como o autor.

Muitas vezes os inimigos, os trabalhadores da injustiça, podem ser identificados com alguns dos próprios inimigos de Davi como Saul ou Absalão em sua revolta (Sal. 18).

Em Mateus 22:43-45 Cristo até mesmo volta à autoria de Davi do Salmo 110 em um argumento para o Seu Messianato.

N. H. Ridderbos conclui:
Muitos salmos originaram-se aparentemente pelo tempo de Davi; dever-se-ia lembrar que este era o tempo no qual música e cântico foram nomeados um bem-ordenado lugar no culto de Israel. [2]

Recentes estudos que comparam o idioma dos salmos com isso de fontes Ugaríticas antigas conduziram M. Dahood para a conclusão de que vários salmos bíblicos deveriam ter sido compostos no tempo do próprio Davi (por exemplo, Sal. 2; 16; 18; 29; 50; 58; 82; 108; 110). [3]

Tipos de Salmos

Durante os últimos cinqüenta anos os salmos foram distinguidos por vários tipos literários ou gêneros de acordo com sua função diferente na liturgia do santuário. As três classes principais são: hinos ou cânticos de louvor; cânticos de ação de graças; lamentações individual e comunitária ou orações de súplica. Ulteriores subdivisões são: liturgias de entrada, cânticos de peregrinação, salmos de inocência, salmos de sabedoria, salmos de confiança, salmos reais, salmos penitenciais, salmos imprecatórios, e outros. Contudo, nem todo salmo tem uma origem litúrgica ou propósito.

Hinos ou Cânticos de Louvor. Salmos 8; 19; 33; 103; 111; 113; 145-150; e outros. Estes hinos são exortações jubilosa para louvar e adorar ao Senhor por causa de Suas virtudes gloriosas e majestade manifestadas em Suas palavras e atos na criação do mundo e nas libertações na história de Israel. Estes hinos centralizados em Deus foram usados pelos coros dos levitas no serviço diário (1 Crôn. 23:30-31). Os hinos mais antigos são o Cântico de Miriã (Êxo. 15:21) e a Cântico de Débora (Juí. 5).

Os Cânticos de Ação de Graças do Indivíduo: Salmos 9; 18; 30; 32; 34:2-12; 66; 92; 116; 138; e outros. Este tipo de salmo é conectado explicitamente com a adoração do Templo. Estes salmos freqüentemente mencionam o santuário e o ritual sacerdotal (Sal. 66:13-14; 69:30-31; 116:13-19) e era provavelmente usado com relação ao sacrifício da oferta de gratidão. Nestes cânticos o indivíduo – freqüentemente o próprio rei – testifica de sua grande necessidade enquanto estava em uma emergência, como ele clamou ao Senhor e foi libertado. Normalmente tal cântico inclui exortações para os amigos reunidos e contratantes associados a confiar e amar o fiel Deus da aliança (Sal. 31:23.24; 32:6). Alguns salmos de ação de graças comunitária são 65 e 67 (ambos com relação a banquetes agrícolas), 124 (para vitória na guerra), e especialmente 100 (para a oferta de gratidão).

As Lamentações ou Súplicas do Indivíduo: Salmos 3; 5; 6; e muitos outros. A maioria dos salmos pertence a este tipo de cântico. Sua origem e uso eram para a adoração no santuário. Eles são caracterizados por um apelo ao nome do Senhor (Sal. 18:1-3); por reclamações em graus diferentes de intensidade (Sal. 10; 39); por orações por libertação, cura, perdão, e assim por diante (Sal. 3:7; 22:11, 19-21); por desejos, especificamente quanto aos ímpios (Sal. 37); por motivos de rogo e antecipar ação de graças (Sal. 28:6) ou votos de ação de graças (Sal. 7:17). Eles se movem do desespero à confiança, da angústia à certeza. O indivíduo assim não é perdido na adoração comunal (Sal. 40:17).

A estrutura destes poemas é basicamente quádrupla: (um) uma invocação de Deus; (b) um grito por ouvir e auxílio; (c) uma descrição do infortúnio e angústia de alma; e (d) uma oração por libertação.
Assim em um salmo deste tipo o poeta se move em sua súplica – às vezes mais de uma vez – do desespero à confiança, da miséria pessoal e sofrimento ao amor salvador de Deus. No entanto, o motivo subjacente da lamentação não é exatamente a própria angústia ou solidão do salmista, mas o sentimento religioso de alienação de Deus, de ser expulso da adoração do Templo, da face graciosa de Deus. Esta era a real crise que causou a lamentação ou oração de súplica. A necessidade mais profunda é esse perdão de Deus de culpabilidade e purificação do coração (Sal. 51; 130; 143).

Um tipo específico destes lamentos individuais tem que ver com falsas acusações; conseqüentemente tais salmos contêm enfáticas confissões de inocência, até mesmo com juramentos de integridade e retidão (Sal. 7; 26). Tais salmos são chamados salmos de inocência. Tais confissões de retidão ou perfeição facilmente são mal-entendidas e interpretadas mal como afirmações de farisaísmo, como legalistas. É portanto de importância crucial reconhecer a real colocação em vida de tais lamentos individuais, nomeadamente, a colocação de um processo sacro. O israelita falsamente acusado busca no santuário ajuda final e vindicação de Deus pelo oráculo sacerdotal no processo sacro no Templo (Sal. 26:6-7). Este procedimento foi provido oficialmente para na lei mosaica (Êxo. 22:7-12; Deut 17:8-12; cf. 1 Reis 8:31-32).

Lawrence Toombs reconstruiu este ritual de culto:

O ritual para a apresentação de um caso legal no templo é desconhecido, mas indicações nos salmos nos permitem tentar uma reconstrução. Na presença dos sacerdotes o que tinha buscado o santuário declarou o seu caso. Ele assim o fazia em idioma convencional que o retratava no aperto de morte, afogando-se no mar, deslizando no submundo, emaranhado na rede do caçador, enlameado em um pântano, ou rasgado em pedaços por animais selvagens. Ele declarou sua inocência das específicas acusações contra ele, convidando o olhar perscrutador de Deus para determinar sua culpabilidade ou inocência.

Durante sua defesa a vítima freqüentemente denunciava seus inimigos termos vigorosos e terríveis maldições amontoadas sobre eles. Estas passagens são denúncias expressas no idioma tradicional do Próximo Oriente. A violência das palavras é devido ao fato de que em culturas pagãs nas quais esta forma literária se originou os inimigos eram freqüentemente feiticeiros que tentam destruir o sofredor através de meios mágicos. Ele buscou devolver o mal aos seus perpetradores. Em tempos anteriores pode ter sido testada a inocência do suplicante por meio de uma provação, mas rastros só lânguidos desta prática permanecem nos salmos de lamento.

Depois de apresentar seu caso na forma ritual correta, o suplicante passou a noite nos limites de templo aguardando um sinal de favor divino, que poderia ser dado em um sonho ou verbalmente por sacerdote ou profeta de culto. Alguns dos salmos contêm exemplos dos "oráculos de salvação" falados para o conforto e encorajamento do sofredor (por exemplo, 55:22). Como a garantia de salvação veio após a vigília de uma noite no templo, a manhã foi considerada como o tempo em que Deus revelou a sua salvação. Com a certeza de libertação, o suplicante pagou os seus votos, normalmente uma oferta de gratidão e um testemunho público pela bondade de Deus, e partiu. [4]

Lamentos comunitários – seguindo o mesmo padrão como os lamentos individuais – são os Salmos 44; 74; 79; 83; etc. Estes eram usados em tempo de fracasso de colheita, pestilência, e derrota em guerra ou calamidade nacional (veja Joel 1:15-20; 2:12-17; 1 Reis 8:33-34).

Cânticos de Confiança: Salmos 11; 16; 23; 62; 125; 129; 131. Até os lamentos de amargura não terminam com a nota de desespero, mas clímax em tons de certeza e confiança que Deus em Sua fidelidade salvará novamente. Sem um padrão literário fixo, estes salmos estão entre lamentação e ação de graças.

Salmos de Sabedoria. Salmos 1; 37; 49; 73; 112; 128; 133. Estes salmos contêm instrução sacerdotal nas tradições da Torah, especialmente com a finalidade dos grandes festivais de Israel em Jerusalém. Estes salmos estão estreitamente relacionados com a literatura de sabedoria de Israel e do antigo Próximo Oriente. A doutrina central dos salmos de sabedoria é ensinar "que obediência fiel à revelada vontade de Deus traz prosperidade material e espiritual mas rejeição de Sua vontade significa destruição, não menos completo porque às vezes longo atrasado ". [5]

Salmos de Peregrinação ou "Cânticos de Ascensões”: Salmos 84; 121-134. Estes são os hinos cantados pelos peregrinos ambulantes em suas jornadas para ou dos grandes festivais anuais, expressando o seu amor por Sião, a cidade santa, e a sua gratidão para a orientação de Deus e proteção.

Salmos Litúrgicos: Salmos 15; 24; 50; 75; 85; 118; 121. Salmos 15 e 24 são considerados "liturgias de entrada" usadas nos portões do Templo. Salmos 50, 75, e 85 parecem pertencer ao festival de Ano Novo quando Israel renovava suas alianças com Deus, e o Senhor pesava Israel nas balanças do Seu santuário celestial em reprovação e consolo, apelando para verdadeiro arrependimento.

Os Salmos Reais: Salmos 2; 18; 30; 31; 45; 72; 89; 101; 110; 132; 144:1-11; e outros. Estes podem coincidir igualmente com outros tipos. O Salmo 18 também é uma oração de ação de graças de um rei em seu retorno de uma campanha. O Salmo 22 é uma oração de súplica. O Salmo 144:1-11 é um lamento real. Embora salmos deste tipo não possuem um estilo comum definido, eles têm um tema subjacente: a relação de aliança especial entre o Senhor (Yahweh) e o rei davídico como o ungido filho de Deus. Ele recebeu a promessa da última e universal vitória sobre todos os seus inimigos. A maioria dos salmos reais foi cantado na entronização do rei ou no festival real anual, quando o rei fazia um voto solene (Sal. 101).

Nestes salmos reais podem ser discernidas características profético-messiânicas, visto que os reis de Judá jamais entenderam inteiramente a monarquia gloriosa retratada nestes salmos. O uso destes salmos, portanto, evocava o desejo e expectativa de um Rei em quem toda a glória de tal posto teocrático seria cumprida. Os salmos reais não deveriam ser considerados como desejos piedosos, mas como o desdobramento profético-poético, desdobrando a profecia histórica de Natã para Davi em 2 Samuel 7:12-16 que prometeu concernente ao filho de Davi: "Eu lhe serei por pai, e ele me será por filho. ... Porém a tua casa e o teu reino serão firmados para sempre diante de ti; teu trono será estabelecido para sempre. " (vv. 14, 16).

Em contraste com o retrato de glória teocrática nos salmos reais, outros salmos apresentam o quadro profundamente humano de um rei caído e sinceramente arrependido (veja Sal. 32 e 51). Tais salmos penitenciais (também Sal. 6; 38; 102; 130; 143), para serem cantados por todo o Israel, se salientam na história como um testemunho único para a autenticidade do arrependimento de Davi. Eles oferecem esperança e cura a todos os que são despertados à sua culpabilidade e buscam alívio para as suas almas enfermas pelo pecado.

Por que o Rei Davi compartilhou a sua experiência pessoal de pecado e arrependimento com a adoração pública de Israel? Um autor sugere: "Ele sabia que a confissão de sua culpabilidade traria os seus pecados como advertência de outras gerações. Ele apresenta o seu caso e mostra em quem estava a sua confiança e esperança de perdão ". [6]
Enquanto os salmos penitenciais declaram que o pecado pode trazer só vergonha e aflição, ao mesmo tempo eles afirmam que a graça perdoadora de Deus alcança até a mais baixa profundidade e que a alma arrependida será restabelecida por Deus à plena filiação.

Os salmos de Davi passagem pelo total espectro da experiência humana, "desde as profundezas da culpabilidade consciente e condenação própria, até a fé mais sublime e mais exaltada comunhão com Deus. . . . De todas as declarações que se contêm em Sua Palavra, é isto um dos mais fortes testemunhos da fidelidade, da justiça e da misericórdia de Deus em Seu concerto".[7]

Salmos Imprecatórios ou Orações por Maldição: Certos salmos contêm orações de vingança e maldições para os obreiros da injustiça. Tais salmos são chamados salmos imprecatórios: Sal. 35; 58; 69; 109; 137; e outros. Esta descrição sugere erroneamente aquelas tais maldições são o tema central desses salmos. Muitos, portanto, denunciaram tais salmos como estando em conflito básico com o Novo Testamento, com o amor de Cristo que orou por seus inimigos "Pai, perdoa-os, porque não sabem o que fazem." (Lucas 23:34), e com a oração de Estêvão, "Senhor, não lhes imputes este pecado." (Atos 7:60). Portanto, muitos intérpretes rejeitaram os salmos imprecatórios como não sendo inspirados, como explosões puramente humanas, como algumas palavras de Jó e Jeremias.

O que pode ser dito desta posição? Primeiro, que nossos próprios sentimentos éticos não são o juiz final neste assunto. Só a autoridade de Escritura pode ser decisiva. Em segundo lugar, as maldições são identificadas tão completamente como um todo com os salmos que não é possível tirá-los fora do seu contexto como não sendo inspirados. Tais salmos permanecem ou caem como uma unidade. Além disso, o Novo Testamento cita os salmos imprecatórios como dignos de autoridade e assim reconhece que tais salmos são inspirados. Veja:

Romanos 3:13, citando Salmo 5:9 (vs. 10 é imprecatório);
Romanos 3:13, citando Salmo 140:3 (vs. 10 é imprecatório);
Romanos 3:14, citando Salmo 10:7 (vs, 15 é imprecatório);
Romanos 15:3, citando Salmo 69:9 (vv. 27-28 são imprecatórios);
João 15:25 é uma instância em que Jesus aplicou o Sal. 69:4 e também o Sal. 35:19 – dois dos salmos imprecatórios mais afiados – a Si mesmo.

O Novo Testamento às vezes aplica também as maldições em um sentido positivo:
Atos 1:20 cita Salmo 69:25;
Atos 1:20 cita Salmo 109:8;
Romanos 11:9-11 cita Salmo 69:22-23.

Destas aplicações do Novo Testamento dos salmos imprecatórios podemos aprender que tais salmos são cristologicamente aplicados por Paulo a Cristo como o Messias e para os Seus inimigos. Além disso, os salmos imprecatórios são teocêntricos, Deus no centro. O conflito se encoleriza não exclusivamente entre Davi e os seus inimigos. Davi, como o rei teocrático, peleja as batalhas do Senhor (2 Sam 5:24). Os reis de Israel na linha de Davi se sentaram "no trono do reino do Senhor" (1 Crôn. 28:5; cf. 29:23). Os inimigos de Davi são os inimigos de Deus: "Acaso não odeio os que te odeiam, Senhor? E não detesto os que se revoltam contra ti?" (Sal. 139:21). É de importância vital também interpretar teologicamente os salmos de imprecatórios, não humanisticamente. Até mesmo nos salmos nacionais, onde Israel é colocado em contraste com as nações gentílicas, precisamos interpretar Israel não como uma nação secular, mas como o povo de Deus na velha dispensação, como o povo da aliança de Yahweh, como um com Deus. A guerra contra Israel é a guerra contra o Deus da aliança de Israel (Sal. 74:18-23; 79:6-7, 12-13; 83:1-5).
Fica claro que a derrota desejada e a penalidade para o ímpio é correlato à oração por libertação dos filhos de Deus; é virtualmente a oração para a vinda do Reino de Deus. Nos salmos imprecatórios a guerra contra Davi é a guerra contra os ungidos do Senhor. Por conseguinte, esses ímpios são os inimigos do próprio Deus (Sal. 37:20). Davi não se sustenta como homem sozinho, mas no escritório santo dos representantes ordenados, ungido de Yahweh, como o tipo de Cristo. No ódio do ímpio que causou ansiedades ao Rei Davi, ele sentia o ódio contra o seu Deus! Portanto Davi e os salmistas imploravam a Deus por Seu julgamento e justiça (Sal. 43:1; 35:23; 58:10-11; 96:10). A própria honra de Deus e fidelidade estão em jogo.

Lembra-te de como o inimigo tem zombado de ti, ó Senhor,
    como os insensatos têm blasfemado o teu nome.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
Não deixes que o oprimido se retire humilhado!
    Faze que o pobre e o necessitado louvem o teu nome.
Levanta-te, ó Deus, e defende a tua causa;
    lembra-te de como os insensatos zombam de ti sem cessar.
Sal. 74:18, 21-22, NVI)

Ajuda-nos, ó Deus, nosso Salvador,
    para a glória do teu nome;
livra-nos e perdoa os nossos pecados,
    por amor do teu nome.
Por que as nações haverão de dizer:
    “Onde está o Deus deles?”
Diante dos nossos olhos, mostra às nações
    a tua vingança pelo sangue dos teus servos.
(Sal. 79:9-10, NVI)

Davi, um profeta de acordo com Atos 2:30, pode ser comparado a Jeremias quando aquele profeta falou sob a inspiração do Espírito de Deus:

Mas a ira do Senhor dentro de mim transborda,
    já não posso retê-la.
“Derrama-a sobre as crianças na rua
    e sobre os jovens reunidos em grupos; . . . "
(Jer 6:11, NVI)

A ira de Deus pegou completamente as próprias emoções do profeta. Aqui nós podemos observar como a ira de um profeta contra o ímpio pode ser inspirado pela própria ira de Deus. A explosão profética de maldição pode refletir as vibrações de raiva divina.
Não se deveria concluir apressadamente que as maldições de Davi eram meros ajustes pessoais de raiva. Davi mostrou controle perfeito repetidamente quando poderia ter matado seus inimigos: Saul (1 Sam 24; 26), Simei  (2 Sam 16:10-12), e outros (1 Sam 25:22, 32, 33). Amor aos inimigos também é a responsabilidade em Israel (Êxo. 23:4-5; Lev. 19:18; Prov 20:22; 24:17; 25:21, 22; Jó 31:29, 30). Os salmos imprecatórios não sugerem que o homem pode se vingar e pode retaliar (veja Sal. 37). Bonhoeffer explica:
Os inimigos referidos aqui são os inimigos da causa de Deus, que impõem as mãos em nós por causa de Deus. Portanto não é de modo algum uma questão de conflito pessoal. Em nenhuma parte o que ora estes salmos quer tomar vingança em suas próprias mãos. Ele pede apenas a ira de Deus (cf. Romanos 12:19). Portanto ele tem que descartar da própria mente todo o pensamento de vingança pessoal. Caso contrário, a vingança não seria seriamente ordenada de Deus. Isto significa que só aquele que é ele próprio inocente em relação ao seu inimigo pode deixar a vingança com Deus. A oração pela vingança de Deus é a oração pela execução de sua justiça no julgamento do pecado. [8]

O Novo Testamento não abole o juízo final para o ímpio tampouco. Jesus advertiu "Ai de vós" vários vezes em Mateus 23, e até mesmo teve raiva despertada em seu coração (Mar. 3:5). Peter disse a Simão, o feiticeiro: "Pereça com você o seu dinheiro! . . . Arrependa-se dessa maldade e ore ao Senhor. Talvez ele lhe perdoe tal pensamento do seu coração" (Atos 8:20, 22, NVI). E Paulo disse a Elimas, o feiticeiro: "Ó filho do diabo. . . ." (Atos 13:10, RA). Ele escreveu até mesmo: "Se alguém não ama o Senhor, seja amaldiçoado." (1 Cor 16:22; cf. Gál. 1:9; Apoc. 6:9-10)
.
Deve-se  reconhecer, portanto, que com a vinda de Cristo a revelação do amor de Deus foi além daquela revelada na dispensação hebraica. Na era do evangelho os juízos sobre os inimigos do povo de Deus estão em misericórdia adiada ao juízo final. A graça de Cristo intensificou dramaticamente o amor de Deus pelo homem pecador:
“Vocês ouviram o que foi dito: ‘Ame o seu próximo e odeie o seu inimigo’. Mas eu lhes digo: Amem os seus inimigos e orem por aqueles que os perseguem" (Mat. 5:43-44).

Estêvão seguiu o seu Mestre, orando enquanto era apedrejado até a morte, "Senhor, não lhes impute este pecado." (Atos 7:60).
Nós podemos concluir que os salmistas também foram os instrumentos do Espírito de Deus em suas orações imprecatórias. Nestes somos confrontados com a ira do próprio Deus, do próprio Cristo. Estas orações serão cumpridas no dia em que Cristo será Juiz Ele (Mat. 25:31; Apoc. 19:2). Os amaldiçoados não são apenas aqueles que se rebelaram abertamente contra Deus, mas também aqueles que obstinadamente fecharam os seus corações ao Espírito de amor compassivo para com os membros da raça humana necessitados. O Novo Testamento revela que a responsabilidade humana aumentou consideravelmente por causa de Cristo (João 15:22-24; Heb 2:1-3; 10:26-31).

F. Delitzsch comenta profundamente quanto às orações imprecatórias: "Uma cortina desse tempo contudo pairou diante da eternidade, diante do céu e inferno, para que as maldições como lxix.20 [Sal. 69] não fossem compreendidas pelo que as articulou na sua profundidade infinita de significado." [9]

Referências

1 Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p. 711.
2 De Psalmen, Dee I (Kampen: J. H. Kok, 1962), p. 15 (own translation).
3 Psalms, The Anchor Bible Series, 16, vol. I (New York: Doubleday, 1966), pp. xxix-xxx.
4 Lawrence E. Toombs, "Introduction to the Book of Psalms," retirado de The Interpreter I One-Volume Commentary on the Bible, C. M. Layman, ed., © 1971 by Abingdon Press, Nashville, Tenn., p. 257. Usado com permissão.
5 Ibid., p. 258.
6 E. G. White, Spiritual Gifts, vol. 4 (Washington, D.C.: Review and Herald Publ. Assn., 1945 [repr. of1864]), p. 88.
7 White, Patriarcas e Profetas, p. 754.
8 Psalms: The Prayer Book of the Bible (Minneapolis: Augsburg Pub. House, 1970), p. 57.
9 Biblical Commentary on the Psalms (Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 1959, repr.), vol. I, p. 418 (intro. to Ps 35).

Por Hans K. LaRondelle

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...