domingo, 22 de abril de 2012

Quem são os Anjos?

Certo "evangelista havia batizado uma mulher cujo marido estava muito irado porque sua esposa se tornara adventista. Ele jurara que mataria o evangelista na primeira reunião de oração – ele sabia o costume, como após o hino todos se ajoelhavam em oração, tendo a cabeça baixa e os olhos fechados. O pregador estaria bem à frente. Seria fácil avançar depressa e cortar-lhe a cabeça.

"Assim, na reunião de oração daquela noite o homem se postou do lado de fora do salão onde a reunião tinha lugar. Na mão ele tinha uma faca, bem afiada e pronta para entrar em ação. Quando os irmãos se ajoelharam, ele avançou silenciosamente. Todas as cabeças estavam baixadas. Ninguém o pressentia. Então subitamente ele deixou cair a faca e saiu correndo. Mais tarde contou por quê. Disse que ao aproximar-se do evangelista de joelhos, um anjo de asas estendidas o olhou fixamente. Aterrado, deixou cair a faca e fugiu." (Meditações Matinais, 1972, p. 167).

– Salmos 34:7 – Mas quem são os anjos?

I – OS ANJOS

A – A Origem dos Anjos
a) Foram criados por Deus: – Sal. 148:2 e 5
b) O fato de serem criaturas está implícito em I Tim. 6:16.
c) O tempo da criação dos anjos é deixado indefinido na Bíblia, apenas sabemos que quando foram lançados os fundamentos da Terra os anjos já existiam: – Jó 38:4.7 ("estrela da alva" = anjos, cf. Isa. 14:12)

B – A Natureza dos Anjos
a) São seres criados mas são seres humanos glorificados:
– Mat. 22:30 (nós seremos "como os anjos", e não anjos)
– Gên. 3:22-24 (os anjos já existiam antes da morte de algum homem)
b)São seres espirituais: – Heb. 1:14

C – As Características dos Anjos
a) Possuem grande poder: – Sal. 103:20; Mat. 28:2 (uma pedra de 2m, de diâmetro por 30 cm. de espessura, pesaria cerca de 4 ton.)
b) São mais sábios do que o homem, entretanto não são oniscientes: – Mat. 24:36
c) Locomovem-se rapidamente: – Ezeq. 1:14; 10:20 (Os anjos comparados à luz na locomoção. – 300.000 Km/seg. eqüivalem a 7 voltas ao redor da Terra num abrir e fechar de olhos)
– Dan. 9:21-23 (a oração durou de 3 a 4 minutos)

D – Número e Ordens
a) Número: – Apoc. 5:11
b) Ordens:
1º) Querubins: "mais do que qualquer criatura são destinados para revelar o poder e majestade, a glória de Deus. São especialmente os guardiões do trono de Deus, e embaixadores extraordinários. Servem na obra da reconciliação." – Gên. 3:24; II Reis 19:15; Ezeq. 10:1-20;28: 14-16
2º) Serafins: "parecem estar preocupados com a adoração e santidade. Eles conduzem o céu na adoração a Deus." – Isa. 6:2 e 6
3º) Arcanjos: Esta expressão ocorre duas vezes nas Escrituras:  – I Tess. 4:16; Judas 9
a) Miguel é o único a ser chamado de Arcanjo, e refere-se a Cristo. (Dan. 10:13 e 21; Judas 9; Apoc. 12:7). É usado no sentido de um guerreiro valente contra os inimigos de Israel e poderes do mal.
c)Gabriel, embora não chamado de Arcanjo, é considerado como um Anjo principal ou Mensageiro principal. (Dan. 8:16; 9:21; Luc. 1:19 e 26) Sua tarefa principal parece ser o de mediar e interpretar as revelações divinas. (Os conceitos anteriormente apresentados foram extraídos de: Wilson H. Endruveit. Doutrinas I, pp. 17-19).

II – OS  ANJOS  MAUS

A – A Origem e a Natureza dos Anjos Maus
a) É um grupo de anjos que foi criado por Deus, sendo eles originalmente perfeitos, como os anjos do céu, mas que não guardaram o seu estado original: - Judas 6; Ezeq. 28:14 e 15
b) Eles rebelaram-se contra a vontade de Deus, e, conseqüentemente, foram expulsos do céu: - Apoc. 12:7-9; Isa. 14:12-15

B – A Obra dos Anjos Maus
1º) Transformam-se e se disfarçam: - II Cor. 11:14 e 15
2º) Lutam contra nós : - I Ped. 5: 8; Efés. 6:11 e 12
3º) Enganam: - I Tim. 4:1 (ensinam erros)

III – AS  ATIVIDADES  DOS  ANJOS  BONS

1º) Os anjos ajudam na direção dos negócios das nações (Dan. 10:5 e 6; 10:14).
2º) Eles protegem e acompanham sempre o povo de Deus (Sal. 34: 7; 91:11).
– "Um anjo da guarda é designado a todo seguidor de Cristo. Estes vigias celestiais escudam aos justos do poder maligno." (O Grande Conflito, p. 512).
3º) Eles registram todas as ações humanas (Ecl. 5: 6; Mal. 3:16, etc.)
– "Assim como os traços da fisionomia são reproduzidos com precisão infalível sobre a polida chapa fotográfica, assim o caráter é fielmente delineado nos livros do Céu." (O Grande Conflito, p. 487).
4º) São testemunhas no juízo do Tribunal Celestial (Dan. 7:10). Os anjos acompanharão a Jesus em Sua volta e reunirão os Seus escolhidos (Mat. 24:31).

ILUSTRAÇÃO:

Ellen G. White foi para a Austrália em 1891, onde permaneceu por cerca de 10 anos, dirigindo vários projetos importantes.

De 29 de dezembro de 1893 a 15 de janeiro de 1894 foi realizada a primeira reunião campal na Austrália, em Brighton Beach, um subúrbio de Melbourne. Neste acampamento havia mais de 100 tendas, que abrigavam 511 pessoas. A própria Sra. White declarou não ter visto tão profunda dedicação religiosa e entusiasmo desde as reuniões mileritas de 1843 e 1844.
Porém nem todos apreciaram tanto a reunião campal. Para um grupo de delinqüentes juvenis, que moravam em uma cidade próxima, isto representava uma oportunidade para fazer alguma brincadeira de mau gosto. Eles assaltaram as tendas, jogando pedras nelas e derrubando uma delas. Foram designados alguns estudantes da Escola Bíblica da Austrália para atuarem como guardas, ajudando a controlar os delinqüentes juvenis. Impossibilitados de causar maiores danos, os delinqüentes juvenis decidiram derrubar a tenda da Sra. White sobre ela na próxima noite.

Um dos estudantes voltou à Escola Bíblica e informou os professores a respeito do plano daquela gangue de adolescentes. Os professores por sua vez dirigiram-se ao quartel-general da polícia de Melbourne, solicitando proteção para o acampamento. Foi enviado um alto e robusto policial católico romano irlandês, para guarnecer a tenda da senhora White.

A irmã White muitas vezes enfrentou grande perigo durante a sua vida. De tempos em tempos os anjos protegeram-na de sérias dificuldades. Na maioria das vezes a Sra. White não permitia que as pessoas lhe concedessem proteção policial. Nesta ocasião ela o aceitou apenas para contentá-los.

Após a reunião da noite, ela dirigiu-se para a sua tenda, preparou-se para deitar, orou, e adormeceu em perfeita paz. Ela teria adormecido de igual forma em paz sem a proteção do policial. Mas ali estava o policial guarnecendo a área ao redor da sua tenda. . . Mas a gangue de juvenis jamais apareceu.. . 

Não muito depois da meia-noite, enquanto soprava a brisa noturna, ali estava o policial vigiando ao redor da tenda da Senhora White. Com freqüência ele voltava o seu olhar para a tenda da irmã White, mas esta permanecia em perfeita paz em meio à escuridão. Ele pensou em voltar sua atenção para outra parte do acampamento, porém antes que ele o fizesse divisou um facho de luz subitamente pairar sobre a tenda da senhora White. Gradativamente a luz assumia forma e tornava-se mais distinta. Em meio às trevas daquela noite, ele divisou a figura de um anjo em meio àquela luz que pairava sobre a tenda, que guarnecia a Sra. White. O policial prostrou-se sobre os seus joelhos, e continuou a fitar o anjo por vários minutos, e então ele levantou-se vagarosamente, afastando-se do local. Ele estava decidido que a Senhora White não mais necessitava a sua proteção. Deus aguardava.

De volta ao posto policial de Melbourne, explicou ao seu sargento e aos demais agentes de polícia a razão de ele haver deixado o seu posto. Explicou que a Sra. White tinha maior proteção do que a que ele podia dar. Por estranho que possa parecer, os seus superiores não questionaram a sua história, mas creram nela, e não o enviaram de volta ao acampamento.

O policial irlandês regressou, entretanto, ao acampamento no outro dia. Ele desejava ver a mulher que o anjo guardara, e ouvir o que ela tinha a dizer. Ele acompanhou os serviços daquele dia e dos dias seguintes.
O que ele viu e ouviu sobre a Sra. White não o desapontou. Quanto mais ele ouvia mais interessado ficava, unindo-se à Igreja Adventista do Sétimo Dia. Posteriormente ele deixou a carreira policial, e tornou-se um ativo membro leigo, responsável pela conversão de muitos outros. (D.A. Delafield and Gerald Wheeler. Angel Over Her Tent and Other Stories about Ellen G. White, pp. 97-101).

CONCLUSÃO

Na verdade, o anjo do Senhor acampa-se ao redor dos que O temem, e os livra." (Sal. 34:7).

"Não compreenderemos o que devemos aos cuidados e interposição dos anjos antes que se vejam as providências de Deus à luz da eternidade. Seres celestiais têm tomado parte ativa nos negócios dos homens. Eles têm aparecido em vestes que resplandeciam como o relâmpago; têm vindo como homens, no aspecto de viajantes. Têm aceito hospitalidade nos lares humanos, agido como guias de viajantes nas trevas da noite. Têm obstado aos intentos dos espoliador, e desviado os golpes do destruidor.
"Embora os governadores deste mundo não o saibam, em seus conselhos têm os anjos muitas vezes sido oradores. Olhos humanos os têm visto. Ouvidos humanos têm ouvido seus apelos...

"Todo remido compreenderá o serviço dos anjos em sua própria vida. Que maravilha será entreter conversa com o anjo que foi a sua guarda desde os seus primeiros momentos, que lhe vigiou os passos e cobriu a cabeça no dia de perigo, que com ele esteve no vale da sombra da morte, que assinalou o seu lugar de repouso, que foi o primeiro a saudá-lo na manhã da ressurreição, e dele aprender a história da interposição divina na vida individual, e da cooperação celeste em toda a obra em prol da humanidade." (Educação, pp. 304 e 3051.

Sejamos sempre leais a Deus para termos sempre a proteção e a campanha dos anjos celestiais conosco.

Pr. Albert Timm

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...