quarta-feira, 1 de junho de 2011

Tesouros Escondidos em Potes de Barro

Texto: “Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não da nossa parte”. (II Cor. 4:7).

Introdução: 

1 - Quem guardaria um tesouro em um pote de barro?
2 - Mas a que tipo de tesouro refere-se o apóstolo Paulo?
3 - Seus escritos nos dão algumas dicas do que seria para ele o grande tesouro escondido em potes de barro.

  • Filipenses 1:21; 3:7 “Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro. Mas o que para mim era lucro passei a considerá-lo como perda por amor de Cristo”.
  • Gálatas 2:20 “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim”.
4 - A mensagem de que Cristo morreu pelos seus pecados e lhe deu a promessa da vida eterna conquistou seu coração. Paulo era grato a Deus pela transformação operada em sua vida. O evangelho da salvação era seu rico tesouro.
5 - Paulo entendeu que a grande Comissão dada por Cristo a seus filhos se divide em dois tempos:

I - 1° TEMPO: Entregar-se plenamente a Jesus e ter intimidade com Ele. (Mateus 11:28):

“Vinde a mim, todos os que estai cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”.
  • Jesus quer ser nosso amigo;
  • Quer retirar de nós os fardos e nos dar descanso;
  • NEle somos mais que vencedores (Rom 8:37);
  • Ele é a verdade (João 14:6)

II - 2° TEMPO: Ser um discípulo obediente e trabalhar incondicionalmente para Jesus. (Mateus 28:19,20): “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo; ensinando-os a observar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos”.
  • O segundo tempo é mais fácil porque já passamos pelo primeiro
  • Sem o primeiro, o segundo torna-se impossível porque não desfrutamos de um relacionamento com Cristo. Não nos alimentamos espiritualmente e não temos forças para resistir ao mal.
  • Somos tomados por dúvidas e o inimigo de Deus se aproveita das nossas fragilidades.
  • Dizia o filósofo inglês Francis Bacon que “a dúvida é a escola da verdade”. De fato, no campo científico a dúvida movimentou grandes descobertas que hoje são verdades incontestes. No entanto, na vida religiosa, a dúvida não existe para ser louvada.
  • A dúvida tem arrastado milhões de pessoas para o abismo do ceticismo;
  • É uma arma de grosso calibre nas mãos de Satanás. Quando acerta o alvo, causa uma implosão espiritual.
Em contrapartida, Cristo afirma: “Eu sou o caminho a verdade e a vida...”

Em grego, verdade se diz alethéia, palavra composta do prefixo a (negação) e de léthe (esquecimento). Alethéia significa “o não-esquecimento”. Também pode significar o não-escondido, não-dissimulado.

Logo, verdade é a manifestação daquilo que é realmente ou do que existe realmente tal como se manifesta ou se mostra. Ou seja, verdadeiro é o ser ; e falso o parecer.

A verdade é a palavra de Deus que liberta do labirinto da incredulidade.

Não adianta orar pelo derramamento do Espírito Santo, quando falta o 1° tempo. O “Vinde a mim“ só acontece entre você e Cristo, na intimidade de um relacionamento. É o primeiro tempo que o transforma e prepara para o segundo.

Podemos agora entender por que Paulo nos comparou a potes de barro?
  • Barro não é valioso como o ouro;
  • Barro não tem brilho como o granito;
  • Barro não é forte como o ferro.

Mas tem uma característica especial, a porosidade. Quando o pote está cheio de água, simplesmente muda a cor e a temperatura. Seus poros são preenchidos e deixa de ser somente um pote de barro. Sua essência passa a ser barro + água. O pote de barro vale não por sua beleza ou valor material, mas pelo seu conteúdo.

Sem intimidade com Deus seremos apenas potes de ouro ou granito, valorizados, mas incapazes de absorver seu conteúdo.

Quando nos tornamos amigos de Deus, o Espírito Santo nos move e então atendemos ao “Ide”.

Diz um adágio popular que “um bom começo é meio caminho andado”. Mas um bom começo não é tudo. O importante é perseverar até o fim na direção certa. Em Mateus 24:13 Jesus afirma: “Mas quem perseverar até o fim, esse será salvo”.

  • Judas começou bem e terminou mal;
  • O “bom ladrão” começou mal, mas terminou bem;
  • O “mau ladrão” começou mal e terminou mal;
  • Jesus começou bem e terminou bem. Cristo é nosso maior exemplo.

Conclusão:

A ideia primária da expressão “excelência do poder”, utilizada por Paulo em II Cor. 4:7, significa superioridade, supremacia, excesso. Ou seja, o milagre da transformação em Cristo não é algo do que podemos nos vangloriar, não é algo que vem de nós mesmos. Como cristãos devemos refletir a realidade do Reino de Deus diante dos outros. Mas não pela nossa força, mas sim pelo poder de Deus que age em nós.

Consideramos o evangelho de Cristo um tesouro?
Sentimo-nos privilegiados e agradecidos a Deus por sua mensagem de salvação?
Deus quer que eu e você sejamos potes de barro comum afastando o calor do orgulho, da presunção e refrescando a vida de outros;
Precisamos nos manter nas mãos do oleiro;
Seja qual for a sua experiência, não desanime, persevere até o fim;
Vá em frente. Se cair, levante-se retorne ao bom caminho;
Deus está de braços abertos esperando por você. Que a sua e a minha oração seja igual à poesia do hino abaixo:

VASO NOVO

Eu quero ser, Senhor amado,
Como um vaso nas mãos do oleiro.
Quebra a minha vida
E faze-a de novo;
Eu quero ser, eu quero ser
Um vaso novo.

Faz Teu querer, Senhor amado;
És o oleiro e eu esse vaso.
Quebra a minha vida
E faze-a de novo;
Eu quero ser, eu quero ser
Um vaso novo.


Profa. Ms. Ana Caroline N. Castro Licar
Formada em História, Licenciatura pela Universidade Estadual do Maranhão, Mestre em Educação pela Universidade Federal do Maranhão. Membro da Igreja Adventista do CALT – São Luís / MA.

1 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...