quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Como a inovação acontece em nosso cérebro


William Duggan, professor da Columbia Business School, dos EUA, escreveu em seu artigo “Como o “AHA!” realmente acontece” sobre como a inovação acontece em nosso cérebro. O artigo foi publicado no Boletim Strategy&Business, de 23/11/2010, editado pela Booz Allen Company. Veja alguns trechos com meus breves comentários;

“Como as empresas inovam? Veja a Google Inc., amplamente admirada como grande inovadora. A empresa oferece brinquedos no lobby, cadeiras para relaxar, salas de jogos e tempo livre para os funcionários trabalharem em suas próprias ideias. Não é isso que outras empresas deveriam fazer?

“A resposta é não. Esses métodos do Google são derivados de uma teoria inexata de criatividade: que as pessoas precisam desativar seu cérebro esquerdo analítico e ativar o seu cérebro direito criativo para produzir novas ideias...

“Na última década, neurocientistas já percorreram um longo caminho para descobrir como as ideias se formam na mente humana. Suas descobertas contradizem a forma como a maioria das empresas entende e desenvolve a inovação. Mas muito poucos executivos sabem disso. Eles continuam aplicando sua sabedoria convencional, sem saber que a ciência evoluiu e que os conceitos que usam estão ultrapassados.

“Para entender o novo modelo do cérebro, e sua importância para a inovação empresarial, devemos voltar para 1981, quando Roger Sperry ganhou o Prêmio Nobel por seu trabalho sobre os dois lados do cérebro. Segundo Sperry, o lado direito era criativo, artístico e intuitivo e o lado esquerdo considerado analítico, lógico e racional. Este modelo inconsistente se espalhou rapidamente por todo o mundo dos negócios, pois pareceu explicar por que algumas pessoas vinham com novas ideias facilmente e outros lutavam muito para conseguir alguma inovação... A aplicação mais generalizada do modelo de Sperry foi o brainstorming. Pessoas começaram a agendar reuniões onde todo mundo deveria desligar seu cérebro esquerdo e ativar o seu cérebro direito e então deixar as ideias criativas fluirem.

“Agora vamos voltar para a visão mais precisa de criatividade, com suas raízes na ciência moderna. O ano base para essa compreensão é 1998, quando Brenda Milner, Larry Squire e Eric Kandel publicaram um artigo inovador na revista Neuron, "Neurociência cognitiva e o estudo da memória". Kandel ganhou o Prêmio Nobel, dois anos mais tarde pela sua contribuição para este trabalho. Desde então, neurocientistas deixaram de aceitar a teoria do cérebro de dois lados de Sperry. O novo modelo do cérebro é o da "memória inteligente", no qual análise e intuição trabalham juntos na mente em todos os modos de pensamento. Não há nenhum cérebro esquerdo e não há nenhum direito. Há apenas a aprendizagem e a recordação, em várias combinações, em todo o cérebro.”

O que o autor afirma é que a “memória inteligente” é o maior arquivo existente no mundo, dentro da cabeça de uma pessoa. Desde que você nasce, o cérebro arquiva todo o seu conhecimento e informações. Quando uma nova informação chega, o cérebro recupera nesse arquivo tudo o que existe de correlato à nova ideia e faz uma combinação a que chamamos de “intuição”. Quando a nova informação combinada com o que já existe cria um novo padrão, temos o famoso “Aha!” ou a inovação ou criação. Assim, quanto mais você estudar, ler, experimentar, mais informações terá em seu cérebro e maior a chance de ser inovador. Essa é a grande novidade!

Portanto, a busca de informação é essencial para a criatividade. Quanto mais você participar, se envolver, estudar, ler, conhecer sobre o seu negócio ou profissão, maior a chance de ser inovador e criativo. Criativo e inovador não é aquele que fica parado, ocioso, esperando uma ideia brilhante acontecer e sim aquele que participa, estuda e se compromete totalmente com aquilo que faz.

Pense nisso. Sucesso!

PROF. LUIZ MARINS

Antropólogo. Estudou Antropologia na Austrália (Macquarie University/School of Behavioural Sciences) sob a orientação do renomado antropólogo indiano Prof. Dr. Chandra Jayawardena e na Universidade de São Paulo (USP), sob a orientação da Profa.Dra. Thekla Hartmann;

- Licenciado em História (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba); estudou Direito (Faculdade de Direito de Sorocaba); Ciência Política (Universidade de Brasília - UnB); Negociação (New York University, NY, USA); Planejamento e Marketing (Wharton School, Pennsylvannia, USA); Antropologia Econômica e Macroeconomia (Curso especial da London School of Economics em New South Wales) e outros cursos em universidades no Brasil e no exterior.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...