terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Franchising Como Estratégia de Crescimento?

Este texto analisa parte da estratégia de crescimento de algumas igrejas sob a ótica do conceito de franchising:

O sistema franchising pode ajudar a uma igreja a crescer e executar bem o seu propósito de evangelizar povos e nações, levando almas a Jesus Cristo e transformando-se em uma estratégia de crescimento? Posso responder que sim. Porém, importante trazer a resposta ao contexto de que é possível usar novos métodos; mas não podemos negociar o conteúdo da Palavra de Deus. Este conteúdo bíblico é inegociável em minha opinião.

Diante da premissa da supremacia das Santas Escrituras sobre todas as demais técnicas e seus métodos como gênese de qualquer processo, vamos alinhar algumas idéias sobre a franchising nas igrejas.

Importante, em primeiro lugar, entender o que é franchising. O termo remonta a Idade Média, no tempo do Feudalismo, onda havia uma simbiose entre as instituições Estado e Igreja. Esse modelo permitiu o estabelecimento de algumas cidades denominadas de francas, ou seja, locais livres da incidência de pagamento de impostos e taxas ao poder central e à igreja, onde os comerciantes podiam comercializar livremente bens e serviços, uma forma bem parecida com as zonas francas que existem no Brasil e em outras partes do mundo.

Outra linha de estudiosos prefere afirmar que a franchising surgiu após a Segunda Guerra Mundial, já no século XIX, a partir de uma experiência da Singer nos Estados Unidos. A companhia concedia o direito de comercialização de seus produtos a empresas independentes. Depois, no século XX, a Coca-Cola e a General Motors aprovaram o sistema e passaram a utilizar os conceitos da Singer com o objetivo de expandir as suas redes de distribuidores na América do Norte. A expansão só veio a acontecer na década de 50 quando milhares de ex-combatentes retornaram aos EUA com o sonho de abrir os seus próprios negócios e esse comportamento gerou um efeito cascata no país, principalmente com a adesão da rede McDonald's em 1954. O formato legalizado chegou no início dos anos 80, inclusive no Brasil.

O fato é que a globalização, a internet e a expansão das interações entre as pessoas levaram as organizações, inclusive as religiosas, a observar essa nova realidade mundial como relevante para o desempenho e, em alguns casos, para a própria sobrevivência organizacional.

Bom, no meio religioso o sistema está presente? A resposta é um sonoro sim. Há algumas denominações que adotam modelos bem similares. A Maranata e a IURD são exemplos. Não vamos citar todas as denominações que tem modelos que se apóiam em conceitos de franchising. Também não estou afirmando tacitamente que as duas igrejas citadas estejam com a totalidade do foco no sistema. Mas, numa análise dos seus modelos, percebe-se facilmente o uso dos conceitos como forma de manter a identidade organizacional e permitir uma expansão geográfica estratégica, de modo a não perder a identidade original e obter ganho de escala (modelo de templos, estilo de gestão, identidade visual, abordagem de marketing etc.).

Um dos princípios basilares do sistema de franchising é criar uma forma de gestão em que o conhecimento (know-how) da operação principal, este já testado e comprovadamente eficaz, seja repassado profissionalmente e mantido nas novas unidades, envolvendo principalmente a transferência de bens tangíveis e intangíveis, como a marca, a imagem e os conhecimentos especializados.

Com esse procedimento a grande sacada organizacional está na diminuição dos riscos, pois a experiência é repassada pela organização máster (detentora do know-how), com a vantagem de tudo ter sido testado e aprovado, inclusive os processos de controle e de trabalho, a melhor forma de executar o marketing, o layout de templos, dentre outras vantagens. O binômio “maior sucesso e menor risco” torna-se uma vantagem competitiva para quem opta pelo sistema, permitindo facilidade para inovação e até mesmo a garantia da conservação metodológica da gestão.

Ao final, faço uma ressalva que considero salutar. Todo novo método precisa passar pelo crivo das Santas Escrituras e por uma profunda análise da organização que o pretende implantar. Meu conselho é de buscar a Deus em primeiro lugar e manter firme o desafio de caminharmos segundo a Palavra. Depois, avaliar a cultura da organização e estabelecer claramente se uma mudança conceitual vai trazer mais efetividade de expansão de evangelismo e das boas novas. Se as respostas forem afirmativas, use os conceitos para expandir a organização e evangelize com criatividade, de modo a que almas continuem reconhecendo Jesus como único e suficiente Salvador.


Por Adilson Romualdo Never para www.institutojetro.com


PR. MARCELO DIAS

Professor no Seminário Adventista Latino-Americano de Teologia. Pastor do distrito do Parque dos Trabalhadores da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Estudou teologia no Brasil e Administração nos EUA. Completou o MBA na Califórnia e cursa o Mestrado em Teologia em São Paulo. É casado com Ana Cláudia V. Mainer.  

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...