Curiosidades Bíblicas

Curiosidades dos aspectos culturais, sociais, geográficos e religioso!

Sermões

Sermões fáceis de pregar

Pensamentos de Ellen White

Coleção de Pensamentos de Ellen White - Diversos Temas!

Sermões para Ocasiões Especiais

Batismo, Santa-Ceia, Formatura e muito mais!

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

O Limite da Vaidade: Maquiagem e Pintura de Unhas

Não é fácil escrever sobre esses assuntos, pois nosso objetivo é mirar um ponto equilibrado, sem extremos, pois qualquer ênfase exagerada para um lado ou outro é prejudicial para a vida cristã.

Por favor, leia com atenção os textos bíblicos seguintes, e responda para si mesmo, o que a Bíblia diz sobre se enfeitar:

I Pedro 3:3: “Não seja o adorno da esposa o que é exterior...”

I Timóteo 2:9 e 10: “Da mesma sorte, que as mulheres, em traje decente, se ataviem com modéstia e bom senso, não com cabeleira frisada e com ouro, ou pérolas, ou vestuário dispendioso, porém com boas obras (como é próprio às mulheres que professam ser piedosas)”.

No segundo texto a Bíblia oferece 2 princípios para os enfeites (atavios): modéstia e bom senso. O texto ensina que não devemos usar enfeites de ouro ou pérolas, ou seja, joias. Também não usar vestuário dispendioso: caros e extravagantes. Mas o texto também fala em modéstia e bom senso, que são os princípios que devem ser aplicados para a maquiagem e pintura das unhas.

Sobre o uso de maquiagem, note o que escreveu o Pr. Jonas Arrais, em um artigo que foi publicado na Revista da Afam (Revista da Divisão Sul Americana – Ano 5 – Número 19 – Julho a Setembro de 2005 – pág. 19):

"Quanto ao uso da maquiagem, seria muito bom manter a prudência e o equilíbrio para saber diferenciar entre o exagero ou fruto da vaidade e o que é um simples cuidado da aparência pessoal.

“Não podemos considerar um ato pecaminoso alguém cuidar da estética pessoal ao usar algum produto adequado, que ajuda a corrigir a imagem e a melhorar a auto-estima.

“Afirmar que alguém que usa um pouco de maquiagem ou passa um brilho nos lábios é uma pecadora, é um julgamento que não cabe a nós fazer. Seria entrar na individualidade de alguém, procurando ser a consciência dessa pessoa”.

Maquiagem corretiva e a maquiagem vaidosa

A primeira tem o objetivo de corrigir algumas imperfeições do rosto, para tornar a pessoa melhor apresentável. É muito usada para filmagens, como conhecemos nos programas e outras gravações da nossa própria igreja. Essa forma de maquiagem, usada moderadamente, não podemos julgar pecaminosa.

Todavia, a maquiagem usada de forma exagerada ou simplesmente para adorno é falta de modéstia, tornando-a pecaminosa.

Pintura das unhas moderadas e as exageradas

Pintar as unhas da mesma cor corrigindo imperfeições ou ressaltar seu brilho com uma base não seria quebrar os princípios de modéstia. Mas pintá-las com cores fortes ou desenhos com o objetivo de enfeitar-se sem dúvida quebra os princípios bíblicos, pois se enquadra na mesma questão da tatuagem, seria uma “tatuagem” nas unhas.

Mas não devemos ser juízes! Deus é o juiz! Cuide da sua aparência e julgue suas intenções! Se achar que alguém está exagerando, ore pela vida espiritual sua e da pessoa.
PR. YURI RAVEM
Mestre em teologia e pastor da Igreja Adventista em Pelotas - RS Casado com Andressa, mestre em educação.
Editor Associado do Blog Nisto Cremos

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Cinco dicas para ter sucesso em 2010


Este ano de 2010 será muito diferente para o Brasil. Com Copa do Mundo, eleições, aumento de crédito e crescimento econômico, para nós, brasileiros, será um ano atípico. Aqui vão cinco dicas simples para ter
sucesso em 2010:

1. Administre bem o tempo;
Pense na agitação que será 2010, com tantos eventos, feriados em terças-feiras, campanha eleitoral, copa do mundo, etc. Se você não fizer um bom planejamento do tempo terá o dissabor de acabar o ano sem tê-lo visto começar, pois este ano, sem dúvida, voará;

2. Faça com que a tecnologia trabalhe a seu favor;
Quem fizer um inteligente e competente uso da tecnologia terá muitas vantagens em 2010. Pense em como utilizar melhor e a seu favor, a internet com todos os seus “filhotes” como Twitter, Messenger, sites interativos, redes sociais (Orkut, Facebook e outros). Não adianta querer continuar analógico num mundo cada vez mais digital. Avalie e reavalie como está sua comunicação com seu mercado e com seus clientes e vença a resistência à mudança. Mude antes que seja tarde demais;

3. Tenha com você as melhores pessoas;
Lembre-se que, embora o uso da tecnologia seja muito importante, gente excelente é essencial. São as pessoas, fazendo uso inteligente da tecnologia que farão a grande diferença. Sem gente excelente ao seu lado será quase impossível vencer os desafios da competitividade em 2010. E se você não tem gente excelente, trate de contratar e também trate de treinar e formar as pessoas que já estejam com você. Não caia na ilusão de querer vencer com pessoas de baixa qualidade;

4. Faça o que seu cliente realmente deseja;
Nossas pesquisas mostram que o cliente realmente quer é (a) atendimento excelente; (b) que você fale a verdade em qualquer circunstância; (c) que você cumpra o que prometer; (d) que você seja ágil e rápido; (e) que faça acompanhamento após a venda. Todo o resto como preço, condições, etc. é importante, mas não é essencial.

5. Tenha e demonstre uma atitude socialmente responsável;
Cuidar do ambiente; participar da comunidade; ter programas de inclusão social, não é moda passageira como muita gente pensa. Da mesma forma é a governança corporativa; o respeito às minorias; o comportamento ético em todas as ações.
Sei que estas cinco dicas serão óbvias para alguns e difíceis demais para outros, mas sem tê-las em mente e principalmente sem aplicá-las será difícil ter sucesso neste novo ano que representa novos tempos para o Brasil e para o mundo.

Pense nisso. Sucesso!



PROF. LUIZ MARINS

Antropólogo. Estudou Antropologia na Austrália (Macquarie University/School of Behavioural Sciences) sob a orientação do renomado antropólogo indiano Prof. Dr. Chandra Jayawardena e na Universidade de São Paulo (USP), sob a orientação da Profa.Dra. Thekla Hartmann;

- Licenciado em História (Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Sorocaba); estudou Direito (Faculdade de Direito de Sorocaba); Ciência Política (Universidade de Brasília - UnB); Negociação (New York University, NY, USA); Planejamento e Marketing (Wharton School, Pennsylvannia, USA); Antropologia Econômica e Macroeconomia (Curso especial da London School of Economics em New South Wales) e outros cursos em universidades no Brasil e no exterior.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Um discípulo chamado Tomé


Textos: João 14:4-6; João 11:7,8 e 16; João 20:19,24-28.

Introdução:

A – Inúmeras vezes temos ouvido pessoas dizerem:

1 – “Fulano de tal é como Tomé”.
2 – “Eu também sou como Tomé: só creio se eu vir”.

B – Para o mundo em geral a palavra “Tomé” é sinônimo de incredulidade e de descrença.

1 – Tomé tornou-se o símbolo de desconfiança, receio, suspeita e dúvida.
2 – No Brasil, quase não encontramos pessoas com esse nome.

a) Existem muitos José, Lucas, Pedro, João, mas Tomé...
b) Quem aqui se chama Tomé?

(1) Seus pais, sendo inteligentes, evitaram as piadinhas e galhofas com o seu nome...

C- Mas quem foi Tomé?

1 – Foi um dos discípulos de Jesus.
2 – Mas será que Tomé foi tão ruim e incrédulo como geralmente admitimos?
3 – Façamos um júri. Coloquemos Tomé no banco de réu. Quero ser o seu advogado.

D – Estudemos a sua vida.

1 – Espero que os irmãos possam tirar um grande proveito da vida desse homem de Deus.
2 – Particularmente tenho aprendido uma grande lição para mim ao estudar o caráter desse seguidor de Jesus.

I – TOMÉ – O INVESTIGADOR SINCERO –“Disse-lhe Tomé: Senhor, não sabemos para onde vais; como saber o caminho?” (João 14:5).

A – Como saber o caminho? Era a preocupação de Tomé. Preocupava-se com a investigação científica.

B – Quão bom seria se a humanidade que vive sem rumo, parasse um pouco e interrogasse:

1 – Que caminho eu devo seguir?

C – A pergunta de Tomé não ficou sem resposta.

1 – Jesus lhe respondeu: – “Eu sou o caminho, a verdade e a vida.” (14:6).

a) Todo judeu conhecia muito bem esta expressão: Caminho, Verdade e Vida.

(1) Era um termo que simbolizava todo o santuário. Ou seja: as três partes do santuário.
(2) O santuário estava dividido em: pátio, o lugar santo e o lugar santíssimo.

(a) O pátio era chamado de “Caminho”.
(b) O lugar santo era chamado de “Verdade”.
(c) O lugar santíssimo ou santo dos santos era chamado de “Vida”.
b) Por isso, quando Jesus respondeu a pergunta de Tomé, Ele estava dizendo que representava todo o santuário: o Caminho, a Verdade e a Vida.

D – Irmãos, neste ponto precisamos ser como Tomé.

1 – Precisamos conhecer bem o caminho.
2 – Precisamos examinar a Palavra de Deus para não sermos confundidos com os pseudo–caminhos.
3 – Cristo certa vez disse: “Examinai as Escrituras”.

a) Tomé levava a sério o exame das Escrituras.
b) Ele não confiava apenas no que os outros diziam e ensinavam.

(1) Gostava de examinar por si mesmo.

Aplicação: - Você tem seguido as pisadas de Tomé? Você examina a Palavra para saber de fato é assim?

E – Vale a pena examinar por nós mesmos.

1 – Precisamos acatar o que o pastor prega, o que é dito na igreja, o que a igreja ensina, mas isto só não é suficiente. Precisamos examinar por nós mesmos.
2 – Precisamos obedecer tudo o que é ensinado na igreja.

a) Mas precisamos também conhecer a fundo esses ensinamentos. Temos de examinar estas verdades.

F – A Palavra de Deus é como um tesouro.

1 – Não se encontra metais preciosos na superfície. É preciso cavar profundamente até encontrar.

a) Ninguém anda chutando ouro nas ruas...

(1) O ouro está nas profundidades.

G – A Igreja Adventista de Ontem e de Hoje.

1 – Ontem – O Povo da Bíblia. Ganhamos vários concursos bíblicos.

a) Religião individual.
2– Hoje – Religião coletiva.

a)Muitas reuniões na igreja. Muitas programações e atividades, mas pouca preocupação com o estudo individual e pessoal.

H – Se já nascemos e um lar adventista, que coisa boa!

1 – Mas precisamos conhecer profundamente a fé dos nossos pais.

II – TOMÉ – O VERDADEIRO SEGUIDOR DE JESUS. – “Então, Tomé, chamado Dídimo, disse aos condiscípulos: vamos também nós para morrermos com Ele”. (João 11:16).

A – Por ensinar a verdade, indo em choque com as doutrinas dos escribas e fariseus, quiseram apedrejar o Mestre.

1 – Jesus havia curado um cego de nascença.
2 – Jesus havia dito ser igual ao Pai.
3 – Jesus havia dito ser Ele o próprio Deus.

B – Por esses e outros motivos, os doutores da lei quiseram tirar-lhe a vida antes do tempo.

1 – Jesus e seus discípulos, deixaram o templo, lugar onde já eram bem conhecidos, e vão para os lugares solitários, onde João Batista pregara muitas vezes.

a) Jesus estava agora ensinando além do Jordão, para se livrar da perseguição dos inimigos.

C- Aconteceu, porém, algo muito triste na cidade de Betânia. Lázaro adoeceu e logo veio a falecer.

D – Jesus chama os discípulos em particular com uma sugestão: – “Depois, disse aos discípulos: Vamos outra vez para a Judéia. Disseram-lhe os discípulos: Mestre, ainda agora os judeus procuravam apedrejar-te, e voltas para lá?” (João 11:7,8).

1 – Agora, vem a resolução de Tomé: – “Então, Tomé chamado Dídimo, disse aos condiscípulos: Vamos também para morrermos com Ele.”
2 – Que profunda convicção tinha Tomé.
3 – Que profunda fé tinha Tomé!

a) Ele estava disposto a ser apedrejado. Estava disposto a morrer ao lado de Jesus.

4 – Durante a história da igreja cristã, milhares morreram por sua fé, quem sabe inspirados no belo exemplo de Tomé: “Vamos também para morrermos ao lado dele”.

Aplicação: – Irmãos, temos nós essa convicção que tinha Tomé?

III – T O M É - O CORAJOSO. – “Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco!” (João 20:19).

A – Estavam trançados num quarto com medo de serem crucificados também.

1 - Estavam-se pelando de medo.

B – Tomé não estava presente. – “Ora, Tomé um dos doze, chamado Didimo, não estava com eles quando veio Jesus”. (João 20:24).

1 – Ele não estava trancado. Por quê? Porque não estava com medo.

IV - T O M É - O ADORADOR.

A – Uma única vez, Tomé disse algo que não deveria ter dito e ficou estigmatizado para sempre.

1 – Apenas uma vez ele errou e por isso ficou o seu nome na história.

a) Como dizemos na linguagem popular: “Tomé pisou na bola”.

(1) Que isto sirva de lição para nós...

B – Vamos ao texto que se tornou o estigma de Tomé: – “Disseram-lhe então os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele respondeu: Se eu não vir nas suas mãos os sinais dos cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei.” (João 20:25).

C - Tomé encontra-se com Jesus. – “E logo disse a Tomé: Põe aqui o dedo e vê as minhas mãos. Chega também a mão e põe-na no meu lado; não seja incrédulo, mas crente.” (João 20:27).

1 – Esta resposta de Jesus foi uma represália à incredulidade de Tomé.

D – Agora vem o seu ponto forte. – “Respondeu-lhe Tomé: Senhor meu e Deus meu!” (João 20:28).

1 – Para Tomé, o Senhor Jesus era mais do que um simples homem: era Deus.

Aplicação – Temos conhecido a Jesus Cristo como nosso Deus e Senhor de nossa vida?

CONCLUSÃO:

A – Aprendamos a lição da vida deste homem de Deus.

1 – Como um grande investigador e interrogador da verdade.
2 – Como um verdadeiro seguidor de Jesus.
3 – Como um corajoso soldado de Jesus.
4 – Como um adorador sincero.

B – Sua morte. Tomé foi um discípulo fiel a Jesus até à morte. Exceto Judas, todos os discípulos de Jesus foram fiéis até o fim da vida.

C – O martírio dos apóstolos, segundo a tradição:
1 – Mateus – Morto à espada numa cidade da Etiópia.
2 – Marcos – Foi arrastado pelas ruas de Alexandria, no Egito, até morrer.
3 – Lucas – Enforcado numa oliveira, na Grécia.
4 – Tiago, o maior, - Foi degolado em Jerusalém.
5 – Tiago, o menor,- Foi lançado do pináculo do templo a baixo.
6 – Felipe – Foi enforcado num pilar em Hierópolis, cidade da Frigia.
7 – Bartolomeu – Foi esfolado vivo por ordem de um rei bárbaro.
8 – André – Crucificado na Escítia.
9 – Pedro – Morreu crucificado de cabeça para baixo, em Roma.
10 – Paulo, que não foi um dos discípulos, - Degolado em Roma.
11 – Judas enforcou-se.
12 – João – O único que teve morte natural.

a) Dizem que, bem velhinho, andava de bengalas pelas ruas da cidade de Éfeso.

(1) Passou por muitas provações:

- Foi jogado dentro de um caldeirão de azeite fervendo, e nada lhe aconteceu. Ficou nadando...
- Foi um prisioneiro na ilha de Patmos.

13 – Ah! Está falando um: Tomé. Como morreu Tomé, segundo a tradição? Tomé pregou o evangelho aos partos, chegando até a Índia, sendo morto em Calamina.

D – Que a nossa vida seja semelhante à de Tomé!

ORAÇÃO: Senhor Deus, nosso Pai, nós que vivemos nos dias de tanta incredulidade, queremos Te pedir fé para vencermos o mundo descrente que nos cerca. Senhor, ajuda-nos confiar sincera e piamente em Ti todos os momentos de nossa vida, sem nunca vacilar. Em nome de Jesus. Amém!

Hinos sugeridos: H.A. 258, 261, 292.


Pr. Emmanuel de Jesus Saraiva
Natural de São Luís – Ma. Formado em Teologia, Pedagogia e Letras. Autor de dois livros: “Memórias da África” e “A História do Adventismo no Maranhão”. Trabalhou como pastor em várias igrejas no Maranhão, dentre as quais a Igreja Central de São Luís. Foi departamental de Jovens e Educação nas Missões Costa Norte, Central Amazonas e Nordeste e diretor do Educandário Nordestino Adventista – ENA. Por seis anos foi missionário na África, como diretor do Seminário Adventista de Moçambique, onde lecionou várias disciplinas teológicas, dentre as quais Homilética e Oratória. Casado com a professora aposentada Nilde Fournier Saraiva. Tem duas filhas: Raquel e Léia. Trabalhou como pastor por 35 anos. Hoje, jubilado, mora em São Luís - MA e atua como Ancião da Igreja do Colégio Adventista de São Luís - CASL.

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Destruições naturais ou provocadas?


A crise ambiental está na pauta mundial nos últimos anos. Não apenas por causa do propagado aquecimento global que seria ou será, dependendo da ótica científica, fator de destruição gradativa e progressiva do planeta em que vivemos. Mas a ocorrência de diversas situações de desequilíbrio climático, em média e grandes proporções, em diferentes pontos do globo tem preocupado as autoridades. No final de ano, grandes nevascas assolaram os países localizados no Hemisfério Norte como os Estados Unidos, Canadá e várias nações europeias, enquanto no Brasil, por exemplo, as chuvas intensas são responsáveis por destruições permanentes. Tenho lido que especialistas em meteorologia concordam que tem chovido, além do normal, em vários estados brasileiros, e os resultados são vistos: enchentes em São Paulo, Minas Gerais, fortes ventanias em Santa Catarina e Rio Grande do Sul e agora deslizamentos graves no Rio de Janeiro. O saldo tem sido o de vários mortos, muitos feridos e um grande número de pessoas desabrigadas ou desalojadas. Em 2009, foram registrados 245 desastres naturais, abaixo da cifra mais alta da década, de 434 ocorrências em 2005, conforme informou a Estratégia Internacional para a Redução de Desastres da Organização das Nações Unidas. Dos 245 desastres, 224 estavam relacionados com o clima e causaram cerca de 7.000 das 8.900 mortes, segundo dados preliminares.

Mas qual a relação desse panorama desanimador e a vida de um cristão? Os cristãos têm compromisso com a preservação deste planeta de alguma maneira e poderiam estar sendo, também, omissos nesse papel? Estima-se que, na capital paulista, pelo menos 70% dos alagamentos aconteça por entupimento de bueiros com lixo. O mesmo deve ocorrer em outras cidades.

Curioso é perceber o direcionamento bíblico para o conceito de que o ser humano é responsável pela administração do que foi criado por Deus. Inclusive por seu próprio organismo. Comecemos pelo período imediatamente após o ato criador. Após criar o homem, é dito que Deus, no versículo 28 do primeiro capítulo de Gênesis, deu a seguinte recomendação a Adão e Eva: “...dominai sobre os peixes do mar, sobre todas as aves dos céus e sobre todos os animais que se arrastam sobre a terra” (Almeida, Edição Contemporânea). A palavra dominar indica um controle e um gerenciamento em relação à natureza. E gerenciar implica não destruir, nem esgotar os recursos naturais disponíveis e muito menos retirar sem repor. É, em última instância, a tarefa de cuidar. Semelhante orientação foi dada, após a ocorrência do Dilúvio bíblico, para Noé e sua família. No capítulo 9 de Gênesis, há a afirmação de que tudo o que foi criado seria entregue em suas mãos.

Em outros trechos, sobretudo no Antigo Testamento, quando há uma explícita apresentação de normas e recomendações úteis ao povo de Israel em sua trajetória rumo às terras de Canaã, é possível reconhecer a preocupação divina com o meio ambiente. São menções quanto ao descanso da terra (Levítico 25), às queimadas (Êxodo 22:6), à proteção geral de animais (Êxodo 21:33,34), ao cuidado com árvores frutíferas em determinadas situações (Deuteronômio 20:19,20) e mesmo assinalada repreensão contra a crueldade praticada contra animais (Provérbios 12:10).

A base de todo esse cuidado de Deus com respeito à natureza parece estar em Salmos 24:1. Diz a versão bíblica que “Do Senhor é a terra e a sua plenitude, o mundo e todos os que nele habitam” (Almeida, Edição Contemporânea). O princípio é o mesmo que observado com referência ao cuidado com o corpo, a mente, com os recursos financeiros e com o tempo. Deus é o legítimo proprietário de tudo, portanto deu a oportunidade ao ser humano de fazer a administração de tudo o que há. A boa administração, logicamente, resulta em bons resultados e, o contrário, da mesma forma.

Parece que, independente do que as pesquisas têm demonstrado, a administração dos recursos naturais tem se mostrado, de modo geral, a pior possível. O lixo produzido por uma vida absurdamente consumista e descartável da maioria das pessoas não encontra mais vazão e polui todos os mananciais de água possíveis, inclusive os mais profundos. A emissão de gases poluentes é uma realidade em uma sociedade na qual os indivíduos consomem, cada vez mais, máquinas movidas a fontes combustíveis. A falta de reposição equilibrada do que é velozmente sugado da terra (árvores, água, nutrientes, etc) se transformou em um hábito irresponsável em grandes dimensões.

Há movimentos para redução disso, mas são ínfimas as mudanças significativas. Mesmo assim, os cristãos, de acordo com a Bíblia, não têm o direito de cruzar os braços diante disso. Pode haver a impressão de que, por estarem com foco em uma nova terra, de vida eterna e erradicação completa do pecado e suas consequências, os cristãos estariam livres de cuidar do meio ambiente. Tal pensamento não se coaduna com a Bíblia, já que o pedido de Deus é que, enquanto habitam a terra, os humanos convivam da maneira mais ambientalmente harmoniosa com os demais seres. No livro de Apocalipse, no trecho que apresenta as características do período descrito como sétima trombeta, e que muitos estudiosos creem ser o tempo final e o imediato retorno de Cristo a este mundo, uma advertência solene chama a atenção. No capítulo 11 e versículo 18 é dito que “iraram-se as nações, então veio a tua ira, e o tempo de serem julgados os mortos, e o tempo de dares recompensa aos profetas, teus servos, e aos santos, e aos que temem o teu nome, a pequenos, e a grandes, e o tempo de destruíres os que destroem a terra”. (Almeida, Edição Contemporânea). Os que perseguem os verdadeiros adoradores de Deus e, por conseguinte, deram sua enorme parcela de contribuição para a destruição do mundo natural, receberão a retribuição final ao que buscaram.

A Bíblia não se omite em relação ao meio ambiente. Pelo contrário, declara que os que se consideram cristãos possuem uma responsabilidade ainda hoje no planeta em que habitam. É verdade que aspiram a uma terra eterna, sem desmatamentos, poluição, consumismo desequilibrado e desordem do ecossistema, mas sem se esquecer da realidade em que vivem.






FELIPE LEMOS

Jornalista, blogueiro, twiteiro, especialista em marketing, Assessor de Imprensa da Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul
Editor geral do Blog Realidade em Foco
Email: felipex29@gmail.com

Novidades em 2010 para o Portal Adventista


Prezados.

O Portal Adventista (www.portaladventista.org), site oficial dos adventistas do sétimo dia na América do Sul, começa 2010 com novidades:



1. A seção de notícias (ASN – Agência Sul-Americana de Notícias) está com apresentação diferenciada das notícias (fotos podem ser visualizadas em tamanho maior, entrelinha maior do texto) e é atualizada diariamente tanto em português quanto em espanhol.

2. Todas as notícias postadas estão, também, no twitter http://twitter.com/iasd.

3. Foram criados os espaços Canal da Imprensa (para releases de interesse de jornalistas) e clipagem (com as últimas notícias de maior relevância sobre a Igreja Adventista na mídia mundial).



Divulguem o Portal, inclusive os que desejarem podem acessar as notícias via RSS em seu próprio navegador ou no seu site e saibam o que a Igreja Adventista tem feito em toda a América do Sul. As notícias são produzidas pelas assessorias de comunicação de todas as associações e uniões integrantes da Divisão Sul-Americana (oito países).



FELIPE LEMOS

Jornalista, blogueiro, twiteiro, especialista em marketing, Assessor de Imprensa da Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul
Editor geral do Blog Realidade em Foco
Email: felipex29@gmail.com
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...