quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Ressurreição das Cinzas


No domingo, 24 de maio de 2009, o brasileiro Hélio Castro Neves entrou para o seleto grupo dos nove pilotos a conquistarem o tricampeonato nas 500 Milhas de Indianápolis.



Além do fato de ser o primeiro não americano a alcançar tal proeza, a vitória de Neves contém outros ingredientes que a tornam singular, mais do que especial: “O brasileiro foi do inferno ao paraíso em exatos 37 dias”.


Como lembra a reportagem do jornal Folha de S. Paulo do dia seguinte à conquista: “Em 17 de abril, Castro Neves e sua irmã e empresária, Katiucia, foram absolvidos pela justiça americana, em Miami, de processos por fraudes fiscais no valor de US$ 2,3 milhões. Cada um deles estava sujeito a penas de até 35 anos de prisão”.



Após o sufoco, humilhação e vergonha de enfrentar as barras dos tribunais americanos, Neves retornou na corrida de Long Beach. Contabilizando, assim, além da não participação na prova de abertura em St. Petersburg, um modesto sétimo lugar no retorno seguido de uma segunda colocação em Kansas.



“Foi o melhor mês de maio da minha vida”, afirmou o brasileiro, que completou 34 anos no último dia 10. Realmente, Neves tem muito a comemorar, pois, além da vitória na principal prova da Fórmula Indy que o guindou à vice-liderança da temporada, com 117 pontos, a conquista pessoal teve o sabor agradável de uma “redenção” – como dizemos sempre: um “dar a volta por cima”.



Histórias como a de Neves, do Ronaldo “Fenômeno”, Maurren Maggi e tantos outros que conseguiram dar a volta por cima, superando revezes e aparente fim de carreira, sempre mexem com as emoções dos brasileiros. Mais do que histórias bonitas, elas são exemplos de determinação que nos mostram que vale a pena perseguir os sonhos e manter as velhas metas; isso, mesmo que as circunstâncias ou condições diante dos olhos sejam as mais desfavoráveis possíveis.




O Exemplo dos heróis bíblicos





Na jornada espiritual, muitas vezes comparada com as competições atléticas, não é muito diferente. Olhe para Moisés, reprovado em seu primeiro exame de liderança; ao demonstrar falta de jogo de cintura e total descontrole emocional, ele sentiu-se derrotado e, aparentemente, mostra-se desqualificado para a grandiosa obra para a qual havia sido chamado.



No entanto, após passar 40 anos no deserto apascentando ovelhas, Moisés gradua-se em inteligência emocional – tornando-se o homem mais manso sobre a Terra e um dos maiores líderes do povo de Deus em todos os tempos.



Com o apóstolo Pedro não foi diferente; após ter dado grandes demonstrações de ousadia, firmada mais em rompantes de valentia do que em verdadeiros gestos de bravura e coragem, ele fraqueja na hora crucial ao negar o seu Mestre. Naquele momento, o cantar do galo, cumprindo as palavras de advertências de Jesus, levam o velho pescador ao pranto e às raias do desespero, frente ao estrondoso fracasso. Para ele tudo indicava fim de linha: “game over”.


Poucos dias se passaram entre a negação covarde, a farsa do julgamento de Cristo, sua crucifixão, morte e sepultamento. No domingo pela manhã, três mulheres (Marcos 1:1-6) vão até o túmulo com o intento de embalsamar o corpo de Jesus e, na chegada, se deparam com a pedra removida e o túmulo aberto.


O Mestre e Salvador já ressuscitara e, nas palavras de ordem aos discípulos marcando o local para o primeiro encontro, Ele dá um recado especial para aquele que havia fracassado na hora decisiva e, agora, sentia-se indigno e inapto para fazer parte do grupo de discípulos: “Mas ide, dizei a Seus discípulos e a Pedro que Ele vai adiante de vós para a Galiléia; lá O vereis, como Ele vos disse” (Marcos 16:7).


Após o breve e significativo teste (João 21:15 a 19), Pedro é totalmente reabilitado e renovado em seus compromissos com o Mestre e Seus seguidores. A partir daí, inflamado de amor a Jesus, aquele que antes O negara torna-se um dos mais intrépidos de todos os pregadores do Evangelho; alguém disposto a colocar a missão acima da própria segurança ou integridade física: “Então, Pedro e os demais apóstolos afirmaram: Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens” (Atos 5:29).


Segundo a tradição, cumprindo as palavras de Jesus (João 21:18-19), o apóstolo Pedro morreu crucificado de cabeça para baixo – pois, se julgou totalmente indigno de sofrer morte exatamente igual ao seu Mestre.



Hoje ainda...



Amigos, o maravilhoso nisso tudo é que hoje, tal qual no passado, temos a oportunidade de dar a volta por cima: recomeçar tudo e escrever para a nossa vida uma nova História. Em lugar do medo, confiança. Em lugar da dúvida, fé. Em lugar da dor, alegria. Em lugar do ódio, amor. Em lugar da preocupação, paz. Em lugar do pavor do futuro, uma doce esperança.


Acima de tudo, o mais importante de todos os tesouros e recompensas: Em lugar da morte, vida! A Bíblia assegura: “Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados” (Efésios 2:1).


E este Deus maravilhoso fez e quer fazer hoje, agora, muito mais ainda em sua vida: “Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo – pela graça sois salvos, e, juntamente com Ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza da Sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus” (Efésios 2:4-7).


Como todos estes personagens citados e outros milhares e milhões, do passado e do presente, temos a chance de um novo começo – de mudar a nossa História. De experimentar uma ressurreição espiritual, moral, sentimental, familiar, profissional, econômica, intelectual e social.


De acordo com a mitologia grega, Fênix é um pássaro que renasce das próprias cinzas. Na mitologia, como o nome diz, isso se refere apenas a uma lenda; no entanto, para a minha e sua alegria, na vida prática isso é a mais retumbante verdade e a mais doce realidade.



A Bíblia assegura: “[...] porque sete vezes cairá o justo e se levantará” (Provérbios 24:16). “O Senhor firma os passos do homem bom e no seu caminho se compraz; se cair, não ficará prostrado, porque o Senhor o segura pela mão” (Salmo 37:23-24).


E, então, o que você está esperando? Como diz a velha música: “Levanta/Sacode a poeira/E dá a volta por cima!” O Senhor é contigo!


PR. ELIZEU LIRA

Pastor em Uberlândia. Atualmente faz pós-graduação em Ciência da Religião e prepara-se para iniciar o Mestrado em Educação.Editor Geral do Blog 7 com news e do site de Evangelismo IASDEMFOCO

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...