segunda-feira, 11 de maio de 2009

'Eu vi uma terra melhor'

Ao abrirmos os jornais e ligarmos as televisões para sabermos quais as notícias que marcam a atualidade mundial, não poucas vezes a maioria do espaço e tempo são ocupadas com conflitos, crime, miséria, catástrofes naturais, etc.. Os governantes multiplicam-se em reuniões e entrevistas a propósito das graves situações que por todo o lado vão surgindo, tentando mostrar que estão no controle da situação. Mas não estão.

Paremos um pouco para perguntar: como é o mundo em que nós vivemos? Como o poderíamos descrever em breves frases? Que palavras nos surgem de imediato ao refletirmos neste assunto? Quais são as perspetivas de futuro? O próprio semblante parece querer forçosamente emudecer com receio de proferirmos a cruel sentença sobre o estado desta terra...

No entanto, não é este o mundo que nos é prometido pela Bíblia. Ainda que motivo de reflexão, não devem ser estas as prioridades no nosso pensamento; não devem estas situações afligir-nos ou preocupar-nos em demasia. Mais do que aflição, devem elas ser motivo de maior vigilância e remissão do tempo.

Aquilo que nos deve ocupar a mente, são as palavras do Salvador do mundo que diz: ‘vou preparar-vos lugar!' (João 14:2).

Alguns pretendem teorizar sobre esse lugar, e fazer crer que ele é simplesmente um outro nível espiritual, uma outra dimensão. Dizem que não é preciso abandonar este mundo na procura de um estado melhor. Defendem o que a Bíblia não sustenta, que o homem a si próprio se sustentará, e tudo conseguirá resolver. Mesmo que supostamente religiosos, demitem-se de ouvir as palavras do Autor da fé, e preferem convencer os seus pares, com isso enganando-os, que tudo será finalmente bem pela mão humana, e os passos que serão dados conduzirão, enfim, a uma paz neste mundo em que estamos.

Escrevo estas linhas para todo o crente, fiel estudioso da Sagrada Escritura; mas em particular, dirijo-me ao povo Adventista do Sétimo Dia, o destinatário escolhido por Deus para ser o portador do último grito de advertência.

Tente imaginar o que será habitar na Nova Terra. Faça este verdadeiro desafio à imaginação.

Ellen White, como serva de Deus cujo ministério foi profetizado em Apocalipse 19:10, após ter visualizado esse lugar e ter terminado a visão, escreveu: ‘uma tristeza se espalhava sobre tudo que eu contemplava. Oh! Quão escuro pareceu-me este mundo! Chorei quando me encontrei aqui e senti saudades. Eu tinha visto um mundo melhor, e o atual perdeu o seu valor’ (Primeiros Escritos, pág. 20).

Por mais bela que seja a natureza deste mundo, e na realidade é, se olharmos pela fé para a Nova Terra, tal qual olharam os profetas, ou se tivéssemos a feliz oportunidade de contemplar um único vislumbre que fosse desse lugar, por certo também diríamos ‘sinto-me solitário aqui, pois vi uma Terra melhor!’.

Isaías foi um dos que pôde ver toda a humanidade resgatada pelo sangue de Cristo reunir-se num Sábado na presença do próprio Deus. Foi-lhe revelado que isto ocorreria por toda a eternidade. .

Isaías 66:23 diz: 'e acontecerá que desde uma lua nova até a outra, e desde um Sábado até o outro, virá toda a carne a adorar perante mim, diz o Senhor'.

Nesse momento, Jesus poderá relatar a respeito de Seu sacrifício pela humanidade. Este ato foi o que determinou o futuro daqueles que Nele crerem - e não as estratégias e soluções dos governos antigos, atuais e futuros, tampouco as coisas boas e aprazíveis que aqui nos são oferecidas.

Entre todas as visões dos profetas, o apóstolo João teve a oportunidade de contemplar cenas jamais imaginadas. A sua visão da Nova Terra está relatada em Apocalipse capítulos 21 e 22.

Ellen White também foi levada a contemplar a nova terra em visão, descrevendo-a nestas seguintes palavras (e isto é só a chegada lá...).

Com Jesus à nossa frente, descemos todos da cidade para a Terra. Olhamos então para cima e vimos a grande cidade, com 12 fundamentos e 12 portas... Fora da cidade santa vi casas belíssimas que tinham aparência de prata com quatro colunas marchetadas de pérolas preciosas. Em cada casa havia uma prateleira de ouro. Vi muitos santos entrarem nas casas, tirarem sua coroa resplandecente e pô-la na prateleira, saindo então para o campo ao lado das casas para lidar com a terra. Não como temos que fazer aqui, não absolutamente, para eles aquele trabalho era prazeiroso, sem fadiga e jamais se cansavam. Vi um campo repleto de flores de todas as espécies, e quando as apanhei exclamei: Elas jamais murcharão! Continuamos a contemplar e no trajecto encontrei uma multidão que também contemplava a beleza do lugar. Notei a cor vermelha na borda de suas vestes, o brilho das coroas e alvura puríssima de suas vestes. Quando os saudamos perguntei a Jesus quem eram eles. Então Jesus me disse que eram mártires que por amor a Ele haviam sido mortos. O monte Sião estava a nossa frente e sobre o monte um belo templo repleto de flores ao seu redor. O monte estava cercado por outros sete montes nos quais cresciam rosas e lírios. Então vi as crianças saírem correndo, ou se preferiam, faziam uso de suas asas e voaram ao cimo das montanhas e apanhavam flores que nunca murcharão’ (Primeiros Escritos, págs. 17-20).

Deus assim Se revelou para que pudéssemos ter um pequeno deslumbre, um antegozo das maravilhas que estão a ser preparadas para nos receber. Construído pelo próprio Cristo, é um lar para presentear aqueles que o amam e o aceitam como seu Salvador, os que não olharam para as coisas debaixo e fixaram o seu olhar nas de cima ('pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra', adverte Paulo em Colossenses 3:2).

Este mundo pareceu obscuro a Ellen White, por ela reconhecer nele os traços da doença, da imperfeição. Eu mesmo tenho um osso um pouco fora de sítio na perna direita. A minha mão esquerda não fecha completamente por ter, há quatro anos, fraturado dois de seus ossos, um deles ainda hoje unido com um pequeno pedaço de metal que segura as partes separadas. No entanto, na eternidade, nessa terra melhor, eles voltarão à perfeição original. Não mais haverá em qualquer dos meus membros o mínimo sinal de fraqueza ou anormalidade.

Mas, ao chegarmos junto do Salvador do mundo e estender ele os braços para nos receber, notaremos em seus pulsos as marcas de quando eles foram rasgados pela mão romana. As senhoras, quando quiserem ser docemente abraçadas pelo Redentor, irão sentir uma ligeira cicatriz no seu peito, ali deixada pela lança de um soldado. Ao nos erguermos para contemplá-lo, veremos em Sua fronte os sinais dos cruéis espinhos que ali foram forçados. Mas, estas marcas em Jesus, serão o maior espetáculo que alguma vez o universo poderá testemunhar.

Tragicamente, muitos irmãos têm deixado de valorizar estes fatos acima de qualquer outra coisa. Talvez estejam demasiado preocupados com a sua vida neste mundo, com os seus bens materiais, com os seus afazeres profissionais, com a vida pessoal, com a carreira profissional… e foram perdendo de vista o prémio maior.

Tais atitudes afastam a alma de Deus, e arriscam perder tudo o que Deus fez, e fará novamente, de mais belo, coisas que nem imaginámos, por distração com as insignificantes ocupações deste mundo.

Muitos de nós adventistas, quando ouvem um pregador apelar à decisão para estar nesse lugar majestoso, respondem quase sem entusiasmo ‘eu quero!’ Mas o coração não está convertido... Logo de seguida, a vida volta à perfeita normalidade – e banalidade – que existia antes de entrar no templo sagrado...

Muitos perderão a vida eterna por muito pouco. Nada do que este mundo oferece pode ser comparado com as delícias e os prazeres da Nova Terra! Tal como o servo de Eliseu, pudessem os nossos olhos físicos serem abertos para esse lugar, não mais quereríamos entregar o nosso tempo e a nossa devoção ao mundo em que vivemos.

Procuremos exercitar o olhar da fé. Aquela capacidade de ver e analisar tudo, os nossos pensamentos, decisões e ações, à luz da promessa de um lugar na Nova Terra! Coloquemos a nossa mente meditando nesse lugar onde rasgo algum de erro poderá entrar! Então, despertaremos pelo poder da fé.

Em Hebreus 11:1 o apóstolo Paulo diz que a ‘fé é a certeza das coisas que se esperam e a prova das que não se vêem’. Mesmo não tendo o privilégio de contemplar a Nova Terra em visão como tiveram os profetas, meditemos profunda e demoradamente no que nos foi revelado, e em pensamento passemos a ver - pela fé - a Nova Terra e cada detalhe seu que está descrito.

Jesus prepara uma terra em que a morte não existirá, onde não haverá pranto, onde nunca mais ninguém irá chorar de tristeza, mas de alegria.

Aqueles que não forem amantes do mundo, entrarão ali. São os que em meio às lutas e dores desta terra, perceberam que não passavam de peregrinos em terra estranha, em caminho para um lar melhor, como Moisés e o povo no deserto.

Por fim, meditemos na descrição bíblica do que será essa terra.

Pois eis que eu crio novos céus e nova terra; e não haverá lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão: Mas alegrai-vos e regozijai-vos perpetuamente no que eu crio; porque crio para Jerusalém motivo de exultação e para o seu povo motivo de gozo. E exultarei em Jerusalém, e folgarei no meu povo; e nunca mais se ouvirá nela voz de choro nem voz de clamor. Não haverá mais nela criança de poucos dias, nem velho que não tenha cumprido os seus dias; porque o menino morrerá de cem anos; mas o pecador de cem anos será amaldiçoado. E eles edificarão casas, e as habitarão; e plantarão vinhas, e comerão o fruto delas. Não edificarão para que outros habitem; não plantarão para que outros comam; porque os dias do meu povo serão como os dias da árvore, e os meus escolhidos gozarão por longo tempo das obras das suas mãos: Não trabalharão debalde, nem terão filhos para calamidade; porque serão a descendência dos benditos do Senhor, e os seus descendentes estarão com eles. E acontecerá que, antes de clamarem eles, eu responderei; e estando eles ainda falando, eu os ouvirei. O lobo e o cordeiro juntos se apascentarão, o leão comerá palha como o boi; e pó será a comida da serpente. Não farão mal nem dano algum em todo o meu santo monte, diz o Senhor’ (Isaías 65:17-25).

E você, caro irmão, já viu essa terra melhor?

Confie na Palavra de Deus, que diz 'as coisas que o olho não viu e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam' (I Cor. 2:9), e coloque cada dia a sua mente nesse lugar.

FILIPE REIS
Nascido e educado na Igreja Adventista do Sétimo Dia e batizado em Março de 1989, aos 13 anos. Vive em Vila Nova de Gaia, Portugal. Serviu vários anos como Diretor da Escola Sabatina e Ancião na Igreja de Pedroso, Portugal, entre outras funções. Em breve iniciará a formação em Teologia no Colégio Adventista de Sagunto (Espanha), para servir como Pastor. Editor do Blog O Tempo Final. Casado com Sofia, aguardam para breve o primeiro bebé, que se chamará Caleb.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...