terça-feira, 14 de abril de 2009

Morre a adventista mais idosa do Maranhão e, talvez, do Brasil

Chamava-se Ângela Coqueiro Saraiva. Nasceu a 3 de dezembro de 1903, e faleceu a 3 de abril de 2009, em São Luís.

Teve sete filhos, dos quais cinco estão vivos: Walber, Consuelo, José de Ribamar, João e Pastor Emmanuel Saraiva - um dos colunistas do Nisto Cremos.

Deixa, também, 20 netos, 25 bisnetos e 10 trinetos.

Vendo o cometa Halley duas vezes.

Teve o privilégio raro de ver passar o cometa Halley duas vezes. Tinha sete anos quando o cometa passou. Ela sempre contava a seus filhos que, em 1910, quando ele passou muito próximo da terra, criando medo na população, e muitos imaginavam que iria se chocar com o nosso planeta. Na última vez, em 1986, ele passou tão longe que ninguém foi capaz de o ver a olho nu. Para ela que tinha visto passar com todo o seu brilho, em 1910, foi uma grande frustração. Ela dizia: “Dizem que agora ele só vai passar em 2061, e eu não estarei mais viva, quando ele aparecer outra vez”.

Fazendo parte de uma estatística mundial

Levando em consideração a expectativa de vida, uma estatística da ONU publicada pela Organização Mundial de Saúde, diz que em cada grupo de 100 pessoas, no mundo, apenas uma alcançará 60 anos. (Isto por causa das guerras, da fome, dos vícios e todos os demais problemas sociais no mundo). E entre cada grupo de 10.000 pessoas, no mundo, apenas uma passará dos 90 anos. Atualmente, existem no mundo cerca de 140 mil pessoas com mais de 100 anos de idade. Com a população atual, que é de 6,5 bilhões, a proporção cresce de uma pessoa para cada grupo de 46.000 pessoas no mundo. Que privilégio! Dona Ângela, vivendo 105 anos, bem vividos, passou a fazer parte da estatística dos privilegiados do planeta.

Sua conversão ao Adventismo

Era católica apostólica romana. Aceitou a mensagem Adventista na década de 1950, num evangelismo de rua feito pelo jovem Pastor José Bessa, recém-formado e, na época, o único ministro da Igreja Adventista em São Luís e em todo o estado do Maranhão.

Uma família adventista veio morar bem em frente a sua casa, no bairro da Floresta, onde ela morava. Eram pessoas diferentes: calmas, semblantes agradáveis, educadas, vestiam-se bem... Logo no bairro todos ficaram sabendo que eram de uma religião desconhecida chamada Adventista do Sétimo Dia. Até então nunca ninguém tinha ouvido falar dessa religião. As novas vizinhas foram as irmãs Ambrósia e Filomena Mattos.

Certo dia, elas foram à residência de dona Anjinha, como era conhecida, e a convidaram para assistir a um culto ao ar livre, onde se iriam passar alguns filmes em projeção luminosa. O culto foi realizado para uma centena de pessoas no bairro da Floresta. A dona Ângela assistiu a tudo e ficou impressionada com os “slides” da volta de Jesus. O pregador foi o Pastor José Bessa, que se fazia acompanhar da sua jovem esposa Nair Bessa, que contava estórias para as crianças e cantava nas reuniões.

Ângela ficou encantada com o que vira e ouvira, mas espantou-se quando, no fim da reunião, o dono da casa explicava delicadamente que na próxima semana não seria mais possível fazer o culto na porta de sua casa porque, sendo católico, não queria confusão com sua igreja, que ficava bem próximo do lugar. No final da conversa, exclamou peremptoriamente: “Por favor, não venham mais para a porta de minha casa, pois eu não quero encrenca com o padre”. Dona Ângela resolveu o problema facilmente: “Não há problema: venham para a minha casa. Eu não tenho medo do padre”.

Uma semana depois, o evangelho estava entrando no lar de dona Ângela para nunca mais sair. Com um ano de estudos, ela foi batizada e em seguida seu esposo, Manoel Saraiva, e quatro de seus filhos, mais adiante. Todos os filhos batizados tiveram e ainda têm uma vida atuante na Igreja: Walber, ancião da Igreja da Cohab – Ma; José Ribamar, ancião de uma igreja em São Gonçalo - RJ; Consuelo membro da Igreja Central do Rio de Janeiro; Pastor Emmanuel Saraiva trabalhou 35 anos, como ministro ordenado, em vários lugares do Brasil e na África, levando um número incontável de pessoas aos pés de Cristo. Hoje, aposentado, é ancião da Igreja do Colégio Adventista de São Luís – CASL e escreve sermões para o Nisto Cremos.

Sua influência missionária na Igreja Adventista

Dona Ângela, após o seu batismo, exerceu uma influência positiva na vida de muitas pessoas no bairro, levando a mensagem de casa em casa a muitos moradores, dentre os quais Antônio Carlos Diniz que, de tanto fumar maconha, vivia totalmente desnorteado mentalmente. Quando ele foi à Igreja Central de São Luís pela primeira vez, puxado pelos braços por ela, não sabia aonde estava indo, mas gostou e ficou. Ele entrou na igreja, e a igreja entrou nele, para sempre. Abandonou os vícios, foi batizado em 1957. Fez um curso de colportagem, tornou-se um colportor eficiente e eficaz, trabalhando mais de 20 anos. Tem atualmente quase 80 anos de idade e permanece firme na fé até hoje.

Várias famílias no bairro se tornaram adventistas, dentre as quais Dr. José Carlos Freitas, que levou a mensagem a sua mãe, Alice Freitas, a seu irmão, ex-vereador Murilo Freitas e a seus sogros e cunhados. Outras famílias foram alcançadas para a verdade: Demerval Nascimento. Antônio Frazão, José Pinheiro, Francisco Gomes Palhano, que era um alcoólatra, e muitas outras famílias. É impossível citar todos os nomes no decorrer desses 55 anos de evangelismo pessoal constante e profícuo em favor das almas sedentas de salvação. Oh, que coisa linda e indescritível é a conversão de almas! A pregação do evangelho, com a conversão de almas para Cristo, é uma linda história que sempre tem começo, mas nunca um fim. Como uma roda viva, nunca mais para, e não se sabe onde a sua influência benéfica termina. Só no Céu haveremos de saber com exatidão o resultado do trabalho realizado por dona Ângela Coqueiro Saraiva que, com 105 anos de idade, em completa senilidade, acaba de descansar no Senhor, aguardando a ressurreição dos justos na manhã gloriosa da Volta do Senhor Jesus.



Pr. Emmanuel de Jesus Saraiva
Natural de São Luís – Ma. Formado em Teologia, Pedagogia e Letras. Autor de dois livros: “Memórias da África” e “A História do Adventismo no Maranhão”. Trabalhou como pastor em várias igrejas no Maranhão, dentre as quais a Igreja Central de São Luís. Foi departamental de Jovens e Educação nas Missões Costa Norte, Central Amazonas e Nordeste e diretor do Educandário Nordestino Adventista – ENA. Por seis anos foi missionário na África, como diretor do Seminário Adventista de Moçambique, onde lecionou várias disciplinas teológicas, dentre as quais Homilética e Oratória. Casado com a professora aposentada Nilde Fournier Saraiva. Tem duas filhas: Raquel e Léia. Trabalhou como pastor por 35 anos. Hoje, jubilado, mora em São Luís - MA e atua como Ancião da Igreja do Colégio Adventista de São Luís - CASL.

3 comentários:

  1. Pastor dou Graças ao Pai Eterno por manter sua mãe tanto tempo com vc! Bom que em breve estarão juntos novamente...
    Muito bom o artigo.
    e gostei da pregação hoje no CASL por mais breve que tenha sido.

    ResponderExcluir
  2. Pastor que o Senhor Jesus continue lhe abênçoando ricamente e lhe usando sempre como um instrumento nas Suas Mãos.Ameiiiiiiii a mensagem do IRMÃO DO FILHO PRÓDIGO DA PARÁBOLA que foi passada 18/04 no CASL.Tenha uma belíssima semana na presença do Nosso Senhor e Salvador Jesus.
    Eliene Maia (CASL)

    ResponderExcluir
  3. Pastor onde eu posso comparar o livro "História do Adventismo no Maranhão" ? Me responda por email quem souber também ... wesley-18-gato@hotmaio.com

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...