sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

As três virtudes do Cristão

O cristão é cheio de virtudes. Não faltam virtudes em uma pessoa que segue a Jesus Cristo.

Entretanto, há 3 virtudes que se destacam como virtudes indispensáveis. Com efeito, não pode haver cristão sincero sem estas 3 qualidades. As 3 virtudes de que estamos falando se encontram em Rom. 12:12: "Regozijai-vos na esperança; sede pacientes na tribulação; na oração, perseverantes."

Consideremos a Primeira Virtude Indispensável:

I – REGOZIJAI-VOS NA ESPERANÇA

Nós cristãos temos esperança. Agnósticos não tem esperança; materialistas não tem esperança; os ateus não tem esperança. Os incrédulos não tem esperança. Mas os cristãos estão cheios de esperança. E por isso podem se alegrar e se regozijar. Podem revelar a sua grande alegria na esperança.

1 - Podemos nos regozijar na esperança da Ressurreição
Atos 24:15.

Jó se encontrava em uma fase difícil de sua vida, contra toda a esperança. Ele olhava para o seu corpo cheio de chagas e se desanimava. Mas olhando para os dias futuros, ele se alegrava na esperança da ressurreição, dizendo: "Eu sei que o meu Redentor vive e por fim se levantará sobre a Terra. Depois, revestido este meu corpo da minha pele, em minha carne verei a Deus." (Jó 19:25-26).

O profeta Isaías, Daniel, Ezequiel e outros profetas falaram de sua esperança na ressurreição. E eles se alegraram no fato de que esta vida não acaba na morte do corpo, porque há uma esperança de que esse corpo há de reviver.

Todos os cristãos crêem na ressurreição. Sabemos que o nosso corpo abatido um dia será levado à sepultura. A morte nos aguarda. Disse o apóstolo Paulo: "Dia após dia morro!"

Mas Paulo tinha a esperança na ressurreição. Ele disse: "Tenho esperança em Deus de que haverá ressurreição tanto de justos como de injustos". E ele se regozijava nessa esperança, dizendo que o Senhor Jesus Cristo "transformará o nosso corpo de humilhação para ser igual ao corpo da Sua glória" (Fil 3: 21).

Nós também podemos nos alegrar na esperança da ressurreição. Temos a esperança de que um dia o Senhor nos levantará do pó e nos ressuscitará, se tivermos de passar pela morte. Mas se não, sabemos que os nossos queridos hão de ressuscitar.

2 - Podemos nos regozijar na esperança da Volta de Jesus
Tito 2:13.

A esperança da Volta de Cristo é a suprema esperança, que encerra todas as esperanças cristãs. Sabemos que Ele virá. Esperamos a Cristo nas nuvens dos céus, com poder e grande glória. E esta é a nossa maior esperança.

Este será o maior acontecimento da história. Será a concretização de todas as esperanças de todos os cristãos de todas as eras. Será a bendita, "a bem-aventurada esperança, a manifestação da glória do nosso grande Deus e salvador Jesus Cristo".

Qual deveria ser a nossa atitude diante desta gloriosa esperança? "Naquele dia se dirá: Eis que este é o nosso Deus, em Quem esperávamos, e Ele nos salvará; este é o Senhor a Quem aguardávamos; na Sua salvação exultaremos e nos alegraremos." (Isa. 25:9). Você também pode se alegrar na esperança da Volta de Jesus. Nossa atitude será de exultação, expectação e entusiasmo! Alegrando-nos, apressando, e preparando-nos.

3 - Podemos nos regozijar na esperança da Vida Eterna
Tito 1:2.

Todos apreciam viver. Mesmo as pessoas não cristãs apreciam tanto a vida que fazem de tudo para manter a sua saúde em dia, a fim de preservar a vida. As descobertas científicas da Medicina enchem a milhares de esperança. E eles podem até se alegrar nesta esperança de mais alguns anos de vida. Entretanto, eles não tem a esperança da vida eterna. Eles dizem: "Comamos e bebamos, que amanhã morreremos!"

Os cristãos, pelo contrário, podem se regozijar pela esperança da vida eterna, uma vida que se compara com a vida de Deus. Enquanto Deus viver, nós viveremos. E naturalmente, isto não significa alguns poucos anos a mais. Isto significa que nós poderemos viver pelos séculos intérminos da eternidade.

Vamos, portanto, nos alegrar porque esta é a grande promessa de um Deus que não pode mentir, uma promessa feita antes dos tempos eternos.

Segunda Virtude do Cristão:

II – SEDE PACIENTES NA TRIBULAÇÃO

Embora tenhamos alegria, também temos tribulações. A vida cristã não é um mar de rosas aqui neste mundo de pecado e confusão. (1Ped. 4:12; 5:9).

1- Paciência na tribulação é evidência de Amor.
Disse Paulo que "o amor é paciente" (1 Cor. 13:4).

Jó é o maior exemplo. Ele amava tanto a Deus, que mesmo na mais atroz provação revelou a mais extraordinária paciência. Ele perdeu os animais, perdeu as propriedades, perdeu os filhos e perdeu a saúde. A Sua esposa, esta ele não perdeu. Satanás queria usá-la para dizer algumas palavras venenosas a Jó. Aquela mulher, completamente desencantada, lhe falou: "Ainda conservas a tua integridade? Amaldiçoa a Deus e morre!" E qual foi a resposta de Jó? "Temos recebido o bem de Deus, e não receberíamos também o mal?" E quando Jó contemplou toda aquela devastação, destruído em suas bases, lançou-se em terra, adorou e disse: "Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei. Bendito seja o nome do Senhor!" (Jó 2:9-10; 1:20-21). Isto é paciência na tribulação, revelada em um grande e exorbitado amor para com Deus!

Quando somos atribulados, devemos revelar esse amor a Deus e ao nosso semelhante de tal modo que sejamos pacientes nas tribulações. Algumas vezes perdemos o emprego; ou somos atribulados em nosso lar, em meio aos conflitos de vontades. Ou sofremos perdas financeiras. Disse o apóstolo Paulo: "Sede pacientes na tribulação." Isso revela a genuinidade de nosso amor. Mostra que o nosso amor cristão é verdadeiro.

2 - Paciência na tribulação é evidência de Ideal.
Heb. 11:24-25.

Moisés foi atribulado junto ao povo de Deus, mas preferiu ser assim maltratado, renunciando o trono do Egito e os prazeres transitórios do pecado. Por que ele fez tamanha renúncia? Porque ele tinha o grande ideal de libertar o povo de Deus da escravidão. E ele revelou a paciência na tribulação porque podia ver o Deus invisível a operar em meio à tribulação.

Quando temos um ideal, podem vir as tribulações por todos os lados, nós seremos pacientes porque podemos ver mais além do que se vê pelos olhos físicos.

3 - Paciência na tribulação é evidência de Vitória
Os mártires do passado revelaram uma paciência nas tribulações que redundou em vitória sobre os seus inimigos. Eles foram roubados de suas propriedades, expatriados, exilados, jogados às feras famintas, decapitados e queimados vivos. E, no entanto, morriam cantando a sua vitória, expressando uma paciência extraordinária frente às maiores tribulações.

Policarpo (70-160), foi um dos mártires da igreja primitiva, bispo da igreja de Esmirna, no século II. Aos 87 anos, o governador foi convencê-lo a mudar a sua ideia. A resposta veio pronta: "Como poderia eu renunciar ao meu Salvador que nunca me fez mal nenhum?" "Mas você vai perder as suas propriedades!" "Minhas propriedades estão lá na cidade celestial, onde Deus me preparou um lugar no Paraíso!" "Mas você vai perder a sua família!" "Minha família é toda a cristandade espalhada pelo mundo inteiro!" "Mas você vai perder a vida!" "Minha vida está escondida por Deus em Cristo Jesus!" Irado, o governador se levantou e lhe disse: "Eu vou matá-lo!" "Ninguém pode me matar, porque Deus me deu a vida eterna!" Policarpo foi condenado no estádio da cidade a morrer queimado; ele próprio subiu na fogueira e testemunhou para o povo: "Sede bendito para sempre, ó Senhor; que o Vosso nome adorável seja glorificado por todos os séculos".

Com efeito, todos os remidos serão atribulados e foram vistos em visão no Apocalipse, contemplados pela paciência na tribulação, proclamando a sua vitória contra todos os seus inimigos.

Terceira Virtude do Cristão:

III – SEDE PERSEVERANTES NA ORAÇÃO

Os cristãos são perseverantes. Este é um de seus principais característicos. Nos últimos dias os justos foram descritos desta maneira: "Aqui está a perseverança dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus" (Apo. 14:12).

Vamos exemplificar a perseverança dos cristãos. Tomás Edson foi o inventor da lâmpada elétrica. Disso a maioria das pessoas sabe. Mas como ele chegou a esse invento extraordinário que mudou a vida do mundo inteiro?

Edson tentou 20 vezes, e não conseguiu. Mas ele não era de desistir tão facilmente. Ele tentou mais 20 vezes e fracassou. Tentou mais 100 vezes e fracassou. Tentou mais 200 vezes e não deu certo. Aí ele continuou tentando, tentando e tentando. Mas os filamentos da lâmpada se queimavam, e ele não conseguia criar resistência, senão por apenas pouco tempo. Ele tentou sabe quantas vezes? Ele tentou 500, 600, 700 vezes, mas que perseverança! Ele realmente não era de desistir facilmente mesmo!

Ele tentou 1.188 vezes e fracassou. Daí a sua mulher lhe disse: ''Você deve estar louco! Você tem um vácuo na cabeça!'' Então, Edson chegou à conclusão de que os filamentos da lâmpada se queimavam com a presença do oxigênio; faltava o vácuo. Daí, após 1.189 tentativas, conseguiu produzir uma lâmpada que resistisse por 1000 horas. Coincidência ou não, a Bíblia tem 1189 capítulos, e é comparada à lâmpada para os nossos pés e luz para o nosso caminho (Sal. 119:105). Entretanto, Tomas Edson ilustra muito bem como funciona a perseverança dos fiéis seguidores de Jesus Cristo.

1 - Perseverança na oração traz a resposta desejada
Isso move o braço da onipotência divina. Sabe o que é perseverança na oração? É orar, orar, orar e orar e orar mais ainda até alcançar a resposta.

Cristo contou uma parábola (Luc. 18:1-8.). Havia em certa cidade um juiz que não temia nem a Deus nem a homem algum. E havia na mesma cidade uma viúva que estava enfrentando alguns problemas sérios. Então, ela foi ter com ele e dizia: "Julga a minha causa contra o meu adversário!" Mas ele não lhe dava atenção. Mas aquela mulher era muito insistente e perseverava dia e noite, dizendo: "Julga a minha causa contra o meu inimigo!" O juiz a princípio não se importou com os seus pedidos; mas ela era por demais perseverante para desistir, e clamou mais ainda. E aquele juiz começou a se abalar em suas emoções, e disse consigo mesmo: "Bem que eu não temo a ninguém, mas como esta viúva me importuna, julgarei a sua causa, para que não venha a me incomodar mais!" A mulher foi tão perseverante que conseguiu o seu intento.

Cristo contou esta parábola do juiz iníquo não só para nos dizer que Deus é bom, mas para nos incentivar à prática da oração perseverante. Ele nos ensinou sobre "o dever de orar sempre e nunca esmorecer" (v. 1).

Ana orou com perseverança e foi atendida. Ana era uma mulher estéril e desejava ter um filho, ardentemente. Elcana, seu esposo, sabia de seu desejo, e fazia de tudo para agradá-la, porque sabia que ela não podia ter filhos. Penina era a outra esposa que a provocava intensamente, porque ela tinha esse problema. Então, Ana se dirigiu ao templo e orou insistentemente, clamando a Deus com grande angústia de alma. Perseverou em oração e Deus atendeu à sua prece, e lhe deu um filho chamado Samuel, que foi um dos maiores profetas em Israel.

Jacó se encontrava aflito porque ia se encontrar com o seu irmão Esaú, que ainda era o seu inimigo pronto com o seu exército para lhe tirar a vida, junto com toda a sua família. Mas Jacó teve um encontro com Deus no vau do Jaboque e lutou com Deus em oração e prevaleceu. Porque a perseverança na oração traz a resposta de que nós mais precisamos.

2 - Perseverança na oração traz o fortalecimento da fé
Há uma relação muito estreita entre fé e oração, porque quando nós oramos, a nossa fé se fortalece. Mas se nós oramos com perseverança, com insistência, nós temos a nossa fé muitas vezes fortalecida, e nos tornamos inabaláveis. Nada nem ninguém pode abalar a um cristão que ora com perseverança.

Muitos cristãos negligenciam a oração e são fracos em sua fé, e são envolvidos pelas trevas do inimigo. Muitas vezes quando nós negligenciamos a oração, estamos desligados da Fonte de bênçãos espirituais, e desligados da Fonte da vida, nós ficamos fracos em nossa fé.

Mas se queremos ser fortalecidos, temos que perseverar na oração, porque a perseverança na oração enrijece a fé.

3 - Perseverança na oração traz vitória sobre o pecado
Apresento o maior Modelo, o maior Exemplo, jamais superado: Jesus Cristo.

No Deserto da Tentação, Jesus Cristo Se encontrava sozinho, mas comungava com Deus de modo perseverante. Durante 40 dias Ele orava a Deus, traçando planos para o Seu ministério. E quando se aproximou Satanás com as suas palavras tentadoras, Ele estava pronto para enfrentá-lo, e saiu-se vitorioso, porque a perseverança na oração traz vitória sobre o pecado.

Disse Jesus Cristo aos discípulos, no Jardim do Getsêmani: "Vigiai e orai, para que não entreis em tentação." Vigiar em oração significa perseverar em oração. Eles começaram a orar com Cristo, mas não perseveraram e foram todos vencidos. Eles tinham sido avisados. E nós também somos avisados. Mas enquanto fracassaram os discípulos, Jesus Cristo perseverava na oração e clamava diante de Deus, a fim de que a Sua vontade se realizasse. E saiu mais uma vez vitorioso contra as hostes do mal.

Na Cruz do Calvário, Jesus Cristo continuou perseverando em oração, e orava até por Seus inimigos: "Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem!" Continuou em mais oração e disse: "Pai, nas Tuas mãos entrego o Meu espírito." E saiu-Se triunfante em uma vitória esmagadora contra Satanás, porque a perseverança na oração traz vitória contra o pecado e seu originador.

CONCLUSÃO

Agora sabemos quais são as 3 virtudes dos cristãos:
1. Eles são exultantes na esperança
2. Eles são pacientes na tribulação
3. Eles são perseverantes na oração.

Como estamos nós? Será que estamos nos regozijando na esperança, ou nas coisas deste mundo? Somos nós pacientes na tribulação, ou não temos paciência em tempo algum? Somos nós perseverantes na oração, ou não temos tempo para o que é essencial à vida cristã?

Que Deus nos dê Sua graça, para que possamos viver a mensagem de Rom. 12:12: "Regozijai-vos na esperança; sede pacientes na tribulação; na oração, perseverantes."


PR. ROBERTO BIAGINI
Teólogo, Mestre em Teologia. Realizou vários cursos de Extensão Teológica da Andrews University e do Centro de Educação Contínua da DSA. Trabalhou como distrital de várias igrejas do centro, norte e sul do país. É casado com a Profª. Silvane Luckow Biagini, e tem dois filhos, Ângela e Roberto.

1 comentários:

  1. Belíssimo e inspirado sermão. Totalmente indispensável ao cristão que quer ser vitorioso.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...