sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Bispos franceses e o "Dia do Senhor"

"O domingo em risco na vida atual" é o título do documento que os bispos franceses divulgaram na segunda-feira passada, 15 de dezembro, por ocasião do projeto de lei francês sobre o trabalho no domingo. O documento foi elaborado pelo Conselho para as questões familiares e sociais da Conferência dos bispos da França. Os bispos aduzem razões tanto sociais como antropológicas para argumentar sobre a importância do dia de descanso semanal na cultura ocidental e para o bem-estar das famílias.

Por um lado, afirmam, é necessário "um tempo para descansar, viver em família, ter uma vida social e desfrutar de diversas atividades culturais e esportivas, etc.", escapando das constrições impostas pelo trabalho durante o resto da semana. Com relação às razões sociais que aconselham não eliminar o dia de descanso semanal, os prelados advertem que a economia e o trabalho "não podem ter a última palavra na vida social", e recordam que quando se regulou pela última vez esta questão, em 1906, afirmava-se que o domingo supõe "uma experiência social que é importante respeitar".

Os defensores da consideração do domingo como dia de trabalho, precisam os bispos, são sobretudo as grandes superfícies comerciais, que pretendem assim "dinamizar a economia", mas, advertem, esta medida está "distante de ser eficaz", porque o problema "tem mais a ver com o poder aquisitivo real dos consumidores", acrescentam.

Também, para os trabalhadores, as vantagens salariais do trabalho extraordinário desapareceram, "a menos que se recorra a empregos em tempo parcial que continuem reforçando as situações de estado precário de muitas famílias".

Finalmente, advertem, apagar o caráter particular do domingo "é um caminho fácil que, com o pretexto do liberalismo, retira do homem uma indicação objetiva, inscrita no tempo, de sua dimensão espiritual".

"A abertura das lojas no domingo voltaria a banalizar esse dia e a fazer as leis do comércio passarem por cima da dimensão amistosa, familiar e espiritual da existência. Isso acentuaria a atomização da sociedade francesa", sublinha o Conselho para as questões familiares e sociais da Conferência dos bispos da França.

Para os cristãos, o domingo é o dia do descanso [sic] e também da libertação do mal mediante a ressurreição de Cristo. "A assembléia dominical celebra com antecipação o 'banquete celeste' e a esperança da volta do Senhor. A missa do domingo expressa ao mesmo tempo o sentido e a finalidade da vida dos cristãos", explica o documento.

Desde os primeiros séculos, o significado do domingo como dia da Eucaristia "precedeu a instauração do domingo como dia de descanso semanal", a qual "permitiu enriquecer a celebração do dia do Senhor" como "dia dedicado à família e à contemplação espiritual".

Atualmente, diante do desespero do desaparecimento do descanso dominical, advertem os bispos, "os cristãos, guardando o domingo, fazem um chamado profético: o homem não vive só de pão".

A Igreja, ao defender o domingo, não só "manifesta sua vontade de que os cristãos vivam esse dia em condições favoráveis", mas também "deseja prestar um serviço a toda a sociedade, para que possa encontrar um caminho que permita tornar a vida humana cada vez mais humana".

(Do site católico Zenit)

Nota: Biblicamente falando, o domingo é apenas o primeiro dia da semana (Êx 20). O único dia separado por Deus para "contemplação religiosa" especial foi o sétimo dia, o sábado do quarto mandamento. O sábado, além de um selo de santificação (Ez 20:20), é o memorial da criação, que aponta para Aquele que fez os "céus, a terra e as fontes das águas". Os primeiros cristãos guardaram o sábado, seguindo o exemplo do Mestre (Lc 4:16) e de Seus discípulos. Séculos depois é que o poder previsto em Daniel 7:25 acabou por substituir a observância sabática pela dominical. Agora o Vaticano luta por recuperar o domingo secularizado do Ocidente. E usa todo tipo de argumento para isso, desde a necessidade de salvar o planeta, concedendo-lhe um dia de "repouso", até a libertação do espírito capitalista e a salvação da família. Anote: esse assunto ainda vai ganhar muito destaque. Aguarde (e se prepare) para ver.


MICHELSON BORGES
É jornalista, mestrando em Teologia pelo Unasp e membro da Sociedade Criacionista Brasileira . É editor na Casa Publicadora Brasileira e autor dos livros /A História da Vida / e /Por Que Creio / (sobre criacionismo), /Nos Bastidores da Mídia / e da Série Grandes Impérios e Civilizações, composta de seis volumes. Casado com Débora Tatiane, tem duas filhas.
Editor do Blog Criacionismo

2 comentários:

  1. Prezado Pastor Michelson Borges,

    Sou adventista a mais de 10 anos e creio que o sábado é o dia do Senhor e que devemos respeitar, honrar ao Senhor por toda sua obra criadora guardando este dia.

    Contudo, tenho uma pequena dúvida. Se os líderes da igreja Católica Romana impuserem aos seus seguidores a observância do domingo como dia de adoração, sem que isto afetasse os adventistas quanto a guarda do sábado, Deus não aceitaria esta adoração válida. Pergunto assim por causa da do significado da palavra sábado que é descanso.

    ResponderExcluir
  2. Sou Adventista também, e fiquei curioza a respeito do comentário do irmão. Espero ter resposta.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...