terça-feira, 4 de novembro de 2008

Quem São os Sete Reis de Apocalipse 17?

Quando lemos o capítulo dezessete do livro de Apocalipse, nos deparamos com o seguinte verso:

“Aqui está o sentido, que tem sabedoria: as sete cabeças são sete montes, nos quais a mulher está sentada. São também sete reis, dos quais caíram cinco, um existe, e o outro ainda não chegou; e quando chegar, tem de durar pouco”. (Ap. 17:9 e 10).

Muitas são as tentativas de interpretação desta profecia, todavia, o contexto e a perspectiva temporal do profeta que a escreveu por vezes são ignorados.

Será proposta uma análise bíblico-histórica, levando-se em conta a interpretação tradicional adventista das profecias de Daniel e contextualizando a mensagem na perspectiva do profeta em visão.

Antes de estudarmos o texto, devemos notar que “reis” na profecia, é sinônimo de “reino” (ver Daniel 7:17 e 23), não permitindo assim, identificar esses reis como papas ou formas de governo (realeza, consulado, ditadura, triunvirato, etc.).

O livro de Daniel é a chave para compreendermos o livro de Apocalipse. “Estudai o Apocalipse em ligação com Daniel; pois a história se repetirá” [1], escreveu E. G. White.

A primeira pergunta que temos que responder é: qual o ponto de partida da visão?

Uma análise superficial concluiria que seria o tempo em que o profeta estava vivendo, ou seja, Roma Imperial (ou pagã). Desta forma, os cinco reis ou reinos que caíram seriam: Egito, Assíria, Babilônia, Medo-Pérsia e Grécia. O reino que existe seria Roma Imperial (pagã) e o que não chegou seria Roma Papal.

No entanto, temos algumas dificuldades com essa interpretação:

1- O Egito e a Assíria não aparecem na lista de reinos das profecias do livro de Daniel, que são base da interpretação do livro de Apocalipse.

2- O reino de Roma Papal teria que durar pouco (v. 10). Levando-se em conta que a Terra tem cerca de 6.000 anos, os 1260 anos de duração de Roma Papal, acrescentados ao período em que ela seria ferida e restaurada, tornam difícil essa interpretação, pois esse é um longo tempo.

3- O texto diz que esse poder (Roma Papal – simbolizada pela besta) era, não é, e está para surgir (v. 8 e 11). Isso revela que no momento da visão, Roma Papal não estava agindo, e sua ação estava no passado. Uma vez que João vivia antes do surgimento de Roma Papal, e não depois, torna-se difícil harmonizar este texto com a presente interpretação.

A chave para entendermos o texto, seriam os versos iniciais, que mostram o ponto de partida da profecia. O profeta é transportado para um outro período da história, ou seja, ele é levado pelo anjo para contemplar os acontecimentos futuros. “Transportou-me o anjo, em espírito, a um deserto e vi uma mulher montada numa besta escarlate” (v. 3).

Outros profetas também contemplaram cenas de tempos futuros, como Daniel (Dn. 12:8 e 9).

A questão agora é: para que tempo o profeta foi levado?

Observe algumas referências temporais deixadas pelo texto:

1- “Vem mostrar-te-ei o julgamento da grande meretriz que se acha sentada sobre muitas águas” (v.1). Esse era o período que Roma Papal deveria ser julgada. A meretriz é a Igreja Romana que estava sustentada por povos e multidões (v. 15). O profeta foi levado para o tempo em que já existia a Igreja Romana e ela já havia conquistado multidões. “O momento da visão é a hora do juízo, o tempo do fim, que inicia em 1798/1844, por ocasião do término dos 1.260 dias-anos". [2]

2- “Então vi a mulher embriagada com o sangue dos santos e com o sangue das testemunhas de Jesus” (v. 6). Essa é uma referência ao período de domínio de Roma Papal (1.260 anos) em que foram perseguidos e mortos muitos fiéis. O profeta foi levado para um tempo posterior a esses acontecimentos.

3- “Na sua fronte, achava-se escrito um nome, um mistério: babilônia, a grande, a mãe das meretrizes e das abominações da terra” (v. 5). O foco de Apocalipse 17 é sobre Roma Papal, e não Roma Imperial (pagã). “No capítulo 17 de Apocalipse, são preditas as destruições de todas as igrejas que se corrompem mediante a devoção idólatra ao serviço do papado...”. [3]

O verso oito afirma: “a besta que viste era e não é, está para emergir do abismo...”.

João, portanto, foi levado para o período que Roma Papal havia recebido a ferida mortal (“não é”) e que seria, segundo a profecia, curada (“está para emergir” – em 1929 foi criado o Vaticano, ou seja, foi iniciado o processo de cura da ferida - Ap. 13:3).

Tomando por base a seqüência de reinos de Daniel, os reis que caíram são: Babilônia, Medo-Pérsia, Grécia, Roma Imperial (Pagã) e Roma Papal. [4]

O reino que existe (“um existe” v. 10) é Roma Papal Ferida (note que Roma Papal não deixou de existir, só estava ferida) e o que chegaria seria Roma Papal Curada, que duraria pouco.

O verso onze afirma que o oitavo rei é o mesmo poder de Roma Papal: “E a besta, que era e não é, também é ele, o oitavo rei, e procede dos sete, e caminha para a destruição” (v. 11).

A diferença é que o oitavo rei recebe o apoio e autoridade dos dez chifres ou dez reis (v. 12).

Estes são os reinos de Roma Dividida (os mesmos de Daniel – ver Dn. 2:41 a 44; 7:24) que representam a Europa. Note o seguinte comentário: “Os ‘dez chifres’, que representaram os intolerantes reinos da Europa que agora constituem democracias mais ou menos tolerantes, tornar-se-ão novamente entidades totalitárias, asperamente intolerantes”. [5]

Desta forma, o oitavo rei é a besta totalmente curada e plena de autoridade e poder mundial (v. 13), que durante “uma hora” ou quinze dias (na relação 1 dia/1 ano) exerce plenamente seu poder para a última tentativa de destruir o povo de Deus, o Armagedom.

Assim, o importante é que Apocalipse 17 nos garante a vitória do Cordeiro contra Satanás e seus poderes. Essa é a mensagem deste capítulo, que deve produzir em nós segurança e plena confiança que Cristo está em pleno controle da história deste mundo.

Hoje é tempo de firmarmo-nos nas verdades bíblicas consagrando nossa vida inteiramente a Deus até o breve retorno de Jesus.

[1] Ellen G. WHITE, Testemunhos Para Ministro. (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1993) 116.

[2] C. Mervyn MAXWELL, Uma Nova Era Segundo as Profecias do Apocalipse. (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1998), 491.

[3] Ellen G. WHITE, Comentário Bíblico Adventista del Séptimo Dia - 7-A – Comentários de E. G. de White (Buenos Aires: Asociacion Casa editora Sudamericana, 1994 ), 994.

[4] Henry FEYERABEND, Apocalipse Verso por Verso (Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 2005), 150.

[5] C. Mervyn MAXWELL, Uma Nova Era Segundo as Profecias do Apocalipse, 495.


PR. YURI RAVEM
Mestre em teologia e pastor da Igreja Adventista em Pelotas - RS Casado com Andressa, mestre em educação.
Editor Associado do Blog Nisto Cremos e Editor do Blog Igreja Adventista de Pelotas

9 comentários:

  1. Eu fico, admirada ao ler essas mensagens proféticas. E sinto plena certeza de que posso confiar em cada palavra dita pela Igreja. Mas ainda tenho um pouco de medo do futuro, acho que devo que me preparar bastante.

    ResponderExcluir
  2. quabdo estudamos as profecias ficamos contentes em saber que o fim esta proximo, mas não devemos esperar tais coisas acontecerem para seguir a Jesus de todo o nosso coração pois basta a morte chegar primeiro que o nosso destino estara selado portanto devemos nos entregar a Jesus diariamente e constantemente para não perdemos a nossa salvação esperando acontecimentos futuros

    ResponderExcluir
  3. Bem gosto cada vez mais de ver e ouvir detalhes sobre as professias mas acho também que a Igreja(iasd)esta omiça quanto aos acontecimentos atuais, não era para nos desesperarmos, mas sim levarmos cada vez mais esta verdade, já que somos os guardadores desta verdade. E também se concientizarem que muita gente não sabe absolutamente nada.Não fico nem um pouco feliz, mas triste, tendo em vista que ninguém esta fazendo nada por amor a estas pessoas.Sinceramente .Leandro Reis (iasd) Camboriu

    ResponderExcluir
  4. uma curiosidade bastante pertinente é:

    em APOC diz:
    aquele que tem entendimento calcule o numero da besta pois é numero de homem,ora esse numero é 666.
    bem,neste ver.diz que o numero é 666,e como nossa igreja interpreta esse numero como sendo literal,ou seja,realemnte 666 logo pode-se presumir que tb é numero de UM HOMEM,isso contraria a tese de que seria o sistema papal e joga pra um papa???

    ResponderExcluir
  5. Ainda não me convenci, dividir roma em duas, mas em realidade naõ é uma só. Por que as sete formas de governo não pode encaixar nessa profecia, que para mim é a mais exata?

    ResponderExcluir
  6. Sinto só estar lendo agora, mas você se contradiz quando fala que 5 cairam: babilonia, medo-persa, grecia e roma imperial(pagã) e Roma Papal. e logo depois fala que um existe que é roma papal, mas se ela esta nas 5 que cairam, nao pode relacionar ela como sendo a sexta que existe. sendo assim, a opção de egito e assiria seriam mais aceitaveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Está tudo muito confuso! São ou não são sete formas de governo? Está havendo mudança no ensino da interpretação das profecias?

      Excluir
    2. Olá, leia os diversos artigos sobre o assunto e tire suas conclusões, pois essa profecia não foi cumprida ainda em sua plenitude, por isso temos várias interpretações historicistas compatíveis com o texto: http://www.nistocremos.net/2013/02/diversas-interpretacoes-dos-sete-reis.html

      Excluir
  7. o papa ´´e denominado rei tanto é ki um jornalista-lhe pergunta _por quanto tenpo durara o seu reinado ele responde por pouco tempo uns 5 ano ....

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...