quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Deus Escolhe uma Pessoa em Particular e nos Dirige até que a Encontremos?

“Deus já tem uma pessoa escolhida para mim; não preciso me preocupar. A pessoa com quem me casarei será com certeza a ideal, escolhida por Deus.”

Já pensou? Se Deus realmente tivesse uma única pessoa para casar conosco, a primeira pessoa pela qual nos apaixonássemos poderia ser considerada a pessoa certa. Além disso, ninguém precisaria seguir orientações divinas quanto à escolha de um cônjuge que lhe trouxesse felicidade.

Tenho percebido essa posição entre cristãos sinceros e até já ouvi isso ser defendido em público. Porém, esse conceito vem de uma má compreensão teológica. Sendo assim, a resposta correta outra vez é não.

Alguns teólogos cristãos que acreditam na predestinação acabam aplicando esse princípio em todas as questões da vida, inclusive na do casamento.

Há livros sobre o ponto de vista bíblico e religioso que reforçam a idéia de que Deus tem “uma” pessoa “escolhida” para você. Mas a posição bíblica e de todos os que crêem no livre arbítrio é que Deus deixa você livre para escolher sua companhia para a vida. E se liberdade exige responsabilidade, nesse caso ela é muito maior, porque temos que escolher, e se não der certo, a responsabilidade é nossa. Não é a “cruz que Deus me deu para levar”, como alguns dizem.

Você que ainda não se casou, lembre-se disto. Não fique aí sentado esperando que Deus traga a pessoa e coloque-a na sua frente. Isso não vai acontecer. Penso que Deus tem algo a ver com um bom casamento, com a formação de um bom lar.

Mas, qual exatamente é a relação entre Deus e a formação de um lar, já que ele não manda alguém pelo correio? O que fazer? Devemos falar com Ele, mas falar o quê? As pessoas geralmente costumam pedir para que Ele envie a “pessoa” certa. Será isso que devemos pedir? E se houver algum engano ou precipitação, e fizermos um casamento errado, quem seria o culpado?

Parece complicado, mas é bem simples. Devemos pedir sabedoria, muita sabedoria para escolher certo, e não que Ele ponha a pessoa certa na nossa frente.

Mas, o que dizer da experiência de Isaque, relatada na Bíblia, em Gênesis 24? Não é este um exemplo seguro? O servo de Abraão pediu um sinal, e o sinal apareceu, mostrando a pessoa certa.

Realmente é uma experiência bonita. Mas, depois você vê que o casamento de Isaque foi um casamento um tanto curioso. A própria esposa de Isaque, não foi das mais leais. Conhecemos a história.

Eu entendo esse episódio da seguinte forma: Primeiro, Isaque não teve participação na escolha da esposa. O pai era o responsável. No contexto histórico da época, o indivíduo que se casava não tinha a mínima liberdade de decisão. Tanto é que um servo do pai foi escolher a pessoa.

Por ser assim, a única maneira de haver condições para uma boa escolha, por parte deste servo que não sabia o que fazer, não sabia como escolher, e foi buscar uma pessoa em um lugar diferente, distante, e de uma cultura desconhecida, era pedir que Deus o ajudasse a encontrar a pessoa certa. Creio que esse tipo de pedido podemos fazer, não para encontrar a pessoa certa, mas para ter sabedoria capaz de reconhecer a pessoa certa.

Acredito que exista mais de uma pessoa certa, e o que nos cabe é escolher alguém utilizando os critérios dados por Deus. Se Deus escolhesse por nós, não precisaríamos de todas as orientações publicadas por escritores cristãos, nem das fornecidas por líderes religiosos, nem das sugestões sobre como encontrar um cônjuge que traga e promova felicidade no lar; elas seriam desnecessárias porque não precisaríamos fazer uso desses conhecimentos.

De qualquer forma, devemos pedir a Deus sabedoria para escolher acertadamente. E agora você pergunta: “Eu gostaria de casar com a pessoa que seja da vontade de Deus, mas como é que vou saber qual é a vontade de Deus?”

A Bíblia fala alguma coisa sobre isso, dá algumas instruções quanto à vontade de Deus, mas não diz o nome da pessoa. A vontade de Deus é que você case com uma pessoa compatível com você em crenças e ideais, que promova sua felicidade e aumente a própria felicidade através de você.

Você pode ter três pessoas em mente que parecem exatamente pessoas ideais, e não saber qual das três escolher. Muitas vezes acontece isso, outras vezes falta alguém, não há nenhuma pessoa em vista. Como saber a vontade de Deus?

A experiente escritora Ellen White, em um de seus livros, apresenta cinco itens pelos quais se pode saber a vontade de Deus, ou seja, formas pelas quais Deus nos revela a Sua vontade. Elas podem ser úteis a você:

1. Através de Sua Palavra. Alguns princípios básicos nos possibilitam saber qual é a vontade dEle, de modo geral, Pela Palavra de Deus. Você não vai encontrar na Bíblia o nome da pessoa, nem o bairro em que mora. Mas todos aqueles que fizerem uso da Bíblia saberão quais as qualidades que se deve buscar na pessoa com quem se pretende casar. Leia Provérbios 12.

Algumas das boas características que devem existir na pessoa ideal, e também em você, por motivo óbvio, estão relatadas nesse capítulo.

Por exemplo: bondade (v2), honestidade (v3), sinceridade (v5) proferir palavras bondosas e corretas (v6), ser compreensivo (v8), humilde e trabalhador (v.9), falar a verdade (v. 17-19), entre outras.

Em Provérbios 31:10 a 31 aparecem as características da esposa ideal. Pegue a sua Bíblia e confira. Vale a pena! Leia também II Coríntios 6:14, também outros versos que já conheça, e note os conselhos de Deus: “...Não se juntem com os descrentes para trabalhar com eles... Como é que o certo e o errado podem ser companheiros?... Como podem viver juntas a luz e a escuridão?... Como podem Cristo e o Diabo estar de acordo?... O que é que um cristão e um descrente têm em comum?...”

2. Através das impressões do Espírito Santo, pela oração. Se orarmos, vamos começar a desenvolver certas convicções a respeito do assunto. Ellen White diz que se alguém ora duas vezes antes de pretender casar-se, deve orar quatro ao planejar dar esse importante passo. Orando, o Espírito de Deus há de mostrar Sua vontade e dar certas convicções a respeito do assunto.

3. Conselhos de amigos cristãos. Isso é interessante! Até eu me surpreendi quando li isso pela primeira vez. A idéia é esta: Deus se revela através dos conselhos de amigos cristãos.

Essa é uma das razões para que a Igreja, como comunidade cristã, seja considerada a família de Deus na Terra. As pessoas fiéis podem ajudar os amigos. Deus dá sabedoria a essas pessoas, para servirem em determinadas coisas.

Às vezes estamos tão envolvidos emocionalmente que não sabemos qual é a decisão mais acertada. Se conversarmos com um e outro que está mais distante e tem uma perspectiva melhor e maior do assunto, podemos ouvir: “Sabe, parece que aquela pessoa, pelo que percebo, combina mais com você.” Quando isso ocorre, Deus está revelando Sua vontade.

No livro “Só Para Jovens”, a autora sugere que os jovens procurem conselhos dos pais cristãos. Estes são os amigos cristãos: os pais, professores, pessoas da Igreja, colegas, companheiros que sejam tementes a Deus. Deus revela Sua vontade através dessas pessoas.

4. Através das Circunstâncias. Curioso isso também, mas Deus revela a Sua vontade através das circunstâncias. Ele abre certas portas, fecha outras, e você vai percebendo que a vontade de Deus está se dirigindo nesse sentido.

Se todos estes itens concordarem entre si, vá em frente, seguro de que é a vontade de Deus.

5. Querer fazer a vontade de Deus, seja ela qual for. Eu considero como o principal item, porque é uma condição sem a qual os demais não podem funcionar. Deus não nos revela a Sua vontade apenas para satisfazer nossa curiosidade, ainda mais se não estamos dispostos a obedecê-la.

Quando pedimos a Deus que faça ou que nos mostre qual é a Sua vontade, Ele só pode atender se estivermos dispostos a cumpri-la, seja qual for.

Ah, por que o processo de sortear o nome da pessoa, ou lançar sorte para saber como devemos agir, não funciona? É simples: tem gente que nunca sabe o que fazer; se compram este ou aquele carro, esta ou aquela casa; se casam com esta ou aquela pessoa... e, como que fugindo da responsabilidade de decidir, usam o sistema de sorteio. Isso não dá certo porque Deus tem um outro esquema de trabalho, bem diferente de jogo ou de sorte.

Ellen White, numa inspirada carta de 19 de Fevereiro de 1900, a chamada carta 19, já comentou sobre isso. Alguns membros da Igreja estavam querendo eleger os seus lideres por sorteio.

Se Deus revelasse Sua vontade através de sorteios, seria fácil resolver os problemas da escolha de lideres da Igreja Cristã. Poderíamos colocar os nomes dos candidatos dentro de um chapéu, e pronto. Estaria resolvido o problema.

Mas Ellen White disse que “Não é assim que Deus trabalha.” Sabe o que mais? “Satanás atua e revela a vontade dele em vez da vontade de Deus.” Podemos tirar justamente o papelzinho errado.

Se usarmos as dicas do sistema divino seremos bem sucedidos na escolha do companheiro para a vida sem esperar que Deus determine a pessoa exata.

PR. JOSÉ CARLOS EBLING
Doutor em Educação Religiosa e Aconselhamento Matrimonial pela Andrews University. Professor universitário e conselheiro matrimonial no UNASP - campus Engenheiro Coelho, SP. Autor dos livros : Namoro No Escuro, Mosaico Do Amor, Amigos Para Sempre, Sentido Único, Saúde No Relacionamento Familiar, Depressão : Você Não Está Sozinho, Perdas e Danos. Casado com Nair Ebling Coordenadora da Extensão Universitária do Unasp - Campus II e autora de diversos livros Didáticos publicados pela CPB.

1 comentários:

  1. Oi pastor...
    Me chamo Marta, tenho 25 anos...
    Creio que nos jovens ansiamos muito em ter alguém do lado, muitas vezes enxergamos muito romanticamente, confesso que as vezes olho ao meu redor e todos tem sua costelinha, mas creio que "DEUS É MUE PASTOR, NADA ME FALTARÁ!"Amém!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...