sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Buscando Conforto & Confortando

"Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis [inexplicáveis] são os Seus juízos, e quão inescrutáveis [impenetráveis, indecifráveis = misteriosos, enigmáticos], os Seus caminhos!" (Romanos 11:33).


Aqui na minha família nem bem havíamos nos recuperado da perda da querida Lourdes [http://www.iasdemfoco.net/mat/temalivre/abrejanela.asp?Id=160] e, em seguida, tivemos a perda do irmão José Queiroz [http://www.iasdemfoco.net/mat/C_elizeu/abrejanela.asp?Id=47], ontem foi o seu sepultamento, pessoa a quem, nestes dois anos em Uberlândia, nós aprendemos a amar e a admirar pela bondade e cristianismo sincero.

Hoje, melhor dizendo: Faz menos de meia hora, recebi um telefonema do meu primo Jaime Lira - membro fiel da IASD e um dos líderes de sua igreja em Palhoça,SC - que, em prantos, me ligou de Curitiba para comunicar o falecimento do seu irmão, meu outro primo, o Beto. Venha da forma que vier, a morte sempre será brutal, dolorosa e inoportuna - até porque não fomos criados originalmente para morrer (Gênesis 2:15-17); a morte veio como conseqüência natural da transgressão à Lei de Deus e, assim, ela chegou até nós (Romanos 6:23) como invasora cruel.

Conheci os meus três primos do Sul - Nita, Jaime e Beto - faz uns dois anos numa das minhas melhores viagens de férias dos últimos 10 anos. Elas são filhos da "Tia Lila", irmã de meu pai, já falecida faz vários anos. Nessas minhas ditas férias, eu fui até à Serra Gaúcha e, depois, voltei passando por Floripa e Curitiba. Nos dias que passei na capital Catarinense, o Jaime me levou a lugares maravilhosos da ilha e outras praias próximas; em seguida, fomos para Curitiba, ficando na casa da Nita, e lá, também, passeamos muito.

Na ocasião, conheci o Beto, que também morava em Curitiba, e, como gosto muito de fazer (pois sei que Jesus fazia muito isso e, detalhe, Ele gosta até hoje de fazer isso: Mateus 22:1-4 e Apocalipse 3:20), patrocinei um almoço com toda a família do Beto (esposa, filhos, netos e agregados), o primo Jaime e família e a prima Nita. Foi um grupo muito grande de pessoas e num dos melhores restaurantes de Curitiba; como foi gostosa a reunião e o bate-papo agradável! O Beto, como mostra a foto que tirei com ele e esposa, era um camarada forte, agradável e de uma alegria contagiante. Era o tipo de pessoa que em qualquer lugar que chegava mudava o "astral", transformava o ambiente.


Estive com ele apenas uma vez nesta vida e, no entanto, foi amor à primeira vista! Amor ao primo. Amor ao amigo. Amor a um filho de Deus que, com certeza, precisava mudar de vida e retornar à Casa Paterna. Aprendi a amar esse querido parente, pessoa especial, de um estilo de vida meio rebelde - tão diferente dos irmãos Jaime e Nita - mas de um sorriso farto e coração generoso. Fiquei surpreso e muito triste com esta notícia... Espero que o Beto tenha tido a chance, e aproveitado, para um acerto com Deus antes de partir desta vida. Estou orando, e conto com as suas orações, pelos meus primos jaime e Nita (sempre muito unidos, perderam o pai num acidente automobilístico ainda criancinhas) e pela família do Beto.

Eu não sei por que Deus permitiu isso - e, aqui, me refiro tanto às mortes de Lourdes, de José Queiroz, do Beto como de todos os familiares, irmãos da Igreja e amigos queridos de todos aqueles que vierem a ler estas palavras - mas, creio no amor e na infalível direção de Deus e, desta forma, me amparo no texto em anexo que mostra que muito em breve todo o nevoeiro de dúvida e perplexidade atuais será desfeito; pois, como afirmou o apóstolo Paulo: "Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o Seu propósito" (Romanos 8:28).


PARA REFLETIR

O Prof. Damásio de Jesus é um dos maiores tratadistas do Direito Penal Brasileiro, com incontáveis publicações na área Processual.

Em novembro de 2002 ele escreveu o seguinte texto:
- Quando eu era pequeno, minha mãe costurava muito. Eu me sentava no chão, brincando perto ela, e sempre lhe perguntava o que estava fazendo. Ela respondia que estava bordando.
Todo dia era a mesma pergunta e a mesma resposta. Observava seu trabalho de uma posição abaixo de onde ela se encontrava sentada e repetia:

- Mãe, o que a senhora está fazendo?
Dizia-lhe que, de onde eu olhava, o que ela fazia me parecia muito estranho e confuso. Era um amontoado de nós, e fios de cores diferentes, compridos, curtos, uns grossos e outros finos. Eu não entendia nada. Ela sorria, olhava para baixo e gentilmente me explicava:

- Filho, saia um pouco para brincar e quando terminar meu trabalho eu chamo você e o coloco sentado em meu colo. Deixarei que veja o trabalho da minha posição.

Mas eu continuava a me perguntar lá de baixo:
- Por que ela usava alguns fios de cores escuras e outros claros?
- Por que me pareciam tão desordenados e embaraçados?
- Por que estavam cheios de pontas e nós?
- Por que não tinham ainda uma forma definida?
- Por que demorava tanto para fazer aquilo?

Um dia, quando eu estava brincando no quintal, ela me chamou:
- Filho, venha aqui e sente em meu colo.
Eu sentei no colo dela e me surpreendi ao ver o bordado. Não podia crer! Lá de baixo parecia tão confuso! E de cima vi uma paisagem maravilhosa!

Então minha mãe me disse:
- Filho, de baixo, parecia confuso e desordenado porque você não via que na parte de cima havia um belo desenho. Mas, agora, olhando o bordado da minha posição, você sabe o que eu estava fazendo.

Muitas vezes, ao longo dos anos, tenho olhado para o céu e dito:
- Pai, o que estás fazendo?
Ele parece responder:
- Estou bordando a sua vida, filho.

E eu continuo perguntando:
- Mas está tudo tão confuso... Pai, tudo em desordem. Há muitos nós, fatos ruins que não terminam e coisas boas que passam rápido.

O Pai parece me dizer: 'Meu filho, ocupe-se com seu trabalho, descontraia-se, confie em Mim e... Eu farei o meu trabalho. Um dia, colocarei você em meu colo e então vai ver o plano da sua vida da minha posição.'

Muitas vezes não entendemos o que está acontecendo em nossas vidas. As coisas são confusas, não se encaixam e parece que nada dá certo.

É que estamos vendo o avesso da vida!
Do outro lado, Deus está bordando...
(PERFEITO!!!)


PR. ELIZEU LIRA

Pastor em Uberlândia. Atualmente faz pós-graduação em Ciência da Religião e prepara-se para iniciar o Mestrado em Educação.

É o diretor geral do site IASD em Foco

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...