segunda-feira, 3 de março de 2008

UM GRANDE CAMPEÃO DA VIDA - RICARDO OLIVEIRA

Esta semana, a conquista de um jovem cearense pobre chamou a atenção de todo o país. Ricardo, filho de lavradores e portador de uma doença séria e rara, deu uma lição para todos nós: ganhou a Olimpíada Nacional de Matemática.



PARA ASSISTIR O VÍDEO,
CLIQUE AQUI


É na zona rural de Várzea Alegre, no interior do Ceará, que mora o estudante medalha de ouro em matemática. A cidade fica a 447 quilômetros de Fortaleza. Ricardo Oliveira da Silva, de 19 anos, não é só um campeão dos números, é um vencedor na vida!




“A vida sempre tem um lado bom e um lado ruim. Mas, se você ficar só pensando no lado ruim, não chega a lugar nenhum", afirma ele.



Ricardo nasceu com uma doença neurológica que atrofia a medula espinhal e causa fraqueza nos músculos. Ele é filho de agricultores que plantam arroz, milho e feijão para comer. A família recebe um salário-mínimo por mês, da aposentadoria de Ricardo e R$ 76 de programas sociais do governo.



Na infância, a deficiência impediu que ele fosse à escola, mas o menino não perdeu a vontade de estudar. Ricardo foi alfabetizado em casa, pela mãe. Dona Francisca da Conceição, que só cursou até a sexta série, ensinou o pouco do que sabia ao filho.



“Eu ensinava o português, matemática, história e ciências com uma cartilha que comprei e que tinha as quatro matérias”, conta a mãe de Ricardo.



Com a ajuda do irmão mais novo, ele foi além da leitura e das operações básicas da matemática. E Ricardo se afinou bem com os números.



“A gente sempre estudava junto, ele me ensinava alguma coisa e eu ensinava alguma coisa para ele. Nós trocávamos conhecimento direto", lembra o irmão Ronildo Oliveira da Silva.



Só aos 17 anos, Ricardo conseguiu se matricular na escola. Ele fez um teste e ficou na quinta série, mas só tem uma aula por semana, quando um professor vai até a sua casa.


"Quando chego aqui, ele já viu o conteúdo e só tenho que dar uma pequena explicação", elogia a professora Maria Zumira Gino.



Da porta de casa para fora, a vida do Ricardo se torna bem mais difícil. Se nas grandes cidades os obstáculos estão nas construções, nem sempre planejadas para deficientes, na zona rural, onde ele mora, o problema é a total falta de infra-estrutura.



A única estrada é de barro e cheia de buracos e a cadeira de rodas não passa por ela. O jeito foi o pai, Joaquim, improvisar um "carrinho de mão" para transportar o filho.



"O meu transporte é com uma bicicleta. Mas não consigo passar aqui com a cadeira de rodas dele. Por isso, tem que ser no carrinho de mão", revela Joaquim.



Se o destino for a escola para fazer as provas, Ricardo é carregado por um quilômetro.



“Balança muito, é um pouco desconfortável. Mesmo assim vou, pois é o único jeito”, diz resignado.



Foi assim que ele conseguiu participar duas vezes da Olimpíada Nacional de Matemática e trazer duas medalhas de ouro. A última foi entregue na terça-feira, no Rio de Janeiro.



“O Ricardo sonha em ajudar o país com seus conhecimentos e diz ele: 'hoje, é o Brasil que está me ajudando. Mas pode ser que amanhã eu esteja ajudando o Brasil”, declarou o presidente Lula.



Para Ricardo, o momento mais emocionante da premiação foi quando ele foi aplaudido de pé por todas as pessoas presentes na cerimônia.



“Foi uma emoção tão grande, que eu só tinha vontade de chorar", recorda emocionado.



O jovem do sertão acumula medalhas e certificados. Além da matemática, ele também foi ouro nas Olimpíadas de Astronomia e Astronáutica. Por causa do bom desempenho nos estudos, Ricardo já tem computador em casa, que vai ajudar no seu sonho de se tornar um professor. Falta agora chegar a internet à zona rural de Várzea Alegre. Mas, para quem esperou 17 anos para ir à escola, o tempo parece não ser problema.



"A gente tem que começar sempre devagar e superar os obstáculos um a um para poder chegar longe", ensina o campeão da vida.


(FANTÁSTICO)



Nota:

A emoção ao ver essa reportagem foi muito positiva por despertar o desejo de dar o meu melhor. O problema é quando frequentemente pensamos que já esgotamos a nossa capacidade seja nos afazeres corriqueiros da vida como nas questões espirituais.

Baseado no fato real apresentado, Ricardo é um exemplo de vida, dedicação e por demonstrar que nunca é tarde para fazer algo grandioso por nós e através de nós. Ele almeja inclusive ajudar a sua nação e creio que já ajudou milhares com esse testemunho fantástico.

Enquanto assistia essa reportagem lembrei da parábola dos talentos de Mateus 25:14-30

Sabemos que os talentos aqui mencionados são dons do Espírito e não tenho dúvida que Ricardo Oliveira recebera de Deus um dom especial para motivar os que se acham fracos e incapacitados.

Mas quando estudamos essa parábola, percebemos que ela centraliza-se na pessoa que recebeu apenas um único talento. Você já se perguntou por que a ênfase não está no homem que recebeu cinco talentos?

O Pr. Russel Burril em seu livro "Revolução na Igreja" na página 70 afirma:

A Razão pela qual a igreja não está a avançar como devia hoje não é tanto devido às pessoas que tem muitos dons mas sim devido as muitas pessoas de um só dom que não estão a fazer nada por que acham que não tem muito. Cristo quer que as pessoas que têm menos dons compreendam que são muito valiosas aos seus olhos...

Talvez não sejamos um Albert Aiesten ou um Leonardo da Vinci, mas quem disse que não poderiamos?

O segredo está em ser apaixonado pela vida. De reconhecer que nada acontecerá sem que haja esforço e dedicação. Grandes homens desse mundo possivelmente fossem pessoas tão comuns quanto cada um de nós. O segredo era a paixão pelo que faziam.

De acordo com a parábola, aqueles que investiram o talento que possuíam, receberam mais, porém os que achavam que tinham tão pouco, perderam o pouco que tinham.

Não importa se tens 1 ou 2, o que importa é que nas mãos de Deus proezas acontecerão. E se souberes investir no dom que Deus lhe confiou, receberás muito mais...

Pense nisso!

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...